Arena Em Chamas CCdiscussão

Arena Em Chamas: Conheça a Katniss da vida real

15.11.13Dana Martins


Meu primo me disse que assistiu Jogos Vorazes e eu perguntei o que ele achou, ao que ele respondeu: "Bem loucão, né? Não sou muito ligado nessas coisas fora da realidade." Eu já devo ter dito isso aqui em um Centro de Treinamento, porque eu adoro lembrar disso e rir a cada vez que a realidade aparece e mostra exatamente o contrário. Não, Jogos Vorazes não é loucão. Muito menos fora da realidade. Hoje eu venho apresentar a vocês uma pessoa sobre quem eu queria falar há muito tempo aqui no CC, o nome dela é Malala. Deixa eu mostrar a vocês o que ela tem a ver com a Katniss.

Lembram de "Vamos repensar os Manifestos no Brasil, vamos repensar Jogos Vorazes"?

Primeiro, vamos às apresentações direito. Katniss Everdeen é a protagonista da série Jogos Vorazes, uma menina de 16 anos que vive em um distrito pobre de um país baseado na injustiça social e se vê diante de um impasse: se sacrificar ou mandar a irmã de tributo para uma chacina. Essa é a nossa heroína, e ela se sacrifica para dar uma vida à família - opção que ela fez, na verdade, muitos anos atrás quando o pai morreu e ela assumiu a liderança de casa. 

Leia mesmo se já conhece a Katniss para entender a relação no final!
Só que a nossa Katniss tem a dificuldade de abaixar a cabeça e acaba usando as regras do inimigo para vencer um jogo. Veja bem, a Katniss não é apenas mais uma vencedora de um reality show chamado Jogos Vorazes. Quando ela leva o Peeta para casa, ela está vencendo uma disputa transmitida em escala nacional em um jogo que deveria ser a prova máxima de que o povo não tem poder. Se você não está familiarizado com a história (ou não é bom de memória), o reality show é uma punição de uma revolta dos distritos contra o governo. 

A Capital diz: "Olha como somos legais, poderíamos ter destruído vocês, mas somos bons e vamos deixar apenas seus filhos lutarem até a morte enquanto todo mundo assiste sem poder fazer nada."

Durante anos e anos as pessoas de Panem cresceram com o terror dos Jogos Vorazes e com um grande aprendizado: você não pode fazer nada. Ou você nos obedece ou... obedece. Não há opção. Você não pode fazer nada.

Quando a menina do arco e flecha leva Peeta para casa, o que está sendo dito é: "Nós podemos fazer algo. Nós não estamos nas mãos do governo. Ainda há soluções."

Como o trailer de Em Chamas fala, repete e diz novamente: O que mudou? Esperança.


Tá, tá, tá... Vocês já foram mais do que apresentados à Katniss. Provavelmente já encontraram com ela pela cidade apontando flechas para qualquer um que passe.


Malala Yousafzai é um caso diferente, porque ela não vive em uma distopia fictícia, ela vive no mundo real. (às vezes não sei dizer o que é melhor) Ela é uma menina paquistanesa que começou a lutar pelos direitos a educação e pelos direitos da mulher. Hoje em dia ela tem 16 anos, mas é o passado que faz a história dela.


Em 2009 (11-12 anos) ela escrevia para a BBC em um blog com o pseudônimo Gul Makai (quase uma super-herói), onde ela contava como era a vida dela sob o regime Talibã. Depois participou de um documentário. Ganhou destaque e virou uma ativista mais séria no país até que... em outubro de 2012 ela levou um tiro na cabeça e no pescoço, porque é o que acontece quando você começa a gritar verdades por aí. Mas ela sobreviveu para contar história, porque o mundo não é escrito pelo George R. R. Martin.

Na verdade, até escrever isso aqui eu pensei que ela estava morta. Mas não, ela foi levada para a Inglaterra, onde tem vivido, estudado, saído para tomar chá com o Obama e continua sua luta pelos direitos. Da mulher. Da educação. O seu. Porque, caro amigo, não pense que só porque o seu não está na reta é que você está livre. No momento que alguém é privado de um direito, todo mundo é afetado.

Inclusive, recentemente ela lançou um livro para contar a sua história, porque mesmo no mundo do twitter um livro é a melhor forma de espalhar ideias. Que, é claro, já foi banido por escolas no Paquistão, porque lá não existe liberdade de expressão, e se você fala algo que é contra o governo e a religião... Bem, você provavelmente leva um tiro na cabeça.



E se você está dando graças a Deus (ha ha ha) por viver no Brasil, um país onde você pode falar quase tudo o que quiser, lembre que 30 anos atrás o país vivia uma ditadura. Certos livros eram proibidos nas escolas e certas conversas era melhor nem existirem. Alguns adultos (seus pais?) vão testemunhar que a indicação de livro era só coisa bobinha (se é que tinha), porque era melhor não pensar. Aquele seu livro chato sobre preconceito de leitura obrigatória já é uma conquista e se você não tomar cuidado pode perder outra vez.

E o que tem a Malala e Katniss em comum, Dana?

Muita coisa. Eu poderia citar coisas básicas como a idade. Essa história dela começou aos 11/12 anos, a mesma idade que a Katniss perdeu o pai. Em Jogos Vorazes a Katniss tem 16 anos, mesma idade que a Malala tem agora. As duas são bem famosas no tumblr.

A Katniss canta, não canta? Não, claro que não. Ela não canta desde pequena. Ela foi calada pela situação. Até que...
Tradução: Nós percebemos a importância da nossa voz quando nós somos calados. 
Olha só o que eu encontrei numa entrevista com a Jennifer Lawrence! Veja em inglês aqui.
Tradução: O filme tem um senso político muito forte, o que você gostaria que os fãs aprendessem com isso? Jennifer: Quão poderosa uma única voz pode ser.

Mas o que eu acho mais interessante é o nível de símbolo que elas conquistaram. Katniss vira o Mockingjay (tordo), símbolo da revolução. Malala é o símbolo de luta por direitos iguais para a mulher, não só no Oriente Médio como no mundo inteiro. Porque nós podemos ir a escola, mas exemplos simples como o teste de Bechdel mostram que ainda há um longo caminho de mudanças.

E, principalmente para as milhares de garotas que vivem sob leis machistas (injustas), ela é um verdadeiro Mockingjay. Um sinal de esperança e de um futuro. Elas querem lutar. Continue dando voz a elas, Katniss! Não, pera. Malala.

Vou finalizar com essa música chamada "I am Malala", que é quase uma versão real da máscara do V de Vingança. Malala não é a Malala, é você, sou eu, é a sua tia, é a sua irmã. E por que não o seu irmão? O seu amigo? Malala deixou de ser uma pessoa e virou um símbolo.


Eu só vi a letra direito agora, mas é engraçado você ver um trailer no cinema falando em esperança e encontrar isso aqui em uma música:

I am Malala
I am infinite hope


-dana martins

TAGS: , , , , , , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

0 comentários

Posts Populares

INSTAGRAM


Instagram

FALE COM A GENTE!

Nome

E-mail *

Mensagem *