Carol Cardozo CCdiscussão

Mulheres protagonistas: manda mais que tá pouco

17.7.17Carol Cardozo


Eu já escrevi um post parecido, na CCSexta do mês passado (o mês sobre Mulher Maravilha), sobre a importância da representatividade feminina nos filmes de ação, nos seriados, no mundo dito "nerd".

Aí sai o anúncio sobre o novo Doctor, já que Peter Capaldi (Capaldão <3) vai sair no próximo Especial de Natal. Sempre rola expectativa, todo mundo quer que seu ator britânico preferido entre...

E aí veio o anúncio. JODIE WHITTAKER. UMA MULHER VAI INTERPRETAR O DOCTOR.

AAAAAAAAAAA
E aí, obviamente, começou o chororô de uns macho que não tem mais o que fazer, dizendo que está arruinado, que não vai mais assistir, que querem enfiar mulher em tudo,etc etc.

Primeiramente, fora Temer.

Segundamente: gente, saiu literalmente um vídeo de um minuto, o máximo que a mulher fez foi tirar o capuz e ir na direção da tardis. Não é uma questão de atuação. É porque ela é mulher. Engraçado que sempre que mulheres entram em posições de protagonismo, liderança, destaque, sempre tem alguém pra reclamar simplesmente por ela ser mulher.

Sobre esses caras que reclamam, só tenho a dizer: chora mais, chora muito, o choro é livre.


Imaginem as meninas que assistem Doctor Who. Só vendo meninas sendo companion, nunca as principais. Sempre sendo salvas, sendo ajudantes. E aí elas veem Jodie. Alguém como elas. Alguém como elas salvando o universo, brigando contra os monstros, pilotando a TARDIS.

Ainda não conseguiu entender por que isso é tão grande?

Eu cresci gostando de super herói, de ficção científica, de filmes e séries de ação. O máximo de mulheres que eu via era a Princesa Leia ou a Mulher Maravilha (só mencionando os casos onde as mulheres não eram as que eram salvas, dependentes ou extremamente sexualizadas, embora essas duas tenham sido também).

Minha mãe brigava comigo por eu assistir esse tipo de coisa porque "era coisa de menino". Quando eu, com 8 anos, disse que queria tocar bateria, minha mãe disse não tinha menina tocando bateria e que eu não deveria pensar nisso. NUNCA que eu ia ver bonequinha da Capitã Marvel ou da Hera Venenosa, nunca que ia ter blusinha da Harley Quinn, sacas?


E aí hoje minha irmã, que tem 9 anos, já tá crescendo com isso, ela tá se vendo nos desenhos, nos filmes, se ela quiser brincar de super herói não vai ter 5 meninas brigando pra ser a mulher maravilha porque ela era a única, saca? Eu acho isso importante pra caralho, porque eu vejo como isso me afetou, como eu ficava com vergonha de mostrar o que eu gostava, e que se eu tivesse o mínimo de apoio e me visse em alguma coisa, nossa, eu ia crescer com muito mais confiança.

Então...manda mais, que tá pouco.

TAGS: , , , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

2 comentários

  1. Mas eu quero ver um Companion homem, sendo salvo pela Doutora, para os conservadores terem ataques cardíacos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu sempre tive essa impressão de que o Doutor da série moderna despreza muito os companheiros masculinos, tomara que isso mude.

      Excluir

Posts Populares

INSTAGRAM