autora CCLivros

Centro de Treinamento: a origem de Jogos Vorazes

9.3.12Dana Martins


Bem-vindos ao segundo Centro de Treinamento, tributos. Hoje vamos falar da pessoa mais importante de Panem: Suzanne Collins. Aqui você pode descobrir como ela virou escritora (ela só começou a escrever bem tarde!), como foi começar a escrever livros, como ela teve a ideia de criar "Jogos Vorazes" e informações aleatórias. O ideal é que você passe por todos os níveis e conheça a história completa, mas fique livre para circular pelos títulos como quiser e desenvolver o conhecimento que acha mais interessante. 

Alerta: No final você encontra o nome do vencedor do par de ingressos do Centro de Treinamento da sexta passada e uma nova promoção. 


Ao contrário de muitos autores e autoras, Suzanne Collins é tímida. Faz poucas aparições em público, quase nunca dá entrevistas (isso tem mudado com o estrondoso sucesso de “Jogos Vorazes”) e recusa quase toda interação que envolva filmá-la. Pode-se dizer que a autora é – ou melhor, era - praticamente uma desconhecida. Mas entre roteiros de programas infantis e sua vida no anonimato, ela acabou criando um dos bestsellers atuais que deu origem a um dos filmes que mais promete em 2012. Como isso tudo aconteceu?

Tudo começou...

Bem, tudo começou em 1962 quando a autora nasceu, mas aqui vamos falar da carreira dela. Suzanne Collins tem um longo currículo de trabalhos: ela trabalhou na equipe das séries infantis “Clarissa Sabe Tudo” e “The Mystery Files of Shelby Woo” produzidas pelo canal Nickelodeon. Também escreveu (e escreve) diversos episódios para séries infantis, como "O Pequeno Urso" e “Wow! Wow! Wubbzy!”.

A lista completa você pode ver aqui, no Distrito 13. O que importa é que no meio dessa carreira televisiva ela se envolveu na criação de "Generation O!". Foi aí que ela iniciou uma amizade com James Proimos, outro co-criador da série. James foi capaz de ver o talento de Collins para os romances e foi ele que deu a ideia de que ela começasse uma carreira literária. A amizade dos dois se mantém até hoje (Suzanne dedicou “Jogos Vorazes” a ele!) e, atualmente, trabalham juntos em um livro infantil. Então, foi assim que tudo começou. 

Suzanne Collins, escritora

Para quem tinha uma experiência de quase 20 anos escrevendo roteiros, começar o primeiro livro não foi tão fácil. Até hoje (coloque mais uns 10 anos aí), ela afirma que fazer descrições ainda é um desafio. Em suas próprias palavras: “Roteiros são essencialmente diálogos e direções de cena. E então você só precisa confiar no diretor, nos atores e nos designers para trazer detalhes emocionais e físicos para a estória. Mas, em um livro, fica tudo por sua conta. Eu finalmente aceitei que nenhum designer vai entrar e tomar conta das partes descritivas para mim, então tenho que escrevê-las.”
*Nota pessoal/Paulo: Eu só li dois livros mais antigos dela (os dois primeiros da série Gregor), mas, comparando com “Jogos Vorazes”, a diferença na qualidade da escrita é enorme!

Fora "Jogos Vorazes", seu outro trabalho relativamente famoso é "Gregor, O Guerreiro da Superfície". Uma série composta por 5 livros e que até já foi publicada no Brasil pela Galera Record. Uma explicação rápida sobre o livro: Gregor, o personagem-título, tem uma vida difícil. Sua mãe tem que trabalhar em dois empregos para sustentar a família (ele tem duas irmãs mais novas e uma avó em idade avançada) e, para completar, seu pai está desaparecido há dois anos. Só piorando a situação, Gegor cai no duto de ventilação do prédio em que mora e encontra um mundo completamente diferente de Nova York, onde enfrenta aventuras e acaba por virar um herói. Essa sinopse te lembra a história de uma certa menina que cai na toca de um coelho? Pois é, Suzanne teve a idéia para Gregor enquanto pensava em como seria a história de “Alice no País das Maravilhas” se fosse ambientada na atual Nova York*.
*Nota pessoal/Dana: O que me lembra a "como seriam os mitos dos deuses gregos adaptados ao mundo atual"... 

Os livros de Gregor são feitos para um público mais novo do que o de "Jogos Vorazes", mas ainda há muitas semelhanças entre as duas séries (uma hora ainda vamos postar uma boa comparação aqui no CC). Uma dessas semelhanças é justamente pegar elementos de uma época e encaixar em outra. 

Jogos Vorazes: de onde surgiu, como foi escrever...

Suzanne Collins criou "Jogos Vorazes" como uma colcha de retalhos, misturando várias referências e criando algo novo e diferente. 

Para começar, a história que mais ouvimos a autora repetir por aí. "Jogos Vorazes" teve como uma das bases o mito do Teseu e o Minotauro. No mito, Atenas, como punição por ações passadas, tinha que enviar periodicamente sete rapazes e moças a Creta, onde eles eram jogados no Labirinto e devorados pelo monstruoso Minotauro. Em uma dessas vezes, Teseu, que era filho do rei, se candidatou para ir. 

Além da referência clara (24 tributos indo para a arena, uma punição para os distritos...), de acordo com a própria Suzanne, a protagonista da série, Katniss, é como um Teseu futurista. 

Mas não termina aí, Suzanne Collins também encontrou bases na Roma Antiga. Preste atenção em alguns trechos retirados do Wikipédia sobre gladiadores (escravos obrigados a lutar): "eles se enfrentavam para entreter o público", "só terminava quando um deles morria" e "faziam parte da política pão e circo". E, para quem não sabe, foi da política do pão e circo que surgiu o nome do "país" onde tudo acontece, Panem. "Pão e circo" vem do latim "panem et circenses"* (ou "panis et circenses"). 
*A política do pão e circo em inglês também é chamada de "pão e jogos" (bread and games). Os jogos são justamente as lutas entre os gladiadores. 

Conforme a história foi se desenvolvendo (principalmente em "Em Chamas" e "A Esperança"), Suzanne percebeu que Katniss era mais do que um Teseu futurista. Novamente olhando para a Roma Antiga, ela falou em uma entrevista que para a trilogia a figura de Espártaco (ou Spartacus, tem até uma série sobre ele) se transformou mais no modelo de Katniss. 
"Nós não sabemos muito sobre a vida dele, mas existiu um homem chamado Espártaco que foi um gladiador que saiu da arena e liderou uma rebelião contra um governo opressor"
Outra inspiração dela também é interessante. E sabe quando a autora teve esse insight? Assistindo televisão! Bem, um belo dia Suzanne resolveu zapear entre os canais de televisão e eis que ela passa de um reality show para imagens da Guerra do Iraque. Ela imaginou como seriam os dois juntos e teve a idéia de... UM REALITY SHOW ONDE AS PESSOAS SE MATAM. Pois é.

As imagens aqui usadas são do Fame Suzanne Collins, uma graphic novel sobre a vida da autora.

Para quem conhece a autora, sabe que é filha de um veterano na Guerra do Vietnã e que seu pai sempre contou histórias de guerra para os filhos. Foram essas histórias e o próprio pai que influenciaram em boa parte do que acontece nos livros. Antes dele morrer, ela até discutia sobre as táticas de guerra aplicadas em "Gregor, o Guerreiro da Superfície" com ele. Em "Jogos Vorazes", não é diferente. Apesar de não haver a presença física do pai, há vários detalhes que ela buscou nos ensinamentos dele. Como ele cresceu na época da Grande Depressão, chegou a caçar para ter comida em casa e conhecia sobre plantas próprias para alimentação. 
*Não parece com o pai da Katniss? 

Além disso tudo, para criar os livros também houve um longo processo de pesquisa (que inclui a leitura de vários guias de sobrevivência). 

Informações aleatórias e curiosidades

Agora vamos falar de um elemento que é intrínseco às histórias de “Jogos Vorazes” e “Gregor, o Guerreiro da Superfície”: a guerra. Alguns críticos e até mesmo leitores se perguntam como é que esses podem ser livros para jovens se tratam desse assunto, como se fosse um absurdo. Mas não é. A ideia da Suzanne é justamente essa: falar de guerra para crianças. Desde que a própria escritora era uma, ela e seus irmãos ouviam histórias sobre a guerra. Suzanne afirma que o que ela escreve é perfeitamente aceitável para cada faixa etária, ela fala sobre a guerra e encaixa o seu protagonista – que é da mesma idade do público alvo – e os transforma em parte importante da guerra. A autora defende que é necessário que os leitores venham carregando conhecimentos de guerra para o maior entendimento e do que acontece no mundo.
"O interesse principal de Suzanne é 'o que é uma guerra justa?'. Ela tem uma preocupação especial com os efeitos da guerra em uma pessoa." - dito em uma entrevista por Kate Egan, editora dos livros.
Quando perguntaram para ela por que ela decidiu fazer "Jogos Vorazes" para um público mais velho do que o de Gregor, ela respondeu que não dependia do público, mas sim do assunto a ser tratado. Nos próprios livros de Gregor, conforme a série avança, os temas vão ficando mais sérios porque os leitores que estão acompanhando já criaram uma base.

Uma coisa curiosa a comentar sobre Collins é que ela nunca foi envolvida em um grande processo de plágio – diferente de J. K. Rowling e Stephenie Meyer. Há, sim, muitas comparações entre "Jogos Vorazes" e "Battle Royale", que compartilham de eixos muito parecidos, mas a própria autora desconhecia o segundo até entregar o manuscrito e perguntarem se ela havia se inspirado em "Battle Royale". Até hoje ela não leu o livro, nem o mangá e nem assitiu o filme de "Battle Royale". 

Desde o início a autora apoiou e acompanhou a produção da adaptação de "Jogos Vorazes". Fez uma versão do roteiro (sorte a nossa que ela também é roteirista, né?), acompanhou as próximas versões, esteve na escolha dos principais atores e participou tanto quanto possível da criação do filme. Recentemente ao assistir deixou uma mensagem para os fãs expressando seu contentamento com o resultado. 

Suzanne Collins recebeu diversos prêmios por seus livros, que você pode ver aqui

Comentários finais

Queríamos colocar muito mais aqui, porque encontramos entrevistas e informações realmente boas. Então sugerimos que leiam: em inglês, essa entrevista*, essa e essa. E em português essa, essa e essa. Vale muito a pena para ter uma ideia geral de como ela escreveu, como para ela é "ser autora"...
*Se alguém souber dessas em português, nos avise. E essa primeira é a minha preferida. :)

Promoções: 
E o vencedor do primeiro par de ingressos do Centro de Treinamento é... Rachel Sena, veja o que você tem que fazer aqui.

Se você não ganhou, não fique triste! Temos muito mais para sortear por aqui. No momento, temos outra rolando no twitter até quarta. E agora liberamos mais uma promoção: outro par de ingressos para a promoção da pré-estreia de Jogos Vorazes no Rio de Janeiro (dia 22, 8:30, Downtown). 

Para participar:
- Seja um seguidor do blog ali na esquerda via Google Friend Connect.
- Comente nesse post falando do texto (comentários simples do tipo "tá lindo" não vão ser aceitos) e avise que quer participar.
- Deixe o seu email e o seu nome de seguidor.
- E não esqueça de fazer tudo isso, ou será desclassificado. :/

OBS: estamos procurando tributos interessados em dar um "depoimento" sobre a série, mande um email para conversacult@gmail.com se você quiser participar com o título "Sou voluntário". Os participantes terão chances extras na promoção do box da trilogia que entrará em breve. 

TAGS: , , , , , , , , , , , ,

Mostre para o autor o que você achou Recomende:

MAIS CONVERSAS QUE VOCÊ VAI GOSTAR

33 comentários

  1. Apesar de ser uma grande fã da série nesse post tem varias informações que eu não sabia , achei muito legal falarem sobre como a autora teve a ideia de JV . gostei muito , estão de parabéns !
    Quero participar :)
    Brunna / brunna_rr@hotmail.com

    ResponderExcluir
  2. Que bacana, eu não sabia nada sobre ela. Sempre tive uma pequena curiosidade para ler jogos vorazes, mas por causa do filme decidi que seria essa a hora, queria saber como o livro era antes de ver nas telas.

    Já vou comprar Em Chamas e Esperança, que pretendo ler assim que assistir o 1° filme.

    Realmente a Katniss é a Collins. O livro se tornou mais especial ainda, sempre achei linda as lembranças que ela tinha do pai.

    Outra coisa que me agradou foi a linguagem simples, ela não fica se prendendo a detalhes desnecessários de cenário ou personagens, pra mim é tudo na dose certa, o que só torna as 400 páginas mais agradáveis ainda.

    Mas deixa eu parar de falar se não vai virar um post isso aqui hhaha!!

    ResponderExcluir
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  4. Nossa,apesar de já ter lido muitas entrevistas dela descobri coisas novas para mim... E a parte de James Proimos adorei, sempre tive curiosidade de saber que era, imaginava que fosse algum parente...Continuarei acompanhando o Centro de Treinamento...
    email: thalia_lia_lili@hotmail.com

    ResponderExcluir
  5. Ahhh, adorei saber sobre a vida da Suzanne *-* Nem sabia que tinha uma graphic novel falando especialmente da sua carreira, mas também, ela merece. Fiquei bastante espantada com o tanto de informação que ela teve que adquirir para escrever a trilogia de Jogos Vorazes. E realmente, valeu a pena. Livro melhor do que aquele ainda li. Adorei o post!

    Natalia Leal
    natysleal@hotmail.com
    @PaginasEBlog
    http://www.paginas-encantadas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Apesar de ter lido os três livros, eu não sabia nada sobre a escritora. Super legal!!! Eu, particularmente, achei o terceiro livro com um tom mais adulto, principalmente pelas escolhas da protagonista e por suas perdas tb.

    ResponderExcluir
  7. Nossa! Adorei o post!
    Até porque a única coisa que eu sabia era que ela teve a ideia a partir da mudança de canais entre o canal de guerra e o de reality show!
    Nem imaginava que ela era filha de um veterano de guerra.
    Gostei muito de saber da história do surgimento dos livros! Concordo até com ela nessa base de mostrar aos jovens sobre a guerra e o que ela é.
    Gostaria muito de participar da promoção, pois, infelizmente não ganhei a outra :,(.
    Estou de dedos cruzados e entusiasmado com o resultado dessa vez! XD
    Espero que eu ganhe!!
    Que a sorte esteja sempre ao seu [E AO MEU] favor! ;)

    ResponderExcluir
  8. Nossa! Adorei o post!
    Até porque a única coisa que eu sabia era que ela teve a ideia a partir da mudança de canais entre o canal de guerra e o de reality show!
    Nem imaginava que ela era filha de um veterano de guerra.
    Gostei muito de saber da história do surgimento dos livros! Concordo até com ela nessa base de mostrar aos jovens sobre a guerra e o que ela é.
    Gostaria muito de participar da promoção, pois, infelizmente não ganhei a outra :,(.
    Estou de dedos cruzados e entusiasmado com o resultado dessa vez! XD
    Meu e-mail é: l.felippe@hotmail.com e meu nome e seguidor é Luiz Felippe.
    Espero que eu ganhe!!
    Que a sorte esteja sempre ao seu [E AO MEU] favor! ;)

    ResponderExcluir
  9. AHAHAHHAA CLARISSA SABE TUDO!!! Eu via essa série e adorava! :D Sabia de algumas coisas escritas aí, mas nem tudo :)
    Quero participar da promoção e mais ainda ganhar hehe o/
    email: tmrosinha@hotmail.com
    nome é Thaís M.*

    ResponderExcluir
  10. Post ótimo, com certeza!

    Cheio de curiosidades e esclarecimentos, gosto disso. Eu não fazia ideia de que a Antiguidade era a principal fonte de inspiração dela, mas agora, de fato, tudo faz sentido. Fico até me sentindo lesada de não ter percebido antes.
    Assim como ela, nunca tinha ouvido falar de Battle Royalle antes, só descobre que isso existia por causa de Jogos Vorazes e as comparações. Mas ainda assim, não li nem livro nem mangá e não assisti ao filme.

    Parabéns pelo trabalho de pesquisa para o post!
    Quero participar da promoção!!

    e-mail: ufrj.renata@gmail.com
    Nome de seguidor: Renata Alves

    Beijos!

    ResponderExcluir
  11. Gostei bastante desse post!
    É por isso que Jogos Vorazes é uma série tão boa! Misturando mitologia grega, Império Romano, Guerra do Iraque e Reality Show, não tinha como dar errado. Junte tudo isso com o talento de Suzanne, fica perfeito, exatamente como Jogos Vorazes é!
    MUITO BOM post, porque esclarece todas as dúvidas para quem ainda não sabia o processo de criação da série - como eu. Para ser honesto, não sabia nada da vida da autora, só que ela tinha escrito uma das melhores sagas dos últimos anos. Obviamente, o fato da Suzanne ser roteirista e ter contribuído no roteiro do filme, é uma segurança maior de que será bom, né?!
    Eu já ouvi falar de Battle Royalle, mas dúvido que seja tão bom assim, viu?! Se fosse, possivelmente seria mais conhecido e teria feito mais sucesso. Mas também não é relevante, porque no final das contas eu acho que Jogos Vorazes é excelente de qualquer jeito.

    Tô participando dessa promoção e tô torcendo aqui para ganhar.
    E-mail: ptkfonseca@gmail.com
    Nome de seguidor: Patrick Fonseca

    Abraço!

    ResponderExcluir
  12. Fui pesquisar sobre a história de Jogos Vorazes quando li o primeiro livro da série, mas foi interessante ler um pouco sobre a Suzanne Collins no post e ver de onde saiu toda essa aura caótica e guerra. Não sabia que ela era uma roteirista experiente, talvez isso explique a riqueza de descrição.

    Quero participar da promoção também, tô louca para ver o filme logo!
    Nome de seguidor: Geovanna Giannini
    E-mail: gege.giannini@gmail.com

    ResponderExcluir
  13. Nossa, quanta coisa que eu não sabia hahah
    é impressionante ver a quantidade de referências que a Suzanne Collins juntou pra escrever 'Jogos Vorazes' e como ela adapta a guerra para pessoas mais jovens. Adorei saber mais sobre a vida dela porque nao sabia praticamente nada ate agora.

    Quero participar da promoção.
    email: lorennaa_loora@hotmail.com
    nome de seguidor: Lorenna Delphim

    ResponderExcluir
  14. Nossa, aprendi varias coisas agora que eu não sabia :) Parabéns mais uma vez *--*

    Abraços !!

    ResponderExcluir
  15. Adorei conhecer mais sobre a Suzanne Collins, realmente é magnífico os resursos que Collins usou para escrever Jogos Vorazes, o jeito que ela torna um assunto tão polémico mais maduro para uma coisa em que os jovens se divertem ao ler a trilogia. Realmente, confesso que não sabia muito sobre a Collins, mas esse texto me ajudou bastante! Parabéns pelo belíssimo trabalho!
    Louise. (louise-franca@hotmail.com)

    ResponderExcluir
  16. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  17. A Suzanne era exatamente como eu imaginei um guerreira ela é incrivel, uma historia madura mas que conseguiu prender a maioria dos jovens,eu não sabia de tudo que ela passou, mas aprendi, o trabalho dela é magnifico e eu admiro muito, ela esta brilhando por merecimento, unica sz

    (Thaisa - thaisa_potteriana@hotmail.com)

    ResponderExcluir
  18. Outro ótimo texto. Eu acho interessante a abordagem que a Suzanne faz do que seria de fato uma guerra, e as consequências desta em uma pessoa. No caso da Katniss, é 'somente' um turbilhão de sentimentos né. A coitada quer salvar a tudo e todos, mas não há como, então é como se ela entrasse em conflito consigo mesmo o tempo todo, e eu acho isso fascinante.

    Pedro Henrique da Silva Sampaio - pedro_hdss@hotmail.com

    ResponderExcluir
  19. Acho o fato da Suzanne ser reservada muito incrível.Ela é a criadora disso.De toda essa comoção e sucesso e mesmo assim não se aproveita disso pra aparecer na mídia.
    Ela é um escritora,não uma popstar.
    Adorei ler informações sobre as fontes do qual Suzanne "bebeu" pra criar o livro.

    Quero participar da promoção:
    Bah @Bah_Howard - missxrossx@hotmail.com

    ResponderExcluir
  20. Interessantissimo saber como ela trabalhou pra formar a história dos jogos. Faasccinante

    ResponderExcluir
  21. Eu acho que o mais interessante no jogos vorazes não foi nem só as batalhas e os jogos em si,mas essa coisa de mostrar com a guerra é vista por cada um. Nós vemos as pessoas que se afetam nessa guerra (os distritos mais pobres), e dentro desses distritos pobres as pessoas que estão mais preocupadas em manter a família com "comida na mesa",(como a Katniss no primeiro livro que fala numa parte do livro, que respeitava a revolta do Gale, mas que não via como isso sustentaria as famílias deles), as pessoas que nem o Gale que sentem ímpeto de se rebelar,mas que não sabem como começar. Também mostra os não afetados na guerra (os distritos ricos), em que as pessoas são criadas nesse ambiente e não entendem a desigualdade da situação (tipo a equipe da Katniss), ou os carreiristas. E mostra tb uma coisa que é dita em outro livro distópico, 1984, em que um líder conta com a classe mais baixa para derrubar a mais alta que é opressora,mas que quando chega ao poder,também se torna opressor (no caso a presidente coin no terceiro livro). É muito interessante

    ResponderExcluir
  22. Gostei de saber sobre a Suzanne. Aguardo ansiosamente o post sobre as comparações com Gregor.

    ResponderExcluir
  23. Muito legal a historia dela.. Mulheres em rumo ao topo!

    ResponderExcluir
  24. Nossa...amei muitoo...
    Não sabia absolutamente nada sobre ela...é bom ter mais esse conhecimento...
    Acho a Suzanne Collins uma mulher muito talentosa...
    E uma escritora muito peculiar...
    Muitas pessoas morreriam para escrever como ela...
    Boom...
    Quero participar da promoção...
    Beatriz Silva Lima / belissima_08lima@hotmail.com

    ResponderExcluir
  25. É sempre muito interessante saber mais da vida dos escritores! Acho ótimo saber o que inspirou a história, porque muitas vezes me faz procurar mais sobre essa fonte de inspiração, e cultura nunca é demais! (:

    Talvez eu leia esse outro livro dela, parece bom!

    Quero participar da promoção! Maria Luiza Santos / marialu_1992@hotmail.com

    ResponderExcluir
  26. people, vocês arrasaram nesse post.
    Eu fiz um comentário gigantesco , e o bloguer apagou depois que errei as letrinhas 1972389129 vezes kkkkkkkkkkkk
    enfim, não conhecia sobre a autora, mas amei saber sua biografia completinha. Interessante observar o que a motivou a criar um mundo distópico com tanta riqueza de detalhes.
    bjos

    ResponderExcluir
  27. Uau! Eu não sabia basicamente nada da Suzanna, achei o texto muito informativo. Deu para notar no livro que ela não é extremamente detalhista nas descrições e eu sempre tive curiosidade sobre o motivo. Legal finalmente saber qual era. Eu nunca imaginei que a Suzanne estava envolvida em Generation o!, eu adorava esse desenho. E a parte qe relaciona com mitologia grega realmente me surpreendeu, eu não sabia dessa base de jogos vorazes. Me faz ter mais respeito ainda pela série e sua criadora.

    Elisa Maghelly/ el.maghelly@gmail.com

    ResponderExcluir
  28. Adorei, cara tanta coisa aqui que não sabia, eu realmente estou apaixonada pelos livros e pela historia.
    Ihanna Sampaio/naninha_mdg@hotmail.com

    ResponderExcluir
  29. Amei!!!
    Tem muitas coisas aqui que eu nem fazia idéia!!!
    A única coisa que eu sabia sobre Suzanna era que ela escreveu os livros...Só isso...rsrsrsrs..Agora estou bem informada!!!

    Driely Meira/driely.meira@hotmail.com

    ResponderExcluir
  30. Realmente eu antes não tinha nenhuma noção sobre jogos vorazes depois desse post eu começei a ler os livros da trilogia online e já estou no terceiro livro...

    ResponderExcluir
  31. Nossa dps desse post quero ler os livros mais ainda!

    ResponderExcluir
  32. eh muito legal bem que podiam fazer jogos vorazes a origem descobrir os primeiro ganhador e os primeiros tributos

    ResponderExcluir
  33. Seu trabalho é fantástico, valeu mesmo por postar aqui! Suzanne é fantástica!
    Ps: Já li BR, e não gostei muito. O filme é muito ruim, parece todo mundo em pânico só que com muito sangue.

    ResponderExcluir

Posts Populares

INSTAGRAM


Instagram

FALE COM A GENTE!

Nome

E-mail *

Mensagem *