bibliofilia bibliomania

Pare de comprar livros!

9.12.13Elilyan Andrade


Eu simplesmente amo livros. Sempre amei. Amar o objeto em si, o ato de ler, as palavras impressas é o melhor ensinamento que a minha mãe me deu. Não importa o formato, cor, textura ou história, sempre me sinto feliz e tranquila quando tenho um livro entre as mãos. Apesar do meu grande amor pelos livros nos últimos tempos me peguei deixando de ser bibliófila e me tornando uma bibliomaníaca

A diferença básica entre um bibliófilo de um bibliomaníaco é que a “bibliomania consiste no simples ato de comprar livros, não necessariamente lendo-os. Assim, o bibliófilo o pode ser sem mesmo possuir nenhum livro assim como o bibliomaníaco pode sê-lo sem ler algum¹”. Mas como uma amante de livros se torna uma compulsiva compradora de livros? É fácil:

1. Siga e curta editoras;
2. Leia pelo menos 3 vezes por semana blogs literários; 
3. Acesse diariamente site como Saraiva, Cultura, Americanas, Fnac, Submarino, etc, etc… 

Essas três simples ações me fizeram confundir minha compulsão por comprar livros com meu amor pelos livros.



A capa e sinopse são legais. Já conheço o autor e gosto dele. Tá todo mundo falando bem dele. Vai virar filme. Opa, tem oferta no Submarino. Tenho que comprar! Tenho que compraaaaaaaar!!! Ficar por dentro de todo e qualquer lançamento me fez ficar com aquela ilusão que PRECISO, PORQUE PRECISO TER DETERMINADO LIVRO. Mas é só uma ilusão. Só porque o livro está sendo super hypado não significa que preciso tê-lo, quanto mais lê-lo. Eu estava comprando livros da mesma forma que comprava sapatos: só pelo ato de comprar. 

"Não havia nada melhor do que o delicioso aroma de um livro novo, tocar as capas e folhear um livro cujas páginas nunca tinham, possivelmente, sido tocadas antes. E, se era estranho sentir-se daquela maneira, bem, ela não se importava. Algumas pessoas eram obcecadas por sapatos e os amavam com paixão. Sapatos eram legais, mas você não pode ficar acordado a noite toda lendo um, pode?" - Uma Proposta Irrecusável, de Jill Mansell

Livros e sapatos são de certa forma objetos parecidos: compramos eles por prazer, necessidade ou obrigação. Não há nada de errado nisso, mas a partir do momento em que a satisfação da aquisição de um novo livro ou sapato está relacionada única e exclusivamente ao ato de comprar tem algo muito, mais muito errado. Comprar só por comprar faz com que o objeto perca seu valor assim que é finalizada a compra. É por isso que tenho livros que comprei há mais de 5 anos e até hoje nem cheguei a folhear com intenção de ler. 


A grande diferença entre ser um comprador compulsivo de sapatos e um de livros, é que o primeiro será abertamente criticado, já que sapatos são objetos ligados a frivolidade da moda. Agora quem é comprador compulsivo de livros costuma se vangloriar de tal vício. Quantas vezes vi memes literários alardeando os dramas que todo leitor sofre por comprar livros demais e não ter espaço para guardá-los, ou comprar um e desejar mais dez, ou ter mais livros do que realmente consegue ler, blá, blá, blá.



Amigos leitores, estamos confundindo quantidade com qualidade. Comprar zilhões de livros não torna você um grande leitor. Para ser um grande leitor você não precisa comprar muitos livros, basta ler grandes livros



Não estou dizendo que agora só vou ler clássicos ou livros literalmente grandes como “As Crônicas de Gelo e Fogo”, mas sim que vou frear a compulsão por comprar livros e passar a alargar meus horizontes de leitura. 

Em 2014, vez de passar horas navegando entre as ofertas de livros do Submarino ou prateleiras da Cultura pretendo passear entre as estantes da biblioteca pública ou promover rodas de encontro com meus amigos bibliófilos para trocarmos figurinhas. Pretendo comprar o mínimo de livros possíveis (12, um para cada mês do ano), mas também pretendo que seja o ano com o maior número de boas leituras. 




Não preciso comprar muitos livros para continuar a seguir o ensinamento da minha mãe, só preciso ler mais. E você?


- elilyan andrade

TAGS: , , , , , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

6 comentários

  1. Muito obrigada por esse texto! :D Sério, eu estava precisando ler algo do tipo, porque tudo o que eu vejo por aí nas redes sociais é basicamente isso - aqueles que amam livros são os que compram aos montes ou que choram por não poder aproveitar as promoções do submarino.

    Há algum tempo eu entrei numa ~vibe minimalista, e ando controlando tudo o que há de material para comprar. Livros, teve um tempo em que eu comprava mais de um POR SEMANA - não sei da onde saia o dinheiro, mas sie que esteve me limitando, pois isso me impedia de fazer outras coisas... agora, eu só compro se eu realmente for ler NAQUELE MOMENTO, e somente se eu já tiver lido dois dos milhares de não lidos que estão na minha estante. Sério, a minha vida deu uma melhorada depois que eu fiz isso.

    Faz uns dois meses desde a última vez que eu comprei um livro. Eu tenho acesso à duas bibliotecas e tenho um e-reader, e o que não falta por aí são e-books de graça. Ando lendo muito mais do que antes, e sem obrigação - do tipo vou ler porque comprei. não existe coisa pior...

    ResponderExcluir
  2. Ótimo post, MUITO pertinente. Eu não tenho essa tendência de consumidora compulsiva, mas tenho minhas fases. Só que sou muito racional com compras de qualquer tipo e penso umas 1000 vezes antes de comprar algo (é muito mais frequente me arrepender de não ter comprado algo do que de ter comprado). Claro que fico tentada com essas promos do Submarino, e a Black Friday então, nem se fala. Mas há um tempão tenho passado "batido" por coisas assim. Não comprei nadinha de nada na Black Friday por medo de gastar sem de fato precisar.

    Um beijo, Livro Lab

    ResponderExcluir
  3. Simplesmente fantástica, obrigada por esse belo texto. Eu estou numa situação que está de assustar, estou sempre na internet procurando promoções e promoções de livros. Meus pais falaram comigo que isso pode ficar pior e eu sei disso, claro que não será fácil parar, entretanto não quero ser uma pessoa cheia de vícios, mesmo que eles sejam por compras compulsivas de livros. Lizzie e Aline obrigada por compartilharem também a experiência de vocês, é tão bom saber que não estou sozinha nessa. De agora em diante vou assumir um compromisso comigo mesma, vou ler o que tenho e só gastar quando realmente for ler no momento.

    ResponderExcluir
  4. Brasilmix Livros

    Desde 2006 comercializam apenas online os livros seminovos e raros de 42 áreas diversas como filosofia, história, linguística, antropologia, medicina, direito, economia, entre outras.

    Visite http://www.brasilmix.com.br

    ResponderExcluir
  5. Sim. O que vc falou é verdade. Estive avaliando e minha biblioteca tem muitos livros de moda (alguns são bons, outros nem tanto). Minha meta pra 2015 é comprar clássicos da literatura que permanecem sendo atuais até hoje como os livros do George Orwel.

    ResponderExcluir
  6. Acabei de perceber que em um mês eu comprei 26 livros. Na minha cabeça, acho que é investimento, entretanto, tem sim doença no meio. Compulsão sem dúvida. Meu caso é como o seu, paixão herdada da mãe. Mas está fora de controle, e seu texto me ajudou a trazer a razão. Dos 26, peguei clássicos, e peguei modinhas sim, mas salvarei seu texto, para lembrar que EU NÃO PRECISO de muitos, eu preciso dos melhores. Grata pela partilha!

    ResponderExcluir

Posts Populares

INSTAGRAM