CCAnálise CCFilmes

Logan e a consciência sobre o impacto das histórias

15.3.17Dana Martins



Estava escrevendo o meu post de "13 pensamentos ao assistir Logan", mas essa parte se destacou por si só. Logan é o novo filme do Wolverine, só que também é mais do que isso, da maneira que os X-Men sempre foram: uma história sobre a importância de ter alguém como você para te guiar. Mas a diferença aqui é que, dessa vez, eles usaram quadrinhos e filmes pra passar a mensagem.

  • esse post tem uns spoilers meio leves da história, mas tem
"Nós arranjamos uma fã do X-Men"

breve resumo de Logan se você não assistiu o filme:
Nele o Logan (Wolverine) encontra uma garotinha (Laura Kinney / X-23) mutante que tem os mesmos poderes que ele, a partir daí acaba se envolvendo em uma jornada para levá-la até um ponto de encontro a pedido da mãe dela, a enfermeira Gabriela. 



O filme, Logan (2017), se passa em um futuro próximo onde os X-Men deixaram de existir, restando apenas alguns dos mais velhos ou imortais (Olá, Wolverine), mas também é um futuro onde a fama deles cresceu tanto que fazem quadrinhos sobre os X-Men. 

Ou seja, mostra como eles se tornaram referências para novas gerações de mutantes ao ponto de existirem quadrinhos nesse universo, mas eles ainda faz mais que isso. Ao mostrar que a Laura tinha esses quadrinhos, também mostra como eles através dos quadrinhos serviram de inspiração e conforto pra essas crianças mutantes criadas em laboratório que cresceram isoladas do mundo. E é só isso que eles fazem no filme? Não.

Não porque tem algo MUITO esperto no filme que é: o lugar para onde Logan deve levar a Laura foi tirado de uma página do quadrinho e ele pensa que é uma ilusão. Só que na verdade isso é o que aconteceu: as enfermeiras mexicanas viram o lugar marcado no quadrinho e decidiram usar esse como ponto de encontro secreto - afinal, 1) quem imaginaria que isso é real? Se pegam um deles iam pensar que a pessoa tá falando de sacanagem; 2) todas as crianças eram familiares com os quadrinhos, então elas sabiam do lugar.

Mais do que isso, mostra como a ficção pode não ser a realidade, mas ela pode nos inspirar pra criar realidade. As enfermeiras viram a ideia de um “Eden” - um paraíso seguro para os mutantes - e lutaram por isso no mundo real. Eles literalmente pegaram um lugar no meio do nada que não existia, mas existia no quadrinho, e criaram a basezinha pra se encontrar.



"Se você não imagina, nada acontece."

(Aliás, esse é todo o conceito das Cidades de Papel do John Green, pesquisa ele falando sobre isso)

Então foi muito esperto o filme usar isso pra criar tensão - “caralho, essa gente louca tá me fazendo sair correndo atrás pra chegar num lugar que não existe” - e surpresa - “ih, caralho, existe”, mas também pra discutir os próprios quadrinhos como um lugar que traz mensagens de esperança que só as crianças podem ver, porque os “adultos” não acreditam. Vlwflw Logan já merecia tudo só por isso

Toda vez que alguém descarta como "é só ficção" prova que ela falha em ver o """código secreto""" da representatividade nas histórias.


E… não terminou. Não terminou porque no mesmo quarto onde o Logan reclama que a Laura é fã dos X-Men, tá passando na tela um filme de velho oeste que discute o preço de cometer violência, qualquer violência, que é um dos assuntos que o Logan discute com a Laura. E mais tarde no filme, a Laura repete as exatas palavras que ela ouviu do personagem como aprendizado pra o próprio Logan.

Novamente, a ficção pode não ser real, mas as mensagens ali e como a gente carrega isso pra vida, são. 

Até outra perspectiva: a ficção pode não ser real, mas ela nos dá linguagem pra descrever o que acontece na nossa própria vida. Ficção é uma forma de refletir sobre a realidade. 

E eu acho maravilhoso porque Logan (o filme) não para tudo e GALERA, VAMOS DISCUTIR REPRESENTATIVIDADE. Mas faz isso de uma maneira cotidiana no meio da narrativa, exatamente como acontece na realidade.

Eu não paro a minha vida e penso "caramba, essa personagem é importante e eu vou fazer isso que nem ela, ou vou seguir o que ela disse", mas a existência dela me empodera, me faz pensar sobre coisas que aconteceram comigo.

e cê acha que quem tá escrevendo as histórias dos quadrinhos?? pessoas fictícias??

De quebra, pra dar o golpe o final, os próprios X-Men no mundo real surgiu como um grupo mais inclusivo e que tenta discutir minorias. A existência dos X-Men é um reflexo dessa busca por representatividade, de um lugar seguro, aqui no nosso mundo. Então um filme que discute a questão de ter uma figura de suporte ali como guia em um mundo que diz que você não deve existir - É UM FILME DOS X-MEN. 

Até mais do que isso, é um filme dos X-Men atual, que reconhece outras formas de ser ver incluído e ter referência que talvez na época que X-Men surgiu não era considerado. Um diretor de escola que se importa como o Xavier, é muito bom e tradicional. Um pai ou mãe que te apoiam, entendem e ajudam a lidar com os seus problemas, é muito importante. Mas a cultura pop também cria espaço de segurança e tem o impacto de ser uma referência. 


"Só porque alguém tropeça, perde seu caminho, não significa que está perdido para sempre"

Logan é um exemplo de como as histórias atuais estão ganhando mais consciência do próprio papel de histórias no mundo real.


minha newsletter!!! yeeey

TAGS: , , , , , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

0 comentários

Posts Populares

INSTAGRAM


Instagram

FALE COM A GENTE!

Nome

E-mail *

Mensagem *