CCdiscussão CCLivros

Você lê mais livros religiosos do que pensa

20.4.14Dana Martins


Estava com meu irmão gravando um vídeo para o ConversaCult sobre o que nós lemos no mês, quando nos demos conta de que vários deles eram sobre religião. Então eu comecei a pensar... O pessoal adora ter uma visão apocalíptica dizendo que as novas gerações estão piores e de que a religião está ruindo. Ainda mais em feriados pseudo-religiosos como a Páscoa. Mas será mesmo?

Não é questão da religião estar ruindo, mas de um modelo. O ser humano continua precisando da mesma coisa, agora só faz isso de uma maneira diferente. Nossa sociedade não se encaixa mais ao molde das religiões: padres falando em outra língua, bancos duros, punições severas, rituais cansativos, estruturas que são mais excludentes do que outra coisa. 

A consequência dessa desconexão é um abandono das religiões. Casamento não é mais algo intocável, ninguém vai abraçar o capeta automaticamente se não for batizado, as pessoas não se dão o trabalho de levar o filho para ser catequizado e a única ressurreição comemorada na Páscoa é a dos ovos de chocolate. (nem tão comemorada, com esse preço)

Significado da Páscoa em um gif

Mas nós ainda precisamos de lugares para confraternizar, de orientação para buscar significado na vida, de rituais para seguir e até mesmo desabafar sobre nossos segredos com honestidade. Só não precisamos fazer isso na igreja. Aí que encontramos os livros...

"A Passagem é religioso no sentido de que é uma história sobre personagens tentando entender como viver a vida em um contexto que inclui sobrenatural e forças que governam o mundo."

O trecho acima sobre o livro do Justin Cronin resume bem por que o que lemos é religioso. Eles tratam de temas que a Bíblia desenvolve há séculos. Arrisco a dizer até que consertam mal entendidos adaptando aos dilemas atuais. Nem sempre intencionalmente. 

A Ressurreição

Já que o tema da Páscoa é ressurreição, já reparou que isso acontece tanto em Harry Potter quanto Jogos Vorazes? 


No primeiro é literalmente: Harry se sacrifica pelos outros, vai bater um papo com o Dumbledore e retorna para terminar o que veio fazer. Já no segundo é quase metafórico. Até pouco tempo eu imaginava a Katniss como uma fênix, já que existe toda a simbologia de pássaro, fogo e o Distrito 12 está em cinzas, então quando ela consegue se recuperar é uma fênix renascendo. Até que a Mariana do Distrito 13 fez uma resenha de Em Chamas falando de como colocaram a Katniss no final sendo erguida para a nave quase morta, de braços abertos, estilo Jesus. E ela não se sacrifica por todos para ressuscitar só aí. 

Vamos ser sinceros: a Katniss morre. A trilogia é sobre a morte da Katniss. A pessoa que ela era. E ela sacrifica tudo isso pela irmã, desde antes de ser voluntária para os Jogos Vorazes. No fim ela está acabada, passa metade de A Esperança surtando. Mas reencontra o caminho de volta.

Aproveitando que estamos falando de Jogos Vorazes, uma simbologia máxima dos livros é o pão. O Peeta compartilhar o pão com ela é um momento central para a história. E quem compartilha pão por aí?


Pense em um livro. As chances dele poder ser relacionado a religião são extremamente altas. Já ouviu falar em Percy Jackson? Um livro que renova a mitologia grega? Alguém lembra que, tipo, a mitologia grega é parte da cultura e crença de uma época? E que os deuses do Olimpo e suas histórias fazem parte da religião deles? Rick Riordan é praticamente um autor de livros religiosos!!!

Quem eu sou? O que eu faço aqui?

A Bíblia é baseada em morais e referências de conduta, e a maioria dos livros fazem exatamente isso. Volta e meia eu topo com uma imagem ou texto sobre "Coisas que tais livros me ensinaram", tipo 25 Life Lessons I Learned From Harry Potter. Pelo jeito, isso virou até um meme. Olhe o que eu encontrei no Pinterest:

Alguém podia fazer uma análise comparando a Bíblia com essas coisas que dizem na internet.
E é interessante observar que ninguém pega trechos desses livros para justificar uma má conduta. Sem qualquer supervisão, é de se imaginar que isso poderia poderia. Mas não, você não encontra coisas como "Katniss me ensinou que às vezes é preciso matar" ou "Tudo bem enganar as pessoas que você ama" 


Isso sem falar das trilhões de referências explícitas a bíblia por aí. Pelo amor de Deus, não estamos com um blockbuster de Hollywood chamado Noé no cinema? Aliás, a própria palavra "apocalipse" com o sentido de fim do mundo vem da bíblia. 

Livros que eu e meu irmão vimos que tem relação com a bíblia 
(só os que percebemos enquanto fazíamos o vídeo, se eu fosse falar todos que eu sei que dá pra relacionar não sairíamos daqui hoje)

As Crônicas de Nárnia

A Bússola de Ouro (a trilogia inteira)

Trilogia Millennium
- Nesse livro é menos sobre religião e mais sobre um uso instrumental. É quase o clássico de histórias de investigação: um maluco que usa a bíblia para fazer loucuras.
- Resenha de Os Homens que Não Amavam as Mulheres

A Passagem



-dana martins

TAGS: , , , , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

3 comentários

  1. Gostei tanto dessa temática que não sei como começar esse comentário e terminá-lo de uma forma coerente, então vou comentar em forma de tópicos aleatórios sem nenhuma ordem de importância/preferência/sentido :P

    1) Existe um gênero literário chamado ficção cristã que é todo voltado para isso. São como quaisquer outras ficções, mas trazem mensagens bíblicas, umas mais explícitas, outras nem tanto. É meu gênero preferido. Em ficção cristã, tem romance, suspense, policial, drama, fantasia, etc. Algumas dessas ficções podem ser bem chatas, dessas que forçam a religião para o leitor. Eu sou fã das mais sutis. Nárnia faz parte desse gênero, aliás. Não lembro se A Bússola de Ouro faz também, nunca li/vi.

    2) Eu acho que o autor de A Passagem é cristão. Não lembro o porquê de eu achar isso, mas sei que pensei isso quando li esse livro (faz muito tempo). E acho que A Passagem tem muito mais de Cristianismo do que essa citação diz. A Passagem é cheio de referências bíblicas (O lance da Arca de Noé, Os Doze...), sem contar com a personagem Lacey, que está toda inserida no contexto da religião e tal.

    3) Se formos considerar a ligação que você apontou em HP e JV e a frase "A Bíblia é baseada em morais e referências de conduta, e a maioria dos livros fazem exatamente isso", acho que todos os livros terão algo a ver com a Bíblia. Mas aí eu já não acho que seja uma ligação, apenas se considerarmos que TODOS os livros possuem alguma ligação entre si. Porque, basicamente, a Bíblia é um livro igual todos os outros, com personagens (mocinhos/antagonistas), plots, reviravoltas, lições... Quer dizer, é o básico de todo livro. Não sei se dá pra dizer que a Bíblia é necessariamente "baseada em morais e referências de conduta". É a história de uma pessoa (Jesus, no caso).

    4) Existem as referências claras à Bíblia, daquelas que fazem lembrar de passagens específicas, como A Seleção, que parece ser baseado na história bíblica da Princesa Ester (eu tenho quase certeza, mas nunca pesquisei sobre). Outras coisas, como a ressurreição, não sei se contam como ligação. Talvez... semelhança de plots? Porque ressurreição não é uma coisa inventada pela Bíblia, né? (Ou é? oO) Mas tem vários plots que aparecem na Bíblia que também aparecem em outros livros, mas não sinto como se um fosse uma referência do outro. Talvez sejam referências para uma coisa ainda mais antiga? Tipo aquela coisa de o retorno do escolhido que vem pra salvar o mundo. Tem em quase toda história de aventura/fantasia. Será que todas são uma ligação com a Bíblia? Ou é só a utilização de um clichê universal?

    5) OMG eu total deveria fazer um painel de lições como esse aí porque acabo esquecendo um monte delas :S
    Ia ser legal reler depois de um tempo, num momento difícil, sei lá.

    Adorei o post.

    FIM.

    ResponderExcluir
  2. 1) Eu já li um desses por acaso, tinha até esquecido. Leia A Bússola de Ouro, acho que não vai se arrepnder

    2) Totalmente certo. Eu não encontrei nenhum link fazendo uma referência maior e esse post não foi dedicado a análises, mas seu complemento foi ótimo.

    3) Acho que isso ficou mal explicado, desculpa ): A bíblia não é necessariamente isso, mas ela é utilizada assim. Tanto que um dos argumentos religiosos mais comuns é "está na bíblia/não está na bíblia" - se está, é certo, é permitido fazer, nós devemos seguir. Não só a bíblia, mas como qualquer livro religioso de qualquer religião. E o que eu quis dizer é que são morais e tipos de condutas expressos na bíblia. Eu não quis entrar muito no assunto, porque não é como se eu conhecesse muito a religião, mas pelo que eu conheço que é passado da religião em si (e eu vivo em uma família religiosa católica, já frequentei também centro espírita e igreja evangélica, então a gente tem ideia de alguns conceitos). Por exemplo, outro dia estava lendo O Monge e o Executivo que fala de Jesus como maior líder de todos os tempos e cita traços que ele apresenta. São basicamente os mesmos traços do futuro utópico que a Veronica Roth criou em Divergente, e duvido muito que ela tenha percebido essa relação quando escreveu. Outro exemplo é que temos na bíblia o Judas, que traiu, não é? Nós aprendemos a ver a traíção como algo ruim. O mesmo acontece na maioria desses livros.

    Não dou mais exemplos porque eu teria que pesquisar, mas acho que até você pode fazer uma análise a comparar. O que a Bíblia valoriza? Quais são as morais? As mesmas morais nós encontramos nos livros hoje em dia.

    Não é uma questão de ter qualquer moral, mas de ter a mesma moral. Então mesmo que a nossa geração não seja religiosa em si, que a gente não vá a igreja, nós estamos ouvindo e seguindo os valores da igreja mesmo assim. Só que de outra forma.

    Muito obrigada pela chance de ter podido explicar melhor aqui. (:

    4) COMO ASSIM ISSO DE A SELEÇÃO? Fiquei chocada.
    Eu não acho que seja uma referência direta. E não sei também se é uma referência a algo mais antigo. Acho que teríamos que pesquisar em histórias de tribos sem contato e de outras partes do mundo pra ver se a temática do escolhido é algo da cultura ocidental ou se um clichê universal.

    Mas só pra comentar, acho que o que importa aqui não é se é uma referência exata ou se está se inspirando. Imagine dois livros, que não tem nada a ver entre si e contam a mesma história: eu uso um de referência, você usa o outro. Não dá pra dizer que a gente segue a mesma história de referência? E que mesmo que o meu seja considerado sagrado e a referência padrão, quando você seguir o seu você não vai estar fazendo a mesma coisa só que com uma fonte diferente?

    Acho que essa é a questão principal do meu post. Não é que a geração atual seja de macacos malucos que não seguem nada, eles até seguem as mesmas coisas, mas de uma maneira diferente.

    Faça e me mande! HUAHUAH

    Adorei o comentário (:

    ResponderExcluir
  3. 3) Ah, agora eu entendi o ponto de vista do post! Concordo, tem muita coisa boa que a Bíblia e os demais livros tentam nos transmitir em comum.

    4) Hahahahahah Eu ainda não li A Seleção (Até tenho o livro aqui em casa, essa discussão me animou a colocá-lo no topo da fila, acho que será minha próxima leitura), mas a primeira coisa que me vem à cabeça quando leio a sinopse desse livro é o livro bíblico de Ester. Um rei faz uma espécie de concurso pra escolher quem será a nova rainha. Dei uma pesquisada superficial e parece que a Kiera Cass confirmou que a história de Ester foi uma das que a inspirou a escrever A Seleção. Cinderela também, que meio que tem uma disputa entre várias mulheres pra ver quem é a dona do sapato de cristal. Legal, né? :D

    ResponderExcluir

Posts Populares

INSTAGRAM


Instagram

FALE COM A GENTE!

Nome

E-mail *

Mensagem *