2012 adaptação

Rumo ao Oscar 2012: "Tão Forte e Tão Perto", "O Homem que Mudou o Jogo" e "Meia Noite em Paris"

17.2.12Dana Martins

por Geovanna Gianninni e Victor Schlude

Oi! Estou aqui de volta com mais um Rumo ao Oscar (Dana falando). Vocês já repararam nas novas imagens para as sextas desse mês? Aquelas estavam me perturbando e num surto de inspiração divina eu tive ideia para essas (mudei a dos dois primeiros, clique aqui para ver). Consegui pegar o mesmo padrão de cores e ainda tem mensagem subliminar(???) nelas. *agora que eu vi que a Halle Berry tá parecendo uma formiguinha de "Vida de Inseto" aí. o.õ

Agora, falando do que importa, a terceira sexta do mês vem com três filmes e dois colaboradores: O Victor, do Blog das Resenhas, e a Geovanna, que tem assistido tudo quanto é filme do Oscar (e já ajudou em uma das nossas sextas!). Ela vai fazer os comentários de "Tão Forte e Tão Perto" ("Extremely Loud and Incredibly Close") e "O Homem que Mudou o Jogo" ("Moneyball"), enquanto o Victor ficou com "Meia Noite em Paris" ("Midnight in Paris").

Extra: nós também começamos o "Rumo ao Oscar" no tumblr, com uma foto por dia até lá, acompanhe aqui

por Geovanna Giannini
>>>Tão Forte e Tão Perto
- Título original: Extremely Loud and Incredibly Close
- Direção: Stephen Daldry
- Roteiro: Eric Roth, Jonathan Safran Foer (autor do livro)
- Atores: Thomas Horn, Sandra Bullock, Tom Hanks, Viola Davis, Max Von Sydow...
Trailer

Posso dizer que perdi as contas de quantas vezes chorei durante o filme. Acho que tudo que toca o atentado terrorista de 11/09 acaba mexendo com as emoções de todo mundo, nem que seja um pouquinho, e os roteiristas usaram e realmente abusaram disso. 

Basicamente, "Tão Forte e Tão Perto" é uma história de superação, onde um menino, Oskar Schell (Thomas Horn), tenta ficar mais próximo de seu pai Thomas (Tom Hanks), que morreu no World Trade Center em 2001. Ele usa a teoria de que se o sol explodisse por 8 minutos as pessoas do planeta estariam vivendo normalmente, sem saber de nada, pois esse é o tempo que demora para a luz viajar até a Terra. Oskar tenta estender seus 8 minutos com o pai ao máximo. A superação não é apenas diretamente ligada ao fato do pai não estar mais presente na vida de Oskar em corpo, pois mesmo bastante tempo após a morte o pai continua bem vivo nas lembranças do garoto, mas também relacionada a lidar com seus medos e traumas. Um ano após o atentado terrorista, Oskar encontra uma chave no velho armário de Thomas (Tom Hanks), que dá a oportunidade de uma grande busca que remete a seu pai. 

Com a ajuda de um senhor mudo (Max von Sydow), o menino começa a procura pelo dono da chave e a fechadura que ela abre, conhecendo centenas de pessoas, ouvindo suas histórias e superando sua fobia de praticamente tudo - desde transportes públicos e falar com desconhecidos, até atravessar pontes ou brincar no balanço. Para completar a situação, Oskar tem um segredo que o faz sofrer: a sexta e última mensagem que seu pai mandou para a secretária eletrônica antes de morrer - e que apenas o filho ouviu. Ele não consegue falar a respeito com ninguém, muito menos com a mãe (Sandra Bullock), com quem tem um relacionamento distante. 

 Não é o concorrente mais forte na principal categoria do Oscar, mas quer se emocionar? Assista "Tão Forte e Tão Perto". Quer sair do cinema se sentindo mais leve e achando que sua vida não é tão ruim assim? Assista "Tão Forte e Tão Perto". Esse garoto magrinho, introvertido e com ataques de raiva acaba nos ensinando que realmente tudo se supera. O filme estréia nos cinemas brasileiros no dia 24 de fevereiro, e está concorrendo ao Oscar de Melhor Filme, e ainda de Melhor Ator Coadjuvante, pela atuação de Max von Sydow. Veja aqui a lista completa de indicações. 

>>> O protagonista Thomas Horn, não foi escolhido por audições, mas por ter vencido um show de perguntas da tv americana. Os produtores do filme disseram estar procurando um menino de fato muito inteligente para viver Oskar.

>>> A trilha sonora é triste, mas adorável. Confira aqui quais são as músicas. 

---------

por Geovanna Giannini
>>>O Homem que Mudou o Jogo
- Título original: Moneyball
- Direção: Bennett Miller
- Roteiro: Steven Zaillian, Aaron Sorkin, Stan Chervin e Michael Lewis (autor do livro)
- Atores: Brad Pitt, Jonah Hill, Robin Wright...
- Trailer

Quando os EUA querem pegar pesado no narcisismo, eles pegam. Em "O Homem que Mudou o Jogo" se fala o tempo inteiro sobre um esporte que é mais popular no país do Obama do que no resto do mundo, o baseball. Se você é como eu e não tem a mínima intimidade com tal esporte, vai ficar boiando em algumas partes, mas nada que diminua o fato de que "Moneyball" (no original) tem um roteiro bom e atuações muito interessantes, como a de Jonah Hill, que está concorrendo ao Oscar de Melhor Ator Coadjuvante. Vamos à sinopse?

Billy Beane (Brad Pitt) é o gerente geral do time de baseball Oakland Athletics, e é responsável pela contratação dos jogadores. O time se encontra numa situação complicada, pois acaba de perder seus melhores jogadores e não dispõe de dinheiro suficiente para recontratá-los ou substituí-los por outros à altura. Ao ir em um clube rival tentar negociar a compra de um jogador, Billy conhece Peter Brand (Jonah Hill), um jovem e inteligente economista, que acaba oferecendo a Beane a possibilidade contratar jogadores desvalorizados e montar um time azarão.

Claro que Billy e Peter apostam em uma loucura, uma teoria que faz sentido, mas não é segura, e todos ficam contra eles, o técnico da equipe, os olheiros, e nem a própria filha de Billy confia que o pai esteja tomando as melhores decisões. É investindo nesse arriscado método que eles seguem, sem ouvir a ninguém, confiando apenas nos números.

É um filme inspirador, que de maneira geral agrada mesmo a quem não é fã do esporte. Vou estar na torcida por Jonah, que foi uma peça-chave para tornar o filme o que é: agradável e interessante. Ainda assim, não é um concorrente à altura dos ótimos dramas indicados na mesma categoria. "O Homem Que Mudou o Jogo" foi indicado ao Oscar em 6 categorias: Melhor Filme, Melhor Ator (Brad Pitt), Melhor Ator Coadjuvante (Jonah Hill), Melhor Edição, Melhor Mixagem de Som e Melhor Roteiro Adaptado. Veja a lista completa de indicados aqui.

>>> O filme é baseado numa história real, mas com adaptações.

>>> O ator Jonah Hill perdeu 18kg após as gravações do filme. Seu colega de trabalho Brad Pitt, que ficava chamando-o de "gordo", resolveu ajudar dando dicas para ser saudável, contratando um personal trainer para o amigo e indo se exercitar com ele às 6h da manhã. Seria isso um bullying do bem?

>>> Só em março de 2010 Jonah Hill foi contratado para o papel de Peter Brand, que tinha sido imaginado, incialmente, para Demetri Martin (Aconteceu em Woodstock).

---------

por Victor Schlude
>>>Meia Noite em Paris 
- Título original: Midnight in Paris
- Direção: Woody Allen
- Roteiro: Woody Allen
- Atores: Owen Wilson, Rachel McAdams, Kurt Fuller, Mimi Kennedy, Michael Sheen...
- Trailer

Sinopse: Gil Pender é um roterista americano que decide se dedicar à literatura. Aproveitando que os pais de sua noiva estão indo à Paris, o casal segue junto com eles para a cidade das luzes. Chegando lá, Inez (a noiva) encontra um amigo, Paul, e sua mulher, que passam a praticamente guiar o passeio do casal pela capital francesa. Paul tem mania de ser especialista em todas as áreas (pintura, escultura, história, culinária...), o que fascina a Inez ao mesmo tempo que enjoa Gil. Fugindo de um desses encontros, o escritor acaba vagando à noite pelas ruas de Paris, entrando num misterioso carro que o leva para a cidade dos anos 20. No passado, ele encontra ídolos da literatura, da pintura e do cinema, os quais passam a serem seus comparsas noturnos. E todo o dia é o mesmo encanto: um passeio à noite pela cidade luz a fim de encontrar aquelas importantes figuras de quem vira amigo. Dividido entre um mundo que ama, porém que aparenta ser irreal, e sua realidade que o frustra, Gil vive sua estadia em Paris de uma maneira divertida, proveitosa, confusa e com muito para se pensar.

O interessante de "Meia Noite em Paris" é não só sua proposta, mas também seus personagens. Todos eles você imediatamente ama ou odeia, de tão intensas que são suas personalidades e participação na história. São grandes atores que dão vida a essas figuras (tem dois no elenco que já ganharam o Oscar: o Adrien Brody, que levou a estatueta por "O Pianista", e a Marion Cotillard, que levou a estatueta por "Piaf - Um Hino de Amor"). Uma pena nenhum deles ter sido indicado, acredito que a Marion merecia uma chance assim como o Owen Wilson. Ainda mencionando os personagens, uma coisa muito bacana do filme é como Woody Allen retratou ídolos da pintura, literatura e do cinema quando Gil retorna à Paris nos anos 20. Escritores como Ernest Hemingway, F. Scott Fitzgerald e Zelda Fitzgerald, pintores como Pablo Picasso e Salvador Dalí e muitos outros aparecem em meio a festas e bares, como se fosse comum encontrá-los por aí. Suas personalidades se parecem bem com o que é narrado pelos estudiosos e pesquisadores dessas figuras com um toque de comédia e ironia. O que mais impressiona é Dalí, com sua loucura à flor da pele. Ele aparece pouco, mas essas curtas cenas são ótimas.

"Meia Noite em Paris" foi indicado a três Oscars: Melhor Filme, Melhor Diretor e Melhor Roteiro Original. Para melhor filme, não apostaria tanto nele por conta não só de seus concorrentes (bastante fortes), mas também pelo fato de que a academia não o indicou a tantas outras categorias. Para ganhar, é necessário que o filme seja aclamado em várias categorias. Isso sempre acontece com os melhores filmes do ano. Mesmo que não ganhem em todas, estão concorrendo em muitas. Como melhor diretor também não apostaria nele. Woody Allen se superou no roteiro, porém na direção não creio que seja algo que se compare aos seus grandes sucessos que já levaram a estatueta. Já como melhor roteiro original, aí sim acredito que ele repita a façanha do Globo de Ouro e leve o prêmio para casa. Além de este ser muito bom, os candidatos nessa categoria não são tão fortes (os filmes mais “potentes” desse ano são baseados em livros, por isso não concorrem a melhor roteiro original). O único problema poderia ser com "O Artista", mas já que ele foi ultrapassado no Globo de Ouro, não vejo porque isso não poderia acontecer novamente. 

5 conversinhas. Eu até o indicaria a mais categorias se trabalhasse na academia, mas não foi esse ano que eles me chamaram para trabalhar lá...

>>> Vários atores do filme são famosos por diversas outras produções. Rachel McAdams (Inez) já esteve em "Diário de uma Paixão""Te Amarei para Sempre" e os dois últimos do Sherlock Holmes. Owen Wilson (Gil) já esteve em "Uma Noite no Museu" e "Marley e Eu". Ainda tem outros: Michael Sheen - Paul ("Anjos da Noite" e "Lua Nova"), Alisson Pill - Zelda Fitzgerald ("Scott Pilgrim Contra o Mundo" e "Milk - A Voz da Igualdade") e Tom Hiddleston ("Thor" e  "Cavalo de Guerra", outro dos indicados a Melhor Filme).

>>> Contou com Carla Bruni para uma participação especial. Dizem as más línguas que a primeira dama irritou o diretor com uma mania de querer repetir suas curtas cenas...

>>> O maior sucesso de bilheteria da carreira de Woody Allen. E olha que o diretor já gravou mais de 40 filmes!

TAGS: , , , , , , , , , , , , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

4 comentários

  1. Quero muito ver "Tão forte e tão perto", mas acho que não ser antes do Oscar...
    Filmes de superação em esportes geralmente não me atraem, principalmente esportes com regras totalmente desconhecidas por mim.
    "Meia noite em Paris" é maravilhoso e também acho que merecia mais indicações. Não leva o Oscar, mas é um dos meus favoritos.
    Mudando de assunto, acho que os marionetes da peça "Cavalo de Guerra" devem ser o ponto forte (pelo menos foi isso que chamou minha atenção), mas imagino que tenha mais a ver com o livro e seja mais infantil. Gostaria de ver, mesmo assim.
    bjo

    ResponderExcluir
  2. Eu assisti meia Noite em Paris e no inicio parecia interessante mas confesso que depois acabei achando o filme meio confuso.


    Participe da Promoção da Editora MODO:
    http://just-livros.blogspot.com/2012/02/novidade-editora-modo-depois-do.html

    ResponderExcluir
  3. Gostei de todos...mas se fosse para assistir hoje gostaria de ver MEIA NOITE EM PARIS. heheheeh




    Aproveito para fazer um convite: está rolando no blog uma Promoção Cultural, venha fazer parte e nos ajudar a apoiar a literatura nacional. Se puder, agradeço de coração. Beijinhos e obrigada

    http://amazoniaumcaminhoparaosonho.blogspot.com/2012/02/promocao-cultural-amazonia-um-caminho.html

    ResponderExcluir
  4. Oi! :D
    Ainda não assisti nenhum desses filmes. T.T
    Não tenho muita vontade de assisti 'O Homem que mudou o jogo' nem sei o porquê direito. '-'
    Gostei de 'Tão forte, Tão perto'. *-* E ainda preciso assistir 'Meia noite em Paris'. *-*

    Beijos,
    april-1993.blogspot.com

    ResponderExcluir

Posts Populares

INSTAGRAM