a lenda de korra asami

Por que aquele finalzinho de The Legend of Korra faz sentido?

21.12.14Conversa Cult


Fui legal e cortei os spoilers no título e apesar desse texto ser uma discussão legal sobre buscar equilíbrio na vida, está cheio de spoilers das 4 temporadas de The Legend of Korra, então faça o favor de assistir logo antes de ler. Ou leia esse texto.

Então, eu li esse texto que compara as cores da Asami com as cores do Vaatu e as cores da Korra com as cores da Raava, simbolizando o equilíbrio. Eu não sei se isso foi tão intencional ou se a Asami como Vaatu faz algum sentido, mas me fez pensar em outras coisas.

O nome da temporada é "Equilíbrio" e por que faz sentido Korra terminar indo para o mundo espiritual com Asami?

Korra terminou com Asami só por causa da representatividade LGBT+ ou isso tem algo a ver com a história?

Lá na primeira temporada temos uma luta contra as pessoas que usam as máquinas para reagir contra as dobras, um dos vilões inclusive é o pai da Asami, então esse fechamento também é um equilíbrio entre dobradores e não-dobradores, entre os "poderes" e as máquinas, entre a fantasia e o sci-fi, entre o tradicional e inovador, o espiritual com o mundano. 

Durante toda a série temos paralelos entre esses dois planos e a luta pelo equilíbrio. Na primeira  temporada temos o foco nas máquinas, na segunda o foco é nos espíritos e na terceira temos um mundo em caos. Na última temporada, quando a Kuvira surge para trazer ordem, ela faz isso combinando o poder espiritual com as máquinas, mas assim como todo seu método de buscar ordem, ela usa isso para fazer guerra e dominar. E o que a Korra faz no final? Usa essa combinação de máquina+energia espiritual para transformar em conexão e restaurar o equilíbrio. 

Então ao longo das temporadas temos todo esse conflito entre tecnologia vs. magia e no fim a Korra garante o equilíbrio entre os dois. Já parou pra pensar que eles encontraram ali uma tecnologia para criar portais? Aquele canhão + o poder do Avatar. Até essa temporada o Avatar só podia decidir se abria ou fechava, agora ele passa a criar portais. E não só passa a fazer isso, como acaba fazendo bem em Republic City, a cidade que fica literalmente no centro do mundo e que mistura todas as nações (os portais de antes ficam nos extremos, esse fica no meio. equilíbrio, hm?). 

Korra e Asami juntas no final da história simboliza a união final entre esses dois extremos. Se você comparar a evolução da relação delas, está lado a lado com o desenvolvimento entre tecnologia e força espiritual ao longo das temporadas. 


Além disso, Asami não é dobradora, o que representa uma parte importante da população que o Avatar não alcança, porque o propósito dele é justamente dominar todos esses poderes mágicos/espirituais. Ser super poderosa e não ter poder nenhum ao mesmo tempo é impossível (apesar de que, em sua jornada, Korra mais do que aprendeu como é perder todo o seu poder, porque em cada temporada ela perdeu uma coisa). De qualquer forma, no final ela se recupera e perde a conexão com essa parte. Aí que entra Asami. Avatar + Não dobrador = representatividade em equilíbrio.

Não sei se to sendo clara quanto a isso? Uma coisa que eu sempre entrei em conflito é que por mais que o Avatar dobre os 4 elementos - as 4 culturas - as pessoas não dobradoras dessas culturas são deixadas de lado. A primeira temporada é basicamente sobre isso. Os não-dobradores encontram um líder próprio, o Amon, porque não se sentem representados pelo Avatar. 

Vale lembrar também que os não-dobradores em The Legend of Korra são mais importantes ainda. A nova ordem mundial pós-Aang, em que o Lorde do Fogo exterminou os dobradores de ar e estava exterminando os dobradores de terra e água, fez uma população de não-dobradores crescer bastante, ainda mais que os territórios passaram a ser mais misturados. A ordem mundial em que cada vez o Avatar vem de uma cultura nem faz mais sentido, porque o mundo não é nem mais tão separado assim. Mas a história do Aang é só a primeira parte da recuperação do equilíbrio e não abordou a situação dos não-dobradores, deixando para Korra resolver. 

ela resolveu direitinho

Asami é um dos maiores personagens-símbolos da série sobre o casamento de duas culturas (Terra e Fogo), que nasceu na principal cidade disso (Republic City), não tem dobra e usa as máquinas a seu favor. Ela não é só representante de uma nova ordem mundial, como ela completa o Avatar de um jeito que ele sozinho não pode, porque em essência o Avatar é um ser espiritual e único que consegue dominar todas as dobras. Korra representa o tradicional, Asami representa o futuro (a dona da Future Industries, não ao acaso).

Sério, eu to muito animada em reparar isso agora, porque as coisas estão se conectando. Tem noção do QUANTO essa série toca no conflito em tradição vs. "inovação"? Temos todos os filhos do primeiro team avatar lidando com a educação que receberam deles. A segunda temporada é crucial para mostrar o rompimento com o passado, quando Korra perde a conexão com os antigos Avatar e o Tenzin aprende a lidar com o peso de ser filho do Aang, mas a história não termina aí porque não é apenas sobre romper com o passado, é sobre equilibrar o passado e futuro. No livro 1 ela aprende a dominar o ar com técnicas de lutas modernas do Pro-Bening, no livro 2 Korra precisa se livrar do passado para reencontrar o caminho, no livro 3 ela fica completamente perdida e no livro 4 ela reaprende a se conectar novamente com seu espírito Avatar e manter o mundo em equilíbrio. Mas calma aí, onde está a parte do futuro? Onde está a parte da tecnologia? Asami. E você tem noção de que ela totalmente criou o portal para o mundo espiritual usando uma arma gigante, né?

Precisei atualizar o post com essa imagem que eu encontrei no tumblr.


Aliás, acabo de me dar conta de que o final se passa no casamento entre o Varrick e Zhu Li, nenhum dos dois dobradores e representantes da ~tecnologia~. 

Os governos-referência no livro 3 são o reinado no Império da Terra (tradicional) e a cidade utópica da Su Beifong (o novo), são literalmente referências de uma história de fantasia vs. uma história de ficção. Repare que nenhum dos dois são a resposta final no livro 4. 

Alguém ainda tem dúvidas de que a série representa esses dois "extremos" e passa por um desenvolvimento que busca o equilíbrio entre eles, concluído com a união entre a Asami e Korra, representantes desses dois lados?

A união delas mais do que é uma união entre duas pessoas, é a união entre dois símbolos que estão em conflito desde o início da série e finalmente conseguem entrar em equilíbrio. 

jaqueta com engrenagem?

Elas se olhando me lembra à Korra com o Wan, só que dessa vez a Korra está no lugar dele e, olha só, de mãos dadas. Ela recuperou a conexão.




O que nos leva ao segundo ponto desse final: conexão. Essa é basicamente a resposta que a Korra encontra para resolver esses conflitos. Enquanto Kuvira usa uma arma para invadir a cidade, Korra usa a mesma arma para criar uma conexão entre os dois mundos. Ao longo da série temos vários problemas que são resolvidos com a conexão: No mundo espiritual, Korra vence Kuvira mostrando que elas são iguais. O conflito Lin/Su é falta de conexão. Toph mostra como aquela árvore gigante está conectada com o mundo inteiro. Korra se conecta até com Zaheer, o vilão da última temporada, pra aprender a lidar com seu trauma. Aliás, é ao aprender a fazer essa conexão, que mais tarde ela usa com a Kuvira, que Korra recupera o espírito Avatar. 

Korra aprende a se conectar com quem ela é através da conexão com os outros. 

obs: "conexão" também pode ser lido com empatia, porque é isso que eu quero dizer e, olha só, o Bryan acabou de confirmar que esse é mesmo o principal tema dessa temporada


Quando ela se abre para o mundo é que ela reecontra Jinora, Ikki e Meelo na árvore. A conversa com Kuvira sobre vulnerabilidade não é à toa - Korra aprende que ser vulnerável é se abrir para os outros. Olha aqui o Grande Talvez do Herói, em que Kuvira é a versão de Korra que não desistiu de ser invulnerável. Mas repare como, no início da quarta temporada, é a própria Korra que está bloqueando sua conexão com o mundo, se afastando de todos e tudo. E é isso que a Toph joga na cara dela. 

E toda a história de The Legend of Korra começa com Korra isolada do mundo no sul sem saber direito como as coisas funcionam ou o que tá acontecendo, e ela mostra a todos que pra ser um Avatar de verdade ela tem que fazer parte do mundo, estar conectada. Até na quarta temporada ela continua lutando para provar que é capaz de fazer as coisas. Ah, e um dos poderes que ela ganha nessa temporada é literalmente aprender a se conectar com as coisas (ela usa pra encontrar o príncipe Wu). 

eu gosto que em todas as temporadas tem imagens de Korra olhando
para o horizonte pensativa, tipo "o que diabos eu devo fazer no mundo?",


Essa ideia de conexão também é a base do papel do Avatar. Afinal, essa ainda é uma história sobre a pessoa responsável por manter o equilíbrio do mundo e essa série discutiu incansavelmente o papel do Avatar no mundo. Qual é o diferencial do Avatar? Ele é o único que dobra todos os elementos, ele é a ponte entre os dois mundos. Ele é conexão. 

Um dos feitos de Korra ao longo de sua história é reconectar os dois mundos. A partir do livro 3 eles precisam lidar com as mudanças em Republic City e conviver com os espíritos. Quando Kuvira começa a abusar dessa conexão, os espíritos vão embora até Korra restaurar o equilíbrio no fim. Mas uma coisa até esse ponto da série não tinha acontecido direito: humanos no mundo espiritual. Jinora vai pra lá passear, alguns entraram lá em missão, mas não era nenhuma uma fusão como estava acontecendo no mundo físico. 

Korra cumpre sua jornada levando Asami, um símbolo do mundo físico sem dobras (ou qualquer poder "espiritual"), para conhecer o mundo espiritual.

Ou seja, The Legend of Korra é uma enorme história sobre conversão religiosa. -n HUAHUAHUAHUAH Tá, não é, mas ela expande o mundo e em uma história em que ela é a ponte entre os dois mundos que reabre a passagem, faltava o Avatar servir de guia. Korra levando Asami é o momento em que o Avatar cumpre sua função de conectar os mundos. 

Pessoalmente, eu esperava uma grande resposta para o papel do Avatar, algo que desafiasse a existência do Avatar no mundo com, sei lá, a Korra quebrando o ciclo do Avatar, o Vaatu se manifestando dentro da Raava (segundo a mitologia, é o que acontece, né?) e a Korra tendo que lidar com o equilíbrio interno, uma discussão entre o posicionamento do Avatar no mundo, a distribuição do espírito Avatar no sentido de "todo mundo tem o poder de ajudar"... As possibilidades são inúmeras, mas não. O ciclo do Avatar continua ok. Pelo contrário, ela reforça o que é o Avatar, mesmo que faça isso descobrindo a própria maneira de ser o Avatar. 

Aliás, Bryan Konietzko disse que não conseguiu incluir na série, mas foi a Asami que criou esses novos uniformes.
Já reparou como ao longo de The Legend of Korra temos contato com 3 períodos diferentes da cultura dos dobradores de ar?

Mas estou ok com esse final, até porque é uma conclusão importante e não destrói a possibilidade de continuação. Sem falar que com a criação da Air Nation (antes eram os Air Nomads, mas a nação do fogo atacou), uma grupo de pessoas voltado a ajudar o mundo a melhorar, e o team Avatar ganhando proporções imensas se comparado ao primeiro, nós já temos bastante da temática de - ei, você pode também fazer a diferença

Então... a viagem de Korra e Asami para o mundo espiritual de mãos dadas é mais do que um fan-service barato, representa o equilíbrio entre o espiritual e o mundano e a conclusão do papel do Avatar com base na jornada de conexão da Korra. Aliás, é totalmente interessante como Korra+Asami canon é visto como fan-service e Katara + Aang ou até mesmo Mako + Korra é ok. Eu ainda quero falar de Korrasami e discutir a representação LGBT+ na série, mas not today. Então só vou deixar isso aqui:

"Oh, e caso alguém vá dizer que 'elas são só amigas' então me responda isso: se Asami fosse substituída pelo Mako, você ainda chamaria de 'amizade' ou seria 'romance'? Double standards yo!" análise korrasami

Até mais.





A autora desse texto é a Dana, especialista em falar coisas idiotas, traficante de cultura pop e o avatar. Deal with it. Me recuso a usar 3ª pessoa, então: Você pode ver todos os textos que eu escrevi aqui na tag Dana Martins e também estou no twitter @danagrint, vem conversar comigo. :)

Ajude o CC compartilhando os textos que você gosta.

TAGS: , , , , , , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

10 comentários

  1. Uau! Você é incrível! Diferente de outros blogs cujos textos eu li, sua escrita é totalmente compreensível, bem humorada e traz qualquer tipo de tema, inclusive o descrito nesta postagem, a partir de outras concepções jamais percebidas por fãs comuns e relata seus pontos de vistas acerca da Lenda de Korra com originalidade, liberdade e incentivo ao público para que assistam e também se tornem fãs da série. Estou impressionado. Aliás, sou um fã altamente dedicado ao mundo avatar, kkkkk, posso dizer assim. Acho que se eu fizesse parte de uma dessas maravilhosas culturas elementares, faria parte da nação do ar. Afinal, apesar de serem um grupo com poucas similaridades étnicas (mesmo Tenzin e seus filhos não são herdeiros legítimos dos antigos nômades, já que descendem de Katara, a apaixonante dobradora de água da série anterior) são fortes, destemidos e perplexamente corajosos. A lótus vermelho pode até ter "conseguido" detê-los, mas com Jinora, Opal e Kai liderando este grupo, creio que eles serão os maiores dobradores e o povo de maior destaque no mundo nesta nova era. De qualquer forma, agradeço por seus textos tocantes e inspiradores. Deveriam haver mais poetas internautas como você :) Muito obrigado pela elegância de suas palavras, Dana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. WOOOOW! Por algum motivo eu não vi seu comentário até agora, Vinicius. Não sei nem se você vai ler a resposta, mas foi uma surpresa muito boa. Você também fala de forma clara e apenas wow. Eu escrevo as coisas e não tenho noção de que faço isso? Eu apenas vou escrevendo. Então é muito bom ver quem tem gente lendo e gostando, ainda mais que tira um tempo pra me responder algo assim. <3

      Até agora não decidi qual seria a minha cultura. Eu acho que sou muito water tribe, mas sou levada pra nação do ar e às vezes parece que eu sou earthbender (Apesar de que é o que eu tenho mais dificuldade). No fim dia, eu escolho waterbender, mas me recuso a ser menos do que o Avatar. Por que não? HUAHUAHUAH

      E também acho isso sobre o Tenzin e os filhos. Aliás, ontem mesmo eu mandei uma newsletter da Hora da Conversa em que eu comentei o desenvolvimento da cultura dos dobradores de ar. Eu gosto de como a série mostra como é possível ela se transformar, ou mudar a forma como carrega (eles não são ~dobradores puro sangue~, a roupa e estilo de dobra muda), mas ainda carregam o principal. E vou acrescentar: esses dias vi no tumblr alguém analisando um gif pra mostrar que a Korra dobra metal do mesmo jeito que ela dobra água, em comparação a Kuvira que dobra metal como um dobrador de terra. E APENAS: WOW. Eu gosto muito desse universo de Avatar. <3 <3 <3

      Mil obrigadas por esse comentário, Vinicius. <3

      Excluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  3. Respostas
    1. SUA FOTO <3 <3 <3 muito obrigada pelo comentário, Beatriz!

      Excluir
  4. Adorei seu comentário, finalmente alguém q consegue interpretar A Lenda de Korra, e não alguém q simplesmente assiste e comenta. Concordo com vc em cada palavra, acho q o final da Korra com a Asami não diminuiu nem engrandeceu a série (ta, isso talvez um pouco ) pq a animação so veio crescendo e melhorando a cada episódio, e não deve ser lembrada apenas pelo final. Só não entendo como alguem pode não gostar de A Lenda de Korra, fico até triste em saber q existem pessoas assim no mundo :'(

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. <3 <3 <3 Obrigada por dizer isso!!! Fico feliz que você tenha gostado dos posts. :)

      Eu acho que engrandeceu a série porque não só completa a história, como finca a bandeira de que o Avatar é tão importante no nosso mundo quanto no fictício.

      Excluir
  5. Apesar de ser um pouco extenso, o texto ficou ótimo! Parabéns.

    ResponderExcluir
  6. Colocar uma personagem bissexual é a migué numa história qualquer q ela seja é a migué mais usada por todos os meios de comunicação só pra falar q apoia os direitos lgbt, elas ficaram a por$#@ do desenho inteiro praticamente babando o ovo daquele sei-la-quem e no final elas seguram as mãos vão pra luz e são um casal?! Como assim? Eu não sei se vc é uma pessoa lgbt mas eu sou e isso delas ficaram juntas no final desse desenho é tão verdade quanto nota de três reais. Só pra constar, não é só pq vc segura as mãos de uma pessoa do msm sexo vc automaticamente é gay ou bi.

    ResponderExcluir
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

Posts Populares

INSTAGRAM


Instagram

FALE COM A GENTE!

Nome

E-mail *

Mensagem *