A Arte de Pedir Amanda Palmer

Eu terminei de ler Arte de Pedir, mas o livro ainda não terminou comigo

6.8.15Dana Martins


Eu estava enrolando pra fazer a resenha desse livro, em parte porque eu acho que a minha história com esse livro não terminou. Pera, como assim a minha história com esse livro? Eu nunca tinha pensado nisso até ler a A Arte de Pedir, da Amanda Palmer, mas já parou pra pensar na segunda história escondida por trás de cada livro? A sua história com a leitura.

A minha começou com admiração pela Amanda Palmer. Eu não realmente sabia quem era ela, só topava em coisas pelas internet e aí o nome dela foi sendo gravado na minha memória como "alguém legal". Soube que ela fazia música. Falava coisas interessantes. Era casada com o Neil Gaiman. Aliás, eu usei a Amanda de capa em um post sobre financiamento colaborativo antes mesmo de eu associar a pessoa com o rosto. 

Então sei lá como eu vi que ela tava lançando um livro chamado "The Art of Asking" (A Arte de Pedir). E por mais que eu não soubesse nada sobre ele, já fazia sentido pra mim. Pedir é definitivamente uma arte que eu não domino.

Por acaso na época eu mandei uma newsletter da Hora da Conversa falando justamente sobre a dificuldade de pedir, e o tempo todo meu cérebro ficava no fundo: 
talvez você deveria ver sobre o que é esse livro da Amanda Palmer. Você sabe que ele é baseado em uma palestra do TED? Você pode assistir a palestra. O que você acha? 


É claro que eu absolutamente odeio parar pra assistir vídeos e mandei minha news mesmo assim. Aí sim eu acabei vendo o vídeo, porque lógica que se dane.

E depois de ver o vídeo era óbvio que eu tive que indicar aqui, então rolou esse post onde eu falo que gostaria de ler The Art of Asking (na época, só em inglês), mas não tinha condiçõe$$$ de importar. Mais do que isso: tomei coragem e pedi o livro.

Algum tempo depois apareceu uma pessoa pedindo meu endereço no twitter. Tive certeza de que ia ser sequestrada. Meu nível de descrença foi tão grande que depois de (pânico interno) acabar dando o endereço mesmo assim eu só fui acreditar quando alguns meses depois o livro apareceu aqui em casa. Eu não consegui nem agradecer. Parte de mim pensava que estava sendo sacaneada. Meu medo de pedir é tão grande que eu não tive nem coragem de perguntar se era sério mesmo.



Acabou que era verdade. Eu pedi aqui no CC e uma pessoa me deu o livro de verdade.

De lá pra cá, muitas outras coisas aconteceram. Outra pessoa desconhecida veio me oferecer o livro. A Intrínseca me deu o livro em português (eu pedi. nós somos parceiros). Eu tenho aprendido a pedir mais. Eu ganhei uma pessoa super importante na minha vida. Eu até... *choque* li o livro!

E essa é uma parte da história que eu ainda não posso revelar exatamente.

basicamente eu com o livro. deveria ter tirado uma foto assim pra o Balanço de Leituras

Só que A Arte de Pedir é um pouco a biografia da Amanda Palmer - como ela passou de trabalhar como uma estátua viva na rua para poder viajar o mundo como artista fazendo música. E, principalmente, como ela fez isso pedindo. Está tudo lá, é quase surreal demais pra ser verdade. Algumas partes me enchiam de medo. Como é que alguém pode viver assim? Como isso é possível? Mas a verdade por trás das palavras é inegável, porque mesmo sem planejar na minha própria experiência de leitura eu vivenciei o que ela dizia.

Só pra te situar um pouco mais: Amanda Palmer fez turnês em que ela dormia na casa de fãs ao redor do mundo. Ela fez turnês em que os fãs davam comida pra toda a equipe dela. Ela pediu os fãs e eles deram 1 milhão de reais para ela gravar um cd.

essa é a amanda palmer pelada sendo rabiscada pelos fãs 

O que é interessante é que esse livro começa com um dilema: mesmo depois disso tudo, ela não conseguia pedir para o marido dinheiro emprestado.

Como diabos a Amanda Palmer, que fez tudo isso, não podia pedir e justamente para o marido dela? E a partir disso é um: peraí, por que nós não conseguimos pedir? Qual é o nosso problema? O que está entre nós e "ei, você pode fazer isso pra mim"? Então ela discute isso nesse livro através da própria vida.

A Arte de Pedir é o tipo de livro que eu indico pra todo mundo. Dá pra aprender muita coisa a partir dele. Não só sobre pedir, mas ser vulnerável, se conectar com outras pessoas, ser um artista, ser você mesmo, etc. Hoje mesmo um amigo meu estava falando sobre o medo de que todo mundo odeie a história dele (ou nem leia) quando ele publicar. E eu quis jogar A Arte de Pedir na cabeça dele.



Por hoje eu vou parar aqui. Agora você já sabe sobre o livro, que é incrível e que nós temos uma história - que eu espero um dia voltar para contar. Vou só finalizando dizendo duas coisas. A primeira é que enquanto eu lia eu percebi que "asking", traduzido como pedir, em inglês também tem um significado de perguntar. Acho que esse é o sentido implícito da palavra que a Amanda Palmer descobriu. Pedir não é exigir algo de alguém, é perguntar algo. 

Ei, você pode fazer isso pra mim?

sim. não. talvez. depende.

Perguntar é obter uma informação. E, às vezes, o único jeito de saber se a pessoa pode fazer aquilo por você é perguntando.

Além disso, algo muito importante pra mim, foi o não como resposta. Às vezes a gente evita pedir porque pode dar errado, mas se você só pede quando vai dar certo não é pedir, é exigir aquilo da pessoa. 

Enfim, aprendi muito com esse livro. E mesmo agora continuo aprendendo. 


Título: A Arte de Pedir
Autora: Amanda Palmer
Editora: Fantástico Rocco
Páginas: 304
Ano: 2015
No Skoob
Para comprar: Saraiva - Submarino - Amazon

Nota:
(5/5 conversinhas)


***
Obrigado, Intrínseca <3

TAGS: , , , , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

14 comentários

  1. Já está na lista dos meus desejados. Eu adoro isso do "se conectar com pessoas". Eu estou vendo esse livro em todo lugar. Aparece no meu feed casualmente, em vários posts de gente legal: "Eu estava lendo a Arte de Pedir e...". QUERO.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. LEIA. ele foi muito importante pra mim e continua sendo <3 Eu uso quase como um manual de repensar a vida e pensar em como eu posso agir. Ele abre a porta para um monte de possibilidades, que são reais. E por mais que ele foque na ideia de "por que nós não conseguimos simplesmente pedir?", ele pra tentar entender isso discute vários assuntos. Pra ter ideia, o livro começa com ela pedindo absorvente. É como sentar com um amigo muito legal e aprender com ele

      Excluir
  2. Eu tô louca pra ler esse livro desde a Turnê Intrínseca. Eu li o prólogo e amei! Ta na minha lista pra pedir de aniversário.

    ResponderExcluir
  3. Mudou a minha vida.
    Experimenta fazer o exercício do "do que você tem medo?" com alguém.
    É assustador.

    Ah. E sempre aparece alguém fantasiado de estátua de dragão na vida da gente.

    Cabe a nós sermos capazes de reconhecer aqueles olhos de algum lugar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu não sei se entendi direito o que você quis dizer ._. E que exercício é esse?

      Excluir
  4. Eu também não conheço muito sobre a Amanda Palmer, mas eu acabei de ouvir uma musica dela que é simplismente INCRÍVEL ,e queria indicar pra você.
    https://www.youtube.com/watch?v=Q9WZtxRWieM
    Dá uma olhada na letra da musica.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. obrigada por compartilhar, estou ouvindo agora <3

      Excluir
  5. Olha, te dizer que eu tinha uma treta com a Amanda Palmer porque ela meio que defendeu um estuprador aí nas redes sociais (foi isso?)...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. não tava sabendo disso o.õ ela sabia que era estuprador?

      Excluir
    2. http://www.huffingtonpost.ca/2014/10/29/amanda-palmer-jian-ghomeshi_n_6069708.html

      http://www.salon.com/2014/10/31/amanda_palmer_refuses_to_take_a_stand_on_jian_ghomeshi/

      Excluir
    3. wow. não sabia disso, obrigada por compartilhar. pelo que entendi, ela tirou o suporte depois? imagino que o que deve ter acontecido é que ela não fazia ideia disso e provavelmente quando começaram a falar, ela decidiu não acreditar e continuar com os planos. é complicado. você conhece alguém que parece ser legal, escuta algo, não sabe se é verdade... eu não sei o que aconteceu, eu também não sei o que faria nessa situação. acho que a pior parte é que isso acaba protegendo o agressor e tirando a voz das vítimas

      teve um caso parecido com a escritora de brumas de avalon (só que pior). ainda não consegui pensar em como lidar

      Excluir
    4. Se não me engano, um site feminista que eu seguia na época que postou sobre a confusão e eu meio que acompanhei pela página do facebook dela. O que pegou foi que, mesmo com a denúncia, ela continuou defendendo o cara (cultura do estupro, alguém?) e dizendo que ele ia sim participar da turnê dela. Foi só quando a coisa ficou séria, que mais mulheres apareceram denunciando (e eu creio que deva ter rolado ameaça de boicote também), foi que ela meio que saiu pela tangente perguntando "o que os fãs queriam". E óbvio que a maioria não queria o cara lá e foi o que aconteceu. Parece que o pessoal já tem uma treta antiga com ela, então ela ser oportunista nesse momento não foi bem visto.


      Eu também não costumo saber lidar muito bem quando acontece determinado tipo de coisa com os artistas que curto. Eu fico dividida entre esquecer da vida particular dele ou esquecer dele completamente. Teve um caso, há um tempo, de um roqueiro inglês eu acho, que estava envolvido com pedofilia ou algo assim. Por melhor que o artista seja, que você goste da sua arte, tem como relevar uma coisa dessas?!

      Excluir
    5. eu não posso dizer o que aconteceu (óbvio né), mas tava pensando que tem outra perspectiva: tipo, falam tanta merda de artista na internet, já falaram tanta merda dela mesma, que talvez ela não tivesse levado a sério. de qualquer forma, foi ruim e teria sido melhor se ela tivesse voltado atrás e percebido

      Eu também fico assim. Tipo, se é um caso sério: fulano metido com pedofilia. Acabou suporte. Acabou tudo. Eu posso até ouvir a música uma vez e gostar, mas não de modo a espalhar e dar a voz. Se é um caso tipo esse da Amanda ou o da Taylor com a Nicki Minaj, até mesmo um pouco a Miley, eu já não sou de excluir, só se a pessoa continua fazendo merda (Jeremy Renner no caso de chamar de slut a Viúva Negra).

      Mas, também, não acho que eu deva fazer nada. Só na hora de decidir o que eu escrevo aqui ou compro, etc. Julgamento por si só não serve pra nada.

      Excluir

Posts Populares

INSTAGRAM


Instagram

FALE COM A GENTE!

Nome

E-mail *

Mensagem *