CCFilmes CCResenhas

Minhas impressões sobre O Regresso (já adianto: nada boas)

2.3.16Isabelle Fernandes


Antes de mais nada, deixa eu dar uma dicona pra vocês: se sabem que um certo gênero ou história em um filme não te agrada, não veja. Se de alguma forma você se sentir que não quer ver um filme, não veja. De jeito nenhum. Não importa os motivos que você tenha pra ver. Eu não segui essa dicona, ignorei meus instintos e olha só, sofri.

A sinopse de O Regresso nunca me interessou, mas pelo trailer vi que esse podia ser o trabalho de ouro do Leonardo DiCaprio lindão, então pensei que eu NECESSITAVA ver o moço brilhar (e no fim das contas foi mesmo, PARABÉNSSSSSSSSS PRO MOÇO). Queria que quando chegasse o dia do oscar eu visse as cenas, o lindão e pensasse "caralho, vi na íntegra". Sim, vi na íntegra, a atuação dele está impecável. Porém, amigues...eu sofri.

Vamos começar do começo. Temos um bando de homens sujos cheios de roupa no meio do nada congelante fazendo sei lá o quê, que depois entendi ser matar animais pra pegar a pele. Só isso já me deixou puta, mas ok. Aí aparecem índios atacando geral e eles ficam muito fodidos, ok. Nessa parte já aconteceu tanta coisa medonha que eu já tava pensando "pelo amor de deus o que to fazendo aqui". Aí o personagem do DiCaprio, Hugh Glass, dá uma ideia pra fugir da perseguição dos índios lá e depois de algumas cenas onde vemos que Fitzgerald, personagem do Tom Hardy, é um tremendo babaca, Glass resolve caminhar pela floresta sozinho (o idiota) e dá de cara com uma ursa gigantesca. Digo ursa porque tinha dois filhotes ali. Ela só tava tentando proteger eles véi.

Só essa gif já me deixa nervosa
Nem preciso dizer o que aconteceu, né. Glass ficou enormemente fodido e a gente vê TUDO. TUDO. CADA GOLPE. GENTE. É HORROROSO. Nessa hora eu tava quase chorando e não aguentando mais. Ao fim de muita luta (ela morre, isso não pode ser considerado spoiler, pode?), acham o homem agonizando e cuidam dele, carregam ele, enfim. São verdadeiros companheiros. Menos o Fitzgerald. O miserável dá cabo do filho do Glass (que era meio índio e basicamente ninguém gostava dele ali) e dá um jeito de largar o homem sozinho, amarrado em uma maca e devo relembrar: todo fodido.

Eu tô falando muito a palavra "fodido", mas não tem outra pra descrever essa série de desgraças HFUDHGUDFHDHD

Então amigues, começa a jornada agonizante cercada de miséria e sofrimento. Hugh Glass paga por todos os seus pecados, passando por situações absurdas que deveriam ter matado ele, ao mesmo tempo em que vemos o que tá rolando com o Fitzgerald, o resto dos homens e o grupo de índios que atacaram lá no início, o que me fez pensar que eles teriam um grande papel. Deixo pra vocês descobrirem vendo o filme OU NÃO.

Enfim, as coisas que acontecem...de novo gente morrendo, bicho morrendo, coisas absurdamente nojentas. Falando assim até parece que sou frescurenta mas não é o meu caso. Pelo amor de deus, eu via Hannibal fazendo refeições numa boa!! Normalmente quando estou vendo um filme com cenas sangrentas ou violentas minha avó grita e eu rio da cara dela, mas algo em O Regresso me abalou de uma forma que eu só continuei assistindo porque era questão de honra e eu queria ver a atuação do Leo. E também queria saber QUAL CARALHOS ERA O OBJETIVO DA HISTÓRIA.

Eu diante disso tudo
Sério, só não fiquei absolutamente perdida porque vi na sinopse que o Glass ia buscar vingança, mas ele passa quase duas horas tentando sobreviver em condições muito adversas. Detalhe: o filme tem duas horas e trinta e seis minutos de duração. Então, ele passa praticamente o filme inteiro na sofrência, todo fodido e apenas na última meia hora as coisas acontecem. Foi aí que eu realmente me interessei pelo filme, porque no resto do tempo eu tava me distraindo com outras coisas enquanto as cenas rodavam HUGDHIDHIGFDIGD

Aí o filme acaba. Fiquei olhando pra tela preta e as letrinhas passando com alguns sentimentos muito contraditórios. Do meio pro final o horror diminui um pouco e fica estável, quer dizer, não deixei de ficar assim, mas tava melhor do que antes. Mas além disso, eu me importei com os personagens. Passei a maior parte do tempo torcendo pros índios, torcendo pro próximo animal não morrer (torcida infrutífera), torcendo pro Fitzgerald morrer e pensando na desgraça do Glass que ao fim não tinha mais nada. Ao longo do filme a gente vai descobrindo algumas coisas sobre o passado dele, sobre quem era a mãe do filho dele mas nada detalhado. Ainda assim isso foi fundamental pra eu sentir o mínimo de empatia pelo personagem que passa a história inteira pensando na família e tal. É bonito. Mas mesmo depois de refletir sobre isso tudo, o horror volta HUFIDSHGIUDFHIGHD.

Nunca mais chego perto, juro
Por fim amigues, posso dizer que é um bom filme. A direção é boa, fotografia linda e dá pra reconhecer o estilo do Iñárritu: cenas sem cortes, a câmera rodando (vi que o nome é efeito 360º, cadê Ana Luíza aqui?) e uma maldita batucada no fundo que felizmente dessa vez se limita a algumas cenas. Mas né, ainda assim foi uma experiência complicada pra mim. Se eu tivesse visto O Regresso antes da minha aula de inglês de sábado, poderia ter citado ele como exemplo pra nova palavra que aprendemos: 

"Gruesome" -  algo medonho, macabro, que te enche de horror.

Foi bem assim que eu me senti.

TAGS: , , , , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

1 comentários

  1. Eu achei esse filme muito bom em todos os sentidos, talvez menos na musica (um pouco fraca),um filme de realidade incrível e impactante, uma luta luta e sobrevivência muito rara mais humana, mais afim né gosto é gosto SHGIUDFHIGHD (o meu varia bastante, rs)

    ResponderExcluir

Posts Populares

INSTAGRAM


Instagram

FALE COM A GENTE!

Nome

E-mail *

Mensagem *