#biweek bissexual

Por que é tão difícil entender bissexualidade?

1.10.16Dana Martins


E lembrei agora que essa semana eu queria escrever um post sobre bissexualidade, porque... por que é tão difícil entender o que é ser bissexual? Sério, é bizarro. Na lógica, é simples: pessoas que sentem atração por mais de um gênero. Caramba, qual a dificuldade de entender? Tem todo tipo de gente que a pessoa olha e pode ter vontade de ficar, e isso não depende de gênero. Viu um homem que gostou? Wow. Viu uma mulher que gostou? Wow. Onde tá a dificuldade nisso?


Mas ainda assim, tem gente que pergunta "como assim?", tem gente que diz "ah, não, é só uma fase, não existe de verdade", ou "tá só experimentando", ou "sou heteroflex, NAS FESTAS PEGO GERAL". E você tem músicas tipo "Cool For The Summer" e "I Kissed a girl", e artistas como a Jessie J que já tiveram relacionamento com mulher, MAS NENHUMA DELAS ENTENDE O CONCEITO DE BISSEXUALIDADE OU FALA SOBRE ISSO. E até mesmo, como os posts da semana da visibilidade lésbica mostraram, tem gente que pensa que é bissexual antes de perceber que - opa, era só heterossexualidade compulsória. Aliás, aliás, hoje cedo eu tava assim lembrando de Faking It:





Porque eles ignoram a bissexualidade TANTO. Eles tem um episódio temático já 50 temporadas depois pra discutir bissexualidade, isso usado como recurso de comédia e ainda pra deixar a personagem Karma meio em dúvida. Enquanto a Amy tá desde o início pegando garota e garoto, e reclamando de "rótulos". Pf. Em uma história pró-LGBT+ que entende a existência da bissexualidade, a discussão estaria ali desde o início. Dizer em voz alta "bissexualidade" não é contagioso, não. Se a personagem não entende a própria sexualidade, e quer passar por essa jornada de autoconhecimento, não mata discutir se "peraí, pode ser que eu seja bissexual, o que é isso?" ou "ok, o que eu sinto se encaixa como bissexual, mas eu não me sinto confortável pra me identificar assim, ou de qualquer outra forma... então vamos devagar." (isso sem falar da bifobia direta que tem na série)


Aliás, como o post "O preço do privilégio bissexual é o nosso apagamento", você vai ver que é bem assim: ninguém tem problema de falar lésbica, usar mil nomes (normalmente xingamentos ofensivos), MAS NA HORA DE FALAR A PALAVRINHA "BISSEXUAL" A COISA FICA SINISTRA. Não, rótulos não. Já tô quase no ponto de adicionar essa rejeição a rótulo como parte integral da bifobia. 

Voltando pra questão do "ser difícil entender", mesmo que o conceito seja simples e qualquer criança de 3 anos consiga dizer, o significado parece obscuro. 


Acho que isso vem muito da nossa cultura de repressão sexual. Porque é uma cultura disso, a gente pode até ter umas "liberdades" agora e todo mundo sai pegando geral e dançando na boquinha da garrafa, mas conversar sobre sexo e entender sexualidade ainda é tabu. Nenhuma pessoa comum sabe o que é atração sexual, a diferença disso pra atração romântica e a diferença disso tudo pra imposição social (heterossexualidade compulsória).




Pra ter ideia, uma vez eu tava lendo um relato sobre uma garota falando como isso confunde a cabeça, porque pra mulher, muito do valor próprio dela construído culturalmente é baseado em como ela atrai homem. A mulher boa, bonita, ideal, é aquela que deixa os homens loucos. Pega uma música da Meghan Trainor, toda a argumentação dela sobre "ser gorda é bom" é baseada em "é bom porque os homens gostam disso!" Aliás, pra garota gorda, quando tentam fazer representatividade positiva, é sempre sobre sexo. Se ela consegue ser desejada pelo cara gostosão, se ela sai por aí pegando geral, então é a prova de o corpo dela desse jeito é válido. Epa. Voltando pra o assunto... então você tem essa cultura muito forte onde o valor da mulher é medido pela capacidade dela de atrair homem. E aí você tem uma garota lésbica, que não tá nem aí pra atrair homem, mas mesmo quando ela sabe que é lésbica, muitas vezes ainda tem o reflexo enraizado de anos de "querer parecer bem pra homem". Não é atração sexual. Não é nem atração romântica. É só que mulher é treinada a parecer bonita pra homem.

Mamãe disse "filha, não se importa com o seu tamanho,
porque garotos gosta de uma bundinha maior pra segurar à noite"


Ou seja, separar todas essas coisas é muito difícil. Ainda mais em um contexto homofóbico, que a pessoa cresce tendo medo de ser gay, e bifóbico - onde mesmo depois que ela sabe que gostar de alguém do mesmo gênero existe e é ok, ainda não sabe que sentir atração por mais de um existe. E mesmo quando sabe acaba sendo excluída de espaços LGBT+ e hétero.



Tá, mas aí como é que faz pra saber a própria sexualidade?




Não sei. 

É algo com você, e você tem que se conhecer e também conhecer as definições. 

Só lembra que não existe nenhuma pressão pra fazer isso logo. Existe esse mito de que ser LGBT+ é uma decisão, o pessoal glorifica a "saída do armário", mas não existe um momento revelador onde o chapéu seletor te diz a sua sexualidade. Se você for LGBT+, você já é desde que nasceu, querendo ou não, independente de com quem você fica. Se você for bissexual, você pode se chamar de hétero, gay, ou o que quiser, mas ainda vai ter essa parte de você. 

Não importa como você se define. 

Importa que você não esteja sofrendo, que você não tenha medo, que você não deixe de viver a vida que você quer e ter as experiências que você quer, porque alguém inventou que precisa ser de um jeito. Importa você saber que existe mais um monte de pessoas iguais a você, e que você não vai precisar ficar se escondendo ou fugindo dos próprios sentimentos com elas.



Enfim, pra finalizar, algumas definições sobre bissexuais:


- Pessoa que sente atração sexual por mais de um gênero 

- Não importa o grau dessa atração. Varia de pessoa pra pessoa, e às vezes a própria pessoa dependendo do momento sente atração por mais um gênero do que o outro. 

Atração pelo mesmo gênero (azul) vs. Atração por outros gêneros (rosa)







Na realidade, isso funciona tipo:

Fulana normalmente se interessa muito mais por homem, mas tem Aquela e Aquela mulher que chama atenção.

Fulano dificilmente encontra alguém que gosta, mas quando encontra às vezes é garota, às vezes é garoto.

Não existe uma Medida Perfeita de Atração que define a bissexualidade. 

- Não precisa ter já ficado com os dois gêneros pra saber. Gente, é atração, é vontade, não a coisa em si. 

- Estar namorando com alguém de um gênero não te faz menos bissexual. Não quer dizer que você vai lá e vai pegar outra pessoa. Mas você não muda como o seu corpo funciona, ué. Pensa em termos de gente famosa que você pegaria. Tu pode gostar de mais de um ao mesmo tempo. Isso não quer dizer que tu tá pegando todas essas celebridades. 

- Muita gente confunde comportamento/intenção com sexualidade, mas não é assim. Por exemplo, se eu falo "não tenho interesse em ficar com ninguém, não tô ficando com ninguém, nem planejo ficar com ninguém" - a pessoa vem logo IH ASSEXUAL. Mas não?? Como eu quero manter as minhas relações, não é o mesmo que a minha sexualidade. Posso me sentir atraída só por homem, mas não querer ficar com nenhum. Ainda sou hétero. Posso não sentir atração sexual, mas ainda ter uma namorada. Ainda sou assexual. Sexualidade é a atração, atração, atração, o que eu posso sentir vontade sexualmente, como o meu corpo reage. O que eu faço aí já é outra história.



Então pra que saber sexualidade, se você pode é um garoto bissexual que namora a vida toda com outro garoto? 

Que diferença isso faz dizer que é bissexual?




Porque todo mundo que não é hétero se fode. Existe medo, raiva, rejeição que são internalizados. Tem gente que passa a vida inteira sofrendo e se obrigando a fazer coisa que não gosta. Lembro na semana da visibilidade assexual um relato que eu li, de uma garota assexual falando que a mãe disse pra ela "se você não quer fazer sexo, bebe antes e deixa o seu marido se divertir, você nem vai ver passar." (lembrando que assexual não significa não fazer sexo, mas essa garota não queria). Imagina que merda isso. 

Eu às vezes vejo aquele típico caso de "ah, na festa rola...", mas aí fora disso... não? Por que não? A pessoa nem percebe que isso não é só uma pegação passageira, que ela pode ter uma relação com alguém do mesmo gênero. 

E mesmo que você, na sua vida, não vá fazer diferença, isso pode mudar o mundo pra outra pessoa que tá presa em uma "caixinha" deixando de viver de uma forma só porque não sabia que podia.


O ponto é: é tudo bem. Nós existimos.
Não deixe ninguém te fazer sentir que não é válido.
Ninguém sabe a sua jornada além de você.
#ConsciênciaBissexual



--------------------

Em outras notícias, o Batdrama agora é enviado por email, só se inscrever nesse link. Falo sobre vida, cultura pop, representatividade e escrita. São coisas mais passageiras que não cabem num post, mas são legais de compartilhar. 

TAGS: , , , , , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

0 comentários

Posts Populares

INSTAGRAM


Instagram

FALE COM A GENTE!

Nome

E-mail *

Mensagem *