Adriana Araujo AIDS

[Resenha] Depois daquela viagem, de Valéria Piassa Polizzi

4.3.14Adriana Araujo

por Adriana Araujo
- Livro: Depois daquela viagem
- Autor: Valéria Piassa Polizzi
- Editora: Ática
- Comprar: Saraiva, Submarino
- No: Skoob









                
Minicrítica ~ Resumo:
Sabe aquela história que te marca, aquela que fica na sua mente por anos e anos? Então, aconteceu comigo quando li, aos dezesseis anos, o livro “Depois daquela viagem”, um relato autobiográfico de uma menina que pegou AIDS com a mesma idade que eu tinha quando li pela primeira vez sua história.

Chocante? Muito. Quer saber o que aconteceu com ela? Logo depois do pulo.

Na época o que me chamou a atenção para o livro e me fez ter vontade de lê-lo foi a idade que tínhamos em comum, o que me fez pensar em como a vida dela deveria ser diferente da minha, vivendo com uma doença tão ~~ mortal ~~ . Resolvi relê-lo agora, aos vinte e um anos, quando encontrei o livro pela bagatela de dez reais num sebo, para ter certeza de que ele era mesmo tudo o que achei na primeira vez. Então, resolvi relembrar essa história magnífica. E descobri que realmente estava certa: o livro era mesmo tudo isso.

Narrado em primeira pessoa pela própria autora Valéria Piassa Polizzi, a historia é contada desde o inicio, quando, aos dezesseis anos, ela pega a doença, até enfim chegar aos 23 anos, quando ela escreve o livro. Com uma narrativa em tempo cronológico, Valéria vai contando os acontecimentos de sua vida: o momento em que descobre a doença, quando resolve fazer uma viagem para os EUA a fim de estudar e talvez conhecer um pouco mais sobre o vírus (é importante ressaltar que tudo isso ocorreu na vida dela no início dos anos 90 quando muito pouco se sabia sobre a AIDS no Brasil e ela um era sinônimo de morte). Valéria, no entanto, acaba se surpreendendo ao conhecer novas culturas, ao conviver com pessoas de todos os cantos do mundo e, principalmente, tendo uma visão diferente da doença.

Além  disso, a autora também aborda outros dilemas comuns da vida dos jovens, como vida profissional, carreira, vestibular, família e amigos. Trata-se da vida de uma pessoa com os mesmos problemas que os nossos: os conflitos diários, os pais divorciados, os relacionamentos amorosos que podem ou não dar certo. Tudo isso é abordado pela autora de forma tão direta que nos faz sentir próximos a ela, como se fossemos velhas amigas.


Em muitos momentos, o livro pode ser considerado pesado por tratar de uma doença tão séria, e o leitor é tomado pela tristeza e confusão que dominam a mente da autora. É um livro envolvente, que não dá pra largar antes do final. Ao longo dele a autora faz reflexões tão interessantes sobre os vários assuntos com os quais se depara, dignas de se anotar no cantinho da agenda (aos dezesseis anos eu fazia isso -q), como por exemplo: “Como seria o mundo se todas as pessoas começassem a gastar cinco minutos do seu tempo umas com as outras?”.

Resumindo: é um dos livros mais bonitos que li na minha vida: triste, forte, cheio de sentimentos, um livro que faz o leitor refletir sobre muitas coisas, como preconceitos, amizade, o jeito com que levamos nossas vidas - e até se estamos fazendo a coisa certa, dando o devido valor às coisas realmente importantes.

Sobre a nota: cinco conversinhas por ser o que é: um livro difícil de falar sobre, talvez um pouco difícil para os mais sensíveis, mas incrível de se ler, uma historia imperdível pra quem tiver a coragem de se aventurar nela.


 (5/5 conversinhas)


TAGS: , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

6 comentários

  1. Esse livro realmente é maravilhoso, foi uma das indicações de livros do meu Ensino Médio. Ao ler tive a mesma sensação de proximidade com a autora, parecia uma velha amiga conversando comigo. Impressionante como o livro continua atual depois de tanto tempo. <3 Amei ver ele por aqui!!!

    ResponderExcluir
  2. quantas paginas tem esse livro não to lembrando poderiam me falar quantas paginas tem ?

    ResponderExcluir
  3. Também li este livro no ensino médio e até hoje me lembro bem desse livro e por tempos ficou marcado em minha mente tenho hoje 30 anos. Mas parece que foi ontem que li este livro.

    ResponderExcluir
  4. Li esse livro em 2013 ( com 15 anos), ano passado. É maravilho, foi um dos melhores que já li.

    ResponderExcluir
  5. Como posso provar com partes do livro q o tempo e cronologico?

    ResponderExcluir

Posts Populares

INSTAGRAM


Instagram

FALE COM A GENTE!

Nome

E-mail *

Mensagem *