CCDicas CCLivros

[NaNoWriMo Clube de Escrita] Como terminar um livro

25.11.12Igraínne


Olá, crianças!! Pela primeira vez eu (Igra) vou escrever um post do Clube de Escrita. Para falar a verdade, eu me sinto um pouco envergonhada porque de todo mundo do blog, eu sou a lanterninha - inclusive não avancei uma única linha desde a semana passada. BUT IT'S OKAY, vou superar. A única coisa que eu espero é que você não ignorem esse post só porque sou eu falando - fala sério, a menina que não chegou nem a três mil palavras falando sobre como terminar um livro? Sim, eu vou falar sobre como terminar um livro, e a primeira lição do dia é: não julgue alguém que não bate a meta no NaNoWriMo como alguém que não nunca conseguirá terminar nada. E extra: Dana falando como está indo.

A grande questão de escrever um livro é que você precisa estar simplesmente muito por dentro da história. Sim, esteja deslumbrado com seus personagens, imagine que você faz parte daquele mundo, que se você não chegar ao final, o seu destino ficará incompleto, você não terá um fim (seja ele feliz ou não). A dúvida será eterna: será que eles iam viver felizes para sempre? ou até será que meu livro tinha chances reais de ser publicado?


"A realidade é superestimada. Escreva."

Eu pensei muito sobre como escrever esse post, porque eu quero falar tanta e tanta coisa e sei que não tem espaço suficiente para isso em meros 11 ou 12 parágrafos - no máximo. Mas antes de tudo, deixa eu explicar o porquê do pessoal do blog ter me escolhido para escrever essa postagem (eu, a menina que não passou das 3 mil palavras). 

Acontece que eu, Igraínne Marques, 19 anos, já escrevi um livro. Sim, eu terminei!!! É possível, crianças, experiência própria. É claro que existem muitos obstáculos, mas ouso dizer que você (sim, VOCÊ) é totalmente capaz de terminar de escrever um livro com o NaNoWriMo. Não que eu já tenha feito isso. O meu primeiro livro digitado* (eu já escrevi cinco - dois à mão e três digitados), demorou um ano inteiro para ser concluído. Começou com a ideia, e depois virou uma sequencia de contos - as cenas perdidas que eu mais queria escrever (aquelas cenas incríveis que a Dana falou nesse post aqui), e depois enfim virou um livro.
*Na verdade, eu não conto os que eu escrevi à mão, porque acho que foram apenas rascunhos de ideias. Por isso, toda vez que alguém pergunta: quantos livros você já escreveu?, eu sempre digo 3, porque foram coisas com mais cara de livro. 

>>>Mas como chegar lá? 


O meu primeiro livro (hoje está engavetado) não é padrão para ninguém. Ouso dizer que nem mesmo para mim. Eu tenho um carinho especial por ele, é claro, mas eu não mandaria para nenhuma editora. Aprendi muito com cada frase, tudo o que eu devo e o que eu não devo fazer está ali, todas as coisas que mais tarde eu percebi que não deveriam ser levadas a sério. Até mesmo as ideias que funcionam, e as que não funcionam. Tudo isso me serviu de aprendizado. Foi uma experiência muito boa.

A principal coisa que eu aprendi, por exemplo, é que você precisa de um planejamento. Não estou dizendo para saber tudo que vai acontecer - porque aí você mesmo se priva da ideia de se surpreender (e se surpreender é o que me faz escrever, já que eu me imagino lendo aquele livro e querendo saber o que vai rolar em seguida). Mas planejamento no sentido de aonde você quer chegar? Saber o final é mais importante do que muita gente imagina. Mas se você não sabe o final, só sabe o clímax, também está valendo. Porque aí você pode planejar o final sem se prender muito. E se ele mudar depois, também não tem problema nenhum.

A maior dica de todos os tempos, a que realmente - realmente mesmo (só pra enfatizar bem) - funciona comigo é fazer um sumário. Organize o seu livro em capítulos. Não precisa dar nome, mas se quiser, fica a seu critério (eu prefiro dar nomes porque ajuda a lembrar o que vai acontecer naquela parte específica). Ao lado de cada nome (ou apenas número), escreva um pequeno resumo do que você espera que aconteça. Pegue uma folha de papel, ou então abra um arquivo separado do word. Não precisa detalhar (lembre da coisa de se surpreender com sua própria história), mas é bom você saber mais ou menos o que vai acontecer como um todo. Porque sem planejamento, seu livro pode ter o objetivo perdido, pode se desenvolver para lugar nenhum, não ter clímax, não ter um fim, entendem?
*Se você quiser, coloque o sumário com os nomes no próprio livro, como se o arquivo fosse realmente um original prestes a ser publicado. Escreva os nomes e simule as páginas nos quais os capítulos começam, por exemplo: Capítulo 3... p. 42 (existe inclusive um ícone do word que permite que você insira numeração nas páginas).

Para dar um exemplo ainda mais prático, eu costumo me organizar da seguinte forma: eu escrevo em torno de 15 capítulos. No início, eu escrevia 12, mas depois de um tempo, dependendo da necessidade de cada livro, 12 virou um número insuficiente. Cada capítulo meu deve ter em torno de umas 25/20 páginas. Isso porque cada parte da história precisa do seu próprio início, meio e fim, e sempre achei que 20 páginas dava conta do recado. Caso você queira diminuir, não tem problema, você pode escrever 10/15 folhas, acho que o importante é ter essa meta. O mesmo vale para o número de capítulos.

somos todos capazes! 

Na verdade, essa organização toda tem um propósito: incentivar, dar resultados mais rápidos e práticos que acabam ajudando-o a seguir em frente. O próprio NaNoWriMo é um desafio, certo? Só que o fato de ele durar muito tempo e ter uma meta muito distante é um tipo de problema. A organização dos capítulos deixa a coisa mais alcançável. Sem falar que isso estimula muito. Pelo menos para mim. Quando eu concluo um capítulo sinto que estou conseguindo, que irei chegar ao final.

Isso tudo me ajudou a criar metas ainda maiores. Os meus primeiros dois livros foram feitos em um ano. O terceiro eu escrevi em seis meses e é maior que os outros. A ideia é diminuir esse tempo ainda mais. Se você quiser criar uma disciplina diária, sugiro escrever de 5 a 10 páginas por dia. No máximo em uma semana, um capítulo precisa ser concluído. Mas essas metas específicas são apenas sugestões, é claro. O que não pode acontecer é você se sentir na obrigação. Você precisa se sentir estimulado, precisa sentir vontade, querer avançar.

Além disso, você tem que escrever algo que você leria. De que adianta se esforçar ao máximo, se matar para construir uma trama digna de prêmios, se você não perderia seu tempo comprando esse livro? Tem que ser algo que dê prazer, que tenha uma sinopse que deixe você curioso também. Você acha a sua ideia boa? Você acha tão boa que viraria fã dela? 

No último Clube de Escrita, o João fez um comentário que eu achei muito bom. Ele disse: "...escreva o livro como se você tivesse milhões de fãs, e dê material suficiente para eles idolatrarem até que seu próximo livro seja lançado". O fato de você ter fãs também ajuda a estimulá-lo. Imagine que você está concedendo entrevistas, que as pessoas perguntam como anda o livro, e se quiser até escreva essas entrevistas. Tudo é realmente válido. Você é fã também, questione, procure, reinvente. Imagine pessoas enlouquecidas narrando fanfics com os seus personagens, procure atores que se pareçam com eles para possíveis futuros filmes. Esteja de fato animado com a sua história.

Dê atenção aos seus fãs histéricos, coitadinhos. E seja o maior deles.

Uma vez eu fui a uma palestra do Raphael Draccon (autor da saga Dragões de Éter) e ele disse uma coisa muito interessante: "escritor que tem bloqueio criativo é aquele escritor que não precisa pagar conta". Achei isso genial. Afinal, escritores de verdade trabalham com prazos. Não existe tempo para desânimo. Por coincidência, ele disse que escreve 10 páginas por dia, que acha esse um número saudável de se cumprir durante a semana - apenas nos dias úteis. De segunda a sexta, ele escreve 50 páginas. Se o número for menor, ele escreve fim de semana. Pode trocar a sexta pelo domingo, também não há problemas. O importante é cumprir a meta porque há um prazo a ser cumprido. Escrever é um trabalho, além de ser prazer, é claro.

Finja você também. Você é um escritor reconhecido, e precisa entregar o seu livro até fevereiro, por exemplo. Você não pode se dar ao luxo de descumprir o prazo diante de seu primeiro contrato com uma editora, certo?

E sim, depois que você termina, você precisa reler tudo o que escreveu. Na verdade, diferentemente do que muita gente faz, até do pessoal do blog, eu sou do time que revisa o que escreveu no dia anterior antes de ir em frente. Eu acho que é um exercício muito bom - várias vezes me vi sendo surpreendida com o que eu escrevia. Às vezes achava até que não tinha sido eu! E nem preciso dizer que essa surpresa me fazia ficar ansiosa para o dia seguinte: quando eu leria o que ia escrever hoje.

>>> Observações da própria história
Minha última dica de hoje (porque esse post já está grande o suficiente) é você não esquecer dos conflitos que criou no início. Por exemplo, o livro começa com um assassinato, e depois, lá pro meio da história, você já esqueceu que aquele assassinato aconteceu, esqueceu de explicar o que houve, quem matou, por que e com o quê. Você esqueceu de explicar porque o assassinato se tornou um detalhe, não tem real importância para o desfecho. Mas de certa forma é importante - você precisa concordar - porque o leitor não vai exatamente deixar passar. Nem a editora (a não ser que seja proposital, mas isso é outro caso).

O que eu faço é escrever a história normalmente e sempre ter na folha seguinte um parágrafo ou dois com o título "Observações". Ali eu digito tudo que ficou por dizer, o que ainda precisa ser dito e outras coisas que eu achar relevante colocar ali - coisas que eu não posso esquecer. Enquanto eu for escrevendo, eu empurro esse "Observações" para baixo, e sempre que julgo necessário, faço uma consulta ou acrescento coisas. A medida que os detalhes vão sendo explicados ou vão sendo criados, eu apago essa parte específica do "Obs" ou acrescento mais uma observação. Ao fim do texto todo, quando sua história estiver concluída, você  consulta o que sobrou e conserta/ acrescenta cada coisa que ficou por dizer. Até que as observações sejam todas apagadas.

Espero que vocês tenham gostado desse último especial NaNoWriMo tanto quanto eu gostei de escrevê-lo. Eu ainda diria muita coisa que eu acho importante falar, mas infelizmente não dá para colocar tudo em um post só. Se você tem outras dicas, conta pra gente! Se quiser apenas conversar, também pode mandar um comentário ou um mention para @ConversaCult.


>>> Dana sobre como está indo, porque eu tenho a impressão de que sou a única que está indo

Agora começamos a última semana do NaNoWrimo, que termina na sexta-feira. As coisas estão bem corridas (pelo menos para mim) e muita gente tem desanimado vendo o fim do mês tão perto. Por causa dos 10 dias que eu fiquei fora as coisas agora estão bem corridas, tenho 17 mil palavras para escrever até sexta, o que vai exigir um esforço extra. O lado bom é que da última semana pra cá eu dobrei o número de palavras. Acho que vou conseguir as 50.000, até porque quando eu meto na cabeça que quero uma coisa*...
*E eu estou me comprometendo aqui, o que vai me dar uma baita vergonha semana que vem se eu aparecer aqui sem ter conseguido. Ou seja: vou me esforçar mais ainda. Está vendo como funciona um desafio? Por isso é importante falar que está fazendo...

Na história eu escrevi os três pontos principais que eu tinha programado no início do mês, eles tomaram caminhos que eu não imaginava e ao mesmo tempo está tudo se encaixando perfeitamente com o que eu planejei. Tive que fazer uma pausa e rever os próximos "tópicos" pra desenvolver. Algo me diz que 50.000 palavras não vão ser o suficiente para colocar um ponto final.

Até semana que vem! E não deixem de escrever, mesmo que vocês achem que não vai dar tempo. O fim do mundo é só em dezembro, lembram? 


Contador de palavras (até o fechamento desse post)

Paulo: 15.172/50.000
Dana: 33.384/50.000

TAGS: , , , , , , , , , , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

3 comentários

  1. OI, IGRA \o/ !!!

    3 COISAS QUE AMEI NESSE POST:

    1- Você disse que já escreveu livros e eu já sabia disso (a Dana me falou em um outro comentário), então me senti seu stalker MUAHAHA.
    2- Você usou um gif da Lana Del Rey, E EU ADORO ELA, MUITO!
    3- Eu fui citado no post, ou seja, sou um popstar.

    AUHAUHA Brincadeira. Mas falando sério agora, MAS QUE TEXTO LINDO! Sinto como se ele tivesse limpado minha mente de todos os problemas que vieram com o NaNoWriMo e dito: "agora volta lá, escreva seu livro e seja feliz".

    Não que o NaNo seja um problema, pelo contrário. Ele me deu a iniciativa que eu precisava para escrever. Mas no começo eu estava com muito pouco tempo, e depois fiquei tão atrasado e igualmente tão obcecado em cumprir a meta que comecei a escrever por obrigação, e não por prazer. E isso foi um erro. Resultado: mais de uma semana com a história parada, sem ânimo para continuar. Aconteceu que eu acabei esquecendo do quanto eu gostava do mundo que criei.

    Suas dicas ajudaram MUUUUUUUITO. Eu estava com a história toda mal organizada, precisando acrescentar alguns detalhes e com medo de voltar atrás pra revisar e não cumprir as 50.000 palavras. É aí que entra a parte das anotações e do sumário. Preciso trabalhar com um "mapa" já traçado para não me perder mais, e deixar observações anotadas para que, na hora da revisão, não esqueça de nenhum detalhe importante. Vou colocar essas dicas em prática na próxima vez em que for escrever.

    Talvez eu tenha errado em escrever sobre um mundo totalmente novo. É meu primeiro livro, e esse tipo de história precisa de muita informação (quem governa? Qual a religião predominante? Como a sociedade se organiza? E a economia? Enfim). Mas por outro lado, ter uma trama tão ampla me ajuda a pensar bastante sobre a história e ter vontade de escrever; se eu escrevesse um livro sobre um casal apaixonado, por exemplo, perderia o interesse na história em poucos dias. Bom, pelo menos fiz certo na parte do "escreva algo que você leria / se tornaria fã".

    Bom, o que realmente importa é que, independente do NaNo, vou terminar mau livro com mais tranquilidade, sem ficar me cobrando tanto. Se eu não gostar do resultado final, tudo bem. Vai servir pelo menos como uma experiência para melhorar no próximo.

    Sentirei muita falta dos posts sobre o desafio nos domingos, eles me ajudaram bastante e vou levar as dicas que vocês deram por um bom tempo. E sim, gostei tanto do texto (talvez até mais) do que você de escrevê-lo.

    Meus sinceros parabéns pelo incrível trabalho (:
    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oláa, João!!

      Adorei seu comentário, MUITO!! E não se sinta mal por saber da minha vida, auhsuhauhsas, na verdade eu sabia que a Dana já tinha falado e etc.
      Enfim, vou levar o seu coment como aprendizado também, sempre fico querendo transformar o que você fala em post -q. De qualquer forma, assim que terminar o seu livro, venha contar pra gente! Eu adoraria conversar a respeito - e tenho certeza que o resto do pessoal do blog também.

      Beijão!

      Excluir
  2. Oieeeeeeeeeeeeeeee gentxi! Olha eu voltando só pra comentar justamente neste post Hahahhaha Eu nem tenho mto o que dizer, consegui finalizar esse desafio internal, com mta tendinite no braço. Fiz até dois boletins de ocorrência lá no me blog e eu esqueci totalmente de compartilhar com vcs Hahahahahaahah É mta confusão pra pouco corpo, bem digo. Na minha história aconteceu um master fator importante e ocorreu justamente isso de esquecer e minha personagem seguir "feliz" da vida, sendo que foi meio er traumático hahahahaahhah

    O especial foi lindo ♥ E eu vou prosseguir com a história, talvez em janeiro, pq já tenho outra em andamento :(


    Grande beijo!

    ResponderExcluir

Posts Populares

INSTAGRAM