CCdiscussão CCLivros

Discussão: Que tal comprar um e-book usado? (resposta)

31.3.13Michelle


Os e-books são muito recentes, e, portanto, é claro que há muitas dúvidas e conflitos envolvendo esse tipo de produto. Aqui no ConversaCult, já teve post defendendo os e-books e post explicando os custos de produção de livros físicos e digitais. Hoje eu, Michelle, vou levantar mais uma questão: você compraria e-books usados?

Há menos de 15 dias o The New York Times publicou uma matéria sobre a revolução (já?) na indústria de e-books: a Apple e a Amazon, entre outras empresas, já deram entrada em seus pedidos de patente de sistemas que permitem a troca e venda de conteúdo digital, incluindo programas, música, filmes e e-books. Como toda novidade, essa nova empreitada já tem opositores, que usam os argumentos de que isso poderia gerar problemas de inovação e desestimular novos textos e novos escritores, já que o preço de e-books novos não poderia concorrer com as pechinchas oferecidas nas vendas de segunda mão. Será mesmo?

A própria Amazon já teve que enfrentar críticas parecidas em 2002, quando cometeu a “afronta” de começar a vender livros usados em seu site. Os autores e editoras temiam uma redução drástica de suas receitas, já que apenas o revendedor ganha nesse tipo de transação. No entanto, o que aconteceu foi que os compradores começaram a fazer as negociações diretas com outros compradores e o baixo preço dos usados acabou fazendo com que novos autores fossem divulgados, aumentando assim a venda de seus outros livros.

Nos sistemas novos, um usuário, ao vender seu e-book usado (ou outro produto digital), tem o arquivo removido automaticamente de sua máquina e transferido para o equipamento do comprador, garantindo que só haja uma cópia do arquivo, ao contrário do que acontece com o compartilhamento pirata. Ah... sim, o tal sistema tem que confirmar que a cópia é autêntica, né?


O fato é que, no Brasil, os preços de e-books ainda são impraticáveis (estou generalizando, OK?). Também acredito que e-books não devam (nem possam) ser gratuitos, mas não vejo razão para custarem o mesmo ou mais que livros impressos. Encontrei uma solução muito boa no www.leyaonline.com, o site de vendas da Leya Portugal (não sei de nenhum site brasileiro para usar como exemplo; se alguém souber, diga aí nos comentários). Ao colocar no carrinho um livro que também exista no formato digital, o site imediatamente sugere a compra casada com o e-book, por um preço muito justo. Por exemplo, simulei a compra do livro físico "Os diários secretos", da Camilla Läckberg, que custa €19,90. A versão em e-book dessa obra custa €13,99 (ainda bem caro em comparação com o livro impresso). No entanto, se eu comprasse o livro físico, o e-book sairia €2,49. Esse preço de e-book vale para qualquer título que exista em meio impresso e digital. Interessante, não?

Mas voltando aos e-books usados, a discussão sobre a legalidade das vendas de segunda mão não é tão nova assim. No começo do século XX, já havia disputas judiciais sobre o direito de revenda de livros. A jurisprudência americana, naquela ocasião, entendeu que os detentores dos direitos autorais só têm controle sobre a primeira venda; daí em diante as negociações são livres. Se o mesmo raciocínio for aplicado ao conteúdo digital, os novos sistemas de trocas e vendas têm tudo para dar certo.


Como leitora assídua, o que conta para mim na hora de escolher um livro, além da história interessante, é o preço. Não importa se a venda acontece em lojas virtuais, em livrarias físicas ou em sebos; se o preço é bom, eu compro. Portanto, se e-books tiverem um preço atraente, logicamente comprarei, sendo novos ou usados.

E vocês? O que levam em conta na hora de comprar um livro? O que acharam dessa nova possibilidade?

Beijo e até a próxima!
- Michelle

TAGS: , , , , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

3 comentários

  1. Tá com cara de post de 1 de abril haha
    Embora, em tese não seria impossível, só que é impraticável. Fui numa palestra de herança digital e raramente essas coisas virtuais podem passar de mãos. Mas quem sabe no futuro?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. HAUHA pior que parece mesmo, nem tinha me ligado! Tem que tomar cuidado com tudo 1 de abril...

      Sabe, não sei se é impraticável. Só, por enquanto, não é tão vantajoso ou as empresas estão com muito medo (como ocorreu na Amazon com venda de livro usado mesmo). Mas se você for pensar...

      A história de arquivo digital com videogame já está mais avançado, muita gente compra o jogo online e passa a ter acesso a ele na sua conta. É o que dizem: você não é dono do jogo, tem a permissão para jogar. Eles podiam criar um mecanismo de revender essa licença na própria conta mais barato. Você perde o acesso e outra pessoa ganha. Ela pode jogar mais barato e ao mesmo tempo você vai ter um dinheiro extra para "reinvestir" comprando outros jogos. (podiam até cobrar uma partezinha em cima do preço, como acho que a Amazon deve fazer - ou algo tipo "você só pode gastar o dinheiro recebido em jogos") Acho que sem bem feito funcionaria e até cresceria bastante. (e o mesmo com ebooks, filmes e o que for).

      Uma coisa é verdade: antes dessa frescurada de arquivo digital rolava (e ainda rola) MUITA "pirataria." E isso não prejudicou as vendas (pode ter alterado, mas não prejudicado). Muita coisa, aliás, só teve sucesso por causa dessa divulgação ilegal.

      Acho que toda essa discussão de impossibilidade se resume a... medo.

      -Dana

      Excluir
  2. Se eu souber como vender e comprar, estou dentro.

    ResponderExcluir

Posts Populares

INSTAGRAM


Instagram

FALE COM A GENTE!

Nome

E-mail *

Mensagem *