CCFilmes CCgames

Meu Top 5: livros, cinema, infância, egoísmo e empolgação

31.8.13João Pedro Gomes



Oi, gente! Talvez vocês estejam se perguntando que diabos é esse post ou por que ele está saindo só agora. Acontece que eu deveria ter feito esse meu Top 5 de apresentação há um tempão, quando entrei pra equipe do CC (em fevereiro!!!). Mas acontece que sou extremamente enrolado e acabei esquecendo / ficando com preguiça de fazer. É isso. Me julguem.

Mas, pra minha sorte, a linda da Igra veio me cobrar o post, fazendo eu tomar vergonha na cara e escrever logo. E, pensando bem, eu deveria ter feito isso antes, porque vai ser muito legal falar mais sobre mim pra vocês (já que ninguém me ouve na minha casa mesmo e...) \o/ Então, apertem os cintos e se preparem pra viagem mais linda que vocês já tiveram: uma excursão completa pela minha incrível e emocionante vida!!! (ignorem o fato de isso ter soado completamente cafona. Credo.)

*a foto aqui em cima não tem, necessariamente, relação direta com o post. Eu gostei dos prédios, da ponte e da estátua, então coloquei. Simples assim. 

Antes de vocês me conhecerem melhor, saibam que sempre dá tempo de fazer seu top 5! É só clicar aqui pra conhecer as instruções, postar e enviar o link pra gente nos comentários o/


Sem mais delongas, jovens, vamos começar.

1- Sou um leitor inconstante

É claro que eu precisava colocar algo sobre livros aqui, o grande problema era o que escolher. Não tenho exatamente um gênero favorito, falar sobre uma série que gosto seria muito sem graça e não tenho preferências entre livros grandes ou pequenos, densos ou descontraídos e etc. E foi justamente essa indecisão que me levou à escolher esse tema.

O fato é que sou um leitor muito inconstante. Gosto de ler o que dá na telha, sem me importar com o gênero ou tamanho do livro. Pulo da fantasia para o thriller psicológico de boa. E essa inconstância se reflete também no ritmo de leitura: tem vezes em que fico o dia todo lendo e outras em que passo semanas sem ler nada (como agora, shame on me). Isso é meio bom e ruim ao mesmo tempo, já que, mesmo estando sempre interessado por minhas leituras do momento, não consigo me planejar muito bem e o rendimento acaba caindo bastante.

Outra coisa que acho legal comentar (que não tem tanto a ver com esse tópico) é que sou muito paranoico com o estado físico dos meus livros. Sou desses que lava a mão pra pegar neles e toma todo o cuidado pra não trombar em nenhum lugar durante a leitura. Levar pra ler no trabalho? Só se for dentro do plástico bolha. Já cheguei até a brigar feio com minha mãe por causa dessa obsessão... Triste, tenho CERTEZA de que eu estava com a razão. Mas enfim, próximo tópico.

2- Só assisto filmes no cinema

Não é que eu não goste de fazer pipoca e chá num dia frio, me jogar no sofá com um cobertor e ver um bom filme. O que acontece é que eu não tenho tempo pra assistir essas coisas em casa. Minha semana é tão corrida que, quando ela chega ao fim, tudo o que consigo fazer é NADA. Fico na frente do computador o dia todo, só parando pra comer e ir ao banheiro. E o pior é que não fico fazendo coisas produtivas, mas sim procrastinando no facebook e deixando tudo acumulado pro domingo à noite (hoje mesmo, domingo em que escrevo esse post, eu já tenho um monte de coisa pra fazer...).

Fui no cinema semana passada ver Cidade dos Ossos. Fortes sentimentos por esse filme <3 Tava tão feliz que até comprei um copo promocional do Wolverine. Nunca vi nenhum filme dele. E essa arquitetura gótica me seduz muito!
Acaba que o cinema é uma forma de reservar um tempo só pro filme e relaxar, o que é ótimo. Sempre fico superanimado pra ir. O único problema é que, por eu ter que pegar ônibus pra sair do meu vilarejo e chegar num shopping, acabo assistindo pouca coisa. Resultado: lista gigante de filmes acumulados que preciso ver e ainda não consegui. Esta inclui As Vantagens de Ser Invisível, O Grande Gatsby e X-men - Primeira Classe. É, ainda não assisti nenhum deles. Me apedrejem.

3- Sou muito possessivo com minhas músicas
(reparem que eu usei "minhas" aqui em cima e só fui perceber na hora de revisar o post)

Não sei se possessivo é bem a palavra. O que acontece é que odeio (odeio, ODEIO) quando alguém pede pra ouvir as músicas do meu celular. Não sei, acho que sinto que elas são tão pessoais que não quero que os outros ouçam. Principalmente porque gosto de um estilo meio diferente do que as pessoas do meu círculo de amigos costumam ouvir. Daí sempre ouço algum "nossa, que música estranha" ou "credo, por que você ouve essas coisas góticas?" e quero morrer com isso. O mais difícil é segurar a língua pra não "defender" o gênero e tal...

4- Tenho saudades de jogar video game

Sim... acho que não jogo nada pra valer há uns três anos. O que me deixa triste, já que qualquer jogo me faz lembrar da época em que eu não tinha nada pra fazer além me divertir com os amigos. Nem sei quantos campeonatos já fizemos jogando Naruto Shippuden no PS2. Levava a tarde inteira e era muito divertido. E eu também adorava jogar sozinho. Nunca vou esquecer um jogo chamado Radiata Stories, que um amigo me indicou e, até hoje, tem um lugar especial no meu coração. É o modelo de mundo medieval perfeito que tenho em mente. Recomendo.

Radiata Stories sendo adorável <3
Enfim. Hoje meu PS2 vive sozinho, empoeirado na estante da sala. Nem tenho mais tempo de jogar, então nunca investi em um console mais novo, algo que me entristece pra caramba. Coração dói só de ver lançamentos de games legais que eu provavelmente nunca vou jogar. Você aí, que tem nomes como Injustice e The Last Of Us disponíveis a qualquer momento, sinta minha inveja corrosiva caindo sobre você. Inveja branca, tá? (Ou não).

5- Me empolgo demais com as coisas que gosto

Acho que essa é uma das minhas características mais marcantes. Toda vez que eu estou gostando demais de algo - seja um filme, livro, série ou programa de TV - eu começo a falar muuuito sobre o assunto. Sério. Se deixarem, eu falo o dia inteiro. Pena que isso é um enorme defeito, porque 1- nunca tenho alguém que gosta das mesmas coisas que eu pra conversar e 2- ninguém suporta essa característica em mim, acabam me ignorando quando começo o discurso.

O jeito é ficar pesquisando o dia todo sobre essas coisas pra tentar liberar a tal da fan energy (sempre usei esse termo e nem sei se existe mesmo). Aconteceu isso semana passada, enquanto eu buscava material pra escrever um post sobre a Mulher Maravilha aqui pro blog. Acabei gostando tanto da personagem que já tenho uns trinta textos salvos, vi o filme, comecei a HQ e falei com gente desconhecida no twitter sobre uma possível adaptação pro cinema. Até iniciei um debate sobre a personagem com meus pais!!! Já o post, que é bom, nem comecei a escrever ainda... (algum dia ele sai, gente! Tenho muito pra falar, aguardem).

Foto da Mulher Maravilha. Só porque ela é linda e merece um espaço no meu post.
____

Spoiler da minha cidade! Mato e animais.
(mentira, gente, essa foto aí nem é do centro nem nada.
Eu só achei ela bonita e queria colocar aqui...).
João Pedro Fernandes Gomes, (Facebook / Twitter / Skoob), 17 anos, menino do interior. Faço aniversário dia 06 de agosto e nem estou lamentando por não ter escrito esse post mês passado pra poder ganhar presentinhos de vocês. Curso o último ano do ensino médio (muito turbulento por causa de viagens, formatura e despedidas), trabalho na minha escola e faço cursinho pré-vestibular à noite. Escrevo pro CC e pra outro blog com alguns amigos no tempo livre (quase inexistente), que tento, sem muito sucesso, dividir com leitura, música e outros tipos de diversão. Ainda não tenho absoluta certeza do que quero pra minha vida, apenas que meu coração pertence às ciências humanas e que eu me sentiria realizado trabalhando com livros. Por enquanto, meus planos são deixar o trabalho e a escola ano que vem, me dedicar somente ao cursinho e a outras coisas que gosto - como escrever pra vocês - e tentar me descobrir melhor antes de me lançar nesse mundão aí fora.

Embora eu não consiga me dedicar ao blog tanto quanto gostaria, está sendo uma experiência ótima conviver com o pessoal da equipe. Mesmo a maioria se comunicando à distância, a sintonia é bem legal. Bem como se todo mundo já fosse amizade das antigas, sabe? Agradeço todos os dias por ter conhecido o ConversaCult e, acima de tudo, as pessoas fazem parte dele. (Sim, isso também foi clichê, mas é verdade).
____

Ok, acho que é isso. Espero que tenham gostado do post! Foi bem legal escrevê-lo (porque não fiz isso antes? #chateado). Se alguém tiver alguma pergunta, comentário, xingamento (por que não?), é só deixar nos comentários :D

Tenham um bom dia e até o próximo post! (:

TAGS: , , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

4 comentários

  1. Oi, gostei muito do seu post. Então você comentou sobre ''suas músicas'' se pudesse falar sobre os estilos ou bandas que você gosta seria legal. Eu também não conheço quase ninguém que goste de falar sobre os estilos que eu gosto, ainda né. Escuto coisas meio alternativas indies, um pouco de new wave, rock, mpb e porque não um pop de vez em quando. :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Karen!

      Nem sei por que não citei o tipo de música que ouço (?). Puro esquecimento, olha só. Bom, eu escuto bastante coisa e nada ao mesmo tempo. Sou desses que pega algo pra ouvir, escuta demais e enjoa fácil. Mas sou ~meio~ eclético e também gosto de coisas mais alternativas... Sempre tô ouvindo bandas como Florence and The Machine, por exemplo. Outros artista que sempre têm um espaço no meu celular são Ed Sheeran, Lana Del Rey, Lorde, Lily Allen e Ellie Goulding.

      Eu ouço bastante coisa diferente, depende muito do momento. Esses dias mesmo eu tenho ouvido muito Avril Lavigne, Katy Perry e Miley Cyrus (principalmente por causa dos CDs novos que saíram :P). Bem mais pop que antes. Já teve épocas em que eu só ouvia country ou rock alternativo. Essa semana eu estou em clima de natal e ouvindo o "Wrapped In Red", da Kelly Clarkson, todo dia. Geralmente ouço músicas que refletem meu humor, por isso não consigo viver sem. (repare que meu humor em período de aula é triste, sozinho e cansado, por isso as pessoas acham as músicas que ouço coisa de funeral, UHAUAH).

      Acho que essa resposta não ficou muito digna, deve ter embaralhado mais ainda sua cabeça. Se quiser conversar sobre música, cultura jovem ou qualquer outra coisa, é só me adicionar no facebook (link ali em cima) (:

      Obrigado pelo comentário!
      Abraços, João

      Excluir
  2. Olá, João! Eu entendo essa sua saudade de videogame, passei por isso durante longos 5 anos! Eu já tive PS1, que foi meu primeiro videogame e sempre vou lembrar com carinho dos jogos que joguei lá (Tomb Raider, Legend of legaia, Alundra *-*), já tive Game Boy color, GameCube, ps2 (meu pai vivia fazendo troca de videogames, era ruim por um lado mas bom por outro pq eu conheço um pouco DE cada plataforma), meu último videogame antes da pausa foi o ps2 que eu parei de jogar com 16 anos... agora to com 21 e esse tempo que fiquei sem videogame senti muuuita falta maaas finalmente final no ano passado consegui comprar um PS3! Tá, que agora já lançou o PS4 maaas não ligo, to curtindo muito voltar a jogar. QUE emoção. Espero que vc consiga também!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Andressa!

      Eu parei de jogar PS2 por volta dos 15, 16 também. Ok, eu parei faz, tipo, um ano e meio HAHAH Mas já estou sentindo MUITA falta. Principalmente porque as últimas coisas que joguei foram bem antigas (eu tentando zerar Radiata novamente, risos), então não conta muito...

      Hoje em dia tá tudo em um outro nível de qualidade, realismo e imersão, então acho que vou estranhar (e me surpreender!) demais quando voltar a jogar. Mas quero voltar logo! Videogame sempre foi uma válvula de escape pra mim, e sinto falta disso. O fato é que sua história me inspirou e vou tentar comprar um PS3 ainda esse ano. Espero que tudo dê certo \o/ Se der, venho relatar a experiência aqui no blog!

      Enfim. Obrigado pelo comentário! E aproveite seu videogame :D
      Abraços, João

      Excluir

Posts Populares

INSTAGRAM