Adriana Araujo Ana Luíza Albacete

[Resenha Misturada] Cinquenta Tons de Cinza, filme

21.2.15Elilyan Andrade


por Ana Luíza Albacete, Adriana Araujo, Elilyan Andrade e Isabelle Fernandes


-"Cinquenta Tons de Cinza"
- Fifty Shades of Grey (2015)
- Direção: Sam Taylor-Johnson
- Roteiro: Kelly Marcel
- Elenco: Dakota Johnson, Jamie Dornan, Jennifer Ehle, Rita Ora...
- Erótico, Romance - 120 min - Trailer
- Nos cinemas brasileiros desde 12 de fevereiro de 2015







Minicrítica ~ Sinopse:

Cinquenta Tons de Cinza é a adaptação do fenômeno literário que narra a história de amor doentio entre a ingênua Anastasia Steele e o bilionário Christian Grey.

Quer saber o que achamos desse controverso filme? Continue lendo. 

O que a Ana achou?

Eu escuto falar de "Cinquenta tons de cinza" há muito tempo. Tenho amigas que leram mais de quatro vezes cada livro e amigas que só leram uma vez e todas elas amaram os livros. Eu não tenho muita certeza, mas eu fiquei um tanto quanto curiosa quanto ao livro, mas a escrita não me agradou e larguei na página 150. Ao mesmo tempo, achei que o filme não iria por esse lado e ser mal contado... Mas foi.

Sinceramente, achei a história do filme muito corrida. Parece que Kelly Marcel escreveu o roteiro de qualquer jeito. O início do filme até que é ok, a apresentação dos personagens... Mas depois foi uma correria de uma maratona de cinquenta quilômetros para o filme caber em duas horas e contarem a história de Christian e Ana. O final foi mais absurdo pra mim: Aconteceu uma coisa, depois outra e outras e acabou. E quando começou a subir os créditos do filme eu fiquei: "Ué, o que desencadeou tudo isso?". Foi realmente confuso.

Outra coisa que me incomodou bastante: o fato de ser uma história baseada em "Crepúsculo". Eu não consegui desassociar as histórias (até porque a Ana é tão estabanada quanto a Bella). Então, tudo que acontecia eu conseguia visualizar com o Robert Pattinson e a Kristen Stewart, o que acabou ficando absurdamente desconfortável. 

A direção do filme até que é boa... Sam instruiu bem Jamie Dornan e Dakota Johnson (que são absurdamente melhores do que os de "Crepúsculo"), mas eles não conseguiram me convencer em nenhum momento, principalmente nas cenas mais picantes. Eu assistia aquilo e nada me comovia, nada me levava à acreditar que aqueles personagens estavam confortáveis, que aqueles atores estavam confortáveis... nada.

Enfim, "Cinquenta Tons de Cinza", pra mim, nada mais é do que uma fábrica de dinheiro. O livro fez sucesso, partiu fazer filme pra ganhar mais dinheiro. Eu realmente espero que nos próximos filmes eles melhorem a produção como um todo: roteiro, direção e que os atores fiquem bem mais confortáveis em cena também (e por favor que não tenha "cinquenta tons de liberdade parte 1 e parte 2).




Sobre nota: duas conversinhas, porque não tem como dar mais. 



O que a Adriana achou?

Antes de tudo quero deixar claro que não li o livro, eu até fiquei com vontade, mas não quis comprar e não arrumei emprestado, então deixei pra lá e me contentei com o filme. Saí do cinema agora há pouco e sinceramente ainda não consegui saber se gostei ou não (?). Christian é hot, disso não há dúvidas, e pra mim ele rouba a cena sendo lindo e ryco, mas achei que a Ana deu uma boa evoluída. No início achei ela super sem sal, apesar de bem bonita, mas ela cresceu ao longo do filme, se arrumando e até se impondo, de certa forma. Achei que ela seria esquisita (como na entrevista, mal vestida e caindo) todo o tempo, mas ainda bem que não foi.

Confesso que adoro um romance e minhas cenas favoritas foram as que ele foi ~~fofo~~ com ela (Quem não ia querer dar uma voltinha de helicóptero por Seattle? Ou ser a primeira a ser apesentada para a família?). Fiquei torcendo pra ele se apaixonar por ela e deixar as tais regras de lado. Não precisava deixar de curtir as paradas que ele curte, só não precisava ser frio e se afastar tanto. Ainda sobre o relacionamento em si, ele é de fato um stalker, e super controlador. É o tipo de cara de quem eu teria medo, ainda mais tendo a grana que ele tem, pois dá a ele todos os recursos pra ser um perigo ambulante. Lindo, mas ainda assim, um perigo.

Sobre as cenas de sexo: achei nada de tão ofensivo e terrível como vinham falando. O cara tem gostos ~~peculiares~~, mas achei que tem o mesmo nível de Ninfomaníaca. As pessoas tem sérios problemas com filmes de temática erótica, seja lá qual a história que ele tenha por trás da cenas picantes. Por isso filmes como esses dois são sempre tão polêmicos.



Sobre a nota: 2,5 conversinhas. Vou encaixar o filme na minha categoria imaginária de "nem bom, nem ruim", pois me deixou curiosa a ponto de querer ver o próximo, (vou ficar torcendo por um Christian mais fofo e apaixonado q), mas ao mesmo tempo a história é fraca a ponto de me fazer desistir de ler o livro.  

O que a Isabelle achou?

Se você quiser se acabar de rir, eu recomendo ver esse filme dublado. Sério, eu e as minhas amigas gargalhamos quase o filme inteiro HGUIDHGIDHGIDFHGIDFHGDIH. As frases de efeito do Christian ficaram totalmente bizarras e acabaram com qualquer tensão que possa existir no momento. Eu não sei o que foi melhor: "Eu não faço amor, eu fodo. Com força" ou "Ai, que vontade de morder essa boquinha" (este momento foi KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK SOCORROOOOO KKKKKKKKKKKKK).

Agora, sobre a adaptação em si, eu senti como se estivesse assistindo a uma versão alternativa de Crepúsculo, o que não deixa de ser verdade né. Só que ficou MUITO na cara. Em várias cenas eu pensava "Meu deus isso é tão crepúsculo" e chegou a me dar uma vergonha alheia HGUDHGUDIFHGUIDFHGID. Inclusive, o homem só aparece dormindo no início do filme e durante o resto ele vive acordado, tocando piano - olá, Edward Cullen. De acordo com a minha amiga, tudo o que ele faz nas cenas em casa é "Fode, vai pro piano, fode, vai pro piano" e é verdade qqq. 

Mas olha, eu preciso dar os parabéns pra trilha sonora. Ela casou perfeitamente com as cenas, criou os climas perfeitos durante o filme e nossa, uma maravilha. Deu todo o tchan que a história não tem. Destaque também pra cena do avião e do helicóptero, que são as que eu mais gosto no livro e ficaram ótimas na tela (com a trilha sonora perfeita ao fundo) e JAMIE DORNAN. AI AI AI, HOMEM GOSTOSO!!!! As expressões que ele fazia, os olhares, os sorrisos de lado....curti loucamente. Pena que o mais ousado que apareceu dele foi a parte de cima da virilha, enquanto que da Dakota Johnson era peito que não acabava mais. Mulher pode aparecer nua o tempo todo né, homem não. Tô sabendo.

Por fim, acho que fizeram uma boa adaptação da história, apesar de tudo. E conseguiu deixar ela um pouco mais tolerável do que o livro, além de recriar perfeitamente bem o maldito cliffhanger do final que fez com que eu e minhas amigas pensássemos: TENHO QUE VER O SEGUNDO FILME!

Sobre a nota: 3,5/5 conversinhas, porque me diverti horrores xD

O que a Elilyan achou?

Cinquenta Tons de Cinza, o filme, consegue ser mais inteligente que seu material de origem, mas não encare isso como um elogio. Antes de qualquer coisa tenho que confessar: gostei do filme. Ufa! Agora sem culpa e vergonha reafirmo que gostei do filme. Um dia espero poder dizer “gostei de Cinquenta Tons de Cinza” sem ficar constrangida. Enquanto esse dia não chega vamos a realidade dos fatos; e ela não é bonita.

Como disse anteriormente, Cinquenta Tons de Cinza, o filme, é superior ao livro, mas isso não significa muito, pois tal como o material original possui sérios problemas. Começando por algo que amo e prezo em qualquer filme: o roteiro. O roteiro do filme está muito atrelado ao livro e isso é horrível. O livro tem uma trama fraca e cheia de cenas inúteis que na tela grande se tornam ainda pior (trocava numa boa a cena desnecessária do passeio de avião por mais tempo de tela entre Christian e Ana na casa dos pais dele). 

Por preferir se focar em cenas que demonstram o poder e riqueza de Grey o enredo perde a oportunidade de deixar mais claro para o público o que torna o personagem tão encantador para Ana (além da beleza e riqueza, é claro). Apesar de não ter amado o roteiro tenho que dar meus parabéns para Kelly Marcel, roteirista, por ter conseguido transformar trechos ridículos do livro em momentos cômicos no filme, além de deixar a perseguição louca de Christian quase despercebida para olhos mais desatentos.

Além de ter um roteiro fraco o filme peca em continuar a perpetuar o male gaze. Pô esse é um filme com roteirista e diretora MULHERES e continua o olhar masculino! Ok, que em todos os momentos em que Dakota Johnson aparece nua não são de graça, mas tenho que ser honesta que me incomodou muito ter vários nus frontais de Johnson e nenhum do Jamie Dornan. Apesar do male gaze, foi interessante observar que o prazer feminino recebeu destaque. A quantidade de vezes em que Christian faz sexo oral em Ana me deixou com um sorriso no rosto. 

Apesar dos sérios problemas Cinquenta Tons de Cinza não é tão ruim quanto andam falando. O filme tem seus triunfos: trilha sonora que agrega valor a história, figurino impecável (onde compro o vestido roxo?) e fotografia linda (a cena em que Ana e Christian debate as normas do contrato me lembrou a fotografia de 007 - Skyfall). Surpreendentemente a química entre Dakota Johnson e Jamie Dornan funciona. Mais ou menos. Mas funciona. Quando não estão se agarrando é difícil comprar que esses dois sentem qualquer coisa um pelo outro, mas quando existem toques, eita, faíscas!

Na prova dos noves Cinquenta Tons de Cinza, o filme, pode ser comparado a 9 1/2 Semanas de Amor, ou seja, a um filme erótico que não é perfeito, mas que não merece ser condenado por ser como eu e você: cheio de falhas.




Sobre a nota: 4 conversinhas. Apesar das falhas eu gostei do filme. Pode me julgar. :p



TAGS: , , , , , , , , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

1 comentários

  1. Isabelle reproduzo o seu KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK SOCORROOOOO KKKKKKKKKKKKK).
    Cara a cada ida no cinema com vc é uma gargalhada a mais. To começando a achar que isso é um padrão.
    Gostei de todas as resenhas daqui, consegui entender o ponto de vista de cada uma e concordar (que louco). E pra mim, assim como o livro, o filme é ruim, mas dá uma curiosidade para o próximo. Nunca escondi que não gosto de 50 tons, mas que estou tão emaranhada na sua história como a maioria das pessoas. Então partiu 50 tons mais escuros.

    ps: (e por favor que não tenha "cinquenta tons de liberdade parte 1 e parte 2). PERFEITO HAHAHAHAHAHAHAHHAHAHAHA

    ResponderExcluir

Posts Populares

INSTAGRAM


Instagram

FALE COM A GENTE!

Nome

E-mail *

Mensagem *