Adora Catra

A série She-Ra da perspectiva da Catra

6.12.18Dana Martins


ou também: eu analisando e admirando a forma como a Catra foi desenvolvimento em She-Ra: A Princesa do Poder (2018, da Netflix)

Quando eu comecei a assistir She-Ra, eu não gostei tanto assim do primeiro episódio. O que foi me segurando foi a falta do que fazer e os personagens em si que são bem legais. Talvez depois eu escreva meus pensamentos sobre o resto da série em si, mas hoje eu quero falar sobre o momento que roubou minha alma e uma das minhas coisas preferidas na série: a Catra. 

Jamais quando 2018 começou eu ia imaginar que em dezembro eu estaria aqui falando de She-Ra, quanto mais de uma personagem chamada CATRA que é a antagonista/vilãzinha da história, pelo amor de deus. Mas é onde viemos parar, e isso começou precisamente em um momento no fim do segundo episódio, quando a gente vê a separação entre a Catra e a Adora.

Foi destruidor. Fiquei muito acabada, muito triste, ver a Catra vendo a Adora como She-Ra e começando a se dar conta de que perdeu a amiga.



E NO EPISÓDIO SEGUINTE? O TERCEIRO?

ENQUANTO A ADORA TÁ PASSEANDO POR AÍ COM VELHINHAS E DESCOBRINDO MITOLOGIA

CATRA ESTÁ ABANDONADA NA HORDA CHORANDO SOFRENDO BULLYING E AINDA ASSIM PROTEGENDO A IDENTIDADE DA ADORA COMO SHE-RA (mesmo podendo usar isso pra tirar a culpa das costas) E TREMENDO DE MEDO SENDO LEVADA PRA CASTIGAR

OLHA

OLHA.

EU APERTEI PLAY PRA VER UM DESENHO MÁGICO E CAVALOS DE ARCO-ÍRIS POR QUE O MEU CORAÇÃO ESTÁ SENDO DILACERADO ASSIM



Isso, pra mim, é fenomenal. Em três episódios de 20 minutos She-Ra já tinha me envolvido, feito eu me importar e sofrer por esses personagens. E apesar do post ser sobre a Catra, ela não existe no vácuo, no fim das contas nesse texto eu to admirando a própria série. Quando eu assisti esses episódios eu fiquei lembrando de Dragon Prince, que eu assisti e gostei (apesar de não tanto quanto eu queria ter gostado), e dá pra ver a diferença clara de como o coração emocional de She-Ra como série é gigantesco e muito bem feito. Pra mim, todos os personagens são vivos e a série é cheia de energia. Eu conheço todas essas pessoas e me importo com elas, agora mais do que nunca, mas no terceiro episódio eu já tava preparada pra sequestrar a Catra e cuidar dela eu mesma, o que eu acho que Dragon Prince não conseguiu construir tão bem assim. (eu já fiz resenha com o Eduardo sobre Dragon Prince, e a minha conclusão é: foi legal, mas tem bastante coisa pra melhorar)

Enfim, de volta pra Catra, agora que eu fui relembrar toda essa dor, vamos dar um passo pra trás e analisar o desenvolvimento da Catra ao longo da primeira temporada de She-Ra. 

Quando a história da série começa, a gente vê a Catra só se ferrar e perder tudo o que tinha. Literalmente. Primeiro, o jeito dela de se esgueirar e ir pelas sombras não é reconhecido e ela leva bronca da Shadow Weaver mesmo batendo o record igual a Adora. E aí, o segundo baque: Adora é promovida a Capitã, mas toda a equipe dela, incluindo a Catra, ficou pra trás. Veja bem, a Catra estava "satisfeita" em ficar em segundo lugar porque ela confiava que a Adora ia abrir o caminho e ela ia junto, e nesse momento ela começa a se dar conta de que isso não vai acontecer. Chances são de que a Adora ia continuar subindo na hierarquia de poder e ela ia acabar como uma soldado pelo resto da vida, porque ninguém reconhecia qualquer coisa que ela fizesse. Nesse primeiro episódio a gente também vê a vontade da Catra de sair da Fright Zone, de descobrir o que tem no resto do mundo.

Eu fico pensando - a Catra já sabia que estavam sendo manipulados, que o discurso da Horda era mentira, que existia algo além no mundo. Por quanto tempo ela alimentou essa curiosidade sozinha, só pra ver a Adora que não fazia nem ideia ter a chance de ir lá fora e descobrir primeiro? 

Aí a gente vê a Catra pra baixo e a Adora decide pegar aquela navezinha pra elas darem uma escapada. Só até aqui na série a gente já vê que a Catra é babaca, que ela mente e age como não se importasse com coisas que se importa e um certo desespero dela de tomar o controle e poder aproveitar, o que acaba sendo algo destrutivo. Eu gosto também como a série mostra que ela é jovem, às vezes meio perdida. Como ela gosta da Adora só que demonstra de um jeito todo distorcido. A Catra é muito pessoa que cresceu em situação abusiva™ em muito do que ela faz. Mas até então, vida que segue. Elas são só duas jovens curtindo uma aventura clandestina.

Até que... no meio da noite, a Adora tenta escapar sozinha e ir investigar a tal espada na floresta outra vez. E a Catra vê isso acontecer e se vê deixada pra trás. Mas elas são amigas, uma protege a outra, e obviamente ela vai ficar lá e cobrir pela Adora que já vai voltar, né?

Só que a Adora não volta, e a Catra é quem sofre as consequências.

Curiosidade: fui reassistir um trecho pra me certificar e a Adora fala exatamente antes de sair escondido de noite, "Eu não quero que você acabe sendo castigada por causa de mim, fica aí que eu vou ali e já volto."

No episódio seguinte, nós vemos a Shadow Weaver indo pra cima da Catra. Tem exatamente esse diálogo:

"Ou você vai sofrer as consequências no lugar dela"


A Catra sofrendo com as consequências do que a Adora é algo reforçado várias vezes ao longo da série. E em boa parte do tempo, a Catra aguenta as consequências para proteger a Adora (também parte do diálogo nessa mesma cena acima).

Sabe quando eu falei ali que, quando a Adora foi promovida a Capitã, a Catra começa a se dar conta de que talvez a Adora vá em frente e ela fique pra trás? É isso se tornando realidade, de uma maneira pior do que a Catra poderia ter imaginado. A Adora não vai ser só uma chefona poderosa na Horda que não lembra da amizade delas ou não pode ajudar ela, a Adora foi embora e ainda é uma princesa. 

E aí Catra vai forçada atrás da Adora, basicamente tendo que consertar a merda que ela fez, e aí chega lá e encontra a Adora toda mudada com florzinha na cabeça e amigos novos e também superpoderosa e gigante com cabelos brilhosos e sendo uma princesa mágica... se recusando a voltar. Catra sabe que se não levar a Adora de volta, quem vai sofrer o castigo é ela mesma. E a Adora se recusa a voltar. Isso em um episódio que contrasta a Catra sofrendo com a Adora descobrindo as delícias do mundo livre. 

Eu imagino que, considerando a situação que a Catra cresceu, isso é o maior pesadelo dela. Sua única família está quase irreconhecível, com um poder sinistro, nem tentou voltar e chamar a Catra, e se recusando a voltar e fazer o que salvaria a Catra de ser mais castigada ainda.

Obviamente, é claro que a Adora jamais ia querer ver a Catra sofrer e queria que a Catra tivesse junto, mas quando você já tem complexo de abandono e exclusão, é difícil aceitar. Ainda mais que independente da intenção da Adora, é isso que acontece de fato: a Catra é abandonada e castigada pela decisão da Adora.

Nos próximos episódios, a gente ainda vê a Catra protegendo a Adora. Ela não conta pra Shadow Weaver que a Adora é a She-Ra, nem pra os outros da equipe mesmo quando eles estão rindo e sacaneando ela por ter levado uma surra dessa nova princesa. Tem uma cena que a Shadow Weaver tá brigando com a Catra e nos armário no fundo tem um desenho mal feito da She-Ra.

"Eu já te disse tudo o que eu sei sobre a Adora!" foco no desenho ali atrás
A Catra tá literalmente jurando que não sabe de nada da Adora, com o desenho da She-Ra atrás - que a Catra sabe que é a Adora e não contou pra ninguém.


"Eu sei que você está mentindo. Você tem que estar mentindo. O que aconteceu com a Adora? O que você fez?" Repara nos olhos arregalados e o "O que você fez?" literalmente assumindo que qualquer coisa que a Adora faz de ruim é culpa e responsabilidade da Catra, imagina crescer em um ambiente assim. 
aí ela arranca o papel e amassa rapidinho

O diálogo da Shadow Weaver insistindo que ela sabe de algo mais está transposto exatamente no momento que a Catra vê o desenho da She-Ra, arregala os olhos e corre pra jogar fora. Eu amo que todo esse trecho é algo que pode passar despercebido, mas adiciona dimensão à série. She-Ra tem muuuuuuita coisa interessante escondida nas imagens de fundo e esse é só mais um dos detalhes.

Além disso, se a gente parar pra pensar um pouco, por que esse desenho tá ali no armário? (porque foi um desenho que a Noelle Stevenson fez de zoação e a outra fulana da equipe que montou o episódio colocou de brincadeira, mas o motivo real dentro da história...) A última coisa que a própria Catra faria é colocar um desenho da She-Ra no próprio armário, e nós vimos antes na série o pessoal usando a She-Ra pra sacanear a Catra. Imagino que é bullying mesmo, tipo em filme de colegial quando o nerd tá sofrendo com algo e encontra o armário sacaneado. E isso só amplia a situação da Catra: com a Adora longe, o pessoal que sempre sacaneou ela pode fazer isso livremente, e eles estão sacaneando a Catra por ela não ter derrotado a She-Ra, que ninguém sabe que é a Adora, e a Adora não ter voltado é justamente o que tá magoando a Catra. Tá todo mundo apertando a ferida sem saber, e a Catra tá aguentando calada ainda alimentando a esperança de que a Adora volte (ela mesma diz isso em um momento).

A partir disso, nessa primeira metade da série, a gente vê duas coisas acontecerem: Catra começar a subir no poder e finalmente conseguir ter certas vantagens na situação, em vez de ser só castigada. Catra protegendo a Adora e ainda alimentando a esperança de que essa fase vai passar e ela vai voltar.

No fim das contas, Adora não volta, mas Catra acaba descobrindo que tem brechas no sistema de hierarquia e tem vulnerabilidades que ela pode explorar. Mais do que isso, em todos os seus planos para reencontrar Adora, ela acaba percebendo que não é só capaz de se virar sozinha, como é boa nisso. Ela também começa a finalmente ganhar validação pelo que faz.

Até que chegamos ao episódio que ela e a Adora se encontram na floresta nas ruínas sagradas lá, que conclui a separação das duas. O momento mais poderoso do episódio é quando a Catra é arrastada por uma aranha gigante e ela chama pela Adora por socorro, mas a Adora não chega a tempo e no meio do pavor a Catra junta forças pra ela mesma lidar com a situação. Esse é um momento muito bonito porque é um momento de empoderamento. Ela descobre que é forte e que pode lutar sozinha. É o momento que a Catra se ergue. E, pessoalmente, eu adoro esse em específico porque é a primeira vez que eu noto esse momento acontecer com uma personagem vilã. 

Pra completar, logo em seguida o que a gente tem: A Adora em apuros, a Catra vem e acaba com os monstros todos sozinha com o poder que ela acabou de descobrir, mas ela não vem pra salvar a Adora, ela vem pra quebrar a relação.

Essa é uma cena de paralelo com a do treinamento do primeiro episódio - dessa vez, a Catra aparece pra ajudar a Adora. Essa é uma Catra diferente da que fez o circuito de treinamento escondido, ela não precisa ir na aba dos outros, ela não é mais controlada pelo medo e percebeu que tem capacidade de lidar com as coisas sozinha. Nesse momento ela diz para a Adora, "era você que estava me prendendo." Não era exatamente, mas o fato de ter a Adora ali sempre quando ela precisava não deu a chance da Catra aprender a se virar sozinha. E aí, igualzinho no episódio 1, nós temos a Adora pendurada e a Catra por cima, e dessa vez a Catra escolhe não segurar a mão dela. Ela não precisa mais.

De quebra, isso também é um paralelo com a cena do episódio do baile, em que elas estão lutando e a Catra quase cai do penhasco, a Adora segura ela, mas as duas caem com um tremor. Nessa cena toda a gente vê o desespero da Catra, quando ela percebe que é sério e ela poderia ter caído. Também todo o desespero dela caindo enquanto a Adora é quem reage e "salva" as duas, e a reação da Catra...





Eu não preciso nem falar que tem todo esse simbolismo trabalhado de uma segurando a outra porque o episódio das ruínas antigas (Promise) é jogado na cara que é sobre elas soltarem a mão. 

além disso, tanto nessa cena quando na dança do baile eles usam a cor da bandeira bissexual quando elas estão juntas


Se você parar pra pensar, dá até pra dizer que enquanto em primeiro plano nós temos a jornada da Adora para unir as princesas, em segundo nós temos uma jornada linda da Catra aprendendo a se erguer sozinha. A Catra passa esse tempo todo buscando a Adora, mas na verdade não é a Adora que ela procura, é a proteção e status dela, e no fim a Catra encontra isso de uma forma melhor ainda: ela percebe que pode se proteger e conseguir as coisas ela mesma, do próprio modo. E ela ainda é muito boa nisso. Apesar dos pesares, a separação foi saudável para as duas, porque elas podem crescer de forma independente em vez de uma parasitar a outra. 

Ou seja, nessa temporada nós vimos a Catra encontrar poder e liberdade, o que a jovem Catra aterrorizada do primeiro episódio tanto queria, mas pra isso ela teve que parar de depender da Adora. (e, em contrapartida, começa a jornada da She-Ra de aprender que para seguir esse objetivo de harmonia e sei lá o quê, ela precisa aprender que não pode salvar todo mundo e às vezes vai ter que soltar a mão.)

Curiosidades sobre essa cena da Adora pendura: A Catra 1) finalmente admite que vai sentir saudade da Adora. Ela falar isso é gigantesco pra personagem se você considerar que toda a base da personagem é não admitir o que é importante pra ela. Esse é o tão longe que a Catra foi - ao ponto de não fugir e se esconder. 2) Catra joga a espada. Mais tarde, a Catra na série diz que sabia que a Adora ia sair viva de lá. E a Catra foi estabelecida como uma personagem esperta, então ela sabe o valor da espada e mais de uma vez teve a chance de sumir com isso. Ou seja, mesmo nesse momento simbólico de separação, a Catra não tenta matar a Adora e nem eliminar a She-Ra. E eu acho que é proposital eles deixarem mais de uma vez a espada na mão da Catra e mostrar ela devolvendo pra Adora. Até agora a série vem se posicionando como essa história de harmonia e blablabla, e nessa temporada de introdução nós acompanhamos a história de duas jovens que cresceram em situação parecidas, quase espelhos uma da outra. 

Esse também é o momento que determina a Catra finalmente como vilã, não por ela abandonar a Adora, mas porque esse é o primeiro momento real em que ela tem total controle da situação e toma uma decisão porque ela quer e pode - não se juntar a Adora, mas se aliar a Horda. 

É triste, porque eu quero muito que elas sejam amigas e se entendam e a Catra fique bem e seja boa, mas também é legal de assistir.

Depois disso Catra está mais poderosa do que nunca, ela sozinha quase consegue derrubar a rebelião e encontra um segredo que pode ser a chave pra consolidar os planos do Hordak. Eu também gosto muito de como acontece a relação dela com a Entrapta e a Scorpia. Tem um tom de jovialidade e inexperiência, assim como o triozinho de heróis, e começa a formar uma amizade muito doida entre as três. E apesar de amar a Adora com a Catra, dá um alívio tão grande ver a Catra nesse novo grupo. Pela primeira vez parece que ela faz parte de algum lugar. E a Entrapta e a Scorpia com seus jeitos estranhos e sem noção, estão proporcionando o carinho e atenção que a Catra precisa. A Catra também é muito atenciosa do que qualquer um que as outras duas encontraram. A merda dessa série é que ela me faz amar muito as vilãs. Também tem uma tema em comum de que todas as três são consideradas diferentes do padrão, sofreram e foram excluídas por causa disso, e juntas elas se entendem e se fortalecem sem julgamentos. 

Fanart da artista Unoo (clique aqui para ver o original)


Agora resta ver o que vai acontecer. Eu espero que role uma jornada de redenção ou uma forma dessas personagens pararem de ser más, que elas sejam entendidas e compreendidas. Mesmo que She-Ra seja uma série cheia de diversidade, dentro do contexto da série eles ainda criaram esse grupo de gente diferente (Catra, Entrapta e Scorpia) que sofreram por ser diferente, e esse sofrimento ainda é a razão pela qual elas se tornaram más. Enquanto o outro povo claramente privilegiado se tornou herói. Literalmente a série mostra a Adora comendo bolo feliz da vida ao mesmo tempo que a Catra tá sofrendo abuso físico, gente. E a única razão da Catra ser má e ficar com a Horda é porque eles escolheram assim. Não gosto muito dessa decisão, não. Nem da mensagem que isso manda. Mas esse é só o início de uma história e estou aberta pra ver até onde eles vão levar isso. 

Tem uma abertura muito grande pra que, no fim do dia, Adora perceba que o grande problema da rebelião e o descaso das princesas é que elas eram um bando de elitista privilegiada de nariz em pé e quando você exclui gente assim a coisa fica fora de harmonia. E ela ainda vai ser uma She-Ra que vai virar o jogo e mostrar que, na verdade, você salva o mundo não deixando ninguém pra trás. Isso bate com o detalhe que nesse episódio Promise (o das ruínas) quem decide soltar a mão é a Catra. A Adora não só não solta a mão, como ainda no meio do processo sai pra resgatar a Glimmer e o Bow. Enfim, vamos ver. Eu gosto bastante dessa ideia, e dos paralelos entre Catra vs. Adora como duas que começaram numa situação parecida e representam os dois caminho, e a harmonia é encontrada quando esses dois lados fazem as pazes. 

Coisas que eu quero ver em relação a Catra: gente, de onde é esse povo gato? De onde ela veio? SERÁ QUE ELA É UMA PRINCESA?? E por favor, para de tomar decisões ruins, minha filha. 

E, principalmente, se algum dia a gente vai ter a chance de ver a relação da Adora com a Catra abertamente. Seria tão bonito ver a Adora se dando conta de que esse tempo todo gosta da Catra como mais do que amiga. (no geral, quero ver o dia que a Adora vai descobrir que relacionamento romântico é algo que existe. Eu sei que ela sabe de casais, mas a não ser que ela e a Catra já tenham tido algo, eu não sei se ela sabe a diferença de gostar de alguém, etc. Ela não sabia nem o que era uma tia!!!)

Um questionamento que eu vi rolando é: Será que a Catra vai se juntar a Adora no final? Tudo é possível, né. Ainda mais nesse caminho/interpretação de que o grande final da história vai envolver a união entre as princesas - todas elas, incluindo Scorpia e Entrapta. Mas o que eu acho é que ela vai ser uma pessoa sem lado. Não duvido nada que no momento final e crucial a Catra vai ser quem vai trair o Hordak e acabar com a porra toda, porque diferente de todo mundo nesse jogo de lados ela não tem nenhuma razão maior pra nada. Tu acha que se ela ver o barco afundando - e ela vai ser a primeira a ver porque ela não é burra - ela não vai pular fora? A Horda e nada pra ela dá no mesmo. Se ela tivesse mesmo do lado da Horda ela teria levado embora a espada da She-Ra. Mas acho que antes disso acontecer nós ainda vamos ver Catra bem vilãzinha e até fazendo a gente passar raiva. Até o momento, a maior aliança da Catra é com o caos, a força caótica dessa bichinha é sinistra, e acho que ela vai seguir qualquer coisa que envolve rejeitar leis e gente mandando nela. 

Mas eu também espero que eles trabalhem melhor e desenvolvam a razão pra ela estar na Horda. Até aqui foi o medo e a necessidade de poder, mas e daqui pra frente? Vai se acomodar? E o que que ela ganha com o Hordak acabando com o mundo? E, a pergunta maior, POR QUE O HORDAK QUER FAZER ISSO? PRA QUE?  

COISAS ALEATÓRIAS DA CATRA COMO PERSONAGEM

Um trecho que eu escrevi e não tenho onde enfiar.

***momento pra apreciar a voz da personagem e os Hey, Adora que são maravilhosos***

Agora uma pausa pra mostrar a introdução e caracterização da Catra. Começa naquele treino com a Adora perguntando pela Catra e achando que foi deixada na mão, e aí depois nós vemos a Catra nas sombras passando pelo circuito sorrateiramente enquanto os outros aguentavam a parte difícil e chegando no final pra chutar o último monstro e pegar os créditos toda feliz e sorridente como aquele membro do trabalho em grupo que não faz nada e chega na apresentação como se nada tivesse acontecido. Isso em si já mostra várias coisas sobre a personagem: como a relação dela com a Adora não é algo muito equilibrado. A Catra basicamente não ajuda a não ser que seja o último segundo pra tirar a Adora de uma enrascada. Como a Catra é muito mais alguém que vai pelas sombras e faz as coisas por baixo do pano, pegando carona no sucesso dos outros. A série, de certo modo, mostra isso como ruim, mas é literalmente o maior poder da Catra e como ela dá a volta por cima no final. Mostra também que ela não faz isso porque quer ser adorada exatamente, porque leva bronca no final e não é reconhecida. Isso é uma coisa interessante sobre a Catra: ela é do jeito que ela é e foda-se os outros. Porque tipo, eles colocaram a Catra como alguém claramente esperto, talvez até o personagem mais esperto de todos os protagonistas, então se ela via que ser toda certinha e seguir as regras e agir igual a Adora dava certo, por que ela não teria tentado simplesmente fingir que é igual a Adora? Talvez ela tenha tentado e mesmo assim não foi reconhecida. Talvez ela já esteja no ponto de que "não importa o que eu faça vão me culpar e ignorar o meu esforço então eu faço qualquer coisa." Deve ser muito frustrante querer ser o melhor, mas nada do que você faz serve pra nada, porque o problema não é você, é que as pessoas não querem ver teu valor. 

A base da Catra como personagem é alguém que não admite que quer o que quer, alguém que finge que não se importar com o que se importa. Esse é o primeiro instinto dela, como um reflexo quase que animal. 

E, pra completar, o meu preferido: o medo. A introdução da personagem é toda a Catra se fazendo de superior e espertinha até a Adora brincar falando "OLHA UM RATO!" e a Catra se arrepiar de medo. E apesar de ser só um momentinho, é também a conclusão da introdução da personagem dela. A Catra é movida pelo medo. E não é por acaso que eles fazem questão de mostrar ela tremendo quando precisa enfrentar a Shadow Weaver ou o Hordak. Sabe bicho que viveu em rua e sofreu tanto mau trato que morre de medo de qualquer pessoa e tem horror até a carinho? É a Catra. Enfim, e ela ainda é colocada nessas situações sendo castigada injustamente por coisas que a Adora fez - um terror que, como nós vemos depois na série, é algo que colocam nela desde pequena. 

Eu também gosto que a série humaniza a personagem. Quando ela se preocupa e tenta se importar com a Shadow Weaver, por exemplo. 

A Catra é interessante porque não é que ela seja uma personagem boa ou certa, mas ela é injustiçada. A vida toda. Excluída pelas outras crianças. Não reconhecida pelos superiores. Sofrendo abuso e agressão física e sendo culpada por qualquer coisa que a Adora fizesse. E ainda assim, ela encontra essa relação verdadeira de companheirismo com a Adora. Até o início da história, a Catra não teve chance de fazer algo certo ou até aprender algo bom, porque a vida toda ela só conheceu abuso em todas as esferas menos com a Adora, que também era uma criança e não tinha a menor condição de proteger ou ensinar algo de diferente pra Catra. Pelo contrário, a Adora ia na onda dela. 

E Catra muito Sonerina e Adora muito grifinória. 
          

TAGS: , , , , , , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

0 comentários

Posts Populares

INSTAGRAM