Andressa Faria CCSociedade

Eu não me sinto atraído por mulheres gordas. E agora, sou obrigado a gostar delas?

29.8.17Colaboradores ConversaCult




Texto originalmente publicado no Medium.
Por mais incrível que pareça esse tipo de fala é uma constante entre os homens, quando se veem em discussões sobre aceitação corporal, gordofobia e opressão da mulher gorda (nas quais eles nem deveriam estar para começar, mas enfim…).

Eu não queria reagir assim, mas quando me deparo com comentários desse tipo não consigo parar de rir! Sempre imagino uma gorda enlouquecida correndo atrás de um cara aleatório na balada, no supermercado e na faculdade, gritando “Você tem que me amaaaaar!”, tipo o Baby da Família Dinossauro, sabe?

Parece que para esses caras o fato de uma parcela da mulherada ter decidido não se submeter mais aos padrões estéticos os obriga a se envolver com elas, apesar deles “não se sentirem atraídos” (explico em breve essas aspas) por seu biotipo físico. Uma viagem muito louca, na qual a nossa autoaceitação se transforma automaticamente em uma opressão aos pobres homens, que por algum acaso da natureza preferem as magras!

Então, galera, eu estou aqui para contar para vocês que ninguém, absolutamente ninguém é obrigado a gostar do corpo de uma mulher gorda! Vocês também não serão forçados a namorar, transar ou ocasionalmente ficar com uma gorda, agora que essa coisa de gordofobia virou moda! Não, não! De forma alguma! Vocês são livres para desejar e para se relacionar com quem bem entenderem, e o que nós queremos é a liberdade de aceitar os nossos corpos como eles são, simples assim! Mas sabe o que vocês não deveriam fazer nunca, jamais e em hipótese forma alguma?

1 — Desrespeitar uma mulher por ela ser gorda 

Esse é o ponto mais importante, e é por isso que vou colocá-lo logo em primeiro lugar dessa lista, para destacar bem! Até porque parece que mesmo a gente estando em 2017 ainda tem muita gente que acha super ok escrotizar uma mulher por ela estar “acima do seu peso ideal”, e a maioria das pessoas que faz isso é (SURPRISEEEEE!!!) do gênero masculino!

Embora muitos de vocês possam achar que uma mulher gorda vai morrer (ou te perseguir rs) se você rejeita-la a verdade é que muito provavelmente isso não vai acontecer. O nosso cérebro ainda não foi consumido pelas gorduras da nossa barriga e acredite, nós seguimos tendo o mínimo de bom senso!

A questão é que a coisa raramente acaba num “olha, eu não tô afim de ficar contigo não” quando se trata de uma garota fora do padrão. No caso da gorda uma situação que deveria ser absolutamente corriqueira (porque né, vamos ser muito mais rejeitados do que aceitos e isso faz parte da vida) ganha contorno de humilhação, escárnio e ridicularização!

Quando eu tinha 13 anos e estava na oitava série do Ensino Fundamental fiz uma cartinha me declarando para um rapaz que era um pouco mais velho e que já estava no Ensino Médio. Se eu fosse magra ele talvez tivesse ficado comigo, talvez tivesse me rejeitado, mas provavelmente ele não teria lido a minha declaração para toda a escola, de pé em cima de um banco!

Parece que quando a gorda demonstra interesse afetivo ou sexual por um homem ela está cometendo uma afronta, um crime, e merece pagar por isso! E gente, isso não está certo, não! Não é aceitável você esculachar uma menina ou ficar fazendo piadinhas só porque ela está interessada em você MESMO estando fora do “padrão”! Você não precisa maltratá-la para que ela entenda o recado! Um simples “não rolar” vai bastar, acredite!


Sabe o que também não é legal? Ficar dizendo para a parceira que você já conheceu gorda, ou que engordou durante a relação que não está mais atraído, que não curte o corpo dela e que “gostaria que ela emagrecesse”! Eu ouvi isso do meu primeiro namorado, e a justificativa para o comentário babaca foi “porque eu me preocupo com a sua saúde”. O que era mentira, claro, ele nunca tinha visto um exame de sangue meu, jamais tinha ido ao médico comigo, então tudo girava em torno do controle do meu corpo.


Se você não está afim de seguir com o relacionamento é só dizer e pronto. Não é correto, não é direito e não é humano colocar sobre outra pessoa a responsabilidade de se modificar para seguir te satisfazendo. Seja responsável pelas suas próprias escolhas e decisões, querido! O mundo não tem que (e não vai) girar ao seu redor!

Se você é apenas amigo ou colega de uma gorda não seja o idiota que fica fazendo piadinhas com o peso dela, ou que acha uma atitude muito nobre dizer que ela tem um rosto tão lindo, que se emagrecesse ficaria ainda melhor! A não ser que ela pergunte a sua opinião (o que é bem improvável que aconteça) apenas não dê pitaco sobre o corpo dela, sobre a alimentação dela e sobre a forma como ela leva a vida. Não é da sua conta, de verdade!

2 — Tratar o seu gosto por magras como uma coisa natural, e não algo construído 

É agora que eu explico as aspas que coloquei lá no começo do texto! Porque assim, é muito curioso perceber que muitos homens parecem acreditar que preferem mulheres mais magras por uma questão puramente instintiva, natural. É como se um belo dia eles tivessem acordado e descoberto que tem nojo de gordas, da mesma forma que sempre sentiram que eram heterossexuais!

Preferências são construídas, sempre! As músicas que gostamos, os filmes que preferimos e até as comidas que curtimos tem tudo a ver com o nosso contexto social e com o que somos estimulados a querer, a provar, a consumir! A mesma lógica obviamente vale para o que nos atrai fisicamente nas pessoas e isso é um fato que não podemos mais negar!

A biologia explica o gosto por quadris mais largos e seios maiores, por exemplo (o que também pode ser perfeitamente desconstruído, a partir do momento que não nos relacionamos unicamente para a procriação), mas a verdade é que o desprezo pelas mulheres gordas é uma novidade dos tempos modernos.

Na Pré-História, na Antiguidade, na Renascença e até meados do Século XIX a mulher mais atraente ainda era a mais gorda, não a magra. Foi a partir da escassez de alimentos que tomou a Europa no início do século XX que as gordas passaram a ser vistas como fracassadas e as ginásticas, dietas e cirurgias plásticas começaram a vigorar como lei!

Você acha que se nas capas da maioria das revistas estivesse a Fluvia Lacerda ao invés da Gisele Bündchen você não a preferiria? Se as mocinhas de todas as novelas e séries fossem gordas, você não as veria como verdadeiros símbolos de beleza? Se o fato de uma mulher ser gorda não fosse tão demonizado pela mídia nos dias atuais será que os quilos a mais de uma moça te incomodariam tanto?

Posso citar mais uma vez aqui o meu exemplo: quando era criança achava o Nick Carter dos Backstreet Boys o suprassumo da beleza! Um cara magro, caucasiano, alto, loiro e de olhos azuis. Logo depois me encantei pelo Leonardo DiCaprio (Titanic, amores!) e depois pelo Ryan Gosling (que eu amo como ator), mas veja, até mais ou menos o início da minha adolescência eu pautava as minhas preferências físicas por um padrão que a mídia me vendia desde que eu tinha seis anos de idade como o ideal, como o certo! Um padrão que, a propósito, estava longe de ser o que eu via na minha realidade, porque, HELLO, eu estou no Brasil, e não no Sul do país, mas no Rio de Janeiro!

Foi aí que eu comecei a repensar meus gostos e as coisas foram mudando, muito! Com o amadurecimento que a idade traz o meu espectro de possibilidades se abriu e, consequentemente, o meu olhar sobre os homens se modificou! Me relacionei com caras que eram muito diferentes entre si (nenhum loiro de olho azul, inclusive) e hoje sou noiva de um argentino que tem cara de grego (e que eu sempre digo que parece um poeta do século XVIII, prestes a morrer de tuberculose numa taverna, escrevendo poesia), que não se encaixa em absolutamente nada nos padrões de homem ideal que criei ainda na infância, mas que eu acho o sujeito mais bonito da face da Terra!

É claro que para a maioria dos caras esse cuidado de transformar o olhar sobre as mulheres vai soar inútil. Isso também não é por acaso, óbvio. Homens aprendem desde sempre que a mulher foi feita para servi-los, atendê-los e agradá-los, e se ela não cumpre seus requisitos de primeira tudo bem pular para a próxima. É um direito deles fazer isso (desrespeitar a mulher gorda NÃO É, como já dito anteriormente), mas o fato é que eu ganhei muito mais ampliando a minha maneira de enxergar as pessoas e os seus corpos, e acho que ter esses olhos mais atentos e abertos faz com que todo mundo saia no lucro!

3 — Transformar o adjetivo “gorda” na única definição de uma mulher 

Isabella Trad
Eu sou gorda, sim, mas essa é só uma das minhas características! Eu também sou alta, branca, tenho olhos castanhos e calço 43/44. Além disso, sou torcedora do Fluminense, sou escritora, amo História, adoro ler e sou apaixonada por trilhas sonoras. Sou noiva, sou amiga e sou filha da Vidia e do Ricardo. Enfim, eu sou uma série de coisas que vai muito além do meu Índice de Massa Corpórea! 

Muitos homens têm a mania de tratar mulheres gordas como se elas fossem apenas isso: gordas. E ser gorda não é bom na nossa sociedade, claro! Associamos excesso de gordura a doenças, a preguiça, ao desleixo e a falta de vaidade, ainda que nada disso seja realmente verdade! É como se através da sua forma física fôssemos capazes de adivinhar…

TODA A SUA HISTÓRIA DE VIDA — “Provavelmente sempre comeu porcaria em casa, nunca praticou atividade física e agora está assim!”

TODAS AS SUAS QUALIDADES — Desde quando gorda tem qualidade?

TODOS OS SEUS DEFEITOS — “Obviamente não se ama, né? Se ela se amasse se cuidaria mais… Ia entrar numa academia, comer uma salada… Por isso é assim, isolada, triste…”

TODO O SEU FUTURO — “Coitada, vai morrer encalhada, cercada de gatos (ou cachorros) e comendo um X-Bacon! Nunca vai ter sucesso em nada na vida!”

Mulheres são seres complexos (muito mais que os homens, diga-se de passagem)! A pessoa que somos (e seu valor) jamais deveria ser medida por uma balança e uma fita métrica! Não me entenda mal, eu trabalho bastante a minha autoestima e hoje consigo não ter problema nenhum em vestir uma calça 48/50/52, e acho que muitas garotas estão nessa mesma trilha, mas não é agradável saber que somos enxergadas e entendidas apenas pela nossa aparência (e por como ela não se enquadra no que hoje a sociedade deseja e espera)!

Eu, pessoalmente, estou super de boa se você, homem, não curte as nossas curvas! Eu me amo assim, meu noivo me deseja assim e por hora isso me basta! O que não é certo é que você trate mal mulheres, simplesmente por elas serem gordas! O que é meio estúpido é que você acredite que não gosta de gordas naturalmente, porque sempre foi assim e ponto final! O que não é justo é que você não aceite enxergar a mulher gorda como um indivíduo completo, como qualquer outro!

No final, é você quem decide como vai seguir agindo na sua vida… Mas a verdade é uma só: cada vez vai ter mais gorda se aceitando, se amando e se querendo SIM! Sendo assim, você tem duas opções: ou compreende esse movimento de uma forma positiva e o apoia ou apenas saia da frente, porque atrás tá vindo a gente e meu amor, a gente tá chegando para arrasar!

MC Carol

Sobre a autora: Sou uma escritora feminista, que também é tricolor carioca e body ativista!
Em última instância sou tudo aquilo que se lê! Você pode me encontrar no facebook e no medium.

TAGS: , , , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

0 comentários

Posts Populares

INSTAGRAM


Instagram

FALE COM A GENTE!

Nome

E-mail *

Mensagem *