Adriana Araujo Ana Luíza Albacete

CCAwards: Os Melhores Filmes de 2015

14.1.16Eduardo Ferreira


Sejam bem-vindos a mais uma edição do CCAwards!!! Se você é novo aqui e não faz ideia do que se trata, saiba que você chegou a premiação que impacta a vida de todos os seres da galáxia. Ok, estou exagerando, mas estou empolgada, então vem se empolgar comigo!!!




~> ADRIANA: Que Horas Ela Volta


Acho esse filme um tapa na cara da nossa sociedade hipócrita. Ele mostrou com maestria a relação real entre patrões e empregados e o lugar exato que cada um ocupa. A história é bonita, simples, foi bem contada e acima de tudo me representou, pois sou filha de uma empregada doméstica e a coisa de não poder entrar na piscina? Mais pura verdade. Acho que todo mundo deveria ver esse filme, sério mesmo. 


~> ANA: Grandes Olhos

Eu ia falar Birdman, mas a Taiany já falou tudo... Então eu indico: "Grandes Olhos", filme do Tim Burton com a Amy Adams e o Christoph Waltz. O filme conta a história da artista Margarete Keane (Amy) e como o segundo marido dela, Walter Keane (Christoph) usou a arte dela indevidamente para ficar rico. É um filme sensível e incrivelmente bem feito. Foi um dos meus favoritos de 2015


~> CAROL: The Reflektor Tapes


(Antes que você fale "CÊ TÁ DE SACANAGEM, NÉ?", quero falar que a minha escola nessa parte foi baseada de forma totalmente pessoal, e não pensando em crítica de cinema e coisas do tipo, ok?)

Quando saiu a notícia que ia ter um documentário sobre a gravação de um cd de uma das minhas bandas preferidas, eu SURTEI DEMAIS (você pode ver nesse post aqui). Pra quem não é fã de Arcade Fire e nem tá acostumado com os vídeos que eles fazem, The Reflektor Tapes pode ser muito louco e a pessoa não vai gostar nadinha, mas pros fãs, é incrível, maravilhoso, é um orgasmo visual, de verdade. Pela primeira vez em quase 10 anos que eu acompanho o Festival do Rio, esse ano pude ir assistir um filme, e não ficar esperando anos (anos mesmo. Apenas o Fim manda beijos) por algum modo de baixar o filme. E qual foi o filme que eu fui ver? Isso mesmo, o documentário sobre esse canadenses/americanos/haitiana maravilhosos.


Apesar de ter tido Avengers, Star Wars, Mad Max e uma porrada de filme foda esse ano, The Reflektor Tapes ganha meu coraçãozinho e o prêmio de filme do ano pra mim.

~> DANA: Mad Max: Estrada da Fúria


Ok, foi a primeira coisa que veio na minha cabeça, então vou deixar isso mesmo (quais outros filmes lançaram esse ano?? A Esperança: Parte 2? Entre esses 2 vou ter que ficar com Mad Max) (o cinema não tem estado tão legal, pra ser sincera). Escolho Mad Max: Estrada da Fúria porque foi um filme que eu nem dava nada (noossa, mais um filme baseado em coisa antiga só pra fazer sucesso???) e de repente BROTOU SACUDINDO O MUNDO. A trilha sonora é fabulosa. A experiência de assistir é incrível. É uma versão simplificada do nosso mundo, tipo "e se o machismo fosse um vilão da disney". É uma grande produção. Protagonizada por mulher. ENFIM. Não acho que Mad Max: Fury Road seja o melhor de representatividade, mas pra mim representa que mais pessoas em Hollywood estão pensando sobre feminismo e que filmes muito bons protagonizados por mulheres podem sair do nada (tipo filmes protagonizados por homens). QUE MAIS FILMES COMO ESSE APAREÇAM EM 2016

Mais sobre Mad Max: Estrada da Fúria aqui.

~> DIEGO: Divertida Mente


Talvez parte da minha vivência durante esse ano tenha influenciado essa posição no pódio de filmes mais queridos, mas para mim, esse filme é a obra prima do ano. Delicado, espirituoso e inteligente enquanto aborda temas sérios e complexos, mesmo que facilitados para a compreensão de uma criança.



~> EDUARDO: Eu, você e a garota que vai morrer


Esse ano eu fui muito pouco ao cinema e eu não faço a mínima ideia do porque. E eu não consigo me lembrar de nenhum filme que eu saí do cinema e disse: ESSE É O MELHOR FILME DE 2015! Mas, teve um que chegou perto. Eu, você e a garota que vai morrer é aquela adaptação fechadinha que você não consegue colocar erros. Fez jus ao livro e eu amei, por isso tá aqui.


~> ELILYAN: Cinquenta Tons de Cinza


Esse ano tive uma relação complicada com o cinema, vi muita coisa fora do circuito comercial e mesmo assim nada me encantou ao ponto de desejar assistir de novo e de novo. Depois de muito pensar (e não ter conseguido assistir Macbeth e Suffragette antes do começo de 2016) decidi indicar Cinquenta Tons de Cinza. Sei que a adaptação cinematográfica do sucesso literário escrito por E.L. James passa longe de ser um filme incrível, maravilhoso ou impactante, mas como a Dana já escolheu minha primeira opção ¬¬', vou indicar o filme dirigido e roteirizado por mulheres que tem a trilha sonora que mais impactou minha playlist esse ano.

~> ISABELLE: Star Wars: O Despertar da Força

Star Wars: O Despertar da Força. Pelo amor de deus, gente. Essa franquia saiu nos cinemas pela primeira vez em MIL NOVECENTOS E SETENTA E SETE, 1977, HÁ DÉCADAS ATRÁS e aqui estamos nós, vivenciando a estreia do sétimo episódio, com tudo o que a tecnologia atual pode proporcionar ao cinema. É incrível, é absurdo, é impressionante. Não tem como não ser O Despertar da Força. E nem é só por isso né gente, porque o filme é maravilhoso



~> JOÃO: Cinderela


Eu quase não vi as grandes estreias do ano e, sinceramente, as coisas que eu mais esperava (filmes de super-heróis) foram bem decepcionantes. Mas entre os que vi, vou escolher Cinderela. Eu adoro contos de fadas e nenhum que a Disney tinha feito em live action até agora tinha me agradado muito, mas esse, talvez por eu não esperar nada, me surpreendeu. Fez algo simples e certeiro e transmitiu a mensagem do conto original de uma forma bem digna, além de melhorar algumas problemáticas. Como nenhum outro filme que eu vi esse ano, foi mágico de assistir, e, bom, isso é alguma coisa.


~> PAULO: Cidades de Papel


Não é o melhor filme que eu vi no ano passado - principalmente se considerar os 60 curtas-metragens que assisti numa mostra -, mas foi um dos mais marcantes. John Green sempre me emociona e, mais uma vez, o filme foi uma ótima transcrição dos sentimentos passados pelo livro. E ainda tem o bônus: assisti na cabine de imprensa e ainda fui na coletiva com John Green e Nat Wolff! (Obrigado, Intrínseca!)


~> TAIANY: Birdman, ou (A Inesperada Virtude da Ignorância)


Nossa, como foi difícil escolher um, porque esse ano eu vi muita coisa que gostei, além disso, em ano de Star Wars, seria quase obrigatória ele estar aqui, o filme foi foda, isso é um fato. Mas, eu experimentei um entendimento tão grande com Birdman que seria estranho não escolhe-lo. Era como se eu tivesse captado tudo o que os roteiristas queriam transmitir. Eu escrevi uma analise cheia de spoiler no filmow de tão alucinada que estava. E EU FALEI QUE ELE IA GANHAR O OSCAR E GANHOU, NEM PULEI FEITO LOUCA. 

Desculpe, vou ter que trapacear aqui e escolher dois filmes como melhores do ano. Esse segundo nem é desse ano, mas, infelizmente, eu demorei muito para ver essa maravilhosa obra. A garota ideal, além de ser um filme doce e em até certo ponto cômico, finalmente mostra uma psicologa sensata no seu discurso (cansada de ver psicólogos duvidosos em filmes). Além disso, o filme aborda um assunto polêmico, o delírio, de forma simples e direta. Nós temos a ideia errônea que o delírio tem que ser combatido, e na verdade, o que precisa ser feito é estabilizar o sujeito que tá em delírio, e se o delírio for a maneira que ele encontrou para se estabilizar, cabo, é isso ai, vamos trabalhar em cima disso. E o filme mostra de forma majestosa como o delírio deve ser trabalhado.



Agora é sua vez de escolher o melhor Filme de 2015 

TAGS: , , , , , , , , , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

0 comentários

Posts Populares

INSTAGRAM


Instagram

FALE COM A GENTE!

Nome

E-mail *

Mensagem *