autobiografias CCLivros

Esta Valsa é Minha, de Zelda Fitzgerald

11.8.14Conversa Cult

"Não é engraçado como o medo torna as pessoas apaixonadas?"

E aí, lembram do F. Scott Fitzgerald, autor de Este Lado do Paraíso e O Grande Gatsby? Hoje, eu NÃO venho falar dele. Aliás, começar esse texto citando sua obra já é uma ofensa a autora que vim resenhar, que é sua esposa. Afinal, por trás de todo o grande homem há uma grande mulher. E no caso de Zelda, uma grande mulher com um histórico polêmico e acusações de loucura. Com um romance inteligente e ácido; uma ficção empapada de realidade, a Senhora Fitzgerald nos traz uma obra sobre a condição feminina na década de trinta e tenta fugir da sombra que o marido lhe impôs e impõe até hoje (inclusive neste parágrafo).

Quer saber se ela foi bem sucedida na tarefa?

Minha curiosidade pela vida de Zelda Fitzgerald demanda uma breve contextualização: me apaixonei pela “geração perdida” de artistas e autores que viviam boêmios na França da década de trinta através do livro autobiográfico de Hemingway, “Paris é uma Festa”. Nele, o autor demonstra indiscreta rixa com duas damas, a poetisa lésbica, Gertrude Stein e a esposa de seu grande amigo, Francis Scott Fitzgerald - a quem ele julga ter um potencial imenso que é constantemente minado pela mulher. Mas Hemingway não era nenhum santo e sabemos que suas qualidades incluem homofóbico” e “machista”, o que torna sua versão dos fatos duvidosa. Foi por isso que eu cheguei a este livro, que leio para poder tirar minhas próprias conclusões sobre ela.

ninguém me entende...
Esta Valsa é Minha” é o único romance de Zelda Fitzgerald, escrito nas primeiras semanas de sua internação em um manicômio. O local onde foi escrito é determinante para a obra, pois seu propósito é revelar seu lado da história, que sempre foi ignorado. Assim como seu marido fez anos antes com “Suave é a Noite”, ela traz uma narrativa quase autobiográfica (o que leva muitos a tratarem as obras como romances complementares), e eu não tive como ignorar isso durante a leitura. Seu livro é, no mínimo, intenso. Sua escrita é elaborada e carregada de metáforas. Tão inteligente quanto o marido, que visivelmente lhe influenciou. Ainda assim, falta-lhe a simplicidade nas frases, que ás vezes exigem muita reflexão para serem lidas (o que tornou o processo um tanto difícil em alguns pontos). É uma obra de digestão lenta e isso deve ser respeitado.

Na história, seu alter ego, Alabama, é uma jovem que se apaixona pelo artista David Knight. Os dois tem uma filha juntos e se mudam para Paris visando os melhores interesses do homem e sua produção artística. E aí que a coisa começa a ficar interessante. Entediada com a viva social parisiense e cansada do anonimato acarretado pela fama do marido, Alabama sente a necessidade de escapar das trevas da vida de dona de casa e se dedicar a um propósito maior. Ela deixa a filha em casa e decide praticar ballet, mesmo tendo a muito passado da idade para ser bem sucedida neste ramo – atitude profundamente criticada. Seu relato é emocionante, pois retrata a luta de uma mulher que descobre o sabor da ambição em um mundo que nada espera dela, a não ser a criação dos filhos. A valsa é dela, e é preciso muita coragem para dança-la, pois Alabama tem de dança-la sozinha.

"- O problema com emergências - disse ela. - É que sempre visto minha roupa de baixo mais fina e então nada acontece."

Não digo que seja um livro fácil de ler, tanto pela sua forma quanto pelos seus temas. A noção de que aquilo tudo de fato aconteceu estava sempre martelando minha cabeça. O drama de Alabama me deu uma nova perspectiva sobre o casal Fitzgerald e um respeito muito maior por Zelda, rechaçada por uma sociedade que não estava pronta para dar independência às mulheres. Mesmo em desgraça, ela sustentou um humor afiado e não se deixou intimidar. O livro foi seu último grande ato e ela se despediu com elegância.. Zelda foi outra vítima na história da nossa sociedade machista. Não acho que ela foi santa, mas tampouco a vejo como a diaba que Hemingway descrevia. Talvez um meio termo, talvez em meia luz, como tantos de nós.

-----

Livro: Esta Valsa é Minha

Autora: Zelda Fitzgerald 


Paginas: 300

Comprar: Saraiva, Submarino.




(3.5 Conversinhas)


Esta resenha só foi possível por que a Companhia das Letras é uma editora linda e nos enviou um exemplar (diga-se de passagem, uma edição maravilhosa e cheia de prefácios). Um beijo pra você, Cia.!




TAGS: , , , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

4 comentários

  1. Não sabia que ela havia publicado um romance! Meu último livro foi Este Lado do Paraíso, e vou ler agora O Grande Gatsby. Fiquei muito interessada em ler ess livro dela (:

    http://www.prefirobsides.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele é bem dificil de ler. Mais do que os do F. Scott, francamente. Mas é muito bom para quem quer entender mais sobre o contexto daquela época. Eu sinto que eu consegui ter uma visão muito mais ampla da Geração Perdida depois deste livro. Fico feliz que tenha gostado, Lid! Espero que leia e me conte o que achou.

      Excluir
  2. indiquei esse post nos meus links da semana (:

    http://www.prefirobsides.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Poxa, muito obrigado pela consideração! *-*

      Excluir

Posts Populares

INSTAGRAM


Instagram

FALE COM A GENTE!

Nome

E-mail *

Mensagem *