A princesinha de Vader Aleph

Darth Vader e os filhos: para relembrar daqueles bons momentos com seu pai

7.8.15Dana Martins


Então chegou essa coisa super fofinha aqui em casa e EU FIQUEI MUITO FELIZ porque eu já tinha visto online essas pequenas tirinhas que brincam com o cotidiano de Darth Vader como pai de Luke e Leia. Então ver o livrinho completo em mãos apenas completou. 

São dois livrinhos "A princesinha de Vader" e "Darth Vader e filho", um pra cada filho, com tirinhas mostrando cenas cotidianas. Se já não é irônico pensar o grande vilão Darth Vader sendo um pai de duas criaturinhas sorridentes (que lutam contra ele na história original), agora imagina como seria isso em níveis práticos. Então mais que pequenas tirinhas para rir de momentos inusitados da paternidade, tudo isso é feito com referências a Star Wars e em um universo de ficção científica. É tipo o legal mais legal ainda.

É interessante como no título da Leia a princesa é algo do pai (a princesa -dele-)
e no do Luke é algo em paralelo ao pai (ele E o outro). 

Agora é o momento que eu digo que eu nunca assisti Star Wars. (meu pai sempre gostou mais de assistir coisas novas com a gente, do que ver coisa antiga... por isso nós só vimos os novos filmes de Star Trek.) (minha mãe sempre foi o lado fantasia da coisa, então Senhor dos Anéis) Enfim, Star Wars não é uma das coisas que eu compartilho com os meus pais. E nem com ninguém. O mais próximo que eu cheguei foi uma action figure da Leia quando era pequena, que eu gostava muito porque VOCÊ SABE O QUÃO DIFÍCIL É ARRANJAR BONECO DO GÊNERO FEMININO? Difícil a ponto de que uma hora eu comecei a tratar alguns os meus Cavaleiros do Zodíaco como mulheres, porque não sou obrigada a brincar com tanto homem. Então minha Leia era muito preciosa. 

nem coloquei nada pra eles ~parecerem~ mulheres. já percebeu que boneco não têm pênis? e nem personalidade própria?
por que eles teriam uma identidade de gênero??? eu só comecei a tratar como mulher


Mas eu nem sabia que o nome dela era Leia. Isso eu aprendi na internet, junto com todo meu conhecimento superficial da história. 

Isso tudo pra dizer que: você pode ler essa história sem conhecer Star Wars. 

Aí tem uma coisa interessante, que eu acho que tornam esses três os personagens ideais para narrar cotidiano da paternidade. Darth Vader é tipo o vilão, ele usa essa roupa toda empacotada, ele fica completamente desajeitado quando você coloca do lado dessas figurinhas sorridentes - é basicamente Meu Malvado Favorito sem minions. E eu imagino que isso faça sentido para muuuuitos pais. Sabe, o lance de ser machão, não chorar e tal, que é completamente desafiado quando você precisa lidar com duas bolinhas de felicidade. Não conheço o Darth Vader dos filmes, mas a figura do Darth Vader é quase que ideal pra representar o meu pai.

O pai não sabe o que fazer quando os filhos mostram amor. Ele se sente envergonhado por isso.
Não se sente confortável retribuindo carinho. Às vezes é retratado como o vilão...

E você tem a Leia e Luke pequenininhos, que são versões de referência para "filhas meninas" e "filhos meninos". Você já consegue cobrir todos os tipos de filhos com essas duas opções!!!!!!!!!!!! Ok, não. Só que ainda é uma sacada boa demais pra passar em branco. Quando os livros chegaram, o da Leia foi direto para as minhas mãos, enquanto o do Luke foi para as mãos do meu irmão. Eu até sou mesmo a irmã mais velha.

A não ser que o seu pai seja louco por Star Wars (ou você seja um pai louco por Star Wars querendo converter seus filhos - opa, outro paralelo com a história do vilão Vader e seus filhinhos), não sei se esse seria o presente mais adorado. Mas com certeza é um extra legal que vocês podem compartilhar juntos. Sentando no sofá pra relembrar os momentos engraçados da relação de vocês.

Tipo aquela vez que ele fez slut-shaming, tentando decidir o que você vestiria. Apesar de nunca ter falado de como seu irmão se vestia. 

meu pai nunca falou das minhas roupas. hmm... e normalmente encrenca com o meu irmão. 


Ou aquela outra vez que ele reclamou da roupa que você vestia, porque você tem que parecer como a moça apropriada do pai.

(ah. e sua vontade de ser vestir de determinada maneira foi desvalidada como moda,
porque você não tem opiniões próprias e é fútil)


E aquela vez que ele esperou que você lavasse tudo o que tá na cozinha porque é o que esperam de você como mulher. :)



E aquela vez que ele confiou em um homem pra cuidar de você, a princesinha indefesa. Ele tá certo, vai que surge uma moda estranha e você não se aguenta??????????????

foco no: ele é que responde


Ou quando ele te mostrou algo que adorava, e você não gostou porque: nossa, coisa de homem! chato. 



E aí depois você levou ele pra ver algo ~de menina~ e ele ficou dormindo. Seria tão bom se pelo menos vocês tivessem o mesmo gênero e, quem sabe, pudessem ter o mesmo interesse! 



Ou quando você arranjou outro homem que gostava e seu pai teve um ataque, porque foda-se você ter uma vida independente. 

O que há de mais terrível para um homem do que uma mulher arranjando outro homem, né??


Teve aquela vez também que você quis dizer uma coisa significando outra. Lembra? Logo antes da vez que você disse "não" pra sexo e ele entendeu como sim. Porque garotas são seeeeeeempre assim. 



Ou como você aprendeu a se preocupar com o peso e aparência - e que deve controlar a vida dos outros com base nisso. 



E, pra não estragar toda a supresa da leitura, vou completar só com aquela vez em que seu irmão não queria ter você porque você é menina. 

Garotas? Quem quer ter uma irmã garota? Recebe menos por trabalhar o mesmo, é fútil,
precisa ser protegida de outros homens... Tanto trabalho. Aliás, sabe o que seria legal?
Uma tirinha em que a Leia menstrua e o Darth Vader precisa cuidar. 


Oh, grandes memórias! Que nunca aconteceram, na minha vida, mas é meio preocupante que a gente considere normal. Esses dois livros são tão fofinhos e divertidos, que eu debati muito sobre falar desse lado, E EU PERCEBI QUE EU NÃO CONSEGUIA FICAR CALADA (talvez essa seja a minha semelhança com essa Leia das tirinhas). Por ser algo tão baseado em gênero, é até um mini-manual de como mulheres são tratadas e a diferença em relação aos homens.

O que muda de um pra outro? O gênero. E isso transforma todas as tirinhas. 

Quando entra um namorado em cena, é como se ela não tivesse controle sobre a própria vida (o diálogo é centralizado no Darth Vader e no Han Solo). Outras tirinhas mostram a Leia como mandona (outro estereótipo de mulher). Aquele ali do "não tem nada errado", não só reforça essa ideia de que as mulheres dizem uma coisa querendo dizer outra, como também que são seres incompreensíveis que nenhum homem entende e fazem drama em cima de nada. Várias vezes Leia é retratada como fútil nos gostos ~adolescentes~ dela ("oh, coisa de garota"), tipo quando Darth Vader vai preocupado achando que é algo importante pra no fim ela só querer saber se ele viu a foto nova de perfil dela. Ela é mostrada fazendo várias coisas consideradas femininas - tipo pintando a unha, fazendo tricô, jogando conversa fora com a amiga. Sem falar de todo o slut-shaming (fazer Leia se envergonhar, ou mostrar o Darth Vader desconfortável, por ela usar roupas curtas e maquiagem). 

Se você compara com o do Luke, é muito mais sobre o Darth Vader levar o filho para aventuras (zoológico...) e o menino ser impulsivo adorando fazer merda. Não aparece nenhuma namorada pra ele. Os problemas que ele causa é por ser "impossível". Ou ter como ídolos pessoas que não agradam o pai. 

Não quero nem olhar muito mais pra não perceber mais coisas.

Só pra constar: até tem momentos legais. Mas eles não desvalidam os outros. 

Só pra constar: até tem momentos legais. Mas eles não desvalidam os outros. 

Se isso não causar um apocalipse depois que vocês relembrarem juntos de toda vez que seu pai foi um babaca, talvez vocês possam até assistir Star Wars juntos e ter, finalmente, algo em comum! 

TAGS: , , , , , , , , , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

10 comentários

  1. QDO EU VI ESSE POST EU FIQUEI HISTERICA PQ VI O LIVRO NA LIVRARIA ONTEM E FIQUEI HISTERICA PORQUE QUERIA.

    Mas achei muito interessante suas resalvas, quando eu conseguir le-los prestarei atenção nesses fatos.

    Nunca fiz essas coisas com meu pai, meu primeiro "passeio" com ele foi com 23 anos num bar que toca rock, que é q única coisa que temos em comum. Quando vc falou que seu pai é tipo o Darth Vader, reparei que o meu tb, meus pais são separados, e meu pai nunca entendeu que isso não separava isso dos filhos tb.

    De qlqr forma, fiquei mais ansiosa para ler e ter o livro, ontem li várias das tirinhas e hoje vc colocou mais aqui. Só tenho um sentimento: EU PRECISO.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Minha relação com meu pai é muito complicada, maaas nós temos lá nossos momentos em comum. E, pensando agora, ele não foi um babaca completo. Ele compartilhava comigo as coisas que ele gostava quando criança. Nós gostamos de viajar e de filmes. Apesar de às vezes ele achar que precisa manter a aparência macho hétero™, ele é ok. Poderia ter sido muito pior...

      As tirinhas são divertidas. É só uma pena que reforce essas coisas. :/

      Excluir
  2. Não tenho pai... peraí, minha mãe não me fez com o dedo, é só que meu pai morreu quando eu tinha menos de dois anos de idade, então tenho zero lembranças de uma a relação pai e filha/filho. Óbvio que tive algumas relações masculinas, mas nada ao ponto de dizer que eles representam uma relação paternal. Seja como for, fiquei bastante interessada nesses livrinhos de Star Wars porque amo a trilogia clássica.

    Confesso que quando vi algumas tirinhas da princesa Leia (a nova princesa da Disney. HAHAHAHAHA) sabia que seria o clichê de gênero ultrapassado. Aff. Sua resenha só confirmou o que já pensava. Mesmo assim PRECISO desses livrinhos. Acredito que eles serão uma forma leve de introduzir meu sobrinho, de quatro anos, no universo Star Wars. ;)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou fazer uma versão alterada com a Leia respondendo nessas tirinhas porcarias e você mostra pra ele. HUAHUAHUAH fiquei pensando que eu não queria mostrar nem pra o meu pai nem gostaria de dar pra os meus filhos uma coisa dessas que ensina a tratar mulher assim :( mas o do luke não é tão problemático. é só cortar o que ele reclama da irmã ou trocar por EU AMO MINHA IRMÃ :x

      Excluir
  3. Tenho quase 0 conhecimentos sobre Star Wars também. Eu nem sabia que a Leia e o Luke são irmãos. Risos. Comecei a ler o texto meio "Hum... livrinhos fofinhos" e meu queixo foi caindo enquanto eu lia o resto, achei que vc fosse terminar louca da cabeça. AINDA BEM QUE VC FALOU SOBRE ISSO. Achei muito válido.

    (EU TAMBÉM FAZIA CAVALEIROS DO ZODÍACO DE MULHERES HAHAHAHAHAHAHAH As minhas brincadeiras eram muito elaboradas, eram como novelas e eu PRECISAVA de mulheres na história. Nenhuma boneca tinha as mesmas proporções (eram todas gigantes) de um boneco desses, e o Cavaleiro do Zodíaco era perfeito pra isso. Alguns do Shurato também, mas eles precisavam de vestido de papel de bombom para serem mais convincentes -q)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. HUAHUHAUAH FELIPE <3 Eu sempre acho que Luke e Han Solo são os mesmos. E como é que termina louca da cabeça???

      HUAHUAHUAHA CAVALEIROS DO ZODÍACO MELHORES BONECOS AGENDER. E entendo o drama das proporções. Eu tinha bonecos e bonecas, mas era muito ruim brincar juntos porque *vem a barbie com 2 metros e o bonequinho que não chega nem no joelho* E pra brincar de Barbie, tem muito homem. Uns 500 Ken, Bob ou qualquer nome assim. Eu tinha Max Steel, Homem-Aranha, Tarzan, Hércules... então dava pra equilibrar. Agora boneco?

      Eu tinha a Leia, uma Esmeralda (Corcunda de Notre-Dame), a Lara Croft, power rangers mulher (só que eu devia ter uns 3 anos quando comprei essas, então pra fase final elas já tinham desaparecido) e os cavaleiros do zodíaco sem armadura mesmo. Nunca coloquei roupinha em boneco não HUAHUAH Eu tinha do Shurato, mas usava eles como homens e tinha uma crush imensa em um verde que nem lembro quem era. Enfim.

      Minhas histórias com bonecos eram mais ação e aventura. Acho que nunca fiz nenhuma novela elaborada.

      Excluir
    2. "E como é que termina louca da cabeça???". Meio que odiando os livros furiosamente, jogando na fogueira e fazendo um apelo pra ninguém comprar.

      É exatamente esse drama! Acho que a única mulher que tinha entre os meus bonecos era uma power ranger amarela que, ironicamente, era MENOR que os bonecos. E usava capacete 100% do tempo, então era meio difícil abstrair nas brincadeiras que ela era uma pessoa normal. Teve uma época que começaram a surgir uma bonequinhas estilo Barbie só que menores. Funcionavam melhor, mas ainda eram muito cabeçudas e não ficavam de pé que nem os bonecos (Aliás, esse também é um problema das Barbies e derivadas. Pior ainda que umas nem têm articulações decentes! COMO AS MENINAS CONSEGUEM BRINCAR COM ELAS?). Enfim, era um desafio. Nossa, eu ficaria muito satisfeito com uma Lara Croft na minha época.

      As minhas brincadeiras tinham trocentos personagens, o tempo passava, quando a gente (Eu e 2 amigos) tinha que parar de brincar, terminávamos com um clímax na história e, no dia seguinte, continuávamos na mesma parte HAHAHAHAHAAH Tipo, uma brincadeira poderia durar MESES. Quando a gente enjoava, tentávamos, tipo, "Vamos fazer passar uns 20 anos?", aí as crianças cresciam, alguns personagens morriam e surgia uma história com plots novos, mas com o contexto de sempre!!! Bons tempos :D

      Excluir
    3. Vocês reclamando dos bonecos de alturas diferentes....minha avó nunca me deixou ter um max steel porque ela dizia que era "brinquedo de menino", então os pares pras minhas susis eram....URSINHOS DE PELÚCIA

      AGUENTEM ESSA HGDFUIGHDIHGFIDHGIDH

      Excluir
    4. OK, ISSO É CHOCANTE!!!!!!!!!!!! Às vezes eu penso que a minha família esqueceu de receber o memorando explicando essas coisas. foi sempre tipo "É DE MENINO" "EU QUERO" "tá" E eu nem lembro muito de tentarem me impedir de comprar (só a minha avó e quando eu era um pouco mais ~velha~), apesar de eu ter internalizado isso e ter vergonha de comprar (comprava mesmo assim). Minha mãe é que comprava pra mim. Às vezes ela saía e voltava com algo tipo, um boneco do Street Fighter que eu nunca nem pedi.

      Excluir
    5. sobre brincar com barbie: não faço ideia de como eu sobrevivia. acho que: parede HUAHUAHUAHAUH ou deixava a bichinha deitada esperando a vez dela de entrar em cena. mas eu tinha umas da disney (mulan!!! esmeralda!!!) que era todas articuladas, muito bom. Pareciam uma perereca perto da outra... Gostava também de uns ken da vida que viam com o braço meio curvado no melhor estilo "to te abraçando" porque eles ficavam abraçadinhos

      minhas brincadeiras eram efêmeras e on repeat: tinha de sentar e passar o dia todo brincando até ser obrigada a ir dormir. mas Às vezes armava acampamento no quarto, depois tava de boneco na varanda, e aí ia pra outro lugar. Eu sinceramente não sei que tanto de história eu inventei em todos os anos, dias, horas que eu passei brincando.

      Excluir

Posts Populares

INSTAGRAM


Instagram

FALE COM A GENTE!

Nome

E-mail *

Mensagem *