Dana Martins lgbt

Perguntas: Por que a Supergirl dizer que não é gay pode ser ofensivo?

24.6.15Dana Martins


Então, você vai reparar que se rolar a página do CC até o fim vai encontrar um espaço de perguntas. Isso surgiu enquanto a #layoutsquad estava arrumando o novo layout do blog e foi tipo: ELILYAN, UM ESPAÇO PRA PERGUNTAS. DEIXA EU COLOCAR PRAS PESSOAS FAZEREM PERGUNTAS, POR FAVOOOOOOOOOOOOOOOR. 


No fim ela me deixou brincar na neve. Tipo, eu sempre quis que o CC fosse acessível. Eu não gosto desses sites gigantes que parece que você tá entrando numa catedral sagrada que ninguém pode tocar em nada. Eu quero um parque de diversões!! Enfim, eu queria que você, que está lendo isso, tivesse um meio de comunicação direto com a gente. Já testamos inúmeras coisas e até agora não teve exatamente algo que fosse o meu estilo. Foi aí que eu decidi testar essa nova forma de contato.

E AÍ, FUNCIONOU?

Hm... Vamos descobrir agora. 

---------------------------------------------------------------------

A Thais e a Mariana decidiram aproveitar o meu exemplo e perguntar "Por que a Supergirl falando que não é gay é ofensivo?" e estou aqui para responder. Antes disso, obrigada vocês duas por não só passearem pelo layout do CC, como entrarem na brincadeira. <3



Acho que a questão é mais em como pode ser ofensivo do que como é ofensivo (eu deveria ter colocado assim!!!). Ofensa é uma questão de perspectiva. Mas se torna problemático quando está relacionado a uma minoria. E, só pra constar, eu já escrevi sobre o que significa ser minoria aqui e talvez o texto possa ajudar você entender por que algo que seria uma "brincadeira" se torna uma ofensa quando se trata de uma minoria. 

Pode ser ofensivo porque é usado pra fazer piada. Você já tá apresentando a Supergirl afirmando que ela não é gay. Qual é a necessidade de afirmar isso?

Mas agora eu fiquei realmente com medo. Passou pela minha cabeça: e se essa necessidade de reforçar a orientação sexual (não-gay. ela ainda pode ser assexual, pansexual, bissexual... curioso. como funciona a sexualidade alienígena?) enfim, e se essa necessidade de reforçar for pelo fato do paralelo com o Super-Homem e pra dizer que ela é "durona", mas não significa que ela se sinta atraída por mulheres?

É porque se ela parecer mais tougher do que isso, vai começar a parecer que ela é gay. IMAGINA QUE HORROR

Eu sinto isso, porque uma das maiores razões de eu ser contra o ship Korrasami em The Legend of Korra era porque a Korra já é uma personagem mulher em uma posição normalmente representada por um homem, ouvi inúmeras vezes comentários pejorativos sobre ela ser "machona". Então acho que você pegar uma personagem assim e justamente ela ser gay, é reforçar o estereótipo de que a mulher "forte" é lésbica. E aí nós entramos em um buraco sem fim de má conclusões do senso comum: mulher "forte" odeia homem, lésbica odeia homem, lésbica quer ser homem, orientação e expressão de gênero são a mesma coisa, etc. (e eu nem considerei a possibilidade dela ser bissexual...)



Curiosidade: Asami é super feminina. Ela deveria desvalidar esse pensamento. Não desvalida. A Korra em si tem muitos traços femininos. Também são ignorados. Às vezes a forma como a gente vê a realidade não é nem a realidade. 

Mas acho que isso já é uma suposição bem longe. 

No fim do dia, ainda usam o "não, não sou gay" em um contexto que costuma ser comum um "não, deus me livre. não sou gay!" (é até um clichê de personagem LGBT+ em negação dizer isso). 



Então a série traz o assunto pra: nada. E se faz algo, é reforçar a heteronormatividade. 

Pessoalmente, to nem aí. HAUHAUHA E parece bobo. Mas se eu for escolher, eu prefiro algo que inclui outras orientações sexuais. 

E respondendo isso eu percebi que tem algo pior ainda do que ser ofensivo pra quem é gay: o amigo da Supergirl assume que ela é gay porque não gosta dele. 

É claro, porque uma mulher só não vai se sentir atraída pelo cara legal se ela não se sentir atraída por caras de forma alguma.

Reforça a ideia de posse do homem sobre a mulher e a ideia de que o homem merece a mulher só por fazer algo trivial. É a mesma lógica daqueles esmaltes que geraram polêmica, aqueles que o nome era tipo "Claudio fez jantar hoje". E é bom nem descer por esse buraco... A coisa é feia. 

HAUHAUHAUHAUHAUAH eu ia morrer lendo "fé mandou mensagem" 


(eu espero que ela e o amigo não acabem ficando juntos) (e seria muito divertido se um deles não for hétero no fim das contas) (e aí eu fui procurar imagens de Supergirl e meu sensor crítico começou a apitar loucamente) (fuuuuuuuuuuuuuuuuuuu)

Daí esperar pra ver mesmo a série. Não vale a pena julgar nada antes de ver. Na verdade, eu nem acho que seja realmente produtivo julgar algo. Mas pensar? Refletir sobre possibilidades e significados? Isso eu gosto.

Eu não esperava que essa fosse ser a minha resposta pra pergunta, mas estou feliz de ter refletido sobre o assunto. Obrigada pela chance, Mariana e Thais.



E vocês podem perguntar sempre que quiser. Ou compartilhar algo aqui que você queira falar. O objetivo desse espaço é isso: toda vez que você quiser falar algo com alguém e não saber com quem, nós estamos aqui pra conversar. Ou ficou uma dúvida sobre um texto, ou quer saber mais sobre um assunto. Também podemos opinar sobre algo que tá rolando?? Ou você pode simplesmente nos mandar uma mensagem. Eu me sinto meio que um desastre nessas coisas. Eu to fazendo certo? O que eu deveria fazer? O que diabos eu to querendo com isso? Na dúvida: vamos fazer merda. 

Ah! Enquanto isso, eu to fazendo um post sobre pessoas transgênero e bissexualidade. Você pode usar a caixinha pra me dizer o que acha sobre isso e as suas dúvidas pra me ajudar a fazer um texto mais completo. :)

Até mais!


a real pergunta: QUANDO É QUE ESSA SÉRIE ESTREIA???????????

TAGS: , , , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

5 comentários

  1. Parece até que mando em alguma coisa aqui. HAHAUAHUAHA
    Muito bom o texto, Dana. Aguardo os próximos. ;)
    A série estreará no dia 26 de outubro, mas o episódio piloto já vazou. Confesso que tenho zero vontade de assistir essa série porque acho a prima do Superman uma chata (acho que é uma coisa de família, também não tenho saco com o Superman).

    ResponderExcluir
  2. Hey, Dana!

    Lembra daquele dia que tava perguntando no twitter se a Clarke era homo ou bi? Não? Ok...
    Eu tava perguntando isso porque tava reparando que ela e a Korra que são mulheres fortes e protagonistas em séries, sentem atração por mulheres. Não tinha pensado como isso pode remeter aos esteriótipos que você falou ali em cima, mas é exatamente isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. claro que eu lembro! eu acho até que a Clarke quebra um pouco isso. Aliás, eu gosto da Clarke porque ela não é a ~mulher forte~ tradicional. Tipo a Arya! Pensando agora, em The 100 tem tanta mulher fazendo coisa que quebra isso. Até de uma forma diferente de The Legend of Korra, porque a Korra em si é a única mulher que você descreveria de algum modo masculino (tipo a Arya). Mas em The 100 todas tem isso(???)

      Mas enfim, é essa associação mesmo que você fez. E a partir do momento que você faz ela intuitivamente, significa que é um estereótipo marcado.

      Excluir
  3. Oh Lord!!! Fui citada no Conversa Cult, a vida já valeu a pena.

    ResponderExcluir

Posts Populares

INSTAGRAM


Instagram

FALE COM A GENTE!

Nome

E-mail *

Mensagem *