A Hospedeira alienígenas

[Resenha Mistura] A Hospedeira, filme

16.4.13Conversa Cult

por Brenda Cordeiro e Dana Martins 

- "A Hospedeira"
The Host  (2013)
- Direção: Andrew Niccol
- Roteiro: Andrew Niccol, Stephenie Meyer (autora do livro).
- Atores: Saoirse Ronan, Jake Abel, Max Irons, Diane Kruger, William Hurt...
- Ficção Científica/Drama - 12 Anos  - 125 min. – Trailer
- Nos cinemas brasileiros desde 29 de março de 2013
- Resenha do livro







Mini-crítica ~ Resumo: 
Após uma invasão alienígena de seres que se hospedam no corpo dos humanos, restaram apenas poucos se escondendo para sobreviver. Quando Melanie Stryder (Saoirse Ronan) acha que foi capturada, ela se vê presa no próprio corpo agora controlado por uma alienígena, Peregrina. O filme se desenvolve com base na experiência das duas personagens diante dos dois lados do dilema (o alienígena e o humano). Ao mesmo tempo que elas progridem e se conhecem, elas precisam mudar o jogo e provar que não são uma ameaça para ninguém. Para quem gosta de um sci-fi/pós-apocalíptico/futurista que foca mais na visão sobre o novo mundo do que na ação, é uma boa dica. Vale a pena só pela construção de dois personagens ao mesmo tempo com uma só atriz (ou só pela Saoirse Ronan...).

O filme é uma adaptação do livro "A Hospedeira" e aqui no CC a Brenda, a Ana Luíza e a Dana foram assistir. Vejam a resenha completa para saber nossas reações misturadas!

Eu Dana venho para mesclar a minha resenha com a da Brenda e salpicar com opinião alheia, porque hoje é dia de Resenha Misturada! Alguém aí já assistiu o filme? Ou leu o livro? Ou também gosta da Saoirse Ronan? Ou gosta de churros? Tá, pulando para o que interessa. Vamos conversar!

Sobre o que é? (uma sinopse trabalhada! hmmm)

"A Hospedeira" é uma filme de ficção científica com invasão alienígena que retrabalha o tema de maneira simples e inovadora. Esses alienígenas não são seres monstruosos que nos atacam destruindo tudo. Pelo contrário, são seres que nem possuem corpo próprio e, por isso, precisam "hospedar" o corpo de outros seres. Eles viajam o universo fazendo isso com o objetivo de aperfeiçoar planetas que as espécies locais estão destruindo. Quando chegam na Terra não é diferente, começam a parasitar nossos corpos e por causa da violenta resistência começam a capturar todos os humanos para trocá-los por hospedeiros. Sabe como é, livrar o planeta dessa espécie destruidora...

Só que nem todos vão desistir sem lutar. 

A protagonista da história, Peregrina, recebeu esse nome por viver mudando de planeta e acaba de chegar a Terra para uma nova experiência. Ela é colocada no corpo de Melanie Stryder (Saoirse Ronan), uma das últimas humanas capturadas, e é então que as surpresas começam. Primeiro, Melanie não foi embora, ela pode conversar com Peregrina. E para completar ainda pode compartilhar suas memórias e sentimentos - algo que a alienígena nunca havia sentido em suas outras vidas.


Basicamente, quando as duas passam a dividir o mesmo corpo o filme pega a onda de "entender o outro lado," o que fica agravado quando Peregrina cai na mão de humanos e vira objeto de obsessão de uma Buscadora (Diane Kruger) que está disposta a fazer de tudo para encontrar mais sobreviventes.

A história tem aquela estética mista entre pós-apocalíptico (mais os humanos) e sci-fi futurista com tecnologia avançada marcado pelo branco (mais os aliens). E, ao contrário do que talvez pareça, o filme não é baseado em ação. Em primeiro lugar, a luta é interna da personagem. E, em segundo, ela luta no plano real é simbolizada através do romance.
Um aviso: Se você não gosta de romance e quer ver um filme de invasão alienígena com muitos tiros, mortes, destruição, sangue, brigas e etc, pode parar por ai. Esse filme não é para você. O romance não é o foco da história, obviamente, mas está (e muito) presente. E não sem um motivo lógico! 
>>>E o que a Brenda achou?

"Como fã assumida do livro, eu achei o filme uma ótima adaptação e acho que irá agradar muito os fãs da história. Obviamente tiveram algumas cenas e personagens que fizeram falta, mas isso é comum quando é necessário enxugar um livro de 500 páginas em um roteiro para um filme de 2 horas. Eu admito que para quem não leu o livro, o filme pode ter ficado um pouco rápido e superficial."



Isso foi o que a Brenda disse em seu texto. Ela adorou o filme, mas acredita que a falta de tempo tenha causado o típico problema das adaptações: cadê as informações???! E, como parte da história é sustentada no romance, alguns deles não foram bem desenvolvidos assim. "Como a de Ian e Peregrina, que é uma das coisas mais bonitas do livro e que no filme acabou parecendo forçado."

Mas não pense que é só mais uma história de amor. Um dos medos de quem leu o livro era a história virar mais um romance nhenhenhe para agradar sei lá quem. Mas a prova foi tirada. A Brenda disse que quando terminou o filme ela perguntou para a Ana Luíza (que não leu o livro): "E aí, você achou que era um triângulo amoroso?”

A resposta foi: “Não. Na verdade, para mim não teve nada de triângulo e afins. As principais ali eram a Peregrina e a Melanie e só isso”

E acho que isso foi um alívio geral. Acrescento aqui que meu amigo disse a mesma coisa, o que significa que funcionou. A Brenda ainda acrescenta: "Nesse filme o foco tem que ir para a amizade, cumplicidade e até irmandade que se desenvolve entre a Melanie e a Peregrina."

O filme ainda tem uma roda da street dance com uma boyband alienígena!!! Ou talvez uma cena de perseguição...

Agora falando do que a Brenda realmente gostou...

"Saoirse Ronan está PERFEITA como Peregrina e como Melanie! Se alguém duvidava do talento dela (Alguém? Me digam que não, por favor.), depois desse filme não duvida mais. Ela conseguiu criar duas personagens extremamente diferentes que vivem no mesmo corpo. Isso não é para qualquer um, né? É incrível ver como ela consegue mudar de personagem de uma forma tão natural. As conversas entre as duas são sensacionais. E eu, que tinha receio de como isso ia ficar na telona, adorei! Ficou perfeito.

William Hurt É o Jeb. Não poderiam ter escolhido ator melhor. Assim como a Diane Kruger, que acabou sendo uma Buscadora ainda melhor que a do livro (e melhor do que eu imaginei).

Chandler Canterbury como Jamie, irmão de Melanie, me fez chorar. Ele é a coisa mais fofa do filme. <3

Max e Jake ficaram ótimos, mas achei que foram um pouco mal aproveitados.

A química entre os dois e a Saoirse é inegável. Mas é isso que você ganha quando tem um elenco maravilhoso.

A Emily Browning foi uma ótima surpresa para mim!"

Emily Browning triste por ter sido tão "figurante" que não tem nem foto pra mostrar ela no filme.

Posso acrescentar que a Emily também foi uma surpresa para mim, que é outra atriz que eu adoro e eu nem sabia que estava no filme (- aquelas que não pesquisa nada além do essencial quando vai ver uma adaptação). A Brenda ainda pedem para reparar na atriz, porque ela merece.

No fim, ela conclui que recomenda o filme para todo mundo e aconselha a ler o livro, mesmo que você não tenha gostado. Ainda há muito mais lá para se surpreender.

Nota da Brenda: A minha nota para o filme é 4,5 (de 5). O 0,5 ai foi porque eles poderiam ter incluído algumas cenas, ou somente falas, que teriam incrementado e aprofundado mais a história que foi contada.

>>>E o que a Dana achou?
Eu concordo com a Brenda em quase tudo. Só tenho que acrescentar sobre o "rápido e superficial," que eu não concordo totalmente. O filme não é daqueles retardados que entrega tudo mastigado e se você não subestimar a história vai ter muita coisa legal para aproveitar. (testado com quem não leu)


E do que eu gostei mesmo? Da Peg e da Melanie, porque as duas são com certeza o centro da história. Ver como as duas lutam pelo mesmo corpo e tentam enfrentar cada situação foi surpreendente, muito melhor do que eu imaginava. E quanto mais o filme passa, mais a Saoirse Ronan entra nas personagens até terminar no ápice com o monólogo (ou diálogo?) final, que entrou para a minha lista de cenas mais épicas.

Sabe, é realmente muito legal ver a mesma atriz interpretando duas personagens no mesmo corpo ao ponto de no final você conseguir separar as duas. Independente do resto, eles conseguiram construir isso no filme. 

Um dos vários momentos que eles acabam com atriz, porque viver no fim do mundo não é fácil. A caracterização desse filme é ótima, repara só na foto ali de cima com aquela vestindo uma blusa branca gigante e ainda manchada. A história toda é contada através de roupas e cenários, o que deveria ser até regra em filmes. 
Bem, não é perfeito, há algumas falhas....  Uma garrafa da água brotando no deserto, a passagem de tempo não muito clara (se a personagem não fala em um momento "estou há semanas blablabla" eu nem teria notado que durava meses.), o que também influencia em algumas coisas parecerem "de repente" (tipo o relacionamento) e acho que tem alguns outros detalhe assim. Não é um filme perfeito, mas traz tantas outras legais e está, no mínimo, na média.

Pessoalmente, quando o filme terminou, eu fiquei MUITO feliz. Eu li esse livro há anos e, se tem uma coisa que eu lembro bem, é de como a narrativa de "duas pessoas em um corpo só" evolui muito bem - e isso eles transmitiram no filme, junto com duas das minhas atrizes preferidas (o que foi demais pra o meu coração) e conseguiram capturar todo o clima de "precisamos sobreviver" bem até demais.

A minha nota geral é 4,5 também - ele perde numa parte e compensa na outra. 5 no coração e eu até quero assistir outra vez (e obrigar todo mundo a assistir). 


>>>Conclusão final: E aí, qual é a do filme?

Bem, "A Hospedeira" aqui realmente trouxe opiniões positivas. Até a Ana Luíza deu 4 conversinhas e o meu amigo citado também. O filme com certeza vai levantar opiniões diversas, como tudo que foge do padrão. Afinal, é uma história adaptada de um livro sobre invasão alienígena pacífica que não é pacífica porque quase nos extermina e contada do ponto de vista de uma alienígena que fica louca com as sensações do corpo humano todas roubadas da humana que está falando o tempo inteiro dentro de sua cabeça. Ufa. Acho que vale a pena ver com os próprios olhos.

ACHEI O FILME HORRÍVEL. 

Então se joga pela janela, filha. Mentira, eu só tinha que usar esse gif aqui em algum lugar...

Tem gente que odeia "Titanic", tem gente que não suporta Hitchcock e tem gente que não gosta de chocolate. A vida é assim. Vamos deixar apenas a lembrança de que gosto não é sinônimo de qualidade, como já dizia o querido John Green.

Sobre a nota: Se for considerar qualidade, o filme talvez fique com 4, mas ele traz um tratamento do tema e se esforça para transmitir a história com olhares e significados além do comum.

Classificação:
(4,5/5 conversinhas)


Eu tinha que usar esse pôster da Diana Kruger em algum lugar, poque ela merece (mesmo que uma das relativas falhas tenha sido a personagem dela - e levar um papel ruim adiante com maestria, não é pra qualquer ator). Clique nele para ver florzinhas num campo colorido. Ou clique aqui para ver todas as nossas postagens sobre A Hospedeira. Vai ficar com as florzinha? ok.

TAGS: , , , , , , , , , , , , , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

2 comentários

  1. Adorei essa resenha. Eu tive um pouco de dificuldade na hora de resumir o livro e postar a resenha no meu blog, mas a de vcs ficou incrível. Tá td bem explicado e mesmo quem não leu o livro vai entender o enredo. Tenho q admitir q fui procurar quem era Saoirse Ronan, rsrsrs... só pelo nome não me lembrei de onde a conhecia, mas a carinha não era estranha. Ai descobri q ela fez a Briony e td fez sentido pra mim!
    Bjos!

    ResponderExcluir
  2. e eu aqui marcando touca sem ainda ter ido ao cinema.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir

Posts Populares

INSTAGRAM


Instagram

FALE COM A GENTE!

Nome

E-mail *

Mensagem *