autores brasileiros CCHQ

Estante Nacional: Daytripper, de Gabriel Bá e Fábio Moon

17.3.15Diego Matioli



Sejam bem vindos ao Estante Nacional!

Essa é a nova coluna do ConversaCult, onde vamos voltar os olhos para os frutos de nossa terra e apreciar todo o sabor da literatura brasileira contemporânea. Aqui no blog nós já perguntamos quantos livros nacionais temos na estante, explicamos por que é importante lê-los e demos diversas indicações. Temos nos esforçado pela literatura brasileira há anos, mas, agora, estamos dando o próximo passo. O Estante Nacional é mais do que fazer tudo isso. É dar o espaço de destaque merecido para a literatura do nosso país.

Esse será o ponto de parada para todos que estão procurando conhecer mais livros nacionais e não sabem por onde começar. Para quem está quebrando os preconceitos contra o trabalho dos brasileiros. Aos que querem descobrir o que existe além dos livros do vestibular que somos forçados a ler na escola. Aqui você sempre terá recomendações interessantes e honestas para se encontrar dentro do mercado nacional.

Então vamos começar com um dos melhores dramas que eu já li, e que é tão gostoso de ler que eu garanto que você vai se apaixonar.


Há muitos motivos para eu ter escolhido Daytripper como o primeiro a ser discutido nessa coluna: ele não é um livro no sentido ortodoxo da palavra e serve para desconstruir de nós o preconceito de que toda a literatura brasileira é velha e chata; ele dialoga com um livro brasileiro clássico, embora você não precise saber disso para apreciar a obra; ele é um exemplo meio triste de grande talento nacional tendo de ir ao exterior para ter seu trabalho validado. Daytripper era uma publicação mensal escrita e desenhada pelos gêmeos paulistanos Fábio Moon e Gabriel Bá, que saiu pelo selo Vertigo nos Estados Unidos. O material que conhecemos hoje por esse nome é um compilado de todas as edições. É uma história aclamada pela crítica, ganhadora de prêmios e que merece ser ouvida.

tive a oportunidade de conhecê-los
na CCXP ano passado. <3
Daytripper é difícil de explicar. Seu enredo gira em torno da vida de Brás de Oliva Domingos – mais que isso, gira em torno de todas as suas pequenas mortes. Trata-se de um homem simples com um pai grandioso no mesmo ramo que deseja seguir. Uma pessoa que se pressiona muito por sucesso e por uma família, e cuja pressão que exerce o paralisa. Alguém que, como nós todos, tem uma vaga noção da direção que quer seguir, mas não tem muita certeza de como tomá-la ou do que vai encontrar pelo caminho. Um ser humano como outro qualquer. Poderia ser eu ou você. Mas, obviamente, a história é muito mais que seu enredo e minhas palavras serão pouco se comparadas à experiência de leitura.

Cada capítulo do livro descreve um momento da vida de Brás, com intervalos de anos entre eles. E nesse conceito mora o charme da história. O trabalho dos gêmeos é impecável em tantos sentidos que eu tenho vontade de simplesmente dizer “LEIA”. Só assim para entender plenamente a beleza de sua arte. Eles conseguiram retratar a vida com uma perícia inigualável. Você sente que aquilo é real. A maneira como os personagens envelhecem e mudam, como eles parecem atraentes dependendo do ângulo, como o mundo ao redor de Brás parece estar vivo e em movimento mesmo quando ele não está atento a ele. Até mesmo o timing das cenas parece imitar a vida real. Os momentos de silêncio dizem tanto, ou até mais que as palavras.


No decorrer das páginas, vemos Brás enredado em dramas do cotidiano e as soluções que escolhe para lidar com eles, mas o fazemos tendo uma visão cada vez mais ampla do panorama de sua vida. Sabemos que há dramas por vir e que outros já passaram. É simplesmente fascinante ter esse poder de enxergar a vida como um todo e perceber como as pessoas ficam obcecadas com as questões imediatas e não se permitem enxergar a própria experiência como parte de uma jornada mais longa. É quase cômico ver como grandes problemas da vida de Brás simplesmente desaparecem através dos anos, depois que são resolvidos – como aquelas coisas que o atormentavam simplesmente não definiram em nada quem ele se tornaria. É bastante acolhedor ver esse rapaz passar mais da metade da sua existência sem saber o que fazer da vida e ver que isso não o impediu de vivê-la.

O nome do protagonista talvez te faça lembrar um outro personagem icônico da literatura, e isso não é por acaso, visto que a história é quase uma carta de Bá e Moon em resposta à Memórias Póstumas de Brás Cuba, de Machado de Assis. Só que onde o original entrega um fatalismo amargo em relação a morte, os gêmeos escolheram um caminho mais leve e orgânico – mas não menos impactante. De fato, esse não é o único paralelo com a literatura brasileira. Não é difícil encontrar tons de Jorge Amado, Guimarães Rosa ou Fernando Pessoa também nas páginas, e isso torna o trabalho ainda mais belo. Ele é brasileiro de corpo, na ambientação da história, e também de alma, na própria essência e inspiração.

Eu não teria como dar menos do que todo o meu amor para Daytripper. Qualquer pessoa que procura ampliar seus horizontes na literatura nacional vai encontrar aqui um inestimável ponto de partida para histórias novas e incríveis para as quais talvez não tivesse olhos antes.

(5/5 caipirinhas)



LivroDaytripper


Editora: Panini

Paginas: 260

ComprarAmazon, Saraiva.

TAGS: , , , , , , , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

4 comentários

  1. CE TIROU FOTO COM ELES EU NÃO ACREDITO QUE INVEJA DIEGO
    Faltaram vírgulas, desculpa. Mas: ótimo post, indicação sensacional. Já tentei fazer um post sobre Daytripper, mas me faltaram palavras, como você bem descreveu: "O trabalho dos gêmeos é impecável em tantos sentidos que eu tenho vontade de simplesmente dizer “LEIA”." HAHAHAHAHA
    Inclusive me foi indicada assim, eu que demorei pra aceitar a indicação porque né, era só a mesma palavra repetida insistentemente. Depois que li me arrependi, comprei, reli, reli em inglês e indiquei pra meio mundo.
    Não quero me estender nos comentários porque não quero dar spoiler pra ninguém, mas enfim, uma das coisas que eu acho mais interessantes é como cada capítulo chega aonde chega. Porque com boa parte da história todo mundo se relaciona (estilo: "Não importa de onde você seja - ou como você se sente... existe sempre paz numa xícara de café."), mas a Daytripper mostra... sei lá, como a vida é imprevisível. Os gêmeos retratam tudo isso como ninguém, passam beeeeem a mensagem. Sempre me pego pensando em um trecho e querendo reler outra vez.
    Sério, melhor indicação <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. CCXP FOI MUITO AMOR, É SÓ O QUE EU DIGO <3 <3 <3

      E sim, Daytripper é sobre como a vida é louca, mas entre as loucuras a gente encontra paz nas coisas mais bobas e que isso é na verdade muito importante para se levar uma vida boa e feliz. Que bom que gostou da indicação e que gosta do trabalho dos gêmeos. Eles merecem todos os méritos que tem.

      Alias, louco pra ler Dois Irmãos. Me disseram que está incrivel.

      Excluir
  2. O conteúdo é LINDO também, te garanto. =P

    ResponderExcluir

Posts Populares

INSTAGRAM


Instagram

FALE COM A GENTE!

Nome

E-mail *

Mensagem *