50 tons de Cinza bdsm

Fanfiction, o poder da sua voz na internet e 50 Tons de Cinza

8.4.15Dana Martins


Acho tão divertido com o quão somos levados a sério. Acho tão divertido com o quão somos mentirosos no mundo real. 

Estou acompanhando de longe há bastante tempo o surgimento de 50 Tons de Cinza. Uma fanfiction, que virou livro, que foi publicado, que fez sucesso no mundo, que passou a ser chamada de erótico, que vai virar filme, que tá dando mais confusão ainda por virar filme... Dessa vez encontrei uma matéria falando que a autora não concorda com o final do filme e vai boicotar o lançamento caso eles insistam em continuar assim. Por sua vez, a diretora e a equipe insistem nesse final porque "é mais inteligente". É o momento em que as coisas ficaram claras pra mim: eles realmente fizeram isso.

Realmente pegaram uma fanfic e transformaram em um filme.

Minha primeira reação ao ver a diretora falando que "é mais inteligente" foi pensar que isso era sinal de merda. Merda porque não é a primeira vez que eu vejo algum comentário assim das pessoas envolvidas sobre o filme. Tipo, "nós vamos fazer isso aqui, mas achamos uma merda e vamos agora fazer direito". 

Essa história que ficou famosa porque as pessoas gostam é uma merda, nós é que entendemos como faz.

Pode ser uma merda, mas quando a E.L. James sentou para escrever em seu computador, ela estava falando em uma linguagem que Hollywood tenta entender: desejo. Essa é a força das fanfics. O desejo de ver uma história acontecer. O desejo de transformar em uma realidade acessível o desejo de conhecer aquele cara da banda que você tanto gosta. O desejo de ver todas aquelas cenas fofinhas do seu casal preferido que não mostra no livro porque a trama principal é matar monstros. O desejo de misturar Enrolados, Como Treinar Seu Dragão, A Origem dos Guardiões e Valente só porque os quatro protagonistas juntos fariam uma grande história. 

Muitos desejos. 

Na base, a fanfic é o meio da pessoa recuperar a própria voz. Pegar de volta o poder sobre as narrativas que moldam a nossa cultura.

Nós não queremos mais um mocinho babaca matando todos com sua arma enorme e ganhando de prêmio a mocinha no fim do dia.

Nós queremos uma história delicada em que ele ajuda a recuperar seu melhor amigo de um trauma enquanto os dois lutam para salvar o mundo. 

Seria muito estranho se a Marvel lançasse uma HQ em que o Capitã América casa com
o Homem de Ferro e o Homem-Aranha é filho deles, MAS É INCRÍVEL.
E TEM AS MELHORES FANARTS DO MUNDO.


Então vamos escrever isso. Vamos ler isso.

Foda-se o resto do mundo. É exatamente isso: Foda-se o resto do mundo.

Se você quer escrever uma história em que a Hermione é mandada para uma detenção com o Snape e os dois fazem sexo, você pode.

"Que coisa horrível"

"Não tem trama"

"É mal escrito"

Filtros e mais filtros.

A questão é que como livros e filmes, existe fanfic de todo tipo (boas ruins, de todos os temas), só que diferente dos dois primeiros, não há a menor seleção. Se eu quiser agora escrever algo muito racista e abusivo posso colocar na internet e as pessoas podem ler. Poço escrev até msm açim. Um desejo partilhado por duas pessoas já é o bastante. Enquanto em um livro há uma maior preparação, porque: dinheiro. Se uma editora vai gastar tempo, dinheiro e recursos nisso, tem que passar por um filtro que tem que garantir que as pessoas vão gostar. Se você vai fazer isso em um filme, o filtro é maior ainda porque é muito dinheiro envolvido e muita gente tem que gostar.

Tem que ser um desejo de muitos. Mas o preço que pagamos é a verdade.

Assassinamos as histórias que queremos contar em nome do que "vai dar mais certo". 

Assista a palestra O Perigo de Uma Única História da Chimamanda Ngozi Adichie


Sem falar das críticas. Afinal, sexo no cinema não pode ser pornografia pura, tem que ser inteligente.

Então é muito divertido ver a transição de 50 Tons de Cinza da fanfic para o cinema. É uma contradição engraçada. A fanfic poderia ser uma merda, mas reuniu gente o bastante a ponto de lançar um livro e ganhar dinheiro pra isso. Tem noção de quantas fanfics existem circulando na internet? Não é qualquer fanfic que chega a esse ponto, as pessoas precisam gostar mesmo. A ponto de comprarem tanto que chamou a edição de editoras. E as editoras venderem tanto que chamou a atenção do resto do mundo.

Tem noção de quantas pessoas leram e gostaram dessa história assim?

Eu não li 50 Tons de Cinza, mas definitivamente há algo nessa história que se conecta diretamente com as pessoas. Algo que outras histórias não estão mostrando.

Um detalhe: Não é um eles impondo isso pras pessoas. No caso de 50 Tons de Cinza principalmente,
é algo que as pessoas criaram e eles reproduziram legitimando. E não é uma história de um desejo particular,
é um desejo real compartilhado por todas essas pessoas que adoram esse livro. Tem alguma parte importante
da nossa sociedade que essa história em particular tá refletindo. 


E aí você pega isso e fala que é merda. Chama de erótico. Faz paródia. Transforma em filme. E tem que ser inteligente. Reprime cada vez algo que já é oprimido. 

(Eu tenho uma revolta com a palavra "erótico", porque eu nunca tinha ouvido alguém descrever uma fanfic com sexo assim. Há vários termos usados para descrever as fanfics +18, mas erótico não é comum. Erótico é uma definição dada por gente que não lê fanfic. É a Iggy Azalea das fanfics, é apropriação cultural, e eu não gosto disso) 

Novamente, eu não li o livro. Pelo que eu vi tem umas coisas bem problemáticas relacionados a abuso (porque BDSM é diferente de abuso) e eu vi umas imagens chocantes de garotas usando camisas dizendo que são propriedade do Mr. Grey. Eu sei que contexto importa, mas o abre-alas disso tudo já é bem problemático (por outro lado, Sangue Quente parecia necrofilia até eu ler). 

Veja o gráfico completo.


Aí que é interessante. Tipo, por um lado as fanfics mostram tudo e, definitivamente, tem muita fanfic que não deveria ver a luz do dia. Ao mesmo tempo, pera aí, por que não? Por que no cinema tem que ser inteligente e filtrado? Por que nós não podemos falar abertamente sobre gostar de certas coisas?

Aliás, é por isso que surgem histórias como 50 Tons de Cinza. Fingimos tanto que o mundo sexual não existe, que se uma dona de casa gostar de BDSM ela corre o risco de fazer de maneira problemática porque a nossa cultura não permite nem que ela escreva "vagina" sem se sentir uma maníaca tarada diabólica.

Mas eu tenho uma resposta a "por que não?" Porque é uma cadeia de legitimação o processo de fanfic a filme. É a diferença entre em uma igreja uma criança que acabou de entrar falar algo e o padre falar. Quando o padre fala, levam a sério. Torna aceitável você falar também. Mais do que legitimação, o alcance dos filmes é bem maior. Uma coisa é você, que gosta disso, ler uma história assim no seu celular. Outra coisa é a minha avó entrar na sala e ver a mamãe hamster comer seu filhote de três pernas. 

Nunca, na minha vida, entenderei o motivo de fazer essa associação

Então se um conteúdo de uma fic pode levar a um relacionamento abusivo (ou qualquer outra coisa problemática), é melhor que ele não seja tão legitimado assim.

Por outro lado...

Acho que a principal importância de 50 Tons de Cinza é a liberdade sexual. Pessoas lendo sexo no meio na rua. Pessoas falando sobre sexo. Pessoas entendendo que é tudo bem gostar de sexo e ter fantasias. Pessoas entendendo que mulheres gostam de sexo. 

O conteúdo pode nem ser o melhor, mas 50 Tons de Cinza deu destaque na livraria para outros livros sobre sexo. Nós começamos agora o Pornoliterário (curiosamente, não foi por causa de 50 Tons, só tivemos a sorte de fazer ao mesmo tempo) e eu to reparando que estão surgindo vários grupos para falar sobre sexo. Isso é importante.

Diferente dos meus outros textos, esse é mais uma conversa onde eu quis pensar sobre uma situação de um modo geral. Em parte eu quis refletir sobre esse esnobismo com 50 Tons de Cinza e o que isso representa pras fanfics. O fato de que cada vez que você reclama de 50 Tons de Cinza como se fosse uma merda, você está marginalizando esse espaço livre de criação de narrativas onde toda pessoa tem voz. Yep, porque é muito melhor quando só os grandes estúdios e grandes editoras escolhem o que as pessoas vão ver. O fato de que talvez seja uma merda mesmo, mas que a gente deveria se questionar mais: e daí? Por que diabos precisa ser perfeito? De onde saiu essa cultura de quando sair na rua estampar o sorriso mais elegante no rosto enquanto por dentro você é um frankenstein de possibilidades? Por que a gente não se permite mais "errar"? É por causa desse tipo de censura ao pensamento que a gente não se permite conhecer e se educar, levando a práticas seguras e relacionamento saudáveis, em vez de se submeter escondido a algo problemático por medo de ser aquele que erra. 

E, por fim, é uma reflexão sobre o processo de validação das nossas narrativas e como através da internet nós temos o poder de molda-las. Até mesmo histórias absurdas (ou improváveis?) como 50 Tons de Cinza conseguiram ser legitimadas. Simplesmente porque estão nos levando a sério. 

Filme da Super Family não fazem. 

Já terminei, mas queria deixar claro que isso significa que você também tem o poder de espalhar conscientização sobre os problemas da história se você não concorda com ela. Aliás, você deve. Esse é um ótimo momento para discutir o que significa um relacionamento abusivo e como reagir. Aqui uma campanha para doar o dinheiro que você usaria pra assistir o filme pra alguma causa contra violência doméstica.

-dana martins





TAGS: , , , , , , , , , , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

4 comentários

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Eu acho fanfic uma coisa incrível, e como você bem disse, assim como muito livro por ai, tem coisas muito boas e muito ruins. A oportunidade de pegar uma coisa e transformar em algo legal - seja porque gosta dos personagens, não gostou do final, está passando tempo (como uma bem antiga de HP que foi o porto seguro de muita gente entre o penúltimo e ultimo livro). É uma cultura remix muito válida e não é a toa que tem um monte de autor novo - que como você disse, dialoga mais com o que o pessoal tá querendo, vê a tendência -lá do Wattpad.

    Especificamente sobre Tons de Cinza, eu não li mas tenho implicância por ter ouvido de muita gente em BDSM que o livro é um desserviço, que confunde mais do que explica. Além disso, dizem os foruns e não sei se é 100% certo, que o livro foi recriado quase do zero por editores, com muitas cenas reescritas pela similaridade de Crepúsculo, erro de cronologia, pulos bruscos dentro do enredo e etc. Mesmo assim, apesar dos pesares, é todo um nicho que tá ganhando atenção e merece.

    www.coisasinfinitas.com.br

    ResponderExcluir
  3. Escrever fanfics só traz coisa boa. Vc exercita a imaginação, pratica e melhora sua articulação escrita, coloca seus desejos pra fora e ainda oferece entreterimento para os leitores. Já escrevi muita fanfic na minha vida, e cada uma delas foi um imenso porto seguro pra mim nos meus momentos difícieis! Tenho uma de Harry Potter onde inseri vampiros no contexto (muito antes da Meyer sequer pensar em Crepúsculo - meus vampiros seguiam a linha da Anne Rice) e eu, pessoalmente, achei que minha fanfic ficou sensacional, rsrs!

    ResponderExcluir
  4. Nossa, esse é o texto que eu estava precisando para linkar num post sobre coisas fascinantes. Eu aprecio muito essas coisas improváveis que fazem sucesso. Mesmo quando eu não gosto, fico fascinado vendo essa magia acontecer.

    ResponderExcluir

Posts Populares

INSTAGRAM


Instagram

FALE COM A GENTE!

Nome

E-mail *

Mensagem *