Bienal do Livro CCLivros

Exorcismos, Amores e Uma Dose de Blues, de Eric Novello

24.9.14Diego Matioli


Quem me conhece sabe como eu estava ansioso por esse livro. De fato, tê-lo autografado no lançamento pode não ter sido minha única motivação para ir na Bienal no dia em que eu fui, mas foi a principal. Acompanho o trabalho de Eric Novello há algum tempo e tenho grande afinidade com sua obra, então não foi com poucas expectativas que abri este livro. Comecei bebericando as orelhas e saboreando pequenos parágrafos, mas logo me vi embriagado de palavras. Custei a terminar a leitura simplesmente por sentir que era como um bom vinho, que fica melhor como o tempo. Acabo de virar a última dose, que escondia uma nota agridoce, e venho aqui compartilhar a experiência sem promessas de coesão ou coerência.

Afinal, ainda estou entorpecido de exorcismos, amores e uma dose de blues.

Tiago Boanerges é um exorcista de Libertá. Expulso do Conselho de Horus três anos atrás por se envolver com uma musa que deveria ter exorcizado, ele finalmente encontra sua chance de retomar sua posição na organização ao ser contatado por seu antigo chefe, Marcos Sardenha, e informado de que a criatura onírica por quem se apaixonou estava de volta às ruas – e que seu principal alvo poderia ser Elisa Goldin, a ex-namorada do exorcista e antiga hospedeira da musa. Agora o homem deverá enfrentar seus fantasmas, seus sentimentos e muitos nós soltos deixados pelo caminho da vida em uma empreitada frenética pela cidade fantástica e seus muitos recantos. Tudo para tentar se redimir pelo mal que causou ao não exorcizar aquela musa assim que a conheceu. 

Essa história possui muitos méritos, mas o primeiro a ser notado é a astucia de se combinar o clima Noir com elementos de fantasia urbana. Os seres introduzidos na história casam perfeitamente com as premissas tradicionais do estilo. Sendo assim, temos criaturas feéricas formando máfias, organizações inescrupulosas geridas por magos, ringues de lutas ilegais escondidas no reflexo de espelhos e prostitutas incorporadas por etéreos. Tudo está perfeitamente integrado a cidade. O autor se aproveita dessa naturalidade com que seres fantásticos participam da rotina, dispensando introduções detalhadas e deixando que o leitor faça as deduções. É uma tática que não pode agradar todos, mas pensando nisso há um breve resumo dos principais espécimes a povoarem as páginas disponível no final do livro.

Ele também é um jogo de releituras. Pelo lado urbano, Libertá parece uma reinterpretação de São Paulo dentro desta realidade destituída de religiões monoteístas, mas repleta de magia. O livro conta que há universos paralelos, chamados reflexos, e não fica difícil imaginar que o da história e o nosso tem certa ligação. A cidade, diga-se de passagem, é fundamental na história, disponibilizando diversos espaços para o desenrolar da ação. Libertá parece um centro urbano genuinamente brasileiro, e trará familiaridade imediata a quem conhecer algum. Já do lado sobrenatural, há constantes referências a obra mais famosa de Lewis Carroll, Alice no Páis das Maravilhas. Não são muito literais, mas sim releituras de figuras icônicas, para as quais o autor deu seu próprio tom. Quem as perceber vai abrir um sorriso no rosto, mas desconhecer a obra original não se torna um empecilho para a leitura - uma atenção digna de elogios.

As referencias não param por aí. Seria leviano de minha parte não citar o blues, tão central para a história. Suas letras são sempre citadas e o autor inclusive organizou uma trilha sonora para a obra - que inclui uma música original que está sendo produzida em parceria com sua irmã, Cassia Novello. Há também referencias a cultura pop em geral, todas bem distribuídas e trabalhadas de forma a não alienar ninguém. Destaque para a sutil piada com a dieta de Ozzy Osbourne. Por ultimo, eu não poderia deixar de comentar que conhecedores da obra de Novello encontrão um ou outro personagens familiares. O destaque óbvio vai para Marafo, o boneco de pano diabólico que está sob posse de Boanerges - e do qual eu fiz fanart durante a leitura do livro because of reasons.

uma das ilustrações da Carolina Vigna
para o livro.
A princípio, pensei em descrevê-lo como pesado, mas a palavra não me parecia correta. Depois de uma cena deveras intensa, cuja a participação da cantora Nina Simone me deixou maravilhado, o termo correto para definir o livro me ocorreu: progressivo. É uma narrativa que não se apega a moralismos, mais preocupada em ser honesta e deixar as reflexões por conta do leitor. O título mesmo é quase uma releitura da famosa expressão Sexo, Drogas e Rock n’ Roll. Libertá, com o perdão da piada, está cheia de Libertinos. Não digo isso como forma de informar os desavisados, mas por que esses temas são parte central da história. Se corre pelas páginas o mistério em preto e branco, são os gracejos de prazer e sofrimento que o colorem – gracejos estes livres de preconceitos ou rotulações. O livro é livre, e livrou-me de muita frustração sua leitura. É raro encontrar obras tão mente aberta quanto essa.

Percebo a história de Exorcismos, amores e uma dose de blues como uma odisseia de redenção. Tiago é movido desde a primeira página por seus arrependimentos. O livro trata de desconstruir esse conceito, o fazendo confrontar diversos aspectos desse sentimento que o atormenta. Seu reencontro com a antiga namorada, o segredo que revela a sua pupila, sua percepção dos conflitos paralelos que elencam o livro, tudo adiciona novas notas e timbres na busca por um acordo com o passado. Mas através das páginas, Boanerges amadurece suas ideias e percebe que a solução não é tentar retornar as coisas ao que eram antes, mas aceitar o que se passou e pagar todos os preços disso - o que leva a uma cena de encerramento que fez minha cabeça virar do avesso como se fosse eu o possuído.

Sei que não é um blues, mas ao terminar a leitura só podia ouvir You Can't Always Get What You Want tocando dentro da minha cabeça. Uma versão bem macabra, diga-se de passagem.

Favoritado para a vida, sem sombra de dúvidas. Agora resta esperar a continuação. Afinal, tanto material foi deixado ainda sem ser explorado. E é claro que os leitores mais atentos poderão notar que, apesar da história estar muito bem amarrada, um certo objeto de interesse da trama não chegou a ter um destino. Alias, fica aqui os parabéns ao autor por escrever um livro que cria uma premissa sem ter cara de continua no próximo episódio.
***


Livro: Exorcismos, amores e uma dose de blues

AutorEric Novello


Paginas: 336

Comprar: Saraiva, Submarino



(5.0 Conversinhas + Fav)

Essa foi mais uma leitura da minha maratona! Para ver mais lançamentos da Bienal de 2014, clique aqui! E até a próxima, que não deve demorar tanto a sair *cof*

TAGS: , , , , , , , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

0 comentários

Posts Populares

INSTAGRAM


Instagram

FALE COM A GENTE!

Nome

E-mail *

Mensagem *