CCLivros CCMúsica

Como a música ficou grátis. Ou como o MP3 nos transformou em um bando de ladrões

27.12.15Elilyan Andrade


Música está em qualquer lugar e envolve a todos, diariamente. Então porque nos tornamos mais reticentes a comprar música a cada ano que passa? 

Há vinte anos, em um laboratório na Alemanha, a indústria fonográfica entrava em uma nova era. A criação da tecnologia MP3 foi responsável por ter transformado toda a sociedade. Executivos, artistas, compositores e consumidores foram impactados pela criação do formato mais popular de áudio digital, desenvolvido por um time de pesquisadores liderados pelo engenheiro Karlheinz Brandenburg


No livro “Como a música ficou grátis: o fim de uma indústria, a virada do século e o paciente zero da pirataria”, o matemático e jornalista americano Stephen Witt, a partir de três personagens: o pesquisador e cientista alemão Karlheinz Brandenburg do Instituto Fraunhofer, Dell Glover, funcionário de uma fábrica de CDs da gravadora Universal e o executivo da indústria fonográfica Doug Morris, narra em detalhes os fatos que levaram a uma geração inteira a ilegalidade. 

Se você nunca se questionou sobre a legalidade dos seus downloads a partir da leitura envolvente de “Como a música ficou grátis” vai passar a refletir sobre o assunto. Stephen Witt escreveu uma biografia incomum em formato de um thriller ultra dramático. Com capítulos alternados entre os três personagens principais (George R.R.Martins mandou lembranças) a trama parece surreal demais para ser verdade (o que foi a aposta de Morris com Jay-Z?).


“Como a música ficou grátis” é uma leitura obrigatória para os amantes de música, pois o livro é extremamente atual (o caso Taylor Swift vs Apple é narrado no livro. Gente, isso aconteceu ONTEM!) e instigante. Apesar de ter amado a leitura (provavelmente foi a melhor do ano) o autor tem a mania chata de se perder em detalhes desinteressantes (ninguém se importa com o carro, profissão do avô, namorada e etc), o que torna a leitura arrastada em alguns momentos. 

Não poderia terminar essa resenha sem comentar um detalhe importante: a beleza gráfica do livro. As imagens de divulgação não fazem justiça a belezura que é a capa de “Como a música ficou grátis”. Durante todo o tempo que levei para ler o livro fui parada por algumas pessoas para perguntar do que se tratava o livro porque a capa chamava atenção com o efeito prateado refletivo. Parabéns Intrínseca pelo excelente trabalho.

***
Nota: 4,5/5 conversinhas. O livro é excelente, mas alguns detalhes desnecessários tornam a leitura arrastada. 

***

Título: “Como a música ficou grátis: o fim de uma indústria, a virada do século e o paciente zero da pirataria”

Autor: Stephen Witt

Páginas: 272



Para comprar: Livraria Cultura, Amazon  









***
Este livro foi cedido pela editora Intrínseca. Obrigada :D

TAGS: , , , , , , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

1 comentários

  1. Fiquei interessada. Dias desses, vi um que segue mais ou menos o mesmo estilo, só que com filmes: CINEMA PIRATA. Também chamou minha intenção e já marquei pra uma futura leitura.

    Eu tento ao máximo evitar a pirataria, mas a gente sabe que, hoje em dia, isso é impossível 100%. Seja pelo seriado que só passa em determinado canal, aquele filme que saiu de cartaz (ou nem entrou!) e que você não conseguiu assistir no cinema, ou mesmo o CD que "sai" na internet antes de ser oficialmente lançado. Alguma coisa pirata você acaba consumindo.

    Eu compro e-books, vou ao cinema quando o filme me interessa e tenho acesso ao Netflix, mas música eu ainda não consegui me adaptar. Eu comprava CDs, mas depois do minimalismo, vi que não fazia sentido colecionar aquele monte de disco. Não gosto da "filosofia" da Apple (e nem vou comentar dessa questão da Taylor Swfit que foi marketing puro -- GÊNIA essa garota e sua equipe!) e o Spotify (?) ainda não me convenceu. Sigo no youtube, em alguma rádio online ou acabo baixando o CD, em último caso, quando realmente quero muito escutar (esse ano foram 2, o 25 e o Made in the AM), mas que pretendo adquirir algum dia, de alguma maneira.

    ResponderExcluir

Posts Populares

INSTAGRAM


Instagram

FALE COM A GENTE!

Nome

E-mail *

Mensagem *