assédio assédio sexual em espaços públicos

Sendo hétero ou não, sem consentimento ainda é assédio

26.4.18João Paulo Albuquerque


Uma das diversas coisas que ouvimos no Carnaval (e outras vezes ao redor do ano) é sobre assédio. Mas tirando os casos de hétero cis assediando (que são a maioria), tem gay que também faz isso, seja pegando nos peitos, levantando a saia da pessoa pra elogiar a bunda ou dando selinho não pedido/consentido.
São poucos? Depende. Representam toda a comunidade gay? Não. Nem a maioria? Não. Mas é um problema? Demais.

A gente (sociedade-homem-cis, seja hétero ou não) não estamos familiarizados com a ideia do que é assédio. E muitos se recusam a escutar as mulheres falando sobre assédio. Então antes de dar início e falar sobre gays que assediam mulheres também, foca nesses vídeos lindos que eu achei depois de uma pesquisa rápida sobre 'assédio' no YouTube:






Depois de ter visto todos esses vídeos (e provavelmente mais se você foi no YT pra se informar), entende agora o que isso significa? Assédio vai além disso de elogio, não é elogio. Elogio é algo respeitoso e com quem se tem intimidade, sem ser em momentos inadequados; já o assédio é a invalidação do espaço da pessoa, seja com palavras como "gostosa", "fiu, fiu" e "oh, lá em casa, hein!", como físico, como puxões pelo braço ou cintura, até sexual, como se masturbar ao lado de uma pessoa sem a autorização dela (como em um ônibus), passar a mão em partes sexuais e tal.

O problema é que isso não é típico só de hétero cis, claro que eles são a maioria e por razões óbvias de uma sociedade que fortalece essa ideia, mas homens gays também fazem essas coisas, às vezes o assédio sexual-físico, pegando em lugares da mulher que não deveria, puxando ela sem permissão e tals com a desculpa de "eu sou gay, então okay". Não é okay, ainda é assédio, ainda é machismo. Ser gay não exclui ser machista e assediador, então é sempre bom estar aprendendo mais e se desconstruindo.

E caras héteros, agora vou focar em vocês pra vocês não perder o costume: não cheguem cantando alguém sem intimidade, sem a pessoa ter consentido, sem antes puxar uma conversa (se a moça quiser). E se ela se recusar, respeita, vida que segue, parte pra outra, não xinga ela. Xingar a pessoa só porque não quer fazer algo porque você quer que ela faça é não só babaca, mas um passo a menos pra coisa que o assédio insistente leva: estupro (radical? Eu sei, quem sabe assim as pessoas finalmente se tocam). Estupro tem esse princípio, a pessoa usa a força para abusar de alguém porque acha que pode, acha que tudo bem, acha que por ser homem pode usar e abusar como se a outra pessoa fosse um objeto. Mas não é "tudo bem", sem consentimento é a invasão em alguém, é a destruição de uma pessoa. Não é errado só porque é crime, é errado porque é uma pessoa, caralho! É um ser humano, e enquanto ninguém respeitar as mulheres como seres humanos, não objetos, ainda teremos que ficar repetindo sobre que tem que respeitar as mulheres.

Manos, estamos no século XXI (21), por que as pessoas ainda tem que fazer vídeo ou textão explicando isso para vocês? Por que ainda é necessário se falar que assédio é errado e que colocar algo na bebida de alguém pra "ceder mais fácil" é estupro e é errado? Caralho, não estamos cinco séculos atrás não, é o século da internet, da informação - literalmente - na palma da mão.

O mínimo que temos que fazer é entender como nós, como homens cisgêneros, somos babacas com as mulheres e o que temos que mudar essas atitudes que são coisas tão simples. Que tal começar logo isso? Não dá pra gente usar todo o século 21 tendo essa discussão, não tinha que ter essa discussão, é tão simples. Partiu melhorar?

TAGS: , , , , , , , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

0 comentários

Posts Populares

INSTAGRAM