clube de escrita Dana Martins

Clube de Escrita: Escrever o que dá vontade, escrever por diversão

8.2.16Dana Martins


Pra variar, mais um mini-clube de escrita do Batdrama que eu decidi separar, porque tenho umas coisas legais pra falar sobre escrever o que dá vontade, escrever por diversão e planejar histórias. Lembram quando eu falei que isso aconteceu com Animals?


Essa semana eu tive a sorte de ter ideia pra escrever assim 3 vezes. 

TRÊS VEZES.



A primeira foi com a Favela AU (que eu falo melhor no Batdrama), que vem da ideia: E se The 100 acontecesse numa favela do Brasil? Quem os personagens seriam? O que eles fariam nesse contexto?


Eu acabei planejando toda a história (e é sobre isso de planejar esse Clube de Escrita, vou falar mais abaixo) e até escrevi um primeiro capítulo inteiro de zoação. Acho que tem umas 2 mil palavras e nem precisa tanto assim de edição. 

Mas sabe qual é a parte mais legal? Decidi que eu não gostei e abandonei de boa. 

Escrever sem a pressão de ser uma História Séria e só porque eu quero imaginar como seriam certas coisas acontecendo é muito bom. É como se escrita fosse um super-poder toda vez que você quer transformar imaginação em ~realidade~!

O que nos leva à segunda vez que eu fiz isso essa semana. 

Tava eu conversando com as minhas amigas quando rolou a ideia de que a Personagem X seria aquele tipo de namorada que faz declarações grandiosas de amor, como mandar aqueles carros de som vergonhosos na porta da faculdade. E eu comentei que talvez, em vez disso, ela faria grandes declarações silenciosas. Do tipo WOOOW, mas só a namorada que viu.

imaginar sem medo de ser trash
imaginar só porque SERIA LEGAL ESSA COISA LOUCA
a escrita "séria" não tem muito espaço pra bobeira, mas às vezes isso é o que causa todo o nosso bloqueio
E aí a gente começou a pensar em coisas como avião passando com bandeira no céu, coração escrito com fumaça no ar e, boom, e se numa história a Personagem Y passa o dia recebendo essas declarações, mas só ela vê?

Aqui o resultado, que eu acho importante compartilhar justamente pra ter ideia de como acontece:

- Hey, Clarke. Acorda. - Raven diz estalando os dedos na frente de Clarke até ela abaixar a cabeça. 
- Quê?
- Eu estava falando com você. - Raven diz, olhando para ela com uma expressão irritada e mãos na cintura.
- Não, eu... - Clarke olha outra vez para o céu, onde segundos antes a fumaça do avião havia deixado um coração no céu. Ela sorri ao lembrar.
- Você não está fazendo sentido. - Raven diz, irritada.

*mais tarde naquele mesmo dia* (OBS: não sabia o que acontecia depois, apenas pulei pra próxima coisa que veio na minha cabeça)

- Qual é a emergência? - Octavia entra na sala perguntando. 

Raven está esparramada no sofá, lançando um olhar acusatório para Clarke, que está sentada no pufe do outro lado. 

- Essa garota aqui, está ficando louca. - Raven explica. 
- Eu não tô! - Clarke protesta.
- Não, me escuta. - Raven diz puxando Octavia para perto. - Ela está querendo desmarcar a nossa ida ao shopping para ir em um jantar com a Lexa.

Octavia olha entre as duas garotas confusa.

- Então você e a Lexa voltaram? - ela pergunta para Clarke, mas é Raven quem rouba sua atenção.
- Essa é a emergência, ela disse que o pedido estava escrito no café que ela comprou. E depois falou que a Lexa fez uma nuvem em forma de coração pra ela no céu. 
- Não foi isso que eu disse!
- O, a situação está séria. Eu acho que ter terminado com a Lexa foi a pior coisa que aconteceu, ela já está alucinando.

*alguns minutos depois, Raven e Octavia estão discutindo na sala, e Clarke aparece com um filhotinho de cachorro no colo*

- De onde você tirou isso? - Raven pergunta cortando Octavia no meio de uma frase ao ver Clarke com o animalzinho no colo.
- Lexa deixou pra m-
- Ai meu deus agora ela roubou o cachorro da vizinha. - Raven diz enterrando o rosto nas mãos. Octavia pega o telefone decidida.
- Eu vou ligar para o Bell.

Eu literalmente só escrevi umas cenas (mais centradas em diálogos) aleatórias.

Se isso tá bom, se isso tem começo ou fim? Não sei. Eu sei que foi legal imaginar essas situações. Eu realmente nem sei que outras declarações poderiam acontecer ou como Clarke poderia passar o dia recebendo isso sem absolutamente mais ninguém ver. Tipo, não tem telefone? Não é só fazer uma ligação e desfazer a confusão?

Mas esse é o legal de não ver a escrita como algo fixo, "TIVE UMA IDEIA PRECISO ESCREVER UM LIVRO PERFEITO", mas como situações que você pode imaginar através da escrita. Isso me permite treinar, me permite escrever por prazer, me permite ver a reação das minhas amigas a algo que eu escrevo (e isso é muito legal, porque YEY INCENTIVO). Me permite até flertar com ideias só pela emoção.

Eu não falei aqui da minha Favela AU, mas na trama que eu inventei pra ela, a Raven e o Murphy se tornam uma dupla de contrabandeadores (eu coloquei a explicação no final pra quem quiser ver). E os dois personagens lado a lado? É uma dinâmica que eu ainda nem tinha pensado, e só de idealizar de bobeira já valeu a pena. 

A terceira vez é que eu escrevi mais um capítulo inteiro da roadtrip AU depois que meu irmão colocou uma música pra trocar. 

Nossa, também teve uma quarta vez onde eu escrevi umas cenazinhas pra mostrar como algumas palavras pra descrever o corpo em português são ruins. Tipo, clavícula? Wtf. Era pra ser romance, mas fica parecendo O Colecionador de Ossos. 

E teve até um quinta vez, onde eu tive uma ideia pra uma subtrama da High School AU (a próxima que eu vou fazer) e esse eu só salvei o que aconteceria, tipo:

Eu percebi que o Lincoln, de The 100, num contexto de escola seria aquele tipo de gente que faz desenhos da garota que gosta no caderno e escreve o nome dela com coração do lado. E a partir disso eu imaginei o que aconteceria quando o Bellamy encontrasse o caderno dele com desenhos da sua irmã mais nova, a Octavia.

(não vou colocar o resto porque spoiler)

Mas a questão que eu quero mostrar com tudo isso é só o prazer de imaginar a história, pensar em detalhes sobre os personagens. Isso é algo que eu vejo demais no tumblr. Bem no clima:

"IMAGINA QUE LOUCO SE TAL PERSONAGEM CHEGA E FALA ISSO E FAZ ISSO"

Também percebi que isso é literalmente um ótimo método de planejamento. Você já, tipo, contou a sua história resumidamente?

Na verdade, nem preciso ir tão longe, eu, o João e leitores do CC discutimos a história por trás de Castelobruxo, a escola de magia brasileira, no post sobre isso aqui

Tem uma naturalidade e um prazer em contar o que tá acontecendo nisso tudo que pra mim é muito importante, algo que eu não tinha muito antes.

Aliás, eu e o João inventamos toda uma história pra 2 filmes/livros da Mulher Maravilha uma vez. Só nessas conversas de "imagina se tal coisa. e aí acontece isso. aí..."

Depois que você tem essa estrutura contada, é 2938329823 vezes mais fácil escrever. As ideias já vão surgindo naturalmente. 

Acho que esse Clube de Escrita ficou pior do que o previsto, mas queria compartilhar as minhas descobertinhas no mundo da escrita mesmo assim. Acho que a conclusão é que a escrita não precisa ser aquela coisa fixa que você faz sozinho sob certas condições, a escrita acontece de várias formas. É você imaginando uma situação deitado na cama antes de dormir. É você descrevendo como seria um diálogo maluco entre os seus personagens preferidos. É você só planejando o que aconteceria numa história inteira, só a história de fundo mesmo, sem se preocupar em realmente escrever.

É você imaginando possibilidades através da escrita. 

É claro que escrever uma história completa, até um livro, ainda é um dos objetivos. Mas essas pequenas coisas ajudam a tornar escrita algo mágico que faz parte do seu dia a dia. Não algo que você se obriga a fazer num quarto silencioso em frente a uma tela branca completamente sozinho e depois de horas de procrastinação.

coloquei Raven e Murphy no Google e literalmente apareceu um AU com eles
brincando de imaginar exatamente assim. o diálogo que tem é muito bom

Como prometido, a história da dupla Raven e Murphy:

Eu planejei toda a história de como Raven perde os movimentos de uma perna depois de levar um tiro DO MURPHY num tiroteio da favela. Por que ela se juntaria com ele depois disso? Bem, porque ela precisa. Porque acaba que ele é o único que tem uma oportunidade pra ela sair da fossa e se sentir útil outra vez. E por que diabos o Murphy ia querer fazer uma dupla com a Raven? Porque ele foi expulso pela Clarke da favela, e sua única forma de voltar a fazer negócios ali é... através da melhor amiga dela, a Raven. 

Veja bem, Murphy tem todo o perfil de Pirata das Atividades Ilegais, e na série ele é ligado a Emori que literalmente rouba tecnologia pra vender. E a Raven é uma engenheira mecânica que entende de tecnologia. Ou seja, eis que surge uma dupla improvável nascida das circunstâncias.

Ele tem o conhecimento pra fazer o contrabando, ela tem o conhecimento sobre os produtos. 

E se o Bellamy e a Raven ficam se alfinetando o tempo inteiro igual duas tias na série, IMAGINA A RAVEN COM O MURPHY. SASSY FIGHT GARANTIDA 100% DO TEMPO.

Eles literalmente se odeiam, e precisam um do outro. Dá pra fazer uma dinâmica tão legal. Também dava pra usar isso numa história de piratas reais. 

Eu nem vou escrever isso, não hoje, não necessariamente com a Raven e o Murphy. Mas foi divertido imaginar.

TAGS: , , , , , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

0 comentários

Posts Populares

INSTAGRAM


Instagram

FALE COM A GENTE!

Nome

E-mail *

Mensagem *