AUs CCdiário

Eu tinha esquecido o quanto as fanfics são importantes

23.4.15Dana Martins



Um texto ou uma história sobre os meus 10 anos lendo fanfiction e como é voltar para esse mundo depois de alguns anos longe. O que mudou? Ou o que eu mudei? Ou o que continua o mesmo? E a minha surpresa com as realidades alternativas. Também é uma conversa legal sobre aprender a escrever e o que as fanfics podem nos ensinar, quase incluí esse post no Clube de Escrita, mas fiquei na dúvida e deixei pra lá. Boa leitura. :)

Preciso comentar que eu comecei a ler fanfiction uns 10 anos atrás(!!!). Eu li muita fanfic, de muita coisa e escrevi muita também. Acho que foi na sétima série que eu basicamente escrevia todos os dias! E eu já sabia que cada fandom criava histórias de uma maneira diferente. Tipo os de Harry Potter que eram os mais ~tradicionais~ e escreviam histórias mais completas (e não só sobre romance) em uma época que tinha gente escrevendo até com abreviação. As fanfics de banda eram basicamente gay com muito drama adolescente. Fora as de McFly, que eram interativas, ou seja, você colocava seu nome e a história era com você, suas amigas e a banda. E esses são só os grupos por onde eu circulava.

Retornar para as fics agora foi muito diferente. A primeira coisa que eu fiquei conhecendo e me chamou atenção foram os AU (Alternative Universe), que é usar um universo alternativo pra história. Por exemplo, Jogos Vorazes no Hogwarts AU, que é uma história onde a Katniss é uma bruxa que vai pra escola de magia. Vivendo no tumblr eu já era familiarizada com o conceito de AU, adoro quando surge uma fanart de AU pós-apocalíptico ou moderno. Mas... esse pessoal das fanfics leva AU para outro nível. 

AUS TO CONSIDER

"we live in different countries and got paired up as pen pals for a project for school" au
"i crashed your family member’s wedding for the free food but hi there" au
"i’m a techie, you’re the lead actor in a show" au
"the person running the rollercoaster is really hot" au
"sorry that text was meant for someone else but hi there who are you" au
"we’re in a breakfast club style all day detention" au
"i don’t want to go alone to my ex’s wedding and our mutual friend said you’re free that night" au "
i signed up for a dating website to get my mom off my back" au
"we’re in the same rocky horror troupe" au
"hey asshole quit kicking the back of my seat it’s a 10 hour flight" au
"your dad is my least favorite teacher" au
"my significant other cheated on me with you, wanna team up to destroy them?" au
"i’ve been coming to this club for years but you’re the best performer i’ve ever seen" au

A lista é maior ainda. Você pode ver aqui. Fiquei com preguiça de traduzir, mas um exemplo: "Entrei de penetra no casamento de alguém da sua família por causa da comida de graça, mas oi gata au" 

Cada AU é basicamente uma trama diferente e interessante. Só de ler o AU já dá vontade de começar a escrever. E eu to, tipo, pinto no lixo no meio desses AU. The 100 (conheça aqui) é uma história pós-apocalíptica muito tensa, então eu to basicamente passeando por todos os AU que adaptam a história para hoje em dia (modern au!). O primeiro que eu conheci foi o  "Faking date au".

Dana: Olha, uma fanfic de The 100 que é a trama de Faking It

Meu cérebro: hoe don't do it

Dana: *clica no link*

Meu cérebro: oh my god

Depois eu encontrei um "Road trip au" e aí a coisa só vai em frente. Por algum motivo, eu me divertido demais vendo os personagens de The 100 em uma história contemporânea. 

E não foi nada planejado. Eu só estava sofrendo pós-fim de temporada e procurando maneiras de continuar a história quando a fanfic apareceu no tumblr. Uma pausa para dizer que nos últimos meses minhas amigas começaram a ler uma fanfic de Carmilla, que eu decidi não ler porque eu sou uma pessoa crescida e responsável e não vou sofrer esperando uma fic se já tenho que sofrer esperando a série. Mas acho que isso já eram as fanfics batendo na porta e dizendo WE'RE BACK, BITCHES.


Acaba que essa fanfic do Faking date AU é escrita pela mesma pessoa que escreve essa fanfic de Carmilla (porque eu não vi minhas amigas sofrendo com 50 mensagens nas minhas mentions do Twitter e achei que ler seria uma decisão inteligente). Na verdade, eu já tava no chão então eu só deitei.

E FOI MUITO BOM. Mas só tinha um capítulo e aí eu vi que a garota que escreveu tava tipo "ok, talvez um dia eu continue. fiz o maior drama pra colocar esse capítulo no ar, mas vou passar a semana longe". E eu já comecei a questionar minhas decisões de ler histórias dessas pessoas que fazem sem o menor compromisso ou planejamento, dando ataque porque, sabe, a história ficou muito famosa e as pessoas estão pedindo mais. *enquanto isso acompanhando avidamente o tumblr da garota atrás de informações* No meio disso vi que ela indicou a road trip AU.

Que eu também fui ler e é claro que tinha só 1 ou 2 capítulos e também demorava a atualizar.

Nesse ponto eu já tinha aprendido que se eu clicasse em Clarke / Lexa no site... adivinha o que acontecia? MAIS FICS. One does not simply aprende o caminho para o pote de ouro. 

Uma pausa para dizer que um dos grandes motivos de eu me afastar das fanfics é que eu não sabia mais onde encontrar. Conheço sites e tal, mas... onde estão as boas? Vou ler do que? Tem muita fanfic no mundo, gente. Não dava só pra sair chegando. Essa faking date au foi a rota da perdição. Minha amiga já tá mais por dentro das fanfics, tem um monte legal e um site legal junto com um fandom legal. Gente, me escuta. Eu aprendi até a encontrar fanfics de The Legend of Korra. SE ISSO NÃO É O ALARME DO INFERNO EU NÃO SEI O QUE É.

Até agora consegui me manter bem limpa. Eu posso ou não ter me dado conta de que eu poderia procurar fanfics sobre a Capitã Marvel e super-heróis ontem à noite, mas até agora nenhum sinal de piora. Só fanfics de The 100 e eu nem fui muito além do meu ship preferido. Bem, tirando aquela fanfic Bellarke e o spin-off one shot da Raven com a Octavia... 

Isso também tem sido muito bom para a minha produtividade ~artística~. Verdade seja dita, a primeira vez que eu me dei conta de que eu realmente poderia escrever histórias foi através de fanfics, foi daí que eu tirei minha autoconfiança incrível de que eu poderia escrever qualquer coisa. Minhas amigas diziam que eu tinha um "baldinho da criatividade infinita", porque eu podia inventar histórias como se não houvesse amanhã e eu só agradeço por ter amigas tão legais naquela época. Foi aí também que a minha confiança foi quebrada, porque conforme eu crescia via que tinha umas histórias muito bem escritas (naquela época pra ser bem escrita já bastava não ter erro de português) e com a revolução das betas... eu comecei a meter na cabeça que eu não sabia escrever. E, bem, eu não sabia escrever bem mesmo.

E por bem entenda dentro dos padrões. No fim do ano passado reli uma fic minha de quando eu tinha uns 15 anos e, minha nossa senhora, era muito mal escrita num dialeto de gueto(!) e em formato de roteiro, mas... a história funcionava. Ela entretia. Era engraçada. Ela conseguia se completar. Eu fiquei me perguntando "como diabos eu fiz isso?" Naquela época eu não lia em inglês e não tinha acesso às noções de "escrita" que eu tenho agora, eu simplesmente inventava uma história e pronto. Tanto faz o tamanho ou formato. É uma naturalidade que agora a muito custo eu to tentando reencontrar e que reler essas fanfics ajudou a acordar em mim.

Pensando agora, eu acho que o mundo já tava mesmo me pedindo pra ler fanfic. Mesmo longe de todo esse mundo em dezembro quando The Legend of Korra acabou eu comecei a escrever. Mentalmente. Eu nem escolhi fazer isso, acho que tava sofrendo e precisava fazer esse mundo continuar. Além disso, o final Korrasami me deixou com muita coisa não dita pra trabalhar, eu precisava reestruturar mentalmente toda a dinâmica das personagens.

Nossa senhora, acabei de me dar conta de que essa roupa que ele tá usando é praticamente a última versãoda roupa da Korra, só que essa é uma fanart de antes mesmo do livro 3. Vou ter que comprar o Art Book
pra analisar essa história. (só por causa disso)

E eu acabei de lembrar que depois do livro 2 de The Legend of Korra eu comecei a escrever uma fanfic baseada no Desna, porque é um personagem que eu sempre quis saber mais e acho que o nível de homem water tribe na minha vida tá muito baixo. Também lembrei que a minha história do último NaNoWriMo é da Viúva Negra. E nas duas primeiras vezes que eu participei do NaNoWriMo eu estava escrevendo algo que agora eu chamaria de Jogos Vorazes AU, com super-heróis.

Então acho que não fiquei realmente longe. Só bloqueando essa parte de mim. E acho que essa é uma coisa sobre mim: mesmo quando eu pensei que eu não tava escrevendo, eu tava escrevendo. Quando eu fiz 15/16 anos, eu me afastei do mundo das fanfictions e escrita no geral, só voltando a rascunhar quando eu tinha uns 18 anos, mas descobri que eu tenho um monte de histórias que eu simplesmente comecei a escrever. Inclusive uma que eu chamava de detenção (Detenção AU?) em que a protagonista e o Harry Judd tinham que ficar depois da escola. (eu ainda sou Jones, só pra constar)

Wow, não esperava que ia ter tantas revelações escrevendo esse post. Quando eu comecei a escrever isso aqui mentalmente achava que tinha ficado uns 5 anos sem nem tocar em histórias, agora lembrei que até no meu terceiro ano (que eu parei o ônibus da vida e desci pra estudar) eu continuei escrevendo. Wow. Parece que eu gosto disso???

Dana, são 7 da manhã e você tá acordada escrevendo, depois de ir dormir tarde por passar 3 horas escrevendo uma história no dia anterior. O que você acha?

Eu acho que ainda tenho um longo caminho pela frente, porque tem muito ainda no mundo das histórias para aprender, mas acho que o primeiro passo é reencontrar a magia que me contaminava na hora de contar histórias, os mundos que me puxam e me animam para ir em frente, do mesmo modo que às 7 da manhã eu me sinto confortavelmente bem em escrever um post sobre fanfics. Quando eu disse que queria encontrar meu espírito Avatar em 2015, não era exatamente isso que eu esperava, mas acho que eu acabei descobrindo que a coisa tava mais bloqueada do que o imaginado.

Pera, isso era um post sobre fanfics?

Bem, agora eu estou com 4 histórias na minha cabeça (pra escrever agora, porque se eu for começar a listar todas elas...). 3 delas surgiram nos últimos dias, duas fanfics de The 100 e uma de The Legend of Korra, a quarta é a minha história do último NaNoWriMo que faltou completar, que eu sinceramente perdi um pouco o fio da meada, mas a Helena e o Neil Gaiman falaram pra terminar, então vou ser teimosa e fazer isso. Para todos os efeitos, essa é a minha história principal de Camp NaNoWriMo.

As duas sobre The 100 eu já comecei a escrever. Ela surgiram no mesmo dia e são bem diferentes, uma acontece em uma cidade fictícia envolvendo gangues, slut shaming e ativismo, eu quero algo que pareça um universo distópico de ficção científica, só que na realidade é uma história contemporânea. Essa eu to aproveitando um tema que eu já me atrai há aaanos, mas sempre ficou faltando a trama. A segunda é basicamente um rock band AU (meu amor por histórias de banda retornando!), que na verdade é mais a continuação Clexa de uma fanfic Bellarke que eu li HAUHAUHAUHA (esses são os ships) A fanfic é feita como uma matéria pra revista Rolling Stone de um correspondente que acompanha a rotina da banda The 100, então é um texto diferente meio expositivo que conta como a banda se formou e como é a rotina da estrada (as pessoas são realmente criativas, nem é uma história tradicional e eu nem queria ler algo Bellarke, só que é contada em um modelo muito bom. e tem gente com cara de pau de desvalorizar fanfics). Então eu continuo a história do ponto que a fic deixa, só que da perspectiva dos personagens. Quer dizer, a fanfic é uma matéria de revista, certo? E se tudo o que está escrito ali não é exatamente como as coisas são? Parte da ideia de que pra sobreviver no mundo da música você precisa de mais do que música e mostra os bastidores disso de se virar pra ganhar a vida na estrada e conquistar a fama. Até onde você está disposto a ir pra salvar a sua banda?

Se você está lendo isso, espero que você tenha assistido The 100 porque essa última frase fica muito melhor. Essa é a mágica dos AU: Você pega elementos de um contexto e conta com outros. Eu acho muito interessante essa difusão de AUs agora, porque tem bastante a ver com o pensamento mais atual sobre diversidade e empatia. A princípio você pode se assustar com outra cultura porque eles, sei lá, comem cachorro. Mas aí se você para pra pensar vê que eles comem pelo mesmo motivo que a gente come feijão aqui e que, no fim do dia, não somos muito diferentes. The 100 é uma puta história sobre isso, já que na segunda temporada desenvolve quatro grupos diferentes que se veem como inimigos, só que começam a perceber que mesmo que uns usem roupas velhas e outros armadura/maquiagens de guerra, eles são bem parecidos. 

O que um AU faz é pegar a parte humana que sobrevive a qualquer cultura e época readaptando em outro contexto. 

Não que seja algo tipo Shakespeare, a força motriz das história ainda é ver o ship acontecer (ou não. EU NUNCA VOU ENTENDER QUEM ESCREVE UMA FANFIC TRISTE. JÁ NÃO BASTA TODO O SOFRIMENTO NA SÉRIE?), então elas são recheadas de momentos fofinhos e tensão sexual. Eu percebi que a maioria nem planeja, acho que o processo criativo é: WOW, IMAGINA QUE LEGAL SE ESSA PERSONAGEM FOSSE UMA AGENTE SECRETA E ESSA UMA SUPER-HEROÍNA (minha nossa senhora, acabei de lembrar que eu escrevi um AU de super-heróis para Faking It ano passado), aí escreve algum momento super legal que deve ter passado pela cabeça com essa imagem mental e publica.

Aí você, inocente, clica pra ler E O QUE VAI ACONTECER AGORA? Espera algum dia a pessoa parar pra continuar.

Mas eu gosto desse processo. Escrever fanfic não é um trabalho, não é uma meta. A pessoa acorda com muita vontade de escrever sobre essas duas pessoas andando na rua de mãos dadas e escreve. Em parte eu gosto que as fanfics sejam meio renegadas, porque não tem o ego de ninguém no meio do caminho. E não deveria ser como todas as histórias são feitas?

Algumas, é claro, são bem fraquinhas. Mas nem importa. Isso é uma coisa que eu tava pensando esses dias: Você pega um livro "bem escrito" se esforçando pra ler como se fosse uma obrigação, aí pega uma fanfic com claros problemas de desenvolvimento, mas que se dane, porque ela te faz querer mais e mais.

É tipo um tapa na cara nessa ideia de "não escrevo bem" que anda por aí

E voltando a ler agora, já com outros olhos, me dei conta de que como essa é uma escrita mais ~bruta~, dá pra perceber claramente como existem vários tipos de escritor. Algumas pessoas escrevem romance como mágica. Outras são GENIAIS no uso de referências e conversas em grupo. Tem aqueles que desenvolvem mais estilo e estrutura. E por aí vai. Acho que em um livro isso não fica tão claro porque o autor busca ser minimamente bom em tudo e segue estruturas. O que não é bom nem ruim, só é diferente.

Acho que dá pra aprender muita coisa com as fanfics. São histórias que você lê porque quer. Não teve propaganda, não tem nem capa, os autores não são famosos e, particularmente, eu nem presto atenção nos títulos. Coisas que me fazem ler são o ship (tipo de personagem), sinopse e, atualmente, marcação de AU. (no momento não to com vontade de ler fics no universo real da série, apesar de ter lido uma) Bem, é claro que o fato de ser uma FANfic também conta, então estou buscando mais sobre uma história ou algo que eu já adoro muito. Mas acho que a certo nível isso conta em qualquer história que você vai ler, não é à toa que as capas de livros são cheios de citações de autores parecidos ou informações que dão referência e nos dizem basicamente "olha, é mais daquilo que você gosta". E tem mais um monte de porém que eu poderia colocar no meio do caminho, mas no fim do dia ainda existe algo essencial no fato de que as fanfics que você lê são histórias que capturam algo especial que te faz "virar a página". É muito mais fácil você abandonar ou procurar outra melhor. Então o que tem ali?

Pra finalizar, vou só acrescentar que a última fronteira na minha resistência das fanfics acho que foi quebrada pelo livro Fangirl, da Rainbow Rowell, que eu só não terminei porque não quero que acabe. O livro acho que me preparou mentalmente para retornar ao mundo das fics. Não só isso, ele me inspirou de modo geral a escrever a ponto de eu colocar de lado pra escrever minhas próprias histórias. 

Só sei que estou feliz de ter voltado. Eu quero ficar aqui. Não faz nem um mês que eu voltei a ler fics e sinto que já aconteceu uma transformação inteira em mim.



-dana martins
(ACABEI DE ME DAR CONTA QUE PODE TER FICS DA SUPER FAMILY!!!!!)



TAGS: , , , , , , , , , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

4 comentários

  1. Comecei a ler fanfics no Orkut (!!!) lá por 2007, quando conheci Naruto e comecei a shippar SasuSaku loucamente, e nunca mais parei. As pessoas postavam os textos nos tópicos das comunidades relacionadas, aí acabei descobrindo o fanfiction.net e fui pra lá. Já li muitas fanfics boas no Tumblr também!
    Adoro a Sakura de Naruto, então leio principalmente as fics em que ela é a protagonista, e teve uma época em que comecei a escrever fanfics também. É tão bom ver as pessoas comentando e favoritando suas histórias, você fica se achando o máximo, mesmo sabendo que elas nem são tão boas assim!
    Li algumas fics interativas de McFly por um tempo, uma época estranha, porque eu mal sabia o nome dos integrantes da banda...
    Enfim, adoro ler fanfics, só que preciso me cuidar porque às vezes não faço outra coisa a não ser ler!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. eu comecei no orkut também! (caramva, fui procurar pra ver se eu lembrar a data que eu comecei, me perdi por umas coisas antigas... HUAHUAHUAHUAHUAHUAHUAHUAH) faz muito tempo. eu comecei numa comunidade de "fics de bandas", então era só banda. No tumblr ainda não li fanfic não, apesar de já ter visto e de ter sido ele que me levou ao AO3 xD

      HUAHUAH eu comecei a ler McFly sem saber quem era quem também. Foi uma amiga que disse praticamente "lê aí, coloca esses nome". E acabei conhecendo e adorando todo mundo depois disso.

      Excluir
  2. Por incrivel que pareça aconteceu a mesma coisa comigo ano passado. Eu comecei a ler fics lá em 2005 também (foi o ano chave da minha vida e onde comecei a ser a grande consumidora de cultura pop que sou hoje). Passei por Harry Potter, McFly, Crepúsculo, Supernatural. Até escrevi umas, publiquei poucas e as apaguei na fase que, por bobeira minha (e por achar que estava ficando velha demais para essas coisas) me avastei desse mundo maravilhoso.
    Mas eu voltei e me sinto completamente em casa agora. Tudo bem que tenho que tomar cuidado para não fazer outra coisa da vida a não ser ler fic. Também estou com várias ideias e são tantas que não sei como dar conta de todas ao mesmo tempo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. foi bem por aí também que eu comecei a ler!!! Cheguei até ler uma de Crepúsculo também, mas meu forte sempre foram as de banda. Eu parei de escrever porque comecei a achar que não sabia :(

      NÃO É ÓTIMO VOLTAR? É tão legal. E ontem ainda dei um passo além e li minha primeira fic que não é sobre The 100. Acho que voltei pra ficar. Sobre várias ideias: to escrevendo tudo. (ou quase tudo, mas meu objetivo é escrever sempre) (falhando miseravelmente desde que completei 50k nesse camp ;x)

      Excluir

Posts Populares

INSTAGRAM


Instagram

FALE COM A GENTE!

Nome

E-mail *

Mensagem *