quinta-feira, 5 de abril de 2012

[Resenha] The Fault In Our Stars, de John Green

por Paulo V. Santana

- Livro: The Fault In Our Stars
- Título em português: A Culpa é das Estrelas
- Livro Único
- Autor: John Green
- Editora: Dutton (No Brasil: Intrínseca)
- Comprar: Amazon, Book Depository
- No skoob






Mini-crítica: 
Hazel, uma garota de 16 anos que tem câncer na tireoide, é obrigada pelos pais a frequentar um grupo de apoio para crianças com câncer e é lá que ela conhece e se apaixona por Augustus Waters. Diferente da maior parte dos cancer books, John Green trata adolescentes com câncer de forma realista, sem heroicizar os personagens ou tornar o câncer o grande vilão. Com o seu já conhecido modo de escrita (recheada de frases de impacto), o autor constrói uma história original, divertida e que te faz refletir horas depois de ter acabado o livro.
*Peço desculpas caso essa resenha fique chata de tão "elogiosa" que ela é, mas esse foi o único jeito de definir TFIOS em palavras.

Quer saber mais? Clique abaixo para conferir a resenha completa.


A protagonista do livro é Hazel Grace e aos 16 anos já passou por mais coisas do que muita gente mais velha. Quando tinha 12 foi diagnosticada com câncer na tireoide em um estágio avançado e já com alguns tumores nos pulmões. Contrariando as expectativas iniciais dos médicos, aos 14 anos um milagre da medicina fez seus tumores nos pulmões serem reduzidos. Desde então, Hazel vive com a ajuda de tanques de oxigênio e com o uso de um medicamento para o controle dos tumores.

Atualmente Hazel não tem amigos e passa a maior parte do tempo em casa, o que levou a sua mãe achar que ela está depressiva e a obrigar a frequentar um grupo de apoio a crianças com câncer. Lá ela conhece Isaac, um menino com um tipo raro de câncer e é através dele que Hazel conhece Augustus Waters.

Augustus é atraente, muito inteligente e pode ser definido como "o garoto que toda menina quer". Ele teve  osteosarcoma (um tipo de câncer que afeta os ossos) alguns anos antes - o que o levou a amputar uma das pernas - e agora é um NEC (sigla para "sem indícios de câncer" em inglês). Augustus e Hazel vão se conhecendo melhor e constroem uma relação questionando-se sobre a vida, morte e tudo que gira ao redor disso.


A minha "sinopse" pode ter sido um pouco vaga, mas essa era a intenção. Nos livro do John Green sempre é legal começar só sabendo o básico, ainda mais porque sempre temos uma reviravolta no enredo.

Algumas das pessoas que estão lendo podem estar pensando "Nossa, a protagonista tem câncer? Esse livro não deve ser melodramático?" e eu respondo: Sim, a protagonista e grande parte dos personagens têm câncer e esse é um grande ponto do livro, porém, o livro não é dramático demais. Em TFIOS, ao contrário de muitos cancers books que vemos por aí, as pessoas com câncer não são tratadas como heroínas e o câncer não é tratado como vilão. O John Green teve o cuidado de tratar os adolescente com câncer como eles são na realidade. Ao contrário de CERTOS AUTORES. *cof cof* Posso usar aqui uma frase que a Hazel disse sobre seu livro favorito, "An Imperial Affliction":

“But it’s not a cancer book, because cancer books sucks.” (TFIOS, p. 48)

E já que comentei o livro, vou continuar. "An Imperial Affliction" foi escrito pelo Peter Van Houten e é o livro favorito da Hazel. E isso é muito legal porque ela é super fangirl do Peter (e o Augustus também virou fanboy do livro) e você pensa "Wow, um personagem de livro que sente o mesmo que eu por um livro!", hahahaha. Outro acerto do Green foi fazer que o livro fosse importante para a história, não ser apenas o livro favorito da protagonista e pronto.

O livro tem a marca do John Green: fazer um livro com um tema forte não ser melodramático e conseguir encaixar cenas engraçadas sem serem forçadas no meio. E, é claro, não poderiam faltar as diversas "frases de impacto" ao longo da história. Se você já leu algum livro dele, deve saber como é. Para quem ainda não leu ter no noção de como ele consegue fazer isso, uma das minhas quotes preferidas é "Okay".


A escrita do John tem uma coisa que eu gosto: ela é direta. Ele não é um daqueles autores que dá voltas e mais voltas até chegar no que ele quer dizer. Com ele, a leitura simplesmente flui. E é importante dizer que ela não é complicada, mas ao mesmo tempo não é simples.*
* Por exemplo, eu que ainda estou começando a ler em inglês só senti dificuldade em certas palavras e expressões, mas o Urban Dictionary está aí para tirá-las, haha. 

Essa resenha não deve ter ficado muito boa porque não consigo descrever TFIOS. Quem resenha livros e/ou filmes deve me entender, é praticamente impossível escrever sobre algo que você ama.

A indicação vai para o público young adult no geral, mas principalmente para aqueles que procuram um livro que te faça refletir. TFIOS tem o melhor que o YA Contemporâneo pode oferecer e ainda tem o extra de não tratar o câncer como vilão. E quem não lê em inglês, fiquem calmos: a Intrínseca irá lançar TFIOS no final desse semestre/início do próximo. \o/

Sobre o filme 
Por enquanto, só podemos dizer que os direitos foram comprados pela Fox, nenhuma outra informação foi divulgada ainda. Veja o post sobre a compra dos direitos aqui.

Quase dois anos depois e... eis o primeiro trailer oficinal legendado de A Culpa é das Estrelas!


Classificação:

(5/5 conversinhas + marcado como favorito)

Ah, se algum leitor já tiver lido TFIOS fale comigo no twitter (@_pvaughan), preciso conversar sobre o livro com alguém, haha.

Até o/

5 comentários:

  1. Oi, tudo bom?
    Eu sou estupidamente apaixonado por este livro.
    Eu adoro a capa! E mal posso esperar para lê-lo.
    Fantástica resenha, parabéns.
    Feliz páscoa!
    Território das garotas
    @territoriodg
    Bjss *-*
    Passa lá no blog?
    http://territoriodascompradorasdelivro.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Eu não conhecia o livro, mas fiquei com muita vontade de ler. Acho sensacional quem consegue não tratar o câncer como vilão.

    E sua resenha ficou boa, sim. Me deixou com vontade de ler o livro.

    Beijos.
    Arte Around The World

    ResponderExcluir
  3. Esse livro é incrível, sua resenha conseguiu explicar exatamente o que eu pensei quando li o livro.
    O ruim de ler livros em inglês é justamente ter quase ninguém pra comentar sobre eles hahaha
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gente, TFIOS é indescritível. Só de lembra fico <3 <3 <3
      Mas em breve, com a publicação do livro no Brasil, vamos ter muita gente para comentar sobre ele! \o/ Obrigado pelo comentário. (:

      Excluir
  4. Resenha muito boa, muito curiosa para ler o livro!

    ResponderExcluir

Divulgação