Arden Cho asiático

Entenda o whitewashing de Vigilante do Amanhã

30.3.17Dana Martins


Vigilante do Amanhã: Ghost In The Shell é um filme novo que abre espaço pra discutir um problema sério de Hollywood: o racismo através de whitewashing. Mas que que é isso? Onde a gente vê isso? Hoje eu trouxe umas threads que eu encontrei e outros casos para gente entender o problema. 

Whitewashing é a união das palavras em inglês white (branco) + wash (limpeza) e tem muitos significados (...). E, mais recentemente, foi colocado um novo significado na palavra: “fazer limpeza étnica em um personagem fictício ou histórico, transformando-o em uma pessoa branca”. - Nem Um Pouco Épico

A questão é que a gente já tende a ver todo mundo como branco e privilegiar a cultura branca, só que quando se trata de Animes e cultura asiática em adaptações americanas, isso traz outra questão:





E além de roubar a chance de pessoas asiáticas serem humanizadas e celebradas através da representatividade, um dos impactos disso é como atores asiáticos são tratados na indústria. Quer dizer, eles existem, os Estados Unidos é cheio de americano com descendência asiática, mas até mesmo quando fazem personagens que são asiáticos, eles não recebem o papel.

Aqui vai um texto interessante sobre o roteirista Aaron Sorkin falar que "não existem estrelas de filme asiáticas."


"Se você pudesse ser qualquer pessoa por um dia, quem você seria e por quê?"

"Scarlett Johansson, porque ele recebe papeis das mulheres brancas protagonistas E das mulheres asiáticas protagonistas. E, sei lá, é tão difícil pra gente conseguir algo por aqui. Quero dizer, me joga um ossinho, isso é ruim?"
- Arden Cho



"As pessoas me perguntam, "então, como está agora as oportunidades? Você deve estar conseguindo tantos papeis!' E é tipo, eu não sei se você sabe, mas eu ainda sou asiático. Não é uma reclamação, é apenas como as coisas são agora, e eu tenho que criar meu próprio caminho através disso. Eu acho que se eu não fosse asiático, eu provavelmente teria toda uma seleção de papeis, pelo menos pra fazer audição, mas ninguém escreve esses papeis." Steven Yeun, que fez o Glenn em The Walking Dead

Clique aqui e veja um post do tumblr com outros atores asiáticos falando sobre as dificuldades em Hollywood.

"Como a Viola Davis disse, 'você não pode ganhar um Emmy por papeis que simplesmente não existem.' Tem um LONGO caminho pela frente pra asiáticos se a gente não consegue nem papeis de animes." - Arden Cho


Vigilante do Amanhã não é o único filme que traz whitewashing e marginalização de atores asiáticos em algum grau recentemente. A Grande Muralha é um filme que se passa na China protagonizado pelo Matt Damon. Existe o caso de Doutor Estranho, que fez whitewashing colocando a Tilda Swinton no papel de Ancião, já em uma história sobre um homem branco se envolvendo na cultura oriental. Então Punho de Ferro, que é novamente a história de um homem branco sendo "o escolhido" em uma cultura oriental, que eles tiveram a oportunidade de escolher um ator asiático para o papel, mas escolheram um homem branco.





O ator Lewis Tan foi considerado para Punho de Ferro, mas negado por "falta de experiência." Agora, onde é que atores asiáticos vão ter experiência se não dão papeis pra eles? Curiosamente, é exatamente a mesma desculpa dada para não contratar mulheres diretoras para Star Wars. (e, só pra deixar claro, a "falta de experiência" não costuma ser um problema quando o ator/diretor é homem branco)

Além disso, depois de tentar o papel como protagonista de Punho de Ferro, o ator Lewis Tan foi chamado para tentar ser o vilão e conseguiu o papel. O mesmo caso de personagens asiáticos em Vigilante do Amanhã. Ou seja, até contratam os atores asiáticos, em histórias da própria cultura deles, mas só se eles forem mostrados como os "do mal". 

Death Note, da Netflix, é outro caso recente de pegarem um anime com personagens japoneses e colocarem atores brancos para interpretarem os papeis. Aqui sobre o Edward Zo, que foi rejeitado pela Netflix pra fazer o papel de um personagem asiático por ser asiático:


Todas essas são grandes produções de agora que poderiam dar a oportunidade para atores asiáticos e criar representatividade asiática de fato. Mas através de whitewashing e racismo, continua privilegiando as pessoas branca. Esse é o problema da apropriação cultural, inclusive, porque continuam lucrando com a cultura, com as histórias, com o que é produzido pelo povo, mas ao mesmo tempo continua marginalizando e vilanizando esse mesmo povo. 

"Quando as pessoas vão entender que o canon é baseado na supremacia branca, então defender "o canon" é na verdade... defender supremacia branca? E então, quando eles colocam gente branca em narrativas asiáticas, é "licença criativa" haha" E. Alex Jung (ver tweet)

Pra terminar, uma outra thread sobre o filme (clica no tweet pra ver completa), que vale a pena:

"Eles ignoram de propósito como esses filmes que sofrem whitewashing flopam? Avatar?? Dragon Ball Z??"

Enfim, acho que esse é um assunto grande, que não se resume a Vigilante do Amanhã - esse é mais um dos casos de Hollywood fazendo o mesmo de sempre.

1) Roubando a cultura quase como se fosse um universo de fantasia (Vigilante do Amanhã, Punho de Ferro, Doutor Estranho...),
2) dando papeis de atores asiáticos pra atores brancos (Vigilante do Amanhã, Death Note, Doutor Estranho...),
3) mostrando os próprios asiáticos como vilões na história (Vigilante, Punho de Ferro),
4) quando eles podem dar papel de personagens brancos [se metendo em cultura asiática] pra atores asiáticos, não fazem também (Punho de Ferro, Doutor Estranho...),
5) Fazendo leitura de personagens de outras culturas como brancos (O caso dos animes)
6) Insistindo em conservar o "canon" ignorando que o próprio canon foi feito em um passado racista, misógino, homofóbico, e que isso significa conservar a supremacia branca.
7) Não dando oportunidades para atores com descendência asiática/asiáticos nem representatividade digna.

Complete o texto com: Não é mais whitewashing: No persistente racismo de Hollywood, o buraco agora é mais embaixo


links usados pra esse post
Falta de papeis
http://www.thewrap.com/walking-dead-star-steven-yeun-is-writing-and-producing-his-own-projects-to-create-better-roles-for-asian-actors/
https://doubtingsalmon.tumblr.com/post/93937298522/leseanthomas-people-ask-so-how-are-the
http://www.wetpaint.com/steven-yeun-struggle-roles-asian-831885/
http://eastasiansonwesternscreen.tumblr.com/post/132618280088
https://thenerdsofcolor.org/2014/12/15/there-are-no-asian-american-movie-stars/
https://twitter.com/e_alexjung/status/844653711834140672
https://www.youtube.com/watch?v=hdxz2htgPiQ
http://www.deathnotenews.com/news/teen-wolfs-arden-cho-wades-in-on-the-us-death-note-whitewashing-furore

IRON FIST
https://twitter.com/MatthewACherry/status/844011507167911936
http://www.independent.co.uk/arts-entertainment/tv/features/iron-fist-marvel-lewis-tan-netfix-danny-rand-finn-jones-whitewashing-asian-lead-a7643041.html

MULHERES E OUTRAS MINORIAS SOFRENDO COM PROBLEMAS PARECIDOS
https://www.forbes.com/sites/scottmendelson/2016/11/28/female-directors-dont-need-experience-they-just-need-to-get-hired/#d795b0550e8b
http://www.newstalk.com/Seven-female-directors-who-could-helm-a-Star-Wars-movie
https://twitter.com/reidnakamura/status/845424161656750080




minha newsletter!!! yeeey

TAGS: , , , , , , , , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

11 comentários

  1. Olá, gostaria de, educadamente, discordar de boa parte desse post.

    Eu sou mega fã de Ghost in the Shell. Meu primeiro contato com esse anime foi ainda nos anos 90. Trata-se de uma história ambientada em um local totalmente globalizado e com grande diversidade étnica. Discordo quando a autora do post afirma que o filme conta uma história que "depende completamente da cultura japonesa". Desculpa, isso não é verdade. Trata-se de uma história globalizada e politizada que poderia se passar em qualquer lugar, até mesmo no Brasil. O gênero cyberpunk adotado pelo mangá, pelo anime e, agora, pelo live action de Ghost in the Shell possui sim influência estilística das grandes metrópoles asiáticas. Em Blade Runner, que foi a primeira obra áudio-visual a adotar a temática cyberpunk, também se vê isso. O movimento cyberpunk em si tem influência de muitas outras culturas além da japonesa. Então, realmente, a "cultura japonesa" não é a algo do qual a obra dependa COMPLETAMENTE, como realçou a autora do post.

    E tem uma coisa muito óbvia que todos esquecem. Um filme todo "diferentão" para o rgande público como Ghost in the Shell é praticamente imperativo apresentar algum rosto conhecido para vender o filme. Podem ter certeza que os atores de Hollywood não ganham a fortuna que ganham por causa do talento deles, mas sim porque suas figuras VENDEM. Não é a atuação deles que valem milhões, mas sim seus rostos. Um filme com um ator desconhecido como protagonista é muito mais difícil de atingir uma grande bilheteria, a menos que o filme se venda de outras formas, como fazer parte de uma franquia muito conhecida (Star Wars, Marvel).

    Outro ponto que eu gostaria de comentar é sobre os demais filmes orientais que foram adaptados para o cinema norte-americano. Temos filmes de terror como O Chamado e O Grito; ação, como Os Infiltrados, Oldboy e Perigo em Bangkok; até filmes mais românticos como Dança Comigo e A Casa no Lago. São todos excelentes filmes orientais e que foram refeitos no ocidente com atores ocidentais. Nenhum desses filmes gerou essa polêmica que Ghost in the Shell e, agora, Death Note está gerando. Até filmes em que a cultura e a história japonesa é muito presente, como Os Sete Samurais, ganhou mais de um remake americano, trocando os guerreiros japoneses pelos pistoleiros do velho oeste americano. Adaptar um filme estrangeiro à cultura nacional é uma coisa mega comum. E isso não é coisa só de americano não. Em 2013 o Japão lançou "Unforgiven", remake do clássico filme de Clint Eastwood, e, veja só que irônico, trocando o cenário de velho oeste para a era Meiji, que foi o período do declínio dos samurais. Outros filmes ocidentais que ganharam remakes orientais: "Ligações Perigosas", "Ghost", "O Bom, o Mau e o Feio", "Do que as Mulheres Gostam", My Fair Lady e muitos e muitos outros.

    Bom, dito isso tudo, gostaria de esclarecer que eu não acho que o "whitewashing" não existe. Ele existe sim, e deve ser combatido. Acredito que atores de qualquer etnia devem ter as mesmas chances de conseguir um papel, a menos que em tal papel seja justificável pelo roteiro o uso de uma etnia específica. Mas atacar produções específicas não é o caminho, e, inclusive, é um desrespeito a todos os artistas e funcionários que trabalharam em um filme. É injusto. Critiquem o jogo, não o jogador. Ghost in the Shell passa uma excelente mensagem em como a tecnologia está tirando a nossa humanidade e aborda questões filosóficas a respeito da vida e da consciência, mas está mais conhecido como "o filme que colocou uma branca no papel de uma japonesa". Se é injusto que Hollywood contrate poucos atores asiáticos em suas produções, não é com outra injustiça que deve ser abordado esse assunto.

    Desculpe pelo comentário gigante. Espero ter acrescentado algo ao tema, e desculpe se, por acaso, ofendi alguém.

    Parabéns pelo site.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Falou, falou, falou, falou e no fim não falou nada. Se depois dessa explicação didática você não conseguiu enxergar o whitewashing, se mata, filho. Se atacar as produções não é o caminho, qual é? Vamos ficar todo mundo quieto enquanto personagem asiático é interpretado por branco de olho azul?

      E ó só, o texto falou de outras produções, deu outros exemplos. Você deve ter lido só a parte que interessava e correu pra comentar, pq qualquer dúvida que eu tivesse antes, esse texto esclareceu. Seu comentário é dúbio, mal escrito, não agregou nada à conversa e nem entregou uma forma de combater whitewashing. Parabéns.

      Excluir
    2. Eu li o texto inteirinho e vários outros sobre o mesmo tema. E eu tenho a minha opinião a respeito. Você tem todo o direito de não respeitar minha opinião, mas me respeite, por favor. Não é preciso ser agressivo, pois isso não leva a nada.
      O que eu quis passar com o meu comentário é que produções são refeitas em locais diferentes dos originais e que não há problema algum em se escalar atores da etnia de onde está sendo feita a nova versão. Isso já acontece ha décadas, e nunca enxergaram isso como whitewashing. Porém, eu não disse que não exista whitewashing, mas, na minha opinião, atacar produções isoladas não é o caminho. Veja o Oscar do ano passado, por exemplo. Não atacaram nenhuma produção específica para protestar contra a falta de atores negros entre os indicados. Criticaram o sistema. O resultado você viu esse ano.
      Você pode discordar de mim, respeito você e a sua opinião. Desculpe se falhei em agregar ao tema e em trazer alguma solução. Ficarei feliz em ler suas ideias a respeito, caso queira compartilha-las.
      Abraço

      Excluir
    3. olha, ser fã de Ghost In The Shell não te faz japonês e nem afetado pelo problema. Então não é o seu lugar dizer o que cabe ou não. Além do mais, acho que já tá mais do que claro que tem problema.

      Isso da indústria precisar de gente branca pra vender só dá suporte a mentalidade racista. E já foi provado que não é assim que funciona - o próprio Steven Yeun citado no texto é um exemplo. Além do mais, dentro dessa lógica, ela precisa pra vender, e se a gente não compra, essa "necessidade" muda. Ou seja, isso desfaz a sua própria ideia de que não adianta "atacar produções específicas".

      E pra constar, isso não é um ataque. Existe um problema, eles tiveram a oportunidade de fazer diferente (pega Pacific Rim como exemplo, até Power Rangers), mas não fizeram. Nem reconheceram o problema, o que é pior ainda. O texto fala sobre esse problema, dá informação. Inclusive, acrescento várias outras recentes que também perpetuam o problema. Agora, se tu não quer assistir ou quer assistir o problema é seu. Você pelo menos vai sabendo o que tá acontecendo.

      Não existe a menor lógica em não deixar as pessoas falarem abertamente sobre os problemas da indústria.

      E sobre ser assim há bastante tempo: sim, é. Não torna mais ok. E pf não caia no mito de que Japão pegar algo Americano e usar num contexto japonês é o mesmo que americano pegar algo japonês e colocar num contexto americano, existe uma relação imperialista aqui - e esse é todo o problema.

      Não me ofendeu, acho que tá ok e você pelo menos tá buscando entender. Acho que eventualmente você vai se ligar que muita coisa do que "parece ser assim" e rejeição a certas ideias, são internalizadas na gente. Tipo, existe um monte de coisa assim e o pessoal usa figurinha famosa pra vender, mas faz disso certo? Não. E por que a gente deveria aceitar, principalmente calado? Tipo, o que que você tá propondo aqui?

      Não escrever textos assim? Ir assistir todos os filmes do cinema pra dar suporte a todas as produções? Não falar sobre problemas de Hollywood? Ignorar isso porque a mensagem é bonita?

      ps: dá pra ter acesso a filosofia e questões de humanidades, em uma discussão ainda mais complexa, vendo o original. Se você quiser escrever sobre as produções japonesas de Ghost In The Shell e celebrar a mensagem, o CC está aberto.

      Excluir
    4. Olá, Dana, obrigado pela resposta.

      Eu não discordo na totalidade do que você disse. Mas fico pensando se essa relação imperialista dos EUA com boa parte do mundo (com países menos desenvolvidos, principalmente) ocorre com o Japão. O Japão é uma grande potência, será que ele olham os EUA de baixo pra cima como ocorre com a América Latina, por exemplo? O japonês é um povo orgulhoso e creio que eles se colocam no mesmo patamar dos EUA. Ou até acima. Se for assim, creio que o povo japonês nascido e criado no país não é afetado pela problematização proposta por você. Esse vídeo mostra, mais ou menos, o que o povo japonês pensa sobre o assunto: https://www.youtube.com/watch?v=2DhoBuU1Dtc

      Por outro lado, com os asiáticos imigrantes nos EUA é diferente. Eles sim eu acredito que sofram com a falta de oportunidade, visto que produções norte-americanas só escalam atores com traços asiáticos para interpretar personagens, quase sempre, estereotipados. Essa crítica foi abordada com maestria na HQ Chinês Americano, do Luen Yang. Visto que o número de asiáticos e descendentes de asiáticos não chega a 10% da população americana, ali sim eles estão em uma condição de minoria que merece a atenção. Creio sim que papéis em que o roteiro não peça uma etnia específica para um determinado personagem, atores de todas etnias deveriam ter a mesma chance de disputar aquele papel. O que aconteceu na produção de Death Note, por exemplo, é algo ridículo. A história de Death Note não necessita de uma etnia específica para nenhum personagem. O próprio L é negro nesse filme. Então, não deixar um ator competir pelo papel por conta se sua etnia, é algo que deve ser criticado sim.

      Resumindo, eu não acho justo que Ghost in the Shell e outras adaptações de filmes asiáticos sejam criticados por whitewashing por todos motivos que já expliquei, mas acho que situações como as do casting de Death Note merecem sim a crítica. Mas essa é a minha opinião. E ela pode mudar, como já mudou centenas de vezes em relação a centenas de assuntos, mas sempre com discussões sadias e respeitosas como essa.

      Abraço



      Excluir
  2. Personagem de animes tem olhos grandes por causa do Mickey Mousse. Só um adendo.

    ResponderExcluir
  3. Personagem de animes tem olhos grandes por causa do Mickey Mousse. Só um adendo.

    ResponderExcluir
  4. Não existe whitewashing algum no Punho de Ferro da série. Quem lê os quadrinhos sabe que Danny Rand (Punho de Ferro) é e sempre foi americano e isso é importante pra história dele! Ao chegar em Kun Lun e começar seu treinamento, Danny teve sua capacidade questionada justamente por ser estrangeiro! Todos na cidade mística duvidavam que ele conseguiria aprender as artes marciais do local e evoluir a ponto de se tornar o novo Punho de Ferro. Então ele - assim como o pai antes dele - teve que superar isso e se provar como um grande lutador até se firmar como o homem que derrotou o dragão e se tornou o Punho de Ferro. Depois ele volta para Nova York e aplica o que aprendeu em Kun Lun lutando contra o crime na cidade. Não sei nem como cogitaram um ator asiático para esse papel, pois isso sim iria contradizer completamente a própria essência do Punho de Ferro. (seria como colocar um ator branco pra interpretar o Luke Cage). Já o Davos (principal antagonista) sim é um asiático nos quadrinhos e na série foi interpretado por um ator asiático. Respeitaram o material original. A série do Punho de Ferro pode até ser ruim, mas pelo menos nisso eles não erraram.

    ResponderExcluir
  5. Sobre Ghost in The Shell, o próprio Mamoru Oshii, diretor do anime, apoiou a escolha da Scarlett Johansson para o filme. Ele declarou ao The New York Times: "A Major tem um nome japonês, mas ela é uma ciborgue. A idade e passado dela são desconhecidos, assim como sua nacionalidade. No Japão, os personagens do mangá e anime são 'desnacionalizados', então não tenho nada contra Scarlett interpretando a Major. Na verdade, acho que ela combina com a imagem do filme e não poderia ter imaginado uma escolha melhor."

    Em nenhum momento, tanto no mangá quanto no anime, é especificado a nacionalidade/etnia da Major. Por quê? Porque isso não faz a menor diferença na história que está sendo contada! Basta saber que é um cérebro humano implantado em um corpo artificial/robótico. O ideal seria que esse corpo robótico não tivesse nacionalidade alguma, mas isso seria impossível para o filme, já que é preciso uma atriz real (e isso foi apontado no texto). Neste caso escolheram a Scarlett por ser uma atriz que chama muito público (afinal, o filme precisa ser vendido) Mas tanto faz, Poderia ser uma atriz asiática, americana, brasileira, negra… Não importa pra história do filme.

    ResponderExcluir
  6. Que tal falar sobre Once Upon a Time, série que teve um episódio com um ator NEGRO representando Sir. Lancelot? Ou a nova adaptação do animê Death Note, com um ator NEGRO fazendo papel dum personagem japonês? Fora um set de fotos que vi faz uns tempos criando "negra de neve"? Aí tem nome também? Aí não é "blackwashing" não, né?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que é importante entender que:
      Whitewashing não é "trocar etnia da pessoa" que nem você muda cor do bonequinho em The Sims. Whitewashing existe por causa da relação de poder que envolve pessoas (e cultura!) brancas em relação às outras. O whitewashing é nocivo justamente porque você tem só um grupo que domina todas as histórias e ainda, quando pega histórias de outros grupos, tira esses grupos da história e se coloca como protagonista. >Essa é a questão do whitewashing.<

      Você pode colocar 293832 pessoas diferentes fazendo o mesmo papel, isso não altera que no nosso mundo existe essa dinâmica de poder entre pessoas brancas vs. outras.

      Ou seja, blackwashing não existe porque as pessoas negras não são do grupo dominante. Você não tem uma cultura de pessoa negra tratada como padrão em todas as histórias.

      NO ENTANTO, no caso de pessoa negra (ou qualquer outra minoria) pegando um papel que é de uma outra >minoria< específica (caso de death note), ainda é ruim, mas por outros motivos que não são o whitewashing.

      Lancelot negro é ótimo e importante.

      *lembrete de que minoria não significa minoria de quantidade

      Excluir

Posts Populares

INSTAGRAM


Instagram

FALE COM A GENTE!

Nome

E-mail *

Mensagem *