a mediadora anne rice

Três livros sobre... criaturas sobrenaturais

30.10.12Conversa Cult


Hoje 'Três livros sobre...'* vamos comemorar o Halloween em grande de estilo! Vamos indicar livros sobre três criaturas sobrenaturais: esqueletos, fantasmas e vampiros. O melhor de tudo é que não é nem aquele terror pesado (disso eu não passo nem perto!), então qualquer um pode aproveitar.
*Essa é uma coluna da Iris Figueiredo no Literalmente Falando, chamada 'Três livros sobre...', que nós estamos usando aqui no blog. O primeiro foi Três livros sobre... amor, feito por todos da equipe.


Se me perguntarem qual é a minha série de livros com elementos sobrenaturais favorita, minha resposta será “Sr. Ardiloso Cortês” sem nem pensar duas vezes. Um esqueleto vivo de centenas de anos e que nunca sai da moda ensinando pra uma menina de 12 anos sobre o mundo da magia? AWESOME.

A história como um todo é um tanto quanto complexa para ser explicada num comentário curto, mas resumindo bastante, o livro conta a história de Stephenie Edgley, uma menina que leva uma vida tediosamente normal até o dia em que conhece Ardiloso Cortês, o esqueleto que ilustra a capa. Nesse momento ela descobre que há diante de seus olhos um submundo de magia que ela não fazia ideia da existência. Junto com Ardiloso, Stephenie passa a *locutor dos comerciais da Sessão da Tarde mode on* viver altas aventuras para derrotar os vilões do mundo mágico. *locutor dos comerciais da Sessão da Tarde mode off*

A série, que tem sete volumes lançados lá fora e apenas quatro no Brasil, é realmente muito boa. Os livros têm um ritmo agradável que conseguem de prender e fazem você ler tudo rapidamente. Na minha opinião, o ponto alto da série é o humor. O Derek Landy tem umas sacadas geniais, fazendo com que o Ardiloso seja um dos melhores personagens que já vi e com que os diálogos do livro sejam ótimos.

A história é divertida e leve, mas ao mesmo consegue ter um tom mais sério. O interessante é que a Stephenie tem 12 anos no primeiro livro e a cada livro se passa um ano, permitindo a gente acompanhar o crescimento da personagens com todas as questões/fases por quais ela passa.

Skulduggery Pleasant (título original) é uma série que eu recomendo bastante quando você está procurando algo para distrair e se divertir, é uma boa pedida para fugir de livros mais pesados e com qualidade.

-Paulo V. Santana


Escolhi A Mediadora porque é uma série da Meg Cabot, uma autora já mais do que consagrada e que eu amo incondicionalmente. Na verdade, acho que essa série em específico é um dos maiores acertos dela, e se você ainda não conhece, essa é a sua chance de começar. Tem humor, romance e... pitada sobrenatural de terror (?).

Mas sobre o que é A Mediadora? É sobre Suzannah, uma menina que se muda com a mãe para a Califórnia, onde passa a morar com o novo padrasto e seus 3 meios irmãos. Mas, na verdade, não é esse o problema. Acontece que Suzannah tem um dom: ela vê gente morta. *uuu* E calma! Nem todos os mortos, apenas aqueles que não conseguem descansar em paz, seja porque não terminaram alguma coisa em vida, ou porque têm um último desejo. Tudo muito fácil - nem tanto - e muito lindo, não fosse o fato de que ela não pode contar a ninguém a sua incrível habilidade - porque vão achar que está falando sozinha. Para piorar, os mortos não a deixam em paz até que ela consiga realizar esse último desejo. O que inclui falar com pessoas estranhas e mentir até o limite para todo mundo sobre onde está, fazendo o que e com quem.

Porém, o ponto chave do livro é Jesse, um fantasma que veio de brinde junto com a casa e a família nova de Suzannah. Para piorar, ele mora no quarto dela (!) e é simplesmente irresistível. Suzannah começa com um papo sobre "o que você quer", mas a relação deles logo vai além disso. Jesse é mais do que um simples fantasminha camarada, é mais do que um problema....

A história é muito boa, e a série quase se parece com um seriado de TV. A cada livro temos um "novo caso" a ser resolvido no mundo dos mortos. Eu ia até mesmo fazer uma CCIndicação a respeito, porque depois dos volumes iniciais, a coisa toda fica ainda melhor. O mais legal é que são livros pequenos, dá pra ler rápido. E hoje em dia já tem em versão pocket vira vira (com dois volumes em um). Vale dar uma chance.

-Igraínne Marques



Quando eu decidi que falaria sobre vampiros, parei e pensei “Se os vampiros pudessem eleger alguém que os representasse, quem seria?”, bom, certamente eles não escolheriam o Lestat, mas se me perguntassem qual foi o autor que conseguiu colocar em palavras a existência – ou a não existência – dessas criaturas de forma mais perfeita com certeza a resposta seria Anne Rice.

“O vampiro Lestat” é o segundo livro da série de crônicas vampirescas de Rice, mas eu não recomendaria o primeiro, “Entrevista com o Vampiro”, nem ao meu pior inimigo. Esse livro é um clássico, daqueles que você lê um pouco por obrigação. No entanto, o personagem principal desse, o Louis, é a rainha do drama, com seus questionamentos infinitos se balançando no canto de salas escuras em posição fetal. É o típico personagem que te dá vontade de entrar no livro, dar uns tabefes na cara e brandir ‘VIRE HOMEM! TOME UMA ATITUDE!’, o que é uma infelicidade, pois ele é essencial para que você entenda o segundo que é, finalmente, “O Vampiro Lestat”.

Depois de você se livrar da crise existencial eterna de Louis, é normal que você tenha um certo preconceito na hora de começá-lo, afinal, é a “autobiografia” de um vampiro que vira estrela do rock... Mas já nas primeiras páginas do livro você esquece completamente disso, de Louis, a rainha do drama, as  salas escuras e o quanto a temática geral da história parece duvidosa.

Você se apaixona por Lestat logo nas primeiras palavras, a visão rica em detalhes que ele lhe oferece da vida e da pós vida é cheia de mistério, sensualidade e romantismo, mesmo com toda as suas ações autodestrutivas e inconsequentes. Esse é talvez o mais interessante do livro: Muito mais do que uma história sobre vampiros bonitinhos, “O vampiro Lestat” oferece uma visão filosófica do mundo e da vida que apenas um ‘morto’ poderia nos proporcionar, apenas alguém que está observando a vida de fora. Em uma época de vampiros que brilham e zumbis apaixonados com um gosto musical estranhamente apurado, essa obra é com certeza um ‘banho de água fria’ na forma de tratar criaturas sobrenaturais.

-Ana Marques


Hoje eu (Dana) estou só no comentário, mas em breve vou ter minha própria indicação sobre zumbis para comemorar o mês dos zumbis. ELES SÃO MEUS, NINGUÉM TOCA! O que eu mais gostei desse post é que trouxe criaturas sobrenaturais que às vezes a gente esquece: esqueletos e fantasmas. São até mais sobrenaturais que zumbis e vampiros (que têm suas variações científicas). Já a parte dos vampiros também achei legal porque normalmente sempre falam de "Entrevista com o Vampiro", é bom ver uma visão de uma pessoa jovem que leu. Só não sou do estilo nazista cultural que não aceita variações das criaturas. HUAHA 

Se gostou do post, clica no +1 do google abaixo e/ou deixa seu comentário! Qual sua criatura sobrenatural preferida?

TAGS: , , , , , , , , , , , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

6 comentários

  1. Hoje mesmo eu estava ouvindo um podcast falando dos livros da Anne Rice, eu ainda não li, mais minha curiosidade está no nível máximo, eu preciso ler já.
    Eu amo a série A Mediadora, sou suspeita para falar por que amo a Meg, eu adoro o jeito sarcástico da Suzannah, e como ela enfrenta o perigo, e as situações hilárias que aparecem, até hoje não esqueço o sumagre venenoso.
    A outra série eu não conhecia, mas parece bem legal.

    Bjks

    ResponderExcluir
  2. Oi :D

    Primeiro de tudo: HAPPY HALLOWEEN o/ Espero que ganhem muitos doces *o* -n Bem, aproveitem as festas de Halloween e tal, UAHUAH. (:

    Fazia tempo que não tinha um post dessa coluna aqui no blog, bom tema de retorno (:
    Dos livros que vocês indicaram, só tinha ouvido falar do Sr. Ardiloso Cortês (acho que vi um post do Paulo sobre a série no NUPE)... os outros eu não conhecia ainda. Mas achei todos muito interessantes.

    O problema é que os dois primeiros livros são séries, e estou tentando evitar isso, já que eu fico viciado fácil e começo a comprar todos. Também, às vezes não acho um volume por um preço bom e entro em desespero (está acontecendo com "Os Dias Escuros", estou à beira da loucura). Mesmo assim vou ver se consigo algum dos livros pra ler (: quem sabe não levo a coleção inteira por um preço legal, ou ganho numa promoção (acabei de participar de uma valendo "A Mediadora"!) por aí...

    Obrigado pelas indicações :D E parabéns pelo post, muito bem elaborado :)
    Agora vou tomar banho (correndo, aliás, estou meio atrasado) e ir pra festa de Halloween do curso de inglês... espero que seja divertido, nunca fui numa festa do tipo. Enfim. Até mais o/




    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei, Paulo! Como eu já devo ter deixado suficientemente claro no post (rs!)essa série de Crônicas Vampirescas da Rice são de longe os melhores livros de vampiros escritos desde que o Drácula começou a assombrar as páginas dos livros. Então não hesitaria em dizer 'VÁ LOGO LER OS LIVROS GAROTO! E SÓ VOLTE AQUI QUANDO TERMINAR TODOS!' Mas se você está com problemas em comprar os livros é melhor pensar duas vezes. Por se tratar de uma escrito ótima e uma série clássica os preços dos livros ficam lá em cima... Mas você sempre pode encontrar alguma promoção marota (principalmente no submarino!), então, na primeira oportunidade que tiver, leia todos! Agora, sobre A Mediadora, por não se tratar de um livro exatamente novo, e os pobres fantasmas estarem sendo deixados um pouco de lado ultimamente (mesmo que eu ache o Jesse o fantasma mais atraente da história da morte!), os preços estão bem acessíveis, e já estão vendendo uns box lindosssssssssss que estão sempre na promoção... Fico feliz que tenha gostado do post (:
      Até mais, Ana.

      Excluir
  3. Ah, sr. ardiloso cortês está na minha lista, fiquei mais empolgada ainda agora. A série a mediadora eu li alguns anos atrás e gostei bastante! Mas o Lestat, ah o Lestat! Eu fui dessas que foi completamente enganada pelo Louis e acabei meio que odiando todo mundo no primeiro livro, mas tinha comprado o 1º e o 2º juntos e lembro de ter ficado meio p*** e não querer lê o vampiro Lestat, mas fui lá, li e foi tipo: WOW!
    É beeeem melhor que o primeiro! E pensar que eu quase não continuava a série!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu acho que a Anne foi muito corajosa quando transformou 'entrevista com o vampiro' no primeiro livro da série. Quando eu li também senti vontade de dar com a cabeça na parede, queimar o livro e procurar um terapeuta. Mas como sou completamente obcecada por séries, quando começo, tenho que terminar. Seria perfeitamente aceitável que "O vampiro Lestat" fosse o primeiro livro das crônicas, e Entrevista o segundo, na verdade, seria completamente aceitável que o entrevista não existisse!
      Bjs Ana (:

      Excluir
  4. Eu tenho uma vontade imensa de ler Ardiloso Cortês! Parece tão... awesome *O*

    ResponderExcluir

Posts Populares

INSTAGRAM