Ana Luíza Albacete BuzzFeed

Como conhecemos (e passamos a amar) a Jout Jout

14.6.15Colaboradores ConversaCult


Como a Jout Jout é muito querida e fofa, duas pessoas vão falar sobre ela, eu (Taiany) vou contar como a conheci, e a Ana vai dizer porque ama essa moça aí da foto.

Tudo começou numa quinta-feira, na faculdade. Eis que uma amiga que não estuda na mesma faculdade que eu, não faz o mesmo curso e etc etc, aparece lá pelas bandas da Tijuca (hello Carol), e não sei porque cargas d’água, entre uma frase e outra, acabo citando o buzzfeed (isso não é nem tão estranho, tô sempre falando dessa joça) (sei bem disso - bells), e ela pergunta se já li o post sobre a Jout Jout. Eu, com a minha melhor cara de “que merda você tá falando”, disse que não. Aí foi toda aquela indignação e blá blá blá, e eu dizendo que li o post sobre o Yuri (o maior comentarista do Buzzfeed), e isso já valia muito, palavras palavras palavras, e outras coisas que não veem ao caso.

Mas o fato d’eu (?) não conhecer a Julinha (sou dessas que gosto de me sentir íntima) não ia ficar por isso mesmo.

Alguns dias depois desse encontro, essa mesma amiga me marcou numa postagem no facebook ou mandou um link pra mim, sei lá, não lembro, dizendo, e aqui irei colar as exatas palavras: 

“Se diz viciada em Buzzfeed, mas não viu a lista mais importante da história do site. Estou de olho, Taiany.” 

Devo confessar que fiquei ligeiramente puta pelo questionamento a cerca do meu amor pelo Buzzfeed (ele me salvou numa das épocas mais depressivas da minha vida), e entre umas alfinetadas aqui e ali, resolvi engoli todo meu orgulho e qualquer outra coisa que tivesse em mãos, e fui procurar saber quem era essa bendita mulher supostamente famosa.

Li esse post sobre ela no Buzzfeed, não achei nada demais (prefiro os posts engraçados) e fui catá-la no youtube. Aí meus queridos, foi amor à primeira falada, escutada, olhada. E apesar de eu ser mega orgulhosa e todas essas coisas que impedem as pessoas de darem o braço a torcer, se estou errada ou quando finalmente me convencem que estou errada, eu volto atrás, peço desculpa, engulo mais uma caralhada de sentimentos e tal. Foi isso que fiz. Falei “Você estava certa, a mulher é boa no que faz, e é fofa” (não sei se foram essas exatas palavras, mas a intenção foi essa).

Agora, depois dessa introdução GIGANTESCA, vou mostrar quem é a Jout Jout.


Ela é essa moça dançando aqui.
Sinceramente eu não sei muito sobre ela não. Sei que tem ou tinha 23 anos, e é jornalista (hum?), e que o cara que fica atrás da câmera nos vídeos dela e que escutamos as risadas ou alguma coisa lá que ele fala, é namorado dela (se ainda for o mesmo cara atrás da câmera). 

Segundo ela, a ideia de postar os vídeos era só uma brincadeira e que ela é super tímida, mas quando está frente a frente com a câmera, sente-se falando sozinha e toda timidez vai para o espaço (ou quase), e que os vídeos são mais para ela mesmo do que qualquer outra coisa. (Fonte de todas essas coisas: INTERNET)

Teve 3 coisas que me fizeram continuar a ver os vídeos dessa mocinha:

Número 1

Ela fala sobre coisas banais, mas que ninguém fala. Sobre as coisas chatas de ser mulher e as legais. Coisas sobre homens também. Sobre menstruação, pelos pubianos, puns, brigadeiro, relacionamento, e n coisas. Tudo isso de forma descontraída e com um humor que eu particularmente adoro. Não sei se ela é mais uma aí nas internets da vida, ou se é algo super novo e diferente. Mas gosto de vídeos, blogs e pessoas nesse formato e isso não me cansa

Número 2

Ela é carioca, ela é carioca, basta o jeitinho dela andar. (tem que ler no ritmo da música)

EU AMO ESSA CIDADE. E gosto de apoiar coisas/pessoas dessa cidade. Pior que ela nem é carioca, ela é de Niterói  :~

Mas tudo é Rio de Janeiro (estado), então tá ok. Continuo feliz por ela praticamente morar no mesmo quintal que eu.

Número 3

Essa explicação:  “Apesar de receber mensagens de gratidão de mulheres que se identificaram com as ciladas listadas por ela, Julia não tem pretensão de ser uma figura feminista, até porque gosta de salientar que qualquer um, homem ou mulher, pode sofrer na mão de alguém. 'É empoderamento do ser humano, que está numa encrenca e precisa sair dela. Eu acho, que lá no fundinho, eu sou como as pessoas falam que são feministas. Eu me emociono com mulheres fazendo coisas maravilhosas, fico toda arrepiada, mas eu não gosto de levantar bandeira'".

Eu gostei dessa fala dela, porque é justamente a forma como eu me posiciono. Aqui mais um cópia e cola pra vocês: “Essa frase define toda a minha posição em relação ao feminismo: Só me chamem pro feminismo quando este não falar sobre e em nome de Mallu, mas com Mallu. Senão, é sororidade de fachada." Prefiro me abster de definições, conceitos e qualquer outra nomenclatura e continuar apoiando a equidade. Nisso eu acredito e por isso eu luto, não preciso ter uma denominação. Claro que podem ter pessoas que discordem de mim, mas, ainda prefiro ser só Taiany, que luta por muitas causas.

Eu gosto, apoio e concordo com muitos posicionamentos feministas, mas, não concordo com muito chorume que soltam por aí, não conheço também um bando de informação sobre o movimento, e tenho probleminha com definição. Por enquanto prefiro apoiar minhas causas, que são até muitas, sem me autodefinir. Quem sabe quanto esse post sair eu não tenha mudado de ideia?

Bom, é foi assim que eu conheci a Julia Tolezno, e é por esses 3 pontos ai em cima que eu gostei dos vídeos dela e parei de escrever minha mono para vir aqui, fazer esse post. São 1:26 da madrugada, eu estou com as costas doendo, tenho que terminar de ajeitar a mono hoje, mas vou deixar meu primeiro vídeo da Julinha aqui pra vocês antes de voltar aos estudos.

Eu não me aguentei e queria deixar essa fotinha também, para o caso de alguém ter chego até aqui e ainda não souber o que/quem é Jout Jout. E para maiores informações, o canal dela é esse aqui.



Ana: Por que amar JoutJout?

Pelas coisas que a Taiany disse, vocês podem ter certeza que é bem fácil amar JoutJout, não é mesmo? MAS É SIM! 

JOUTJOUT é o ser mais amável do mundo e que, com seus vídeos leves e engraçados, fala de tudo que vem na cabeça dela (ainda tô esperando o vídeo dela falando o quanto ela odeia fazer escova em dia de chuva).  Umas coisas que ela fala, que são tabu (e que não deveria ser), por exemplo, quando ela falou de masturbação feminina, foi tão divertido e ao mesmo tempo, esclarecedor. O que ela faz é basicamente, utilidade pública, afinal, a naturalidade que ela fala das coisas é incrível.

Tá, eu falei que eu espero o vídeo sobre o quanto a JoutJout odeia fazer escova em dia de chuva porque: Um dia eu fui ao teatro em Botafogo. Assisti ao último dia da peça "Nômades" com uma amiga. Caiu um temporal louco no Rio e, como o teatro é pequeno, tava todo mundo se encolhendo no hall de entrada. Até que em algum momento eu olho pra frente e lá estava JoutJout, colocando as mãos no rosto e falando para o Caio (!!!) "MEODEUS eu odeio fazer escova em dia de chuva!". E aí eu agarrei o braço da minha amiga e disse baixinho: "AIMEUDEUS! A JoutJout tá na minha frente!".

E aí as portas do teatro se abriram. E a gente entrou. Ela sentou na primeira fileira e eu sentei na quinta. E conversando com a minha amiga eu disse:

"Se ela pedir no facebook por temas de terça-feira, eu vou falar da escova em dia chuvoso"
Amiga: "Vai ser muito bom se ela curtir e te procurar".

E nesse meio tempo, eu abri o facebook e lá estava um pedido dela por temas, eu fui lá e comentei: "joutjout, fala como você odeia fazer escova em dia de chuva! hahahaha".

E desliguei o celular. Enquanto conversava com a minha amiga, uma notificação chegou: "JoutJout curtiu seu comentário". E quando eu olhei pra frente, lá estava ela olhando pra trás me procurando. Eu tive um ataque de riso e logo ela apontou pra mim.

Nos comunicamos por gestos por um tempo, até que eu pedi um abraço. Ela levantou e subiu as escadinhas (nem deu tempo d'eu sair do meu lugar e ela já estava animadíssima no final da minha fileira me esperando). A gente se abraçou. Ela disse que eu era linda. Eu disse que >ela< era linda. a gente se abraçou de novo. Eu falei que os vídeos eram maravilhosos e que eu amava, porque ela tinha coragem de falar tudo que eu queria e que eu queria ter a coragem dela. Ela me disse pra fazer um vlog e aí a gente se abraçou de novo. O terceiro sinal da peça tocou e a gente se despediu.

Esqueci de tirar foto. Porque foi tão intenso. Foi tão lindo. E a minha amiga ficou morrendo de rir da gente. Ela falou: "Parecia que vocês iam se fundir de tanto que se abraçaram!". E foi basicamente isso.

Então, pra ajudar vocês a amar ou conhecer melhor essa mulher-maravilhosa, aqui está alguns vídeos dela:





BÔNUS: 



taiany araujo & ana luíza albacete

TAGS: , , , , , , , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

3 comentários

  1. 'aimeudeusvcsconhecemajoutjout' a um bom tempo meu cel está sem memória pq está cheio de vídeo dela, está cheio de destabulizaçao e desconstrução sobre as coisas. Ver ela falando faz a gente ficar tão mais leve e feliz. JoutJout <3 (e Caio, ou a voz dele..)

    ResponderExcluir
  2. Primeiro: COMO ASSIM VOCÊ NÃO CONHECIA A JOUT JOUT TAIANY?
    QUERO TE BATER!

    Segundo: Carol obrigada. Não sabia que essa moça ai não conhecia.

    Terceiro: Adorei o post, os trechos citados e a forma como foi escrito xD

    Bjs :*

    ResponderExcluir
  3. uhhuu aí eu pergunto: Como não amar JoutJout! <3 Essa mulher é a pessoa mais sensacional de incrível que já vi heueheuhe! Adorei o post. o CC tá muito lindo gente! Bjo bjo bjo bjo

    ResponderExcluir

Posts Populares

INSTAGRAM


Instagram

FALE COM A GENTE!

Nome

E-mail *

Mensagem *