adaptação CCLivros

[Resenha] Dezesseis Luas, de Margaret Stohl e Kami Garcia

21.3.12Igraínne

por Igraínne Marques
- Livro: Dezesseis Luas 
- Beautiful Creatures - Livro 1
- Autora: Margaret Stohl e Kami Garcia
- Editora: Galera Record
- Comprar: Walmart, Siciliano, Saraiva.
- No skoob
- Próximo: Dezessete Luas (já publicado no Brasil).










Mini-crítica: 

Dezesseis Luas é um livro bom, tem pontos altos (bem altos, eu diria), mas também possui alguns erros. Contudo, não são erros grandes o bastante para apagarem toda a beleza que existe no restante da história. A trama tem um final surpreendente (que pode agradar ou desagradar), e há sensação constante de que tudo é muito pensado, de diversas formas. Desde os detalhes pontuais até a criatividade. Esses detalhes específicos não deixam você ficar perdido em nenhum momento; tudo é explicado, suficientemente abordado de forma paciente, para que não haja dúvidas quanto ao desenrolar dos acontecimentos.

Quer saber mais? Clique abaixo para conferir a resenha completa.
Quando ouvi falar de Dezesseis Luas, inicialmente pensei se tratar de uma trilogia. Recentemente, no entanto, me surpreendi com a notícia de que havia sido divulgada a capa do quarto livro lá fora. Fui pesquisar, e descobri que na verdade serão cinco no total. O que é (em parte) uma notícia boa, se você considerar que a mania de estender a história para dez volumes está meio que na moda (super na moda, diga-se de passagem).

A história, no entanto, é rica o suficiente para cinco livros (e isso é sério). Há muita coisa a ser explorada, desdobrada e usada sem medo. As autoras criaram uma trama extremamente ampla, e não acredito que os outros livros acabem caindo na desgraça do desgaste ficcional, como acontece com  tantas outras séries. Mas, por enquanto, é esperar pra ver.

Para quem não sabe, Dezesseis Luas conta a história de Ethan, um menino de 16 anos que mora em Gatlin, uma cidadezinha pequena nos Estados Unidos onde nada (nunca) foge do normal. Para falar a verdade, as pessoas de lá tendem a ser tradicionalistas ao extremo, de modo que, segundo Ethan, há apenas dois tipos de moradores: "os burros e os empacados". Porque apenas burrice e maldição seriam motivos racionais o bastante para alguém não se mudar dali. E devo confessar que, conforme a história vai sendo contada, você é forçado a concordar com ele. Ethan acredita que ele próprio ainda não deu o fora por causa de seu pai, que parece não conseguir se distanciar da lembrança da falecida esposa. Depois do ocorrido, os dois mal se falam. É Ama, a governanta supersticiosa e  extremamente preocupada, que vive para cuidar de tudo ali dentro - inclusive das responsabilidades de Ethan.

Ethan tem estranhos sonhos recorrentes com uma menina que jamais conheceu. Nos sonhos, a garota precisa ser salva, o que ele nunca parece conseguir fazer, por mais que se esforce. Até que, um dia, a tal menina aparece na cidade. Lena Duchannes, sobrinha do estranho recluso Macon Ravenwood, veio morar com o velho tio por uns tempos (só por uns tempos?). De um jeito louco, Ethan tem certeza de que ele e Lena já se conheceram antes. Contudo, achar que conhece não corresponde a conhecer de fato. Lena é diferente de tudo que há em Gatlin: tem gostos alternativos, age de modo independente e não está fissurada em se vestir de maneira provocante. É claro que tudo que é diferente chama a atenção (e estou falando de atenção boa e ruim). Para completar, a menina fica escrevendo números na mão à caneta, o que deixa Ethan ainda mais curioso.

A proximidade dos dois acontece de modo gradual, e esse é um dos pontos fortes do livro. O modo como ficam amigos, como a coisa toda cresce naturalmente, sem empurrões, realmente me agradou. No entanto, achei sinceramente que as coisas demoraram demais a acontecer. O clima arrastado de alguns pontos chega a ser frustrante. O motivo pelo qual o livro se chama Dezesseis Luas é descoberto facilmente enquanto você vai lendo, a consciência de que há uma maldição - inevitável - é o que move a leitura, mas há tanta coisa para ser descoberta que talvez as autoras tenham ficado preocupadas demais com a velocidade. Preocupadas em demasia, devo dizer. Talvez elas tenham temido a grande carga de informações, o que seria aceitável, mas o espaço amplo entre um dado importante e outro me deixou muito incomodada. Claro que isso dá tempo suficiente para tudo ser absorvido por completo, mas a sensação é de que há lacunas largas demais.

No entanto, a aparição de Ridley - a prima de Lena - faz as coisas ficarem realmente interessantes. Sua personalidade chega a ser curiosa, para não dizer excêntrica. Isso funciona porque, apesar de ser uma personagem óbvia, ela consegue chamar a atenção de um jeito que não fica tão óbvio assim. Link, o melhor amigo de Ethan, é outro que me cativou. Ele é o responsável pelas passagens mais hilárias e divertidas de todo o livro. Quando Ridley se aproxima dele, o resultado é, no mínimo, embaraçoso.

A história conta com artifícios fortes, como reencarnação, túmulos violados e até mesmo vodu. O final, porém, me irritou de um modo que jamais me irritei com outro livro. Não é clichê, mas a fuga completa de expectativas me decepcionou. Eu espero sinceramente que  a continuação não possua um final que siga o mesmo padrão, porque seria duplamente frustrante.

Aviso: As autoras não poupam saliva quando decidem passar o corriqueiro vocabulário chulo para o livro. Esse é outro dos pontos altos do história (apesar de eu não ser muito chegada a palavrões de um modo geral). A realidade que elas quiseram transmitir funcionou, justamente pelo fato de a maioria dos personagens ser adolescente.

Sobre o filme:
Para quem não sabe, Dezesseis Luas será adaptado para o cinema. O filme está previsto para ser lançado em fevereiro de 2013. Vários atores já foram anunciados, como Viola Davis (Histórias Cruzadas) no papel de Ama; e Jeremy Irons (Eragon e O Homem da Máscara de Ferro) como Macon Ravenwood. Abaixo você pode conferir os atores escolhidos para interpretar o casal de protagonistas, Ethan (Jack O’Connell) e Lena (Alice Englert).





Sobre a nota: Eu pensei muito em dar um três, mas há pontos fortes demais na história. Como eu disse, é uma trama muito rica, há criatividade para todos os lados. As autoras tiveram uma ótima ideia. De um modo geral, o livro me agradou bastante, apesar dos arrastados do meio do caminho e do final (que não me agradou, infelizmente). Por isso, 4 me pareceu justo o bastante.  

Classificação:



(4/5 conversinhas)

TAGS: , , , , , , , , , , , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

8 comentários

  1. A primeira coisa me chamou a atenção a respeito deste livro foi a capa, acho essa capa muito linda. A sinopse é pra lá de interessante, mas já vi pessoas que assim como você não acharam tão bom, mas eu quero muito ler este livro.

    Beijos

    Amigas entre Livros

    ResponderExcluir
  2. Juuura? Eu achei tão legal! Mas de fato o segundo é mais rápido e ainda mais rico que o primeiro. A série tem muitos pontos fortes, mas os melhores personagens são realmente Rid e Link. ♥

    Achei a Lena meio enjoada, apesar de ter admirado a personalidade forte. E o Ethan nem se fala ♥^♥

    ótima resenha ;D
    Beijitos
    http://www.bookpetit.com/

    ResponderExcluir
  3. Na verdade, são 4 livros. As autoras lançaram um e-book (de tamanho bem menor) pra contar uma história paralela entre o segundo e o terceiro. O quarto ainda não foi lançado lá fora, sai este ano.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aaah! Confesso que não sabia desse detalhe. Esse e-book de que você fala seria como a Passagem do Inverno, da Julie Kagawa? Lembro que na época, a editora Underworld não vendeu separadamente (não quando o segundo livro da série Os Encatados de Ferro lançou, pelo menos). Espero que a Galera não faça isso, seria uma pena.

      E você tem razão! Obrigada por nos corrigir. A notícia a qual me referia era de que a capa havia sido divulgada, e não o livro em si (que sai em outubro).

      Beijoos =*

      Excluir
    2. Até onde eu sei, é uma história paralela de um acontecimento com um dos personagens, pegando o gancho no final do livro 2. (Não vou contar nada senão dou um baita spoiler do Dezessete Luas.) Pelo que fiquei sabendo, a Galera não tem os direitos de publicar. Ele saiu só em e-book mesmo, tem umas setenta e poucas páginas. Não é essencial pro desenrolar do gancho da história do livro 2. Não li ainda nem o e-book, nem o livro 3.

      Excluir
  4. Putz, qdo eu trabalhava numa livraria, vi esse livro lá, mas não sei porque, nunca parei pra ler a sinopse. Só parava pra pegar ele e olhar, porque achava a capa bonita, hahaha, mas agora que eu li a resenha aqui, deu vontade de ler o livro! *-*

    Já tinha visto alguma coisa sobre virar filme, tomara que a adaptação dê conta de toda a trama criativa do livro, né? Qdo o livro é muito rico assim, sempre pode ter corte demais, e nem sempre funciona... Vamos ver! :)

    Não sabia que tinham 5 livros, pra mim eram só dois! o_o Vou procurar ler assim que possível! :D

    bjs bjs!

    ResponderExcluir
  5. Primeiro: A capa é muito linda.
    Segundo: A história parece ser maravilhosa considerando todos os detalhes que são explicados durante o livro.
    E terceiro: Adorei a idéia de a história virar um filme.

    ResponderExcluir
  6. Oi, Igra ♥
    O livro parece bem legal. Pelo que você disse, acho que deve ser bem misterioso, porém jovem e instigante ao mesmo tempo. Adorei essa coisa que você disse dele ser bem criativo e bastante explicado, pois sou meio lerdo e demoro pra pegar as coisas kkk'
    De qualquer forma, parece bem legal e vou tentar conseguir ler. Se eu o fizer, te digo o que achei (:
    Abraços o/

    ResponderExcluir

Posts Populares

INSTAGRAM