CCLivros CCResenhas

Sempre Vivemos No Castelo, de Shirley Jackson

26.10.17Taiany Araújo


Conheci Sempre Vivemos no Castelo por causa do maior spoiler do livro, e apesar de normalmente não ligar para spoilers, quase que não o leio por causa disso. Mas, ainda bem que meu interesse foi maior que minha decepção.

“Meu nome é Mary Katerine Blackwood. Tenho dezoito anos e moro com a minha irmã Constance. Volta e meia penso que se tivesse sorte teria nascido lobisomem, porque os dois dedos médios das minhas mãos são do mesmo tamanho, mas tenho de me contentar com o que tenho. Não gosto de tomar banho, nem de cachorros nem de barulho. Gosto de minha irmã Constance, e de Richard Plantagenet, e de Amanita phalloides, o cogumelo chapéu-da-morte. Todo o resto da minha família morreu.”

Publicado em 1962, o livro nos convida a conhecer a historia da família Blackwood, que depois de uma tragédia passa a contar com apenas três pessoas: Constance, tio Julian e Mary Katherine, conhecida pelo apelido de Merricat, e é ela quem nos narra toda a trama. Esse fato pode ser considerado como a primeira grandiosidade do livro, será que a Merricat é uma narradora confiável? Até que ponto o que ela nos diz é a realidade e até que ponto está impregnada com as impressões dela? O livro não nos responde nenhuma das questões, não sabemos as motivações por trás do crime cometido contra a família, pelo contrário, a autora nos convida a pensar, a procurar detalhes na história e coloca em cheque nossa afeição pelos personagens, tudo isso em apenas 200 páginas.

Apesar de desconhecida do público brasileiro, Shirley Jackson é uma das autoras mais importantes dos EUA, tendo influenciado escritores como Stephen King e Neil Gaiman, sendo figura constante nas leituras obrigatórias dos colégios e um dos principais nomes americanos do gênero literário de horror. 

Confesso que nunca havia ouvido falar da autora até ler Juntando os Pedaços, da Jennifer Niven, mas naquele momento eu soube que precisava dessa história, cujo enredo falava sobre duas irmãs que haviam perdido os pais envenenados por arsênico e viviam isoladas e hostilizadas pelos vizinhos. De forma geral, esse tipo de gênero não faz meu estilo, no entanto, agora estou ansiosa para ler The Lottery, conto que discute a conformidade humana ao apresentar um dos possíveis caminhos que grupo de pessoas podem trilhar e colocar em perspectiva a realidade um tanto quanto sombria e impetuosa das crenças. Nele, acompanhamos a Loteria, um acontecimento anual que ninguém sabe muito bem quando começou, mas que se tornou uma tradição inquestionável apesar do horror e das implicações que gera. Não quero falar muito para não dar spoilers, mas tenho certeza absoluta que não deixa nada a desejar aos contos do Adgar Allan Poe. 



Voltando a Sempre Vivemos no Castelo, é interessante observar que a despeito do crime ter ocorrido há 6 anos, os integrantes da família que restaram parecem ter parado no tempo. Não só as idades em relação aos comportamentos são discrepantes, a própria casa é mantida da mesma maneira como no dia da tragédia, os livros pegos na biblioteca jamais foram devolvidos e os únicos momentos em que há uma fuga dessa realidade estagnada é quando o tio, que parece estar caduco, trás à tona o dia do crime, tenta lembrar e entender o que aconteceu. Mas essa fuga não se mantém, então ficamos o tempo todo acompanhando a obsessão do tio com os escritos que nunca são concluídos, enquanto a Merricat e a Constance repetem dia após dia os mesmo comportamentos e até as mesmas conversas. 


Merricat, disse Connie, você não quer uma xícara de chá? Ah, não, disse Merricat, você vai me envenenar.

Acredito que o que mais me encantou na trama toda foi a maneira como a autora trabalhou as consequências do medo e da raiva nos personagens, desde dos cidadãos da cidade, passando por um primo que aparece no decorrer da historia, até chegar a Merricat. Observamos as implicações desses dois sentimentos e ficamos chocados, mas não surpresos com o comportamento das pessoas diante o desconhecido, ainda mais se somados a raiva, de si ou dos outros. O medo de Merricat a faz criar um mundo próprio, e sua raiva daqueles que a hostilizavam a isenta de qualquer tipo de remorso. Assim como os vizinhos, que repelem o diferente por medo, transformam esse medo em conduta raivosa e depois se refugiam no tabu/sagrado para aplacar a culpa.



Talvez um dos personagens que me deixou mais intrigada foi o gato Jonas. No começo ele parece um gatinho comum, só que a chegada de um primo distante me fez questionar se o gato não era mais do que parecia ser ou se eu deixei passar alguma coisa, já que o livro é cheio dessas sutilezas e o que parece absurdo geralmente é a normalidade daquele castelo criado pelos Blackwood.

Sempre Vivemos no Castelo é uma história fluida, misteriosa e sombria com a personagem mais estranha e cativante que já vi. E o final, que final! Vale muito a pena ser lido, ainda mais agora que estamos no mês do horror. Fica a dica!

Nota:

Merricat inesquecível 

Ficha Técnica:



- Autora: Shirley Jackson


- Editora: Sumo de letras


- À venda em: Amazon - Saraiva - Submarino 




                                                                                                                  



Obrigada Companhia das Letras (sob o selo da Suma de letras) por ter cedido um exemplar do livro pra gente <3       


                                            

TAGS: , , , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

0 comentários

Posts Populares

INSTAGRAM