boa intenção CCSociedade

De boa intenção o gato morreu

28.8.17Dana Martins


Título alternativo: "quando acham que racismo é só odiar os outros"
Ou "pessoas hétero que acham mais que as pessoas LGBT+ o que é problema de verdade"

É fácil dar suporte a questões LGBT+ ou ver que racismo é errado. É fácil pensar "nossa, ninguém deveria morrer por isso" e qualquer pessoa com bom senso vai dizer: lógico que é errado gritar xingando alguém na rua só por ela parecer ser gay! 

Também é fácil dizer "Amor é amor, todo mundo tem o direito de amar" ou doar pra campanha de direitos humanos.

E no geral, as pessoas têm boa intenção. Dificilmente um showrunner que coloca um personagem gay numa série acha que ser gay é errado e concorda com homofobia. 

O difícil é ver que boa intenção não é tudo. 

É entender que homofobia e racismo (e machismo, e gordofobia...) não são apenas as suas ações individuais, mas fazem parte de uma estrutura maior. 

É fácil falar "eu tenho amigos gays", mas difícil questionar por que você sente a necessidade de deixar bem claro qual a sua sexualidade quando diz "eu sou hétero, mas apoio." 

É fácil falar "eu gosto de todo mundo", mas difícil questionar por que todos os seus personagens preferidos são brancos. 

É fácil falar "não tem nada de errado", mas difícil questionar por que você acha chato gente que shippa casal de mesmo gênero que não é canon. 

Ou reconhecer que a maioria desproporcional, ainda mais os com protagonismo, é de casal f/m. 

Ou perceber que da mesma forma que esses ships "imaginários" são tratados como uma piada, jovens LGBT+ escutam em casa sobre si mesmo "é só uma fase", "é coisa da sua cabeça", "vamos no médico ver o que você tem." 

Ou que os casais que chegam a ser canon são vistos como "politicamente correto" ou "pra parecer progressivo", enquanto jovens LGBT+ estão ouvindo em casa que sua sexualidade é só pra "chamar atenção."

Ou aprender que uma coisa reflete a outra, que são sintomas do mesmo mal, que só contribui pra sufocar, sufocar  e sufocar. 

A pessoa dá suporte aos direitos humanos, mas não para um segundo pra refletir como é crescer aprendendo que você é errado e a ter medo antes mesmo de saber que você é assim. O que é ter, o tempo inteiro, pessoas tentando corrigir ou sentindo pena, porque coitadinho, ele é gay. E gay nunca é considerado só tudo bem e o bastante por si só. 

Não xinga na rua, mas pergunta dos namoradinhos, fica em silêncio quando a pessoa diz que tá sendo atacada e ainda questiona: isso é problema de verdade?

Hoje eu vi dois casos interessantes envolvendo atores que me trouxeram aqui.

Um que é um ator amorzinho e bem intencionado, que foi dar suporte às pessoas trans depois do banimento que o Trump fez.

Ele começa o tweet falando "Eu sou hétero e isso é só um filtro, mas hoje eu estou com #transgênero #LGBT Obrigado por servir #força #sejavocê <3" e uma foto dele mesmo usando um filtro do Snapchat com cabelo loiro e maquiagem.

O que ser hétero tem a ver com a pessoa ser trans? Por que você precisa afirmar que isso é só um filtro? Deus me livre se pensassem que você é gay ou usa maquiagem!!!

Esse caso do ator nem é nada demais, ele só não faz ideia sobre o que tá falando. 

Então ele se importa, mas por não se educar, fala um monte de besteira e reproduz estereótipos tóxicos, que por sua vez contribuem pra os problemas que pessoas LGBT+ sofrem diariamente. 

O que de modo geral também não é tão ruim, porque todos nós não aprendemos direito e acabamos reproduzindo merda. A diferença é saber ouvir, confiar nas pessoas LGBT+ e usar o erro como oportunidade pra aprender. (Sem comentários infantis de "ai, eu só tava querendo ajudar, vocês não entendem")

Reflita sobre: vivemos em uma cultura homofóbica, racista e machista. Isso significa que até na escola a gente aprende as coisas considerando o homem cis branco hétero como o Ideal e Certo. Se a gente não questiona essa cultura e aprende sozinho, a nossa noção de normal e certo vai ser homofóbica, racista e machista.

O que nos leva ao segundo caso, que foi de uma atriz (na verdade, o elenco todo) de uma série que fez piada sacaneando quem via a relação entre duas personagens como romântica em vez de amizade. Mesmo com um monte de gente LGBT+ falando e explicando pra eles o problema, a resposta do elenco foi: Eu não posso ser homofóbico, porque eu 

a) já participei de uma série com gente gay
b) porque eu dou apoio à organização de direitos humanos
c) porque eu sou de uma outra minoria também
d) porque era só uma brincadeira
e) porque eu já tive que lidar com as pessoas pensando que eu era gay
f) porque eu tenho amigos que são

Olha, no momento que alguém do grupo em si te diz "isso é racista" ou "isso é homofóbico" ou "isso é transfóbico", se a sua resposta for "eu não posso ser porque-" você é.

Isso é algo que eu reforço pra mim mesma. 

E isso não quer dizer que você odeia esse grupo ou quer que eles morram ou taca pedra na rua, isso só quer dizer que você tá fazendo algo que contribui pra opressão deles. Algo que tá machucando gente real. Mesmo que seja só uma única pessoa ali no canto encolhida. A dor dela é real.

O bom é que a partir daí você pode rever o que tá fazendo e mudar. Só isso. 

Foi o que o primeiro ator fez. Ele deletou a mensagem, passou a compartilhar coisas de quem podia falar melhor sobre o assunto. Já a outra atriz ignorou completamente o que aconteceu (como ela pode ser homofóbica se ela não quer matar gays?) e pior ainda: depois se escondeu por trás de outras questões LGBT+ pra dizer que dá suporte e invalidar o que aconteceu como "não foi sério."

Infelizmente, ela não é a única. Constantemente pessoas hétero querem determinar o que é questão LGBT+ séria que vale dar atenção (de preferência são aquelas que ela não precisa fazer nada além de postar uma foto no instagram). 

Às vezes eu penso que isso é uma espécie de tragédia, quase obra de arte: 

A pessoa falando "Eu me importo," enquanto pisa e ignora essas mesmas pessoas. 

fazer uma versão dessa pintura em que ela tá em cima dos outros

Acho, inclusive, que às vezes questão LGBT+, raciais e de minorias, se tornam uma bandeira de honra para os privilegiados. Eles usam pra mostrar o quanto são sérios e bozinhos, sem de fato fazer nada. É uma misériaporn. Eu me sinto heroico por mostrar que os outros estão sofrendo e eu me preocupo. 

E o único sofrimento válido é aquele que eu considero sofrimento de verdade e posso ficar com pena, é claro. 

O problema é que todos nós acabamos nessa misériaporn. Isso não é uma questão de nós vs. eles. O tempo inteiro tem que rolar essa autoanálise. Por isso que eu digo: se tu acha que tá certo e não fala merda, é o primeiro passo pra estar errado e falar merda. 

Não sei mais o que tô falando, mas que fique aqui esse lembrete pra aceitar que pode tá errado, mesmo com boa intenção! Yey. 

E também que é muito ruim, ao mesmo tempo frustrante, desesperador e enfuriante, ver gente falando que se importa ao mesmo tempo que ignora e se sente ofendido quando alguém mostra que fez algo ruim. Porque... se nem o pessoal que tem boa intenção quer aprender e reconhecer os erros, imagina o resto?




Agora aproveita e clica aqui pra se inscrever na minha newsletter:



TAGS: , , , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

0 comentários

Posts Populares

INSTAGRAM


Instagram

FALE COM A GENTE!

Nome

E-mail *

Mensagem *