50000 palavras autor

[Clube de Escrita] Epílogo NaNoWriMo, por Patrick Rothfuss

9.12.12Conversa Cult


Olá, senhoras e senhores! Parece que o Clube de Escrita está mais frequente do que se imaginava, né? E dessa vez mais um post sobre o NaNoWriMo! Mas um post diferente, para falar a verdade. É que essa semana eu encontrei um post no blog do Patrick Rothfuss (autor de "O Nome do Vento"), em que ele fazia um epílogo sobre sua participação do NaNoWriMo. A tradução você vê abaixo.

Só para dar um contexto: No início do texto ele faz referência a um outro post, que foi onde ele respondeu se já havia participado do NaNoWriMo. A pessoa que perguntava meio que dizia "oh, com sua escrita tão elaborada e bem feita, você provavelmente não consegue escrever 50.000 palavras em um mês". Ele tomou isso como um desafio e decidiu participar. Além disso, ele sempre teve certo preconceito com o projeto e se dizia "eu sou um autor de verdade, não preciso de coisa assim". Palavras dele.

E João Pedro F. Gomes! Lembra que você perguntou em um comentário se deveria abandonar o seu projeto e começar outro que bateu a ideia? Eu vou responder lá, mas acho que esse post pode te ajudar. 

Patrick Rothfuss: Epílogo, NaNoWriMo

Então, no mês passado eu fiquei irritado e decidi tentar o NaNoWriMo.

Eu comecei essa experiência cheio de confiança. Apesar do fato de que eu estava começando com uma semana de atraso, eu tinha certeza de que seria capaz de conseguir, disparar além das 50.000 palavras, e ainda ter tempo para fazer um delicioso sanduíche, inventar uma máquina de perétuo movimento e lutar contra um urso antes do final de novembro.

Afinal, eu pensei comigo mesmo. Eu não sou um autor conhecido? Não fui eu que publiquei mais de meio milhão de palavras em livros? E não sou eu, de fato, Patrick Rothfuss, autor de best-seller internacional, polímata e iconoclasta?

No calor do momento eu esqueci que, além de ser essas coisas, eu sou Pat Rothfuss, que levou 14 anos para publicar seu primeiro livro, e quatro para publicar seu segundo. E enquanto * Patrick Rothfuss * parece muito bom no papel, * Pat * Rothfuss é, no seu coração, um preguiçoso, um diletante e um rufião. Além do mais, eu sou propenso a revisão obsessiva e um certo grau de enrolação linguística.

Então, vamos pular direto para o fim da história. Eu ganhei o NaNoWriMo?

Bem, há duas respostas para isso.

Se por "ganhar" você quer dizer "você conseguiu escrever 50.000 palavras até o final do mês?", a resposta é um sonoro "não".

Não só não escrevi 50.000 palavras, mas eu quebrei praticamente todas as regras NaNoWriMo desde o início.

Você supostamente deve começar um romance e ficar nesse projeto até o fim do mês. Você supostamente deve sempre ir em frente, nunca olhar para trás, sem nunca parar de revisar.

Eu não fiz nenhuma dessas coisas. Isto é, em parte, porque eu sou uma pessoa contrária. (Veja acima, em iconoclasta.) Mas também é porque eu prefiro a aderir ao espírito da lei e seguir à letra dela. E, para mim, o espírito de NaNoWriMo é escrever 50.000 palavras.

Isso eu não fiz. Eu estava com cerca de 15.000 palavras. Portanto, não importa se você considera o espiríto ou a letra da lei, eu sou um perdedor.
(Woo! Perdedores do NaNoWriMo se unam!)
Apesar do fato de eu não ter atingido a marca de 50.000. Eu considero a experiência um enorme sucesso. Por quê?

  • Eu me diverti.

A escrita é geralmente uma atividade muito isolacionista. Ir no site do NaNoWriMo todos os dias e ver como as outras pessoas estavam indo ver escrever parecer apenas um *pouco* mais social. Claro, eu passava horas sozinho em um quarto, mas eu estava gastando todo esse tempo sozinho com outras pessoas. Se isso faz algum sentido para você.

Por exemplo, descobri muito cedo que Veronica Belmont estava escrevendo pela primeira vez um livro este ano. Então, eu circulei por lá e vi as estatísticas dela.

(Clique para aumentar)
Especificamente, aqui está o gráfico que mostra quantas palavras ela escreveu todos os dias:



Vê as linhas poderosas? Vê como ela está conseguindo acompanhar desde o primeiro dia?

Isso significa que ela tem escrito as 1,667 palavras que você precisa escrever todo dia para alcançar 50,000 no final do mês.

Em comparação, vamos olhar para o meu gráfico:

(Imagine o barulho triste de um trombone de desenho aqui. Wah-wah...)

Eu *realmente* comecei com uma semana de atraso. Mas, mesmo assim, você tem que admitir que meu gráfico parece .... hum .... triste. Poderíamos até chamá-lo de "miserável" ou "doentio." Uma pessoa particularmente mordaz pode até usar a palavra, "flácido".

Eu não usaria essa palavra, você usaria? Mas alguém poderia.

Quando entrei em contato com Veronica para ver se estava tudo bem eu usar o gráfico dela no meu futuro post, ela disse algo como, "Não tem problema. Obrigada por me lembrar que eu preciso começar a escrever hoje. Eu realmente deveria parar de jogar Skyrim... "

Seu comentário epontâneo me deixou queimando de vergonha e fúria. Ela estava me deixando pra trás E JOGANDO SKYRIM AO MESMO TEMPO?

Cheio de vergonha, eu escrevi 15.000 palavras durante os próximos quatro dias.


Não foi o suficiente para chegar às 50.000 palavras. Mas foi o suficiente para que eu pudesse terminar o mês com a minha cabeça erguida.

Então, não foi só divertido. Foi motivador também.

  •  Eu tenho um monte de coisas escritas.

Não importa como você o faria, eu tenho 35 mil palavras em três semanas.

Eu fiz um grande avanço em um projeto que eu venho adiando por um tempo, comecei outro, e terminei um terceiro todo.

É uma sensação boa, terminar esses projetos menores. E como um bônus, isso significa que vocês vão ver algumas outras histórias no próximo ano, enquanto eu ainda estou bem longe do terceiro livro.

  • Eu aprendi muito.

Em torno do dia 10 eu me peguei pensando coisas como:

Eu escrevi 700 palavras hoje, quando eu estava respondendo e-mail dos fãs. Isso conta como a escrita, certo?

Para o que eu tinha que responder a mim mesmo: Não. Não é realmente escrever.

E sobre o e-mail que eu escrevi para meu editor e agente? Isso conta como a escrita, certo?

Não. Você está digitando palavras, e é parte de seu trabalho. Mas não é trabalhar em uma história publicável.

E sobre as perguntas que eu respondi no meu fórum de tradução?

Ummmm. Não. não conta. Não está produzindo material novo.

E sobre o blog de mil palavras que eu escrevi? Essa é uma história. Mais ou menos. E é material novo.

Não. Cale a boca. Cale a boca e escreva.

Em última análise, isso me fez vir a enfrentar uma verdade platônica: Apenas a escrita real é estar escrevendo.

Outras coisas que aprendi:

  • Eu não preciso de uito tempo para obter a escrita bem feita.

Normalmente eu gosto de ter 3-4 horas livres para escrever. Mas apenas 30 minutos pode ser produtivo se eu me esforçar.

  • Você sempre pode encontrar uma razão para não escrever.

Às vezes, são grandes motivos. Você quer passar o tempo com seu bebê adorável. Você tem que fazer uma viagem de negócios. Talvez você esteja tentando obter o seu incrível fundo anual organizado.

Mas sabe, sempre vai ter algo acontecendo. Você está cansado. Você está com gripe. Seu companheiro de quarto está sendo um saco. Sua namorada quer namorar. Você acabou de descobrir um jogo de defender torres legal...

Você pode deixar essas coisas te impedirem de escrever, ou você pode escrever. É simples assim.

  • Eu posso escrever mil palavras em uma hora.

Em um dia memorável, eu sentei sabendo que eu tinha que encontrar Sarah em breve. Durante a hora que eu pude trabalhar, eu escrevi mil palavras. Me senti muito bem.

Mais tarde naquele dia eu voltei para o computador e trabalhei na revisão da história. Eu trabalhei por 3 horas e no final eu tinha cerca de 250 palavras.

Não me arrependo de ter tomado o tempo para revisão. A contagem de palavras pode ser impressionante, mas a revisão é vital para uma boa história. Essas 250 palavras eram realmente importantes.

  • Eu aprendi que eu posso escrever uma história inteira de uma vez só.

(Esta foi, de longe, a parte mais legal de NaNoWriMo para mim.)

Era o último dia de novembro, e eu tinha me prendido a um canto. Eu não tinha ido bem em escrever minhas diárias 1.667 palavras, e eu estava pagando por isso. Eu estava apenas com 32 mil palavras para o mês e me sentindo envergonhado.

Escrevi até tarde da noite, então dormi no meu escritório. Acordei cerca de sete horas depois e sentei de volta na frente do computador.

Abri a história que eu mais trabalhei durante o mês (é uma novela, passada no meu mundo). Foi quando me lembrei de uma pequena ideia que eu tive um dia antes, quando eu estava voltando para casa.

A ideia fez cócegas em mim. Então ao invés de potencialmente esquecer, eu abri um novo arquivo e anotei. Eu anotei a primeira linha da história, também. E o primeiro par de frases.

Então eu terminei a cena de introdução. Então eu fiz a segunda cena também, porque era curta, e era óbvio na minha cabeça.

E uma vez que as coisas estavam indo bem, eu fiz uma outra cena. E então eu vi a forma como mais ou menos deveria seguir. E eu estava me divertindo, e isso estava se tornando muito legal, então eu fui em frente e comecei a escrever isso também...

Eu sabia que deveria estar retornando à minha novela para que eu pudesse seguir alguma trilha. Eu não ia ter muitas palavras com a minha nova história. Era estilística, o ponto de vista era estranho, e a linguagem era muito simples. Mas ela foi se tornando realmente bom....

Depois que eu terminei metade da história, eu percebi que seria estúpido eu fazer outra coisa senão escrever até o final. Porque eu sabia exatamente onde estava indo.

Então, eu terminei. Começo ao fim, isso levou sete horas e meia. Eu estava exausto e animado. Eu nunca tinha feito nada parecido antes.

Esse último dia meio que resume a minha experiência inteira com o NaNoWriMo. Tecnicamente, eu falhei, porque eu não coloquei para fora um grande número de palavras. Mas, realisticamente, apertei com tudo o botão e ganhei o grande elefante rosa felpudo.

E você quer saber a parte engraçada?

Você quer saber o a contagem final dessa história?

1667 palavras.

Sem brincadeira.

>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>>

Espero que tenham gostado da tradução tanto quanto eu! O texto e as imagens foram retirados do blog dele, que você pode ver aqui

Sobre o Patrick Rothfuss e o livro: talvez você não conheça "O Nome do Vento" pelo nome, ou talvez não seja ligado no mundo da fantasia, mas o livro é bem famoso e reconhecido. É o primeiro de uma trilogia e eu indico você conhece pela minha resenha de "O Temor do Sábio" (o segundo). Foi uma das minhas maiores descobertas nesse ano.

TAGS: , , , , , , , , , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

3 comentários

  1. Oi Dana :)

    Muito interessante saber a visão de um escritor sobre o NaNoWriMo. Dá até um pouco menos de culpa saber que um autor tão renomado também não conseguiu cumprir a meta. O legal foi que ele teve a mesma opinião que eu, e que também considerou o NaNo como um grande aprendizado.

    E também é bom saber que não sou só eu que tive uma ideia louca pra começar outra história \o/ Quando eu tive aquela ideia nova e fui fazer o resumo pra lembrar depois, acabei me empolgando e escrevendo mais do que esperava. Por isso fiquei tão em dúvida se começava o novo livro ou não: parece que as ideias mais frescas rendem mais. Ainda estou pensando no que fazer, mas, de qualquer forma, obrigado pelas ótimas dicas relacionadas ao assunto.

    O post ficou muito interessante :D Espero ler alguma obra do Patrick em breve. Gostei da forma que ele escreve, embora pareça um pouco... arrogante é muito forte? Enfim. Espero poder comprar "O Nome do Vento" neste Natal! (ainda estou numa dúvida mortal do que comprar.... que os deuses multipliquem minhas economias klsgjkfj).

    Enfim, é isso.Parabéns pelo post! :)
    (e ignore qualquer erro no comentário, tá trovejando horrores e vou precisar enviar sem revisar).
    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Joãooooo! Eu sei que não foi aqui que você perguntou, mas vou responder aqui mesmo. Eu sempre vejo suas perguntas, na verdade todos veem, mas a gente não tem muito tempo pra responder -qq. Enfim, acho que você perguntou sobre o que fazer depois que acabar de escrever o livro em si, certo?

      Bem, o ideal é revisar pelo menos, no mínimo, uma duas vezes. Se você tiver um amigo em quem realmente confia que dirá a verdade, é legal pedir opinião. Feito tudo isso, todos os detalhes acertados, eu aconselho que você registre a sua obra, faça uma patente. SIIIMM, uma patente. Aqui no Rio dá pra fazer isso na Biblioteca Nacional (Escritório de direitos autorais), mas tem que pagar vinte reais (não sei se o preço continua sendo esse).

      Com o registro, você tem a segurança de que ninguém vai poder roubar a sua ideia ou coisa parecida. O legal é fazer isso antes de mandar para as editoras, porque uma vez enviado, a gente não tem muito controle do que é feito com a história.... Fora que existem editoras que só aceitam originais de obras já registradas.

      Acho que meio que respondi a sua pergunta. Qualquer coisa só falar.

      Beijão!

      Excluir
  2. gostei muito do texto dele. já ouvi falar sobre este projeto, e achei que eu não seria capaz de fazer algo assim em um mês. mas deve ser bem legal pra começar.

    to pensando em ler os livros deste cara também.

    ResponderExcluir

Posts Populares

INSTAGRAM


Instagram

FALE COM A GENTE!

Nome

E-mail *

Mensagem *