CCAnálise CCFilmes

Análise: A Esperança nos Super-Heróis

22.6.14Dana Martins


Quero falar sobre esperança. Você reparou como a esperança tem aparecido ultimamente? É o Homem-Aranha, é X-Men, é Malévola... Então eu decidi trazer de volta a conversa sobre o grande talvez dos heróis e analisar alguns filmes. Como a esperança tem sido retratada na cultura pop ultimamente?

Comigo a esperança surgiu em Jogos vorazes, ou quando eles escolheram o título horrível A Esperança para Mockingjay em português (depois da merda que fizeram com o nome do pássaro mutante na tradução). Desde então estou numa relação de ódio e amor com esse título. Ainda acho uma merda, mas admiro. Por que A Esperança?

Novo auto-ajuda,
na livraria mais perto de você
Óbvio, o mockingjay (a Katniss, o pássaro mutante) é um símbolo de esperança para o povo, mas, nos calabouços da Rocco, enquanto decidiram esse nome, perceberam a grandeza dele na história? hahaha Bem, o centro da história é esperança. Isso é o que move os livros. Essa é a moral. O que acontece quando Peeta compartilha o pão com Katniss? Ele mostra que o mundo não é esse lugar horrível, que as pessoas se importam, que há salvação e a Katniss fica em eterna dívida. Novamente vemos a esperança surgir quando Katniss se une à Rue e quando ela ameaça se sacrificar com o Peeta. (cá entre nós, é a Rue que mostra que elas podem ficar juntas e salva a Katniss primeiro. É o Peeta que se recusa a jogar)

Acho que o momento mais decisivo é o fim da trilogia - quando a Katniss perdeu tudo e não sabe mais quem é. E então o Peeta aparece e mostra que ainda há esperança. Ela escreve um livro, na esperança de que as futuras gerações se lembrem. Ela é até meio pessimista, vê tudo como um ciclo e que novas batalhas serão travadas, mas tem esperança de que as coisas mudem.

O que os outros filmes têm a ver com esperança?

Eu escrevi sobre o Grande Talvez dos Heróis [leia aqui]. Eu acho que o Grande Talvez é um tipo de esperança, você antes de tudo precisa acreditar que há uma possibilidade de melhorar. O herói é aquele que acredita nisso. Por que ele age com amor? Por que ele se importa? Por que ele arrisca a própria vida? Porque ele acredita que pode ajudar a melhorar. Ele tem esperança.

Em X-Men: Dias de um Futuro Esquecido, no iníco, temos Xavier do passado sem esperança, e aí ele é um vilão. O Xavier do futuro (herói) sabe disso, e é por isso que avisa o Wolverine da dificuldade que ele vai encontrar. A jornada dele é de aprender a virar um herói.



O Magneto não tem esperança - ele não acredita que as pessoas vão fazer boas escolhas, então ele tenta resolver forçando (quando tenta matar a Mística). Resultado: vilão. 

É até por isso que a Mística não é a protagonista desse filme. Ela é apenas uma forma de mostrar a diferença entre o Magneto e o Xavier e o meio do Xavier aprender que precisa ter esperança: acreditar que ela, sozinha, vai escolher o melhor caminho. 

Em O Espetacular Homem-Aranha 2 - A Ameaça de Electro, é o mesmo caso. Até um parece cópia do outro. Mística-Gwen. Harry-Magneto. Peter-Xavier. A diferença é que o Peter precisa acreditar em si mesmo e ter esperança, e a esperança do Xavier é relacionada a acreditar nos outros.

Vai, Peter, você consegue! (cá entre nós, também deveria ter confiança nos outros)

O Peter tem medo do que suas ações podem causar à Gwen, está enfrentando o dilema da responsabilidade: ficar com a garota que faz bem a ele, ou manter a promessa para o pai dela? Mas ele não acredita nela, ele não acredita no Harry, ele não acredita no Electro e acho que nem em si mesmo. E aí? E aí que se não fosse essa merda de direitos vendidos, Homem-Aranha e X-Men seriam do mesmo universo e o Peter poderia pedir ajuda ao Xavier, mas não.

Bem, o filme mistura trilhões de coisas com as quais o Homem-Aranha corre contra o tempo para conseguir lidar. Eu gosto porque é mais real. Até parece que no nosso mundo vivemos trechinhos de histórias destacados. É mais para um caos de coisas acontecendo ao qual nós precisamos reagir, entender e ir em frente, tirando uma lição ou outra. Por mais que não seja 100% de entender tudo, no final você tira a lição: ser super-herói é difícil, você não sabe o que fazer e tem que fazer mesmo assim. E o pior: você vai falhar. Mas no fim do dia, o saldo é positivo. Você está criando uma cadeia positiva e o importante é transformar esse pequeno infinito em algo especial. 

E eu não posso explicar mais do que o discurso da Gwen Stacy no filme já diz. Veja abaixo ou escute no vídeo (em inglês):



Okay?

Não, não responda. Ainda não. Pretendo fazer uma análise da esperança em Malévola e A Culpa é das Estrelas também, talvez Divergente também entre na parada.

-dana martins



Gostou? Veja mais análises no ConversaCult!



TAGS: , , , , , , , , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

1 comentários

  1. Como eu não tinha lido esse texto ainda?? Viva a news e seus links u.u

    ~~~sim estou comentando em um texto antigo~~~
    Enfim, essa frase da Gwen, cara, sem mais, EU não assisti esse filme, e agora eu quero, muito. Não só pela frase. Eu não tenho muito o que falar, só que tá incrível. e estou esperando pelos próximos u.u

    ResponderExcluir

Posts Populares

INSTAGRAM


Instagram

FALE COM A GENTE!

Nome

E-mail *

Mensagem *