a mediadora Anne Hathaway

Discussão: Por que ler Meg Cabot?

25.12.12Igraínne


Feliz Natal, crianças!!! Não, nós não morremos - ainda. Acontece que, com os últimos acontecimentos, o mundo acabou, provavelmente vocês ficaram sabendo. Foi muita coisa pra arrumar, muita caixa pra fechar naquela correria de arranjar um abrigo - disseram que ia ter até meteoro. E depois que essa ótima festchenha  o fim do mundo passou, nós finalmente decidimos que era hora de ressuscitar. De qualquer forma, pedimos desculpas pela grande ausência, foi tudo de caso pensado para que vocês pensassem que também tínhamos morrido -brinks.

Maaaas, esse post não é sobre nada disso, você com certeza deve ter notado pelo título (ou não). Esse post é para falar de uma autora superimportante para a geração atual (principalmente a feminina), a Meg Cabot!!

Então, antes de escrever esse post, eu tinha escrito aquele outro sobre A Mediadora, vocês lembram, crianças? Pois então, já naquela época eu pensava em escrever algo sobre a autora, porque tem muita gente que tem medo de conhecê-la por achar que ela é a versão americanizada da Talita Rebouças (que é uma ótima autora também, por sinal). A Meg tem um pouco disso de adolescência, só que eu acho que as pessoas acabam julgando e ficando com vergonha de comprar porque acreditam que ela não atinge diversos públicos. E na verdade não é assim, há coisas nos livros que seriam facilmente aproveitáveis e divertidas para qualquer um, a começar pelo humor fácil.

Mas agora é hora de parar de se enganar! Sim, você, caro internauta que está lendo isso, vamos parar de preconceito nesse exato momentinho e dar uma chance para outros mundos no ramo da litertura. E não venha me dizer que a Meg não faz o seu estilo, porque ela tem um mundo de estilos diferentes.

Diferentemente do que o povo pensa, Meg Cabot não escreve só para adolescentes, embora seu maior reconhecimento venha daí. Hoje em dia, ela é autora de um montão de livros, entre juvenis, infanto-juvenis, YA e até adultos. A série mais aclamada e mais conhecida é O Diário da Princesa, e é daí que vem o pré julgamento de todo mundo. Primeiro porque as pessoas ficam: aah, vou ler uma autora que escreveu livros sobre princesinha? ou então: deve ser tudo infantil demais para mim. 

Chega de preconceito literário!

Mas não é, nem tudo é infantil, e na verdade ouso dizer que quase nada ali pode ser dito como infantil. É claro que O Diário da Princesa é focado num público feminino na faixa dos 16 anos (mais ou menos), mas por que não dar uma chance para as outras histórias, e se duvidar até mesmo para esse livro? Eu já li, recomendo, e foi bem menos meloso do que eu imaginei que seria. Não é o livro dela que eu mais gosto, mas minha irmã (que é mais velha do que eu) tem O Diário da Princesa como seu livro/série favorita. É por isso que eu digo que é hora de acabar com o preconceito, você pode se encantar por algo que nem esperava - a função dos livros não é surpreender?

Enfim, enquanto eu escrevia esse post, fiquei pensando que talvez isso tudo que eu estou falando agora meio que serve para outros autores conhecidos por aí. É como aquele velho ditado de julgar um livro pela capa, só que nesse caso a capa é o nome que assina a obra. A enorme maioria dos autores vende seus livros através dos títulos, mas aquele escritor meramente mais conhecido acaba vendendo através de seu próprio nome*. Às vezes esse nome ganha mais destaque na capa que qualquer outra coisa ali, dá pra pensar em mil exemplos. 
*A própria J.K. Rowling é uma dessas, que recentemente lançou The Casual Vacancy.

De qualquer forma, voltando à Meg Cabot (após fazer esse breve comentário geral), eu achei que valia a pena citar inúmeras obras que ela já escreveu, desde as mais famosas até as menos conhecidas (e passando pelas que têm diferentes públicos também). Das séries, O Diário da Princesa sem dúvida alguma é a que todo mundo mais conhece (teve até adaptação feita pela Disney, com direito a Anne Hathaway), mas também tem Desaparecidos (mais recente aqui no Brasil), Cabeça de Vento e até a própria Mediadora. Isso tudo sem falar em Avalon High (que é uma versão contemporânea da lenda do Rei Arthur e é o meu livro favorito dela*). Embora eu não tenha lido todos os que mencionei, acho que são os mais intermediários em termos de juvenis e YA.
*Esse livro também foi adaptado pela Disney.

Partindo para uma linha mais madura, tem a Queen of Babble (Rainha da Fofoca), The Heather Wells Mistery (Tamanho 42 não é gorda), a série Boy (Garoto da Casa ao Lado, que é escrita em formato de e-mails, vale conferir) e o Ela Foi Até o Fim (que não é série, mas tá valendo). Além desses, tem os títulos que a Meg lançou sob o pseudônimo de Patrícia Cabot, romances que às vezes você nem encontra na parte convencional da livraria (dos infanto-juvenis): A Rosa do InvernoA Dama da IlhaAprendendo a Seduzir Pode Beijar a noiva.

Por fim, os mais infantis, entre os que seguem uma vertente mais pré-adolescente, tem As Leis de Allie Finkle para Meninas, que tem até agora apenas 3 livros lançados no Brasil. Uma amiga minha leu e curtiu, e ela já tinha saído da pré-adolescência quando comprou.
~ É só mais uma prova de que a gente precisa acabar logo com o preconceito literário. ~

E você? Curte Meg Cabot? Já pensou em comprar e ficou com um pé atrás? Conta pra gente!

TAGS: , , , , , , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

4 comentários

  1. Eu adoro Meg Cabot, e adorei seu post. Concordo totalmente contigo. As pessoas acham que (por exemplo), só porque é Meg Cabot, tem que ser livro juvenil. E não é bem assim. E às vezes a pessoa compra ou lê um livro só por causa do autor, também. Outro preconceito que todo mundo tem é com auto ajuda (e gente que nem leu!). Se a pessoa leu e não gostou, é válido. Mas tem gente que diz: eu leio de tudo, menos auto ajuda (e nunca nem olhou a sessão de auto ajuda nas livrarias). Acho isso ridículo. Mas enfim, só pra concluir, gostei bastante do teu post, parabéns (:

    Beijos,
    Samantha
    Books and Other Things - http://livroseetecetera.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. EU adoro Meg Cabot!
    Alguns livros são meio idiotas, tipo aquele Pegando Fogo, mas os outros compensam esses ridiculos hehehe
    Adoro Rainha da Fofoca e a série Garoto!

    Bjokas
    Flavia - Livros e Chocolate

    ResponderExcluir
  3. Eu ~mil corações~Meg Cabot! Fiquei #chatiada quando não pude ir na sessão de autógrafos que ela fez em SP do lançamento do último livro da série "Diário da Princesa" que é uma das minhas preferidas (e eu já tenho 24 anos! XD).

    Enfim, achei ótimo o post, também acho a maior babaquice a galera torcer o nariz pra coisas que nem conhece. A graça de tudo é você conferir pra depois formar uma opinião, né? Mas tem gente que prefere mesmo ficar no discursinho adquirido... :/

    bjs!

    ResponderExcluir
  4. Acho que, até hoje, não tive nem uma única experiência negativa com livros da Meg. Ela foi uma das primeiras coisas que gostei MESMO de ler e adoro a série O Diário da Princesa e muitos outros livros dela. Acho que todo mundo deveria dar uma chance a ela, até porque Meg tem sobrenatural, romance, chick-lit, fantasia e muito mais.

    ResponderExcluir

Posts Populares

INSTAGRAM