A Seleção america

Lendo A Seleção #2 - Enfim, uma melhora

11.2.13Conversa Cult


Whoa! A história melhorou drasticamente depois das 100 páginas. Parece que era o que a autora estava esperando pra escrever e até a narração ficou melhor. A personagem, enfim, ganhou a minha simpatia e tem sido legal conhecer o príncipe Maxon.

Eu não imaginava muito como a autora ia continuar por essa parte, mas foi uma saída muito boa (relaxa que eu não vou dizer o que). A America não tá nem aí enquanto as outras estão disputando loucamente pelo príncipe. Ver a personagem se arriscar deixou o livro mais dinâmico, divertido e, enfim, com coisas interessantes acontecendo.

A história da guerra e dos rebeldes tem retornado um pouco, como eu esperava. Não sei muito bem onde isso vai dar, só que com certeza tem mais nisso aí. 

Eu tenho lido realmente rápido e quero ler mais. Algo me diz que está tudo muito certo e algo vai dar errado. Faltam umas 100 páginas ainda para o livro acabar. Espero que não seja nenhum drama bobo daqueles que um personagem é enganado e causa a maior confusão só por causa de uma mentira besta que não enganou mais ninguém. Parece que as outras meninas da Seleção vão querer revidar, espero que a autora faça isso direito.


Momento créditos: A imagem ali de cima retirei de uma resenha no Vinte e poucos

Por enquanto continuamos sendo levados pelo mistério de "quem vai ficar com quem?" e esperando pra ver o que a America vai fazer da vida quando isso terminar. O que me deixa """aflita""" é que eu realmente espero que ela não volte pra o Aspen, mas não sei como a autora vai colocar o príncipe como um concorrente sério na história. 

Só preciso acrescentar que os diálogos entre o príncipe e ela são muito bons, até bem naturais. E eu não consigo deixar de imaginar America como a Merida de Valente. 


Esse post é continuação da coluna Lendo sobre A Seleção, o primeiro foi o Primeiras Impressões. E João e Joshua, vi os comentários de vocês, em breve vou ter minha opinião final e poder opinar devidamente. Mas vocês realmente acham que isso é uma distopia?

-dana martins

TAGS: , , , , , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

4 comentários

  1. Oi, Dana!

    Está sendo muito bom acompanhar seu progresso de leitura com um livro que já li, isso torna tudo mais legal. Poder opinar e acompanhar suas reações é bem interessante.

    Então... Essa questão da distopia em A Seleção é meio complicada. Eu mantenho minha opinião de que é uma distopia glamourizada... porque, baseando na definição de que distopia é uma limitação da liberdade, a gente tem a coisa das castas, de que você provavelmente nunca poderá elevar seu status social... tipo, nasceu mendigo, morre mendigo. Só que esse não é o foco do livro, pelo menos não do primeiro. Esse lado distópico é pouco explorado, o destaque fica mais pra America e pra vida dela no palácio, pro romance e tal. Acho que é distopia sim, só que uma distopia "oculta", que precisa de uma atenção maior pra ser devidamente descoberta/compreendida pelo leitor.

    Aliás, eu pensei muito sobre isso quando acabei o livro. Eu não refleti muito no princípio sobre a parte social da coisa, e pensei se essa coisa de "distopia" não seria para vender mais. E ainda tenho dúvidas. Percebe-se que a autora nem se importou muito em demonstrar esse aspecto do livro. Particularmente, acho que se a história acontecesse num passado medieval, num reino remoto com uma organização social diferente... pra mim seria muito mais convincente (acho que por essa ser mesmo a realidade da época, de nunca poder mudar sua posição social e tal). Mesmo sem todos os apetrechos tecnológicos, entrevistas e outras coisas também importantes para a história, eu preferiria um romance medieval. Mas acho isso uma coisa muito pessoal. Sei lá.

    Espero que o final te agrade, mesmo. Não vou falar mais nada porque pode ficar claro demais o que vai acontecer, mas... Ah! Leia.

    Ah, esqueci de dizer que o Maxon é mesmo um bom personagem. Acho que é o mais desenvolvido da história, se bem que todos são bem caracterizados. Acho um dos pontos fortes do livro...

    Bom, é isso. Até o próximo post o/ Mal posso esperar pra saber o que achou do final.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Estou gostando muito de ver suas primeiras impressões ao longo da leitura, até mesmo porque, eu passei pelo mesmo.
    Sobre esse negócio de "distopia", é algo complicado e que muita gente diz que não é distopia. Eu classifico "A Seleção" como distopia por eliminação. Primeiro, em que tempo a história se passa? Num futuro, mesmo que "futuro" não defina um mundo distópico. A história se passa em um futuro, onde guerras construíram um novo país - Illéa, desculpem-me se errei o nome, eu bem que esqueci o nome da nação e estou com preguiça de ir ver no livro, hehe - e como aspecto um tanto forte de distopia, é o nosso governo retornar à monarquia, uma nação reinada por um rei e uma rainha. Até ai tudo bem, não chega a ser "é uma distopia!", pois está mais para um romance medieval que ultrapassou o tempo.
    Mas vem esse negócio de Castas. Onde já se viu sermos divididos em Castas e não podermos mudar nossa situação social, financeira, enfim? É claro que isso acontece hoje em dia, mas temos a chance de escolher quem seremos, mas ali no caso de "A Seleção" já é bem diferente. Nasce pobre, morre pobre, somente com algumas exceções.
    E um outro aspecto fortíssimo de distopia é a própria Seleção. Um reality show, onde jovens se inscrevem, são escolhidas algumas pra viver em um Palácio, até que o príncipe escolha a futura rainha. Considero essa "disputa amena" como distopia, como Jogos Vorazes, a DISPUTA SANGRENTA é um aspecto da distopia de THG.
    É claro que a Tia Cass não explorou esse lado distópico, o que deixou meio bambo toda essa história de "distopia". Mas como eu disse no post anterior, "A Seleção" é uma série evolutiva. A cada volume a autora vai começar a "pegar" de jeito o enredo.
    Espero a resenha e suas últimas conclusões da história. "A Seleção" é um livro bem emocionante ao seu modo, mas em termos de distopia, concordo, não é uma das melhores, mas é um dos melhores livros que já li.

    ResponderExcluir
  3. Comentário aleatório: invejo essas pessoas que conseguem tirar fotos temáticas e bonitas com os livros em questão. Tão bonita essa no começo do post.

    ResponderExcluir
  4. Eu me surpreendi com o livro, achei que não ia gostar da história e agora estou louca para ler sua continuação.
    Bjs, Rose.

    ResponderExcluir

Posts Populares

INSTAGRAM